Avaliação de Estratégias Aplicadas na Manutenção Pesada Ferroviária Outros Idiomas

ID:
58322
Periódico:
Resumo:
O setor ferroviário brasileiro apresenta perspectivas de crescimento, demandando, assim, estratégias que propiciem maior confiabilidade e disponibilidade operacional, evitando ociosidades e atrasos, bem como garantindo a segurança na operação. Nesse sentido, este estudo teve como objetivo a identificação de estratégias para melhorias no setor de manutenção pesada de uma empresa concessionária do setor ferroviário. Para tal finalidade, foi realizada uma pesquisa-ação, contemplando diagnóstico preliminar, avaliação das estratégias e proposição de melhorias. Os resultados indicaram uma orientação para perspectivas tradicionais, como segurança, custos e reputação, e indicaram oportunidades de melhorias, contemplando relacionamento com a comunidade, estratégia de terceirização e diminuição do choque cultural entre colaboradores, entre outras. Além disso, a pesquisa propiciou o compartilhamento de opiniões, experiências e visões de futuro, e fez emergir falhas e lacunas estratégicas que serão tratadas oportunamente pela empresa.
Citação ABNT:
LEME, L. B. P.; LENZI, A. R.; SILVA JUNIOR, R. G. Avaliação de Estratégias Aplicadas na Manutenção Pesada Ferroviária. Gestão & Conexões, v. 9, n. 2, p. 32-50, 2020.
Citação APA:
Leme, L. B. P., Lenzi, A. R., & Silva Junior, R. G. (2020). Avaliação de Estratégias Aplicadas na Manutenção Pesada Ferroviária. Gestão & Conexões, 9(2), 32-50.
DOI:
10.13071/regec.2317-5087.2020.9.2.27458.32-50
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/58322/avaliacao-de-estrategias-aplicadas-na-manutencao-pesada-ferroviaria/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Brasil. (2012). Plano Nacional de Logística e Transporte Relatório Executivo de 2011. Centro de Excelência em Engenharia dos Transportes, Ministério dos Transportes/Ministério da Defesa, Brasília, DF. Recuperado de https://www.infraestrutura.gov.br/images/2014/11/PNLT/2011.pd

Brasil. (2017). Projeções do Agronegócio – 2016/17 a 2026/27 – Projeções de Longo Prazo. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Brasília, DF. Recuperado de http://www.agricultura.gov.br/assuntos/politica-agricola/todas-publicacoes-de-politica-agricola/projecoes-do-agronegocio/projecoes-do-agronegocio-2017-a-2027-versao-preliminar-25-07-17.pdf/view

Campbell, J. D. (1995). Uptime: Strategies for excellence in maintenance management. Portland: Productivity Press.

Confederação Nacional de Transportes. (2018). Boletim Estatístico 01 – 2018. Recuperado de http://www.cnt.org.br/Boletim/boletim-estatistico-cnt

Helmann, K. S., & Marçal, R. F. M. (2007). Método multicritério de apoio à decisão na gestão da manutenção: Aplicação do método Electre I na seleção de equipamentos críticos para processo. Revista Gestão Industrial, 3(1), 123-134. https://doi.org/10.3895/S1808-04482007000100011

Lindermann, J., & Hansen, P. B. (2008). Utilização de métodos de apoio à decisão para decisões estratégicas: O caso da manutenção de embarcações de transporte de cargas. Revista de Administração Mackenzie, 9(2), 173-200. https://doi.org/10.1590/S1678-69712008000200009

Mintzberg, H. (2004). Ascensão e queda do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman.

Mintzberg, H., Lampel, J., Quinn, J. B., & Ghoshal, S. (2007). O processo da estratégia: Conceitos, contextos e casos selecionados (4a ed.) Porto Alegre: Bookman.

Muchiri, P., Pintelon, L., Gelders, L., & Martin, H. (2011). Development of maintenance function performance measurement framework and indicators. International Journal of Production Economics, 131(1), 295-302. https://doi.org/10.1016/j.ijpe.2010.04.039

Peres, C. R. C., & Lima, G. B. A. (2008). Proposta de modelo para controle de custos de manutenção com enfoque na aplicação de indicadores balanceados. Gestão& Produção, 15(1), 149-158. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-530X2008000100013

Pinto, A. K., & Nascif, J. A. (2007). Manutenção: Função estratégica. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Programa de Investimento em Logística. (2015). Apresentação Ferrovias PIL 2015. Recuperado de http://www.planejamento.gov.br/assuntos/programa-de-investimento-em-logistica-pil/ferrovias

Rodrigues, P. R. A. (2007). Introdução aos sistemas de transportes no Brasil e à logística internacional (4a ed. rev. ampl.). São Paulo: Aduaneiras.

Rumelt, R. (1980). The evaluation of business strategy. In W. F. Glueck (Ed.), Strategic management and business policy (3th ed.). New York: McGraw-Hill.

Silva, E. Z. (2008). Um modelo de guia para a preparação da implementação da produção enxuta baseado na aprendizagem organizacional (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Telles, P. C. S. (2011). História da engenharia ferroviária no Brasil. Rio de Janeiro: Notícia e Cia.

Vergara, S. C. (2008). Métodos de pesquisa em administração (3a ed.). São Paulo: Atlas.