Valores Culturais, Reputação e Governança das Empresas Preferidas pelas Mulheres Brasileiras Outros Idiomas

ID:
57673
Resumo:
Considerando que cada empresa traz consigo, explícita ou implicitamente, seus valores culturais, que podem atrair as mulheres para seu ambiente de trabalho, este estudo tem o objetivo de analisar os valores culturais organizacionais adotados pelas empresas preferidas pelas mulheres brasileiras e suas relações com a reputação e a governança corporativa. Adicionalmente, verifica-se possíveis associações entre os valores culturais e as características das empresas, comparando-se os valores culturais entre as empresas com reputação corporativa e as demais, e entre aquelas que adotam princípios de governança corporativa e as demais. O trabalho diferencia-se por analisar, numa mesma investigação, os construtos valores culturais, reputação e governança corporativas. Além da análise qualitativa das informações, o estudo utiliza técnicas de estatística descritiva e inferencial para a análise quantitativa dos dados. Dentre as empresas preferidas pelas mulheres brasileiras, a dimensão cultural respeito, com seu valor cultural desenvolvimento, foi a mais presente nas empresas investigadas. Verificou-se que as empresas adeptas de princípios de governança corporativa registram uma quantidade de valores culturais superior à das demais, assim como foi possível identificar associação entre as variáveis valores culturais e governança corporativa.
Citação ABNT:
CAVALCANTE, D. S.; TEODÓSIO, I. R. M.; LUCA, M. M. M. Valores Culturais, Reputação e Governança das Empresas Preferidas pelas Mulheres Brasileiras . Revista Organizações em Contexto, v. 15, n. 30, p. 159-187, 2019.
Citação APA:
Cavalcante, D. S., Teodósio, I. R. M., & Luca, M. M. M. (2019). Valores Culturais, Reputação e Governança das Empresas Preferidas pelas Mulheres Brasileiras . Revista Organizações em Contexto, 15(30), 159-187.
DOI:
http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v15n30p159-187
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/57673/valores-culturais--reputacao-e-governanca-das-empresas-preferidas-pelas-mulheres-brasileiras-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ADAMS, R.B.; FERREIRA, D. Women in the boardroom and their impact on governance and performance. Journal of financial Economics, v. 94, n. 2, p. 291-309, 2009.

ANDRADE, A.; ROSSETTI, J. P. Governança corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

BANDEIRA, M. T. S. S.; GÓIS, A. D.; DE LUCA, M. M. M.; VASCONCELOS, A. C. Reputação corporativa negativa e o desempenho empresarial. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 24, n. 9, p. 72-83, 2015.

CAIXETA, C. G. F; LOPES, H. E. G.; BERNARDES, P.; CARDOSO, M. B. R.; CARVALHO NETO, A. M. Reputação corporativa e desempenho econômico-financeiro: um estudo em cinco grandes grupos empresariais brasileiros. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, v. 1, n. 9, p. 86-109, 2011.

CALEGARI, I. P.; GONÇALVES, R. S.; SERRANO, A. L. M.; RODRIGUES, J. M. Efeitos da reputação corporativa no custo de capital próprio em empresas brasileiras listadas. Revista Universo Contábil, v. 12, n. 1, p. 178-98, 2016.

CAMERON, K. S.; QUINN, R. E. Diagnosing and changing organizational culture. San Francisco: Jossey-Bass, 2006.

CASAVECHIA, C.; MEDEIROS, C. R. de O.; VALADÃO JÚNIOR, V. M. Manifestações culturais na perspectiva da integração: construindo um holograma. Revista Eletrônica Gestão e Sociedade, v. 5, n. 12, p. 216-35, 2011.

CAVAZOTTE, F. S. C. N.; OLIVEIRA, L. B.; MIRANDA, L. C. Desigualdade de gênero no trabalho: reflexos nas atitudes das mulheres e em sua intenção de deixar a empresa. Revista de Administração, v. 45, n. 1, p. 70-83, 2010.

CERIBELI, H. B.; CERIBELI, M. C. B.; FERREIRA, F. J. R. Análise da qualidade de vida no trabalho sob a perspectiva das diferenças entre gêneros. Reuna, v. 21, n. 3, p. 5-24, 2016.

CHUN, R. Corporate reputation: meaning and measurement. International Journal of Management Reviews, v. 7, n. 2, p. 91-109, 2005.

DEMO, G.; FERNANDES, T.; FOGAÇA, N. A Influência dos Valores Organizacionais na Percepção de Políticas e Práticas de Gestão de Pessoas. REAd. Revista Eletrônica de Administração, v. 23, n. 1, p. 89-117, 2017.

DUTRA, R. S.; PARENTE, P. H. N. A Governança Corporativa e Desempenho Empresarial: uma análise sob o enfoque da reputação corporativa das empresas brasileiras. RAGC – Revista de Auditoria Governança e Contabilidade, v. 6, n. 26, p. 47-63, 2018.

