'Uma Hora o Trabalho Começou a Atrapalhar': Os Diferentes Sentidos do Trabalho de um Dependente Químico em Recuperação Outros Idiomas

ID:
58323
Periódico:
Resumo:
O objetivo deste estudo é analisar o papel do sentido do trabalho e suas alterações na trajetória de Don, um dependente químico de 35 anos. Adotamos o método de história de vida, para analisarmos o imbricamento entre os sentidos atribuídos por Don aos trabalhos que desenvolveu ao longo da sua trajetória e seu envolvimento com substâncias psicoativas, do início do uso até a recuperação. Por meio desse método observamos que os sentidos atribuídos ao trabalho pelo sujeito são alterados de acordo com cada etapa da sua vida, desde o momento em que só a droga faz sentido até seu tratamento, quando a vida precisa de novos sentidos. Esta pesquisa traz uma contribuição inovadora dentro dos campos do tratamento da dependência química e do mundo do trabalho, por integrarmos a teoria do sentido do trabalho ao modelo transteórico de mudança em um estudo empírico.
Citação ABNT:
VIANNA, F. R. M.; TONON, J. P. B.; TONON, L.; FERREIRA, A. S. 'Uma Hora o Trabalho Começou a Atrapalhar': Os Diferentes Sentidos do Trabalho de um Dependente Químico em Recuperação. Gestão & Conexões, v. 9, n. 2, p. 51-73, 2020.
Citação APA:
Vianna, F. R. M., Tonon, J. P. B., Tonon, L., & Ferreira, A. S. (2020). 'Uma Hora o Trabalho Começou a Atrapalhar': Os Diferentes Sentidos do Trabalho de um Dependente Químico em Recuperação. Gestão & Conexões, 9(2), 51-73.
DOI:
10.13071/regec.2317-5087.2020.9.2.28634.51-73
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/58323/-uma-hora-o-trabalho-comecou-a-atrapalhar---os-diferentes-sentidos-do-trabalho-de-um-dependente-quimico-em-recuperacao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
American Psychiatric Association. (2018). DSM-5: Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Porto Alegre: Artmed.

Antunes, R. (1999). O mundo precarizado do trabalho e seus significados. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 2, 55-59. https://doi.org/10.11606/issn.19810490.v2i0p55-59

Antunes, R. (2015). Os sentidos do trabalho: Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo Editorial.

Boas, A. A. V., & Morin, E. M. (2016). Sentido do trabalho e fatores de qualidade de vida no trabalho: A percepção de professores brasileiros e canadenses. Revista Alcance, 23(3), 272-292. http://dx.doi.org/10.14210/alcance.v23n3(JulSet). p 272-292

Boas, A. A. V., & Morin, E. M. (2017). Qualidade de vida no trabalho: Um modelo sistêmico de análise. Revista Administração em Diálogo, 19(2), 62-90. https://doi.org/10.20946/rad.v19i2.31720

Borges, L. de O., & Yamamoto, O. H. (2014). Mundo do trabalho: Construção histórica e desafios contemporâneos. In J. C. Zanelli, J. E. Borges-Andrade, & A. V. B. Bastos (Orgs), Psicologia, organizações e trabalho no Brasil (2a ed., pp. 25-72). Porto Alegre: Artmed.

Bottomore, T. (1988). Dicionário do pensamento marxista. Rio de Janeiro: Zahar.

Brackett, C. (Producer), & Wilder, B. (Director) (1945). The lost weekend. United States: Paramount Pictures.

Brandão, L. G. V. A., Teixeira, C. C., Afonso, T. C., Amaral, R. T., & Bezerra, A. L. Q. (2019). O sentido do trabalho na atenção primária à saúde. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 11(8), e528, 1-8. https://doi.org/10.25248/reas.e528.2019

Büchele, F., Marcatti, M., & Rabelo, D. R. (2004). Dependência química e prevenção à “recaída”. Texto & Contexto Enfermagem, 13(2), 233-240.

Burrell, G., & Morgan, G. (2017). Sociological paradigms and organisational analysis: Elements of the sociology of corporate life. London: Routledge.

