Estudo de Caso: Um Projeto de Inovação Social com Crianças em Situação de Vulnerabilidade na Serra Gaúcha Outros Idiomas

ID:
57300
Periódico:
Resumo:
O Projeto Mão Amiga, desenvolvido na cidade de Caxias do Sul, Rio Grande do Sul, caracteriza-se por não ter fins lucrativos, sendo coordenado por uma equipe de voluntários que possuem o objetivo de encaminhar crianças em vulnerabilidade social para creches da cidade. Diante disso, este artigo pretende analisar se o Projeto Mão Amiga pode ser considerado uma inovação social. Para isso, foi utilizada uma abordagem qualitativa, de natureza exploratória, empregando-se como estratégia o estudo de caso. A técnica usada para a coleta de dados foi entrevista com roteiro semiestruturado, contendo questões abertas direcionadas aos gestores do projeto e às duas secretárias. Já a análise dos dados foi realizada mediante a análise de conteúdo, com o auxílio do Software NVivo®, versão 11, para o tratamento dos dados. A partir da análise, concluiu-se que o projeto estudado atende às características de uma inovação social, apresentando atributos como a formação social dos indivíduos e a preocupação com a resolução de problemas sociais por meio de ações voluntárias.
Citação ABNT:
CHAIS, C.; BETTEGA, J. J.; MIRI, D. H.; MATTE, J.; WELCHEN, V.; GANZER, P. P.; OLEA, P. M. Estudo de Caso: Um Projeto de Inovação Social com Crianças em Situação de Vulnerabilidade na Serra Gaúcha. Desafio Online, v. 8, n. 1, p. 48-67, 2020.
Citação APA:
Chais, C., Bettega, J. J., Miri, D. H., Matte, J., Welchen, V., Ganzer, P. P., & Olea, P. M. (2020). Estudo de Caso: Um Projeto de Inovação Social com Crianças em Situação de Vulnerabilidade na Serra Gaúcha. Desafio Online, 8(1), 48-67.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/57300/estudo-de-caso--um-projeto-de-inovacao-social-com-criancas-em-situacao-de-vulnerabilidade-na-serra-gaucha/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Agostini, M. R; Vieira, L. M.; Tondolo, R. R. P.; Tondolo, V. A. G. (2015). An overview on social innovation research: antecedents and trends. In: 14th International Congress of IAPNM, Vitória.

Alter. N. (2000). L’Innovation Ordinaire. Paris: Presses Universitaires de France.

Bardin, L. (2010). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bignetti, L. P. (2011). As inovações sociais: uma incursão por ideias, tendências e focos de pesquisa. Ciências Sociais Unisinos, São Leopoldo, v. 47, n. 1, p. 3-14.

Boullosa, R. de F.; Schommer P. C. (2008). Limites da Natureza da Inovação ou Qual o Futuro da Gestão Social? XXXII En. Anpad, Rio de Janeiro.

Damanpour, F.; Gopalakrishnan, S. (2011). The dynamics of the adoption of product and process innovations in organizations. Journal of Management Studies, v. 38, p. 45-65.

Diogo, V. (2010). Dinâmicas de Inovação Social e suas Implicações no Desenvolvimento Espacial: uma abordagem a três iniciativas do Terceiro Sector no Norte de Portugal. Actas do XII Colóquio Ibérico de Geografia, Porto: Faculdade de Letras (Universidade do Porto).

Franciscato, C. E. (2014). Inovações tecnológicas e transformações no jornalismo com as redes digitais. Revista GEINTEC. São Cristóvão, SE, v. 4, n. 4, p.1329-1339.

Gibbs, G. R. (2009). Análise de dados qualitativos. Porto Alegre: Bookman.

Herrera, M. E. B. (2015). Creating competitive advantage by institutionalizing corporate social innovation. Journal of Business Research, v. 68, n. 7, p. 1468-1474.

Jimenez-Jimenez, D.; Sanz Valle, R. C. (2008). HRM support organizational innovation. The International Journal of Human Resources Management. July.

Kolk, A.; Lenfant, F. (2015). Partnerships for peace and development in fragile states: Identifying missing links. Academy of Management Perspectives, v. 29, n. 4, p. 422437.

Maak, T.; Pless, N. M.; Voegtlin, C. (2016). Business statesman or shareholder advocate? CEO responsible leadership styles and the micro‐foundations of political CSR. Journal of Management Studies, v. 53, n. 3, p. 463-493.

Mão Amiga. (2018). Associação Projeto Mão Amiga. Disponível em: Acesso dia 20 de outubro de 2018.

Mirvis, P. et al. (2016). Corporate social innovation: How firms learn to innovate for the greater good. Journal of Business Research, v. 69, n. 11, p. 5014-5021.

Murray, R.; Mulgan, G.; & Caulier-Grice, J. (2008). How to Innovate: The tools for social innovation. Retrieved April, 28, 2012.

OECD. (2005). Manual de Oslo. Proposta de Diretrizes para Coleta e Interpretação de Dados sobre Inovação Tecnológica. FINEP, 3 ed.

Salamon, L. M. Sokolowski, W.; Haddock, M. A. (2011). Measuring the Economic Value of Volunteer Work Globally: concepts, estimates, and a roadmap to the future. Annals of Public and Cooperative Ecnonomics, v. 82, n. 3, p. 217-252.

Sirieix, L.; Lala, J.; Kocmanová, K. (2017). Understanding the antecedents of consumers' attitudes towards doggy bags in restaurants: Concern about food waste, culture, norms and emotions. Journal of Retailing and Consumer Services, v. 34, p. 153-158.

Sun, S. L.; Im, J. (2015). Cutting Microfinance Interest Rates: An Opportunity Co–Creation Perspective. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 39, n. 1, p. 101-128.

Tenório, F. G. (2004). Tem razão a administração? Ensaios de teoria organizacional e gestão social, Ijuí: Unijuí.

Voorberg, W. H.; Bekkers, V. JJM; Tummers, L. G. (2015). A systematic review of cocreation and co-production: Embarking on the social innovation journey. Public Management Review, v. 17, n. 9, p. 1333-1357.

Yin, R. K. (2014). Estudo de Caso: planejamento e métodos. São Paulo, 5. ed. Bookman.