FÁVERO, L. P. Manual de análise de dados. 1. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2017.

FELDMAN, P. M.; BAHAMONDE, R. A.; BELLIDO, I. V. A new approach for measuring corporate reputation. Revista de Administração de Empresas, v. 54, n. 1, p. 53-66, 2014.

FERREIRA, R. M.; LIMA, S. L. L.; GOMES, A. R. V.; MELLO, G. R. Governança Corporativa: Um Estudo Bibliométrico da Produção Científica entre 2010 a 2016. Revista Organizações em Contexto, v. 15, n. 29, p. 323-42, 2019.

FIELD, A. Descobrindo a estatística usando o SPSS. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FLAMHOLTZ, E. G.; RANDLE, Y. Corporate culture, business models, competitive advantage, strategic assets and the bottom line: theoretical and measurement issues. Journal of Human Resource Costing & Accounting, v. 16, n. 2, p. 76-94, 2012.

FLATT, S.; KOWALCZYK, S. Creating competitive advantage through intangible assets: the direct and indirect effects of corporate culture and reputation. Advances in Competitiveness Research, v. 16, n. 1, p. 13-30, 2008.

FLEURY, M. T. Estórias, mitos, heróis – cultura organizacional e relações de trabalho. Revista de Administração de Empresas, v. 27, n. 4, p.7-18, 1987.

FLEURY, M. T.; FISCHER, R. M. Cultura e poder nas organizações. São Paulo: Atlas,1989.

FREITAS, M. E. Cultura organizacional: grandes temas em debate. Revista de Administração de Empresas, v. 31, n. 3, p. 73-82, 1991.

GORGA, Érica. A cultura brasileira como fator determinante na governança corporativa e no desenvolvimento do mercado de capitais. Revista de Administração, v. 39, n. 4, p. 30926, 2004.

GREYSER, S. A. Advancing and enhancing corporate reputation. Corporate Communications: An International Journal, v. 4, n. 4, p. 177-81, 1999.

GUISO, L.; SAPIENZA, P.; ZINGALES, L. The value of corporate culture. Journal of Financial Economics, v. 117, p. 60-75, 2015.

HARTNELL, C.A.; OU, A. Y.; KINICKI, A. Organizational culture and organizational effectiveness: A meta-analytic investigation of the competing values framework’s theoretical suppositions. Journal of Applied Psychology, v. 96, n. 4, p. 677-94, 2011.

HOOBLER, J. M.; MASTERSON, C. R.; NKOMO, S. M.; MICHEL, E. J. The Business Case for Women Leaders: Meta-Analysis, Research Critique, and Path Forward. Journal of Management, v. 44, n. 6, p. 2473-99, 2016.

IBGC. Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Código das melhores práticas de governança corporativa. 5. ed. São Paulo: IBGC, 2015.

JENSEN, M. C.; MECKLING, W. C. Theory of the firm: managerial behaviour, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, v. 3, n. 4, p. 305-60, 1976.

JURKUS, A. F.; PARK, J. C.; WOODARD, L. S. Women in top management and agency costs. Journal of Business Research, v. 64, n. 2, p. 180-6, 2011.

LEE, J.; ROH, J. J. Revisiting corporate reputation and firm performance link. Benchmarking: An International Journal, v. 19, n. 4/5, p. 649-64, 2012.

LIRA, S. A.; CHAVES NETO, A. Coeficientes de correlação para variáveis ordinais e dicotômicas derivados do coeficiente linear de Pearson. Recie, v. 15, n. 1/2, p. 45-53, 2006.

LIU, Y.; WEI, Z.; XIE, F. Do women directors improve firm performance in China? Journal of Corporate Finance, v. 28, p. 169-84, 2014.

LOPES, E. C.; VALENTIM, M. P.; FADEL, B. Efeitos da cultura organizacional no desenvolvimento dos modelos de governança corporativa. Revista Famecos, v. 21, n. 1, p. 268-86, 2014.

LOVE MONDAYS. As 20 empresas mais bem avaliadas pelas mulheres, 2017. . Acesso em: 4 maio 2017.

LOVE MONDAYS. Sobre o Love Mondays, 2019. . Acesso em: 30 mar. 2019.

MACEDO, M. A. S.; CORRAR, L. J. A. Análise comparativa do desempenho contábil-financeiro de empresas com boas práticas de governança corporativa no Brasil. Revista Contabilidade e Controladoria, v. 4, n. 1, p. 42-61, 2012.

MALHOTRA, N. Pesquisa de marketing. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

MENEZES, R. S. S.; OLIVEIRA, J. L.; DINIZ, A. P. R. Simbolismos de gênero e gestão: uma análise das feminilidades de executivas. Revista de Gestão e Secretariado, v. 4, n. 1, p. 1-22, 2013.