Campos, G. M. de, & Ferreira, R. F. (2007). A importância da legitimação social na (re) construção da identidade de um alcoolista. Estudos de Psicologia, 24(2), 215-225. https://doi.org/10.1590/S0103-166X2007000200008

Crauss, R. M. G., & Abaid, J. L. W. (2012). A dependência química e o tratamento de desintoxicação hospitalar na fala dos usuários. Contextos Clínicos, 5(1), 62-72. http://dx.doi.org/10.4013/ctc.2012.51.07

Dejours, C. (1998). A loucura do trabalho: Estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez.

Dejours, C. (2012). Trabalho vivo: Trabalho e emancipação. Brasília: Paralelo 15.

Enriquez, E. (2001). Instituições, poder e “desconhecimento”. In J. N. G. Araújo & T. C. Carreteiro (Orgs.), Cenários sociais e abordagem clínica (pp. 49-74). São Paulo: Escuta.

Ferreira, A. C. Z., Borba, L. de O., Capistrano, F. C., Czarnobay, J., & Maftum, M. A. (2015). Fatores que interferem na adesão ao tratamento de dependência química: Percepção de profissionais de saúde. Revista Mineira de Enfermagem, 19(2), 150-156. https://doi.org/10.5935/1415-2762.20150032

Gaviraghi, D., Antoni, C. de, Amazarray, M. R., & Schaefer, L. S. (2016). Medicalização, uso de substâncias e contexto de trabalho em bancários do Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 16(1), 61-72. https://doi.org/10.17652/rpot/2016.1.702

Goldenberg, M. (2007). A arte de pesquisar: Como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. 10a ed. Rio de Janeiro: Record.

Gomes, W. R., & Santos, E. C. dos. (2019). O sentido do trabalho para gestores de lojas em shopping center: O caso de uma cidade de feirantes. Farol Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 6(17), 1035-1078. https://doi.org/10.25113/farol.v6i17.4197

Herzog, A., & Wendling, M. I. (2013). Percepções de psicólogos sobre os familiares durante o tratamento de dependentes químicos. Aletheia, 42, 23-38.

Irigaray, H. A. R., Oliveira, L. B., Barbosa, E. S. T., & Morin, E. M. (2019). Vínculos profissionais e sentido do trabalho: Uma pesquisa com professores do ensino superior. Revista de Administração Mackenzie, 20(1), 1-27. https://doi.org/10.1590/1678-6971/eramg190070

Jahoda, M. (1987). Empleo y desempleo: Un análisis socio-psicológico. Madrid: Ediciones Morata.

Lima, I. S., Paliarin, M. M., Zaleski, E. G. F., & Arantes, S. L. (2008). História oral de vida de adolescentes dependentes químicos, internados no setor de psiquiatria do Hospital Regional de Mato Grosso do Sul para tratamento de desintoxicação. Revista Electrônica Saúde Mental, Álcool e Drogas, 4(1), 1-11.

Lima, M. P. de, Tavares, N. V., Brito, M. J., & Cappelle, M. C. A. (2013). O sentido do trabalho para pessoas com deficiência. Revista de Administração Mackenzie, 14(2), 42-68. https://doi.org/10.1590/S1678-69712013000200003

Lopes, F. T. (2013). Entre o prazer e o sofrimento: histórias de vida, drogas e trabalho (Tese de Doutorado). Faculdade de Ciências Econômicas, Centro de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Lopes, F. T., & Paula, A. P. P. de. (2017). Entre a bebida e a atividade de doméstica: Um estudo sobre a relação entre o uso de drogas e o trabalho. Revista Gestão & Conexões, 6(1), 15-39. https://doi.org/10.13071/regec.2317-5087.2014.6.1.12148.15-39

Maciel, S. C., Melo, J. R. F. de, Dias, C. C. V., Silva, G. L. S., & Gouveia, Y. B. (2014). Sintomas depressivos em familiares de dependentes químicos. Psicologia: Teoria e Prática, 16(2), 18-28. http://dx.doi.org/10.15348/1980-6906/psicologia.v16n2p18-28

Magura, S. (2003). The role of work in substance dependency treatment: A preliminary overview. Substance Use & Misuse, 38(11-13), 1865-1876. https://doi.org/10.1081/JA-120024244

Magura, S., Staines, G. L., Blankertz, L., & Madison, E. M. (2004). The effectiveness of vocational services for substance users in treatment. Substance Use & Misuse, 39(13-14), 2165-2213. https://doi.org/10.1081/JA-200034589

Marangoni, S. R., & Oliveira, M. L. F. de. (2012). Uso de crack por multípara em vulnerabilidade social: História de vida. Ciência, Cuidado e Saúde, 11(1), 166-72. https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v11i1.18874

Molinier, P. (2013). O trabalho e a psique: Uma introdução à psicodinâmica do trabalho. Brasília: Paralelo 15.

