Impacto da Dimensão Gestação Saudável e Segura do Projeto Cuidando do Futuro Outros Idiomas

ID:
58472
Resumo:
Apresente pesquisa teve como objetivo avaliar as ações de pré-natal, desenvolvidas antes e depois da implantação do Projeto Cuidando do Futuro (PCF), no município de Bacabal, Maranhão, considerando os indicadores prevista na dimensão gestação saudável e segura. Trata-se de um estudo descritivo com abordagem quantitativa, desenvolvida a partir de dados do Sistema de Acompanhamento do Programa de Humanização no Pré-Natal e Nascimento, das gestantes que iniciaram e finalizaram a assistência pré-natal nos anos de 2009 e 2011, um ano antes da implantação do PCF e um ano após, respectivamente, tendo como base os indicadores de qualidade propostos, pelo PCF. Para estudar o indicador de mortalidade infantil utilizaram-se dados do Sistema de Informação de Mortalidade e do Sistema de Informação de Nascido Vivo, sendo analisado pelo Programa Statistical Package for the Social Sciences, utilizando a correlação de Pearson para comparação das variáveis em estudo. Observou-se que o número de gestantes que realizaram sete ou mais consultas passou de 1,2% para 14,7%, notando-se um aumento na realização do pré-natal no primeiro trimestre de 11,7% para 66,5%. Em relação aos exames laboratoriais, em 2009, 10% das gestantes realizaram todos os exames, tendo um acréscimo para 13% em 2011 e o número de gestantes imunizadas ampliouse de 51,6% para 79%. Com todos esses indicadores melhorados, observou-se uma redução da mortalidade infantil. Conclui-se que o PCF gerou impacto positivo nas ações de pré-natal, ajudando a reduzir as taxas de mortalidade infantil.
Citação ABNT:
PEREIRA, W. D.; FRANÇA, A. C. S.; FIRMO, W. C. A.; SALDANHA, A. C. R. Impacto da Dimensão Gestação Saudável e Segura do Projeto Cuidando do Futuro. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, v. 9, n. 1, p. 1-14, 2020.
Citação APA:
Pereira, W. D., França, A. C. S., Firmo, W. C. A., & Saldanha, A. C. R. (2020). Impacto da Dimensão Gestação Saudável e Segura do Projeto Cuidando do Futuro. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, 9(1), 1-14.
DOI:
https://doi.org/10.5585/rgss.v9i1.13851
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/58472/impacto-da-dimensao-gestacao-saudavel-e-segura-do-projeto-cuidando-do-futuro/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Almeida, C. A. L., & Tanaka, O. Y. (2009). Perspectiva das mulheres na avaliação do programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento. Revista de Saúde Pública, 43(1), 104-98.

Andreucci, C. B., & Cecatti, G. J. (2011). Desempenho de indicadores de processo do Programa de Humanização do pré-natal e nascimento no Brasil: uma revisão sistemática. Cadernos de Saúde Pública, 27(60), 1053-1064.

Andreucci, C. B., Cecatti, G. J., Macchetti, C. E., & Sousa, M. H. (2011). Sisprenatal como instrumento de avaliação da qualidade da assistência à gestante. Revista de Saúde Pública, 45(5), 863-854.

Brasil. (2000). Assistência Pré-Natal: Manual Técnico. Ministério da Saúde. Secretária de Politicas Pública. Departamento de Gestão de Políticas e Estratégias. Brasília

Brasil. (2002). Programa de humanização do parto: humanização do pré-natal e nascimento. Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de ações programáticas estratégicas. Ministério da Saúde.

Brasil. (2006). Pré-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada-manual técnico. Secretária da Atenção à Saúde. Departamento de Ações programáticas Estratégicas: Brasília.

Brasília. Brasil. (2005). Pré-natal e puerpério: Atenção qualificada e humanizada. Secretária de Atenção a Saúde. Departamento de ações programáticas Estratégicas. Manual Técnico. Ministério da Saúde. 3 ed. Brasília.

Cooper, D. R., & Schindler, P. S. (2003). Métodos de pesquisa em Administração. 7 ed. Porto Alegre: Bookman.

Donabedian, A. (2003). An introduction to quality assurance in health care. New York: Oxford University Press.