MILLS, A. J. Organization, gender and culture. Organization Studies, v. 9, n. 3, p. 351-69, 1988.

MINADEO, R. Visão Geral sobre Governança Corporativa e Análises de Situações Empresariais Críticas à Luz de seus Eixos Centrais. Revista Organizações em Contexto, v. 15, n. 29, p. 39-67, 2019.

NARDI, P. C. C.; NAKAO, S. H. Impacto da entrada nos níveis diferenciados de governança corporativa sobre a imagem institucional das empresas. Revista Contabilidade Vista e Revista, v. 19, n. 2, p. 85-111, 2008.

NASCIMENTO, S. D. Precarização do trabalho feminino: a realidade das mulheres no mundo do trabalho. Revista de Políticas Públicas, n. Esp., p. 339-46, 2016.

NUNES, T. S.; TOLFO, S. R.; GARCIA, I. S. Valores Organizacionais Declarados e Praticados na Universidade Federal de Santa Catarina. Administração Pública e Gestão Social, v. 10, n. 2, p. 123-35, 2018.

OLIVEIRA, A. R.; GAIO, L. E.; BONACIM, C. A. G. Relações de gênero e ascensão feminina no ambiente organizacional: um ensaio teórico. Revista de Administração da Universidade Federal de Santa Maria, v. 2, n. 1, p. 80-97, 2009.

OLIVEIRA, I. G. S.; CARDOSO, S. P.; DIAS, R. S.; BORGES JUNIOR, P. Influence of Female Boardroom Presence on Firm Value: An Analysis on Companies Listed on B3. Revista de Negócios, v. 23, n. 3, p. 49-57, 2018.

PAULA, P.; STEFANO, S. R.; ANDRADE, S. M.; ZAMPER, M. A. Clima e cultura organizacional em uma organização pública. Gestão & Regionalidade, v. 27, n. 81, p. 59-73, 2011.

PETTIGREW, A. M. On Studying Organizational Cultures. Administrative Science Quarterly, v. 2, n. 4, 570-81, 1979.

PIRES, J. C. S.; MACEDO, K. B. Cultura organizacional em organizações públicas no Brasil. Revista de Administração Pública, v. 40, n. 1, p. 81-105, 2006.

POUND, J. The promise of the governed corporation. Harvard Business Review on Corporate Governance, From the march-april issue. p. 79-104, 1995.

RINDOVA, V. P.; WILLIAMSON, I. O.; PETKOVA, A. P. Being good or being known: an empirical examination of the dimensions, antecedents, and consequences of organizational reputation. Academy of Management Journal, v. 48, n. 6, p. 1033-49, 2005.

ROBERTS, P. W.; DOWLING, G. R. Corporate reputation and sustained superior financial performance. Strategic Management Journal, v. 23, n. 12, p.1077-93, 2002.

RODRIGUES, M. M. M.; PÉREZ, B. E. Does the institutional environment affect CSR disclosure?The role of governance. Revista de Administração de Empresas, v.56, n.6, p. 641-54, 2016.

SALVAGNI, J.; CANABARRO, J. Mulheres líderes: as desigualdades de gênero, carreira e família nas organizações de trabalho. Revista de Gestão e Secretariado, v. 6, n. 2, p. 88-110, 2015.

SHLEIFER, A.; VISHNY, R. A survey of corporate governance. Journal of Finance, v. 52, n. 2, p. 737-83, 1997.

SILVA JÚNIOR, R. R. da.; JUNQUEIRA, L. R.; BERTUCCI, L. A. A relação entre a adoção das práticas de governança corporativa e a alavancagem financeira das empresas brasileiras do setor energético no ano de 2008. Revista Eletrônica Gestão e Sociedade, v. 3 n. 6, p. 315-34, 2009.

TOMÉ, A. S.; VIEIRA, A. M. Cultura organizacional e formação identitária: um estudo com gerentes do setor bancário. Caderno de Administração, v. 25, n. 2, p. 44-57, 2017.

VASCONCELOS, K. C. A.; MERHI, D. Q.; SILVA JÚNIOR, A.; SILVA, P. O. M. Cultura, liderança e compartilhamento do conhecimento organizacional. Revista de Administração FACES Journal, v. 12, n. 1, p. 13-31, 2013.

VIEIRA, A. M. Cultura organizacional em instituições de ensino: mapeamento e análise descritivo-interpretativa da produção acadêmica (1990-2005). 2007. 237f. Tese (Doutorado em Educação) Universidade Estadual Paulista (UNESP), Marília, 2007.

XU, X.; LI, Y.; CHANG, M. Female CFOs and loan contracting: financial conservatism or gender discrimination? An empirical test based on collateral clauses. China Journal of Accounting Research, v. 9, n. 2, p. 153-73, 2016.