Expansão internacional para a China e seu reflexo no ajustamento internacional do executivo brasileiro expatriado Outros Idiomas

ID:
5799
Resumo:
A busca estratégica por locais com maior vantagem de localização para o desenvolvimento das atividades fez com que algumas empresas do setor calçadista vislumbrassem na China um local favorável para fixação de fábricas e escritórios comerciais. A transferência das atividades para o território estrangeiro possibilita os benefícios inerentes à proximidade com o país escolhido, mas coloca em evidência o desafio de eleger, preparar as pessoas adequadas para a atuação internacional, além de realizar o acompanhamento do desenvolvimento do trabalho dos selecionados no exterior. Sabendo-se que o desempenho da empresa no exterior é influenciado pelo desempenho do indivíduo expatriado e que quanto maior for a diferença da cultura do país de origem com o país em que o indivíduo fixará domicílio, mais difícil é o ajustamento internacional do indivíduo, objetivou-se verificar empiricamente esta questão. Por meio do modelo de Black, Mendehall e Oddou (1991), foram exploradas as percepções de onze executivos brasileiros do ramo calçadista que com a expansão internacional passaram a trabalhar na China. Entre outras constatações, percebeu-se a ausência de orientações prévias vindas da empresa ao expatriado, o empecilho da distância psíquica no ajustamento do indivíduo e a postura reativa dos brasileiros como forma de se ajustar ao meio.
Citação ABNT:
CARPES, A.; SCHERER, F.; DINIZ, D.; BEURON, T. A. Expansão internacional para a China e seu reflexo no ajustamento internacional do executivo brasileiro expatriado. Revista Ibero-Americana de Estratégia, v. 10, n. 3, p. 22-48, 2011.
Citação APA:
Carpes, A., Scherer, F., Diniz, D., & Beuron, T. A. (2011). Expansão internacional para a China e seu reflexo no ajustamento internacional do executivo brasileiro expatriado. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 10(3), 22-48.
DOI:
10.5585/riae.v10i3.1768
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/5799/expansao-internacional-para-a-china-e-seu-reflexo-no-ajustamento-internacional-do-executivo-brasileiro-expatriado/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abicalçados. (2010). Dados do setor calçadista. Recuperado em 27 nov. 2010, de http: //www.sindicalcados-es.com.br/Informa.doc> 2010.

Ali, A. J. (2003). Intercultural Adaptation Among Expatriates Spouses and Children, Tese (Doutorado). Universidade de Groningen, Holanda.

Aprendendo a exportar. Sobre o setor: calçados. Recuperado em 07 jun.2010, de http://www.aprendendoaexportar.gov.br/calcados/frameset_setor_historico.htm.

Baack, D. W.; Baack, D. (2006). Psychic distance: a conceptual framework. Proceeding of the Annual Meeting of the Association of Collegiate Marketing Educators. 2006.

Beckerman, W. (1956). Distance and the pattern of intra-european trade. The Review of Economics and Statistics, v. 28. http://dx.doi.org/10.2307/258863http://dx.doi.org/10.5465/AMR.1991.4278938. 1956.

Black, J. S.; Mendenhall, M.; Oddou, G. (1991). Toward a comprehensive model of international adjustment: an integration of multiple theoretical perspectives. Academy of Management Review, p. 291-317. 1991.

Carpes, A. M.; Velter, A. N.; Scherer, F. L.; Lütz, C. B. (2010). Panorama internacional das publicações em international business: levantamento através da base web of science. Internext, 5(2). 2010.

De Góes, B. B. (2006). Expansão internacional para a china: estudo de caso de uma empresa brasileira. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

De Paula, E. R.; Staub, I. D. (2005). A mineiridade sob o olhar dos executivos expatriados italianos. In: Anais do Encontro da ANPAD, 29. Brasília.

Dunning, J. H. (1988). The eclectic paradigm of international production: a restatement and some possible extensions. Journal of International Business Studies, 19(1). http://dx.doi.org/10.1057/palgrave.jibs.8490372. 1988.

Evans, J.; Mavondo, F. (2002). Psychic distance: the construct and measures. American Marketing Association, 308- 314. 2002.