Duarte, C. M. R. (2007). Reflexos das políticas de saúde sobre as tendências da mortalidade infantil no Brasil: Revisão da literatura sobre a última década. Cadernos de Saúde Pública, 7(23), 1528-1511.

Figueiredo Filho, D. B., & Silva Júnior, J. A. (2009). Desvendando os ministérios do coeficiente de correlação de Pearson (r)*. Revista Política Hoje, 18(1), 146-115.

Firmo, W. C. A., Paredes, A. O., Almeida, A. C., Campos, M. C., Pimentel, M. I. C., & Pontes, S. R. S. (2013). Perfil dos exames laboratoriais realizados por gestantes atendidas no Centro de Saúde de Lago Verde, Maranhão, Brasil. J Manag Prim Health Care, 4(2), 8677.

Gil, A. C. (2007). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Gomes, J. O., & Santo, A. H. (1997). Mortalidade infantil em municípios da região centrooeste paulista, Brasil, 1990 a 1992. Revista de Saúde Pública, 31(4), 341-330.

Maranhão. (2009). Termo de Adesão dos Municípios Contemplados pelo o projeto Cuidando do futuro. Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social. Secretaria de Estado da Saúde. Secretaria Adjunta de Atenção Primária de Saúde. São Luís: SEDES/SES.

Maranhão. (2011). Relatório final de atividades técnicas do Projeto para redução da mortalidade infantil no Maranhão Cuidando do Futuro. Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social. Secretaria de Estado da Saúde. Secretaria Adjunta de Atenção Primária de Saúde. São Luís: SEDES/SES.

Ministério da Saúde. Brasil. (2013). Departamento de Informática do SUS do Ministério da Saúde. Datasus. Recuperado em 20 julho, 2013, de http:/www.Datasus.gov.br/DATASUS/index.php

Moura, E. R. F., Holanda Júnior, F., & Rodrigues, M. S. P. (2003). Avaliação da assistência pré-natal oferecida em uma microrregião de saúde do Ceará, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 19(6), 1791-1799.

Nascimento, E. R., Paiva, M. S., & Rodrigues, Q. P. (2007). Avaliação da cobertura e indicadores do programa de humanização do pré-natal e nascimento no município de Salvador, Bahia, Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 7(2), 191-197.

Peixoto, C. R., Freitas, L. V., Teles, L. M. R., Campos, F. C., Paula, P. F., & Damascenos, A. K. C. (2011). O pré-natal na atenção primária: o ponto de partida para reorganização da assistência obstétrica. Revista Enf UERJ, 19(2), 291-286.

Santana, J. S. (2010). Avaliação da Assistência Pré-natal em José de Freitas-pi através dos indicadores de processo do SISPRENATAL. Monografia de graduação, Faculdade Integrada Diferenciada, Teresina, PI, Brasil.

Santos Neto, E. T., Leal, M. C., Oliveira, A. E., Zandonade, E., & Gama, S. G. N. (2012). Concordância entre informações do cartão da gestante e da memoria materna sobre assistência pré-natal. Cadernos de Saúde Pública, 28(2), 256-266.

Schoeps, D., Almeida, M. F., Alencar, G. P., França Junior, I., Novaes, H. M. D., Siqueira, A. A. F., Campbell, O., & Rodrigues, L. C. (2007). Fatores de risco para mortalidade neonatal precoce. Revista de Saúde Pública, 41(6), 1022-1013.

Serruya, J. S., Cecatti, G. J., & Lago, T. G. (2004). O Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento do Ministério da Saúde no Brasil: Resultados iniciais. Cadernos de Saúde Pública, 20(5), 1281-1289.

Trevisan, M. R., Lorenzi, D. R. S., Araújo, N. M., & Esber, K. (2002). Perfil da Assistência Pré-natal entre Usuárias do Sistema Único de Saúde em Caxias do Sul. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 24(5), 299-293.

Victoria, C. G., Matijasevich, A., Silveira, M. F., Santos, I. S., Barros, A. J. D., & Barros, F. C. (2010). Socio-economic and ethnic group inequities in antenatal care quality in the public and private sector in Brazil. Health Policy Plan, 25(1), 253-260.