Monteiro, R. M. P. (2012). A ‘carreira moral’ de jovens internos em instituições de recuperação para dependentes químicos. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, 5(1), 131-155.

Morin, E. M. (2001). Os sentidos do trabalho. Revista de Administração de Empresas, 41(3), 8-19. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902001000300002

Morse, N. C., & Weiss, R. S. (1955). The function and meaning of work and the job. American Sociological Review, 20(2), 191-198. https://doi.org/10.2307/2088325

Nóbrega, M. do P. S. S., & Oliveira, E. M. de. (2005). Mulheres usuárias de álcool: Análise qualitativa. Revista de Saúde Pública, 39(5), 816-823. https://doi.org/10.1590/S0034-89102005000500018

Oliveira, E. B. de, Santos, M. B. dos, & Guerra, O. de A. (2019). O trabalho como estratégia de reinserção psicossocial do dependente químico sob a ótica da família. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, 21, 23-30. http://dx.doi.org/10.19131/rpesm.0234

Oliveira, M. da S., Laranjeira, R., Araujo, R. B., Camilo, R. L., & Schneider, D. D. (2003). Estudo dos estágios motivacionais em sujeitos adultos dependentes do álcool. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16(2), 265-270. https://doi.org/10.1590/S0102-79722003000200006

Pinto, B. de O. S., Carreteiro, T. C. O. C., & Rodriguez, L. da S. (2015). Trabalhando no "entre": A história de vida laboral como método de pesquisa em psicossociologia. Farol Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 2(5), 976-1022. https://doi.org/10.25113/farol.v2i5.3129

Prochaska, J. O., & DiClemente, C. C. (1983). Stages and processes of self-change of smoking: toward an integrative model of change. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 51(3), 390-395. https://doi.org/10.1037/0022-006X.51.3.390

Rocha, B. B. da, & Martins, J. F. G. (2019). Identidade e o sentido do trabalho em comunidade autossustentável [Edição Especial]. Revista Brasileira de Iniciação Científica, 6(5), 77-88.

Rodrigues, A. F., Quilião, P. L., Pinheiro, L. S. M., Carneiro, C. M. G., Carneiro, C. F. G., & Péres, D. P. S. (2016). Identificação de uso de álcool em bancários. Revista Electrônica Saúde Mental, Álcool e Drogas, 12(4), 207-213. http://dx.doi.org/10.11606/issn.1806-6976.v12i4p207-213

Rodrigues, A. L., Barrichello, A., & Morin, E. M. (2016). Os sentidos do trabalho para profissionais de enfermagem: Um estudo multimétodos. Revista de Administração de Empresas, 56(2), 192-208. https://doi.org/10.1590/S0034759020160206

Silva, A. P., Barros, C. R., Nogueira, M. L. M., & Barros, V. A. (2007). Conte-me sua história”: Reflexões sobre o método de história de vida. Mosaico: Estudos em Psicologia, 1(1), 25-35.

Sousa, P. F., Ribeiro, L. C. M., Melo, J. R. F. de, Maciel, S. C., & Oliveira, M. X. (2013). Dependentes químicos em tratamento: Um estudo sobre a motivação para mudança. Temas em Psicologia, 21(1), 259-268. http://dx.doi.org/10.9788/TP2013.1-18

Tolfo, S. da R., & Piccinini, V. C. (2007). Sentidos e significados do trabalho: Explorando conceitos, variáveis e estudos empíricos brasileiros [Edição Especial 1]. Psicologia & Sociedade, 19, 38-46. https://doi.org/10.1590/S010271822007000400007

Tuller, N. G. P., Rosa, D. T. de M., Polli, M. C. S. de, & Catelan-Mainardes, S. C. (2009). Os sofrimentos e danos biopsicossociais de dependentes químicos em recuperação. Revista Cesumar Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, 14(1), 137-174.