Guiguet, J. M. S.; Da Silva, J. R. G. (2003). O processo de adaptação dos expatriados e a importância relativa dos aspectos socioculturais. In: Anais do Encontro da ANPAD, 27, São Paulo, 2003.

Homem, I. D. (2005). O ajustamento intercultural de expatriados: um estudo de caso em uma multinacional brasileira do Estado de Santa Catarina. In: Anais do Encontro da ANPAD, 29, São Paulo. 2005.

Homem, I. D.; Tolfo, S. R. (2004). Gestão intercultural: perspectivas para o ajustamento de executivos expatriados. In: Anais do Encontro da ANPAD, 28, Curitiba, 2004.

Johanson, J.; Vahlne, J. E. (1977). The internationalization process of the firm: a model of knowledge development and increasing foreign market commitments. Journal of International Business Studies, 8(1), 23-32. http://dx.doi.org/10.1057/palgrave.jibs.8490676. 1977.

Johanson, J.; Wiedersheim-Paul, F. (1975). The internationalization of the firm: four Swedish cases. Journal of Management Studies, 12(3), 305-322. http://dx.doi.org/10.1111/j.1467-6486.1975.tb00514.x. 1975.

Kubo, E. K. M. (2011). Ajustamento intercultural de executivos expatriados no Brasil. Tese (Doutorado). Fundação Getúlio Vargas, São Paulo.

Lacombe, F. J. (2005). Recursos humanos: princípios e tendências. São Paulo, Editora Saraiva.

Lessa, L. C. C.; Teixeira, L. A. A.; França Filho, G. G. De; Roque, L. M. (2008). Executivos brasileiros expatriados: percepções da nova função e influência da distância psíquica. In: Anais do XXXII Encontro da ANPAD, 32, Rio de Janeiro.

Linnemann, H. (1967). The plan that failed : the united nations development decade and beyond. Institute of Social Studies (ISS). Haarlem: Bohn.

Moran, R. T.; Harris, P. R.; Stripp, W. G. Desenvolvendo organizações globais. São Paulo: Makron Books do Brasil, 1996.

Muritiba, P. M.; Albuquerque, L. G. (2009). Características da gestão estratégica de pessoas para as organizações internacionais. In: Albuquerque, L.G.; Leite, N.P. (Org.). Gestão de pessoas: perspectivas estratégicas. São Paulo, Atlas.

O’grady, S.; Lane, H. (1996). The psychic distance paradox. Journal of International Business Studies, 27(2), 309-333. http://dx.doi.org/10.1057/palgrave.jibs.8490137. 1996.

O’ Sullivan, S. L.; Appelbaum, S. H.; Abikhzer, C. (2002). Expatriate management “Best practices” in Canadian MNC’s: a multiple case study. Career Development International.

Pereira, M. A. F.; Pimentel, F.; Kato, H. T. (2005). Expatriação e estratégia internacional: o papel da família como fator de equilíbrio na adaptação do expatriado.. Revista de Administração Contemporânea, 9(4). 2005.

Sanchez, J. I.; Spector, P. E.; Cooper, C. L. (2000). Adapting to a boundaryless world: a developmental expatriate model. Academy of Management Executive, 14(2). http://dx.doi.org/10.5465/AME.2000.3819309. 2000.

Selvarajah, C. (2003). Expatriate acculturation: linking predeparture experience to initial experience. In: Anais da Small Enterprise Association of Australia and New Zealand 16th Annual Conference, Ballarat, 28.

Swift, J. S. (1999). Cultural closeness as a facet of cultural affinity: a contribution to the theory of psychic distance. International Marketing Review, 16(3), 182-201. http://dx.doi.org/10.1108/02651339910274684. 1999.

Tung, R. L. (1981). Selection and training of personnel for overseas assignments. Columbia Journal of World Business, p. 68-78. 1981.

Tung, R. L. (1987). Expatriate assignments: Enhancing success and minimising failure. Academy of management executive, p. 117-126. 1987.

Ulrich, D. (1998). Campeões de recursos humanos. São Paulo: Futura.

Winkelman, M. (1994). Cultural shock and adaptation. Journal of Counseling & Development, p. 121-126. 1994.