Auditoria e a Prática do Enfermeiro Auditor: Uma Revisão Integrativa da Literatura Outros Idiomas

ID:
58476
Resumo:
Considerando a constante incorporação tecnológica pelo sistema de saúde brasileiro, a auditoria de enfermagem é uma especialidade em expansão na área da saúde e para a qual o enfermeiro auditor atua em instituições de saúde, pública ou privada, conforme Resolução COFEN n. 266/2001, visando atender às metas e aos objetivos administrativos, que refletem na qualidade da assistência prestada. Objetivou-se identificar publicações relacionadas à auditoria e à prática do enfermeiro auditor em periódicos científicos desde o seu reconhecimento pelo COFEN. Trata-se de revisão integrativa da literatura realizada nas bases de dados da CAPES, LILACS e SCIELO, no período de outubro de 2001 a dezembro de 2018. Foram utilizados artigos publicados no Brasil e no idioma português, sendo selecionados nove estudos que mostraram que o enfermeiro auditor desenvolve as atividades de auditoria em instituições de saúde, pública ou privada, principalmente por meio da análise retrospectiva dos registros de enfermagem no prontuário, visando ao controle de custos operacionais e redução de glosas relacionadas aos insumos, anotações e técnicas de enfermagem, que influenciam a eficácia da gestão e assistência ao paciente, destacando-se, também, a necessidade de maior investimento em educação permanente junto aos profissionais de enfermagem. Assim, a auditoria de enfermagem é uma importante ferramenta de gestão que é realizada frequentemente pelo enfermeiro auditor, a partir do método retrospectivo dos dados no prontuário do paciente, para promover controle de custos operacionais que influenciam, direta e indiretamente, a qualidade da assistência, lucratividade e sustentabilidade de instituições de saúde.
Citação ABNT:
MONTEIRO, M. B. S.; PAULA, M. A. B. Auditoria e a Prática do Enfermeiro Auditor: Uma Revisão Integrativa da Literatura . Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, v. 9, n. 1, p. 71-93, 2020.
Citação APA:
Monteiro, M. B. S., & Paula, M. A. B. (2020). Auditoria e a Prática do Enfermeiro Auditor: Uma Revisão Integrativa da Literatura . Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, 9(1), 71-93.
DOI:
https://doi.org/10.5585/rgss.v9i1.15909
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/58476/auditoria-e-a-pratica-do-enfermeiro-auditor--uma-revisao-integrativa-da-literatura--/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abea (2018). Associação Brasileira de Enfermeiros Auditores. Atividades do Enfermeiro Auditor. Recuperado em 15 dezembro, 2018 de http://www.abea.org.br.

Amestoy, S. C., Backes, V. M. S., Thofehrn, M. B., Martini, J. G., Meirelles, B. H. S. & Trindade, L. L. (2013). Percepção dos enfermeiros sobre o processo de ensinoaprendizagem da liderança. Texto Contexto Enfermagem, 22(2): 468-75.

Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2004.

Blank, C. Y., Sanches, E. N. & Leopardi, M. T. (2013). A prática do enfermeiro auditor hospitalar na região do Vale do Itajaí. Revista Eletrônica Enfermagem, 15(1), 233-242. Recuperado em 2 junho, 2018 de http://www.revenf.bvs.br/pdf/ree/v15n1/27.pdf. Brasil (2009).

Camelo, S. H. H., Pinheiro, A., Campos, D. & Oliveira, T. L. (2009). Auditoria de enfermagem e a qualidade da assistência à saúde: uma revisão de literatura. Revista Eletrônica de Enfermagem, 11(4), 1018-1025. Recuperado em 14 abril, 2018 de https://www.fen.ufg.br/revista/v11/n4/pdf/v11n4a28.pdf.

Camilo, M. S.; Mota, E. A. (2018). Análise dos registros e anotações de enfermagem: uma revisão integrativa. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research, 24(3), 66-71.

Caveião, C. Montezeli, J. H., Peres, A. M., Hey, A. P., Sales, W. B. & Costa, T. D. (2015). Competências requeridas do enfermeiro auditor para a prática profissional: revisão integrativa. Revista de Enfermagem UFPE, 9(10), 9584-9593.

Ceccin Burg, R. B. (2005). Educação Permanente em Saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 9(16), 161-177.

Ceccin, R. B. (2005). Educação Permanente em Saúde: descentralização e disseminação de capacidade pedagógica na saúde. Ciência e Saúde Coletiva, 10(4), 975-986.

Ceccin, R. B.; Feuerwerker, L. C. M. (2004). O Quadrilátero da Formação para a Área da Saúde: Ensino, Gestão, Atenção e Controle Social. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 14(1), 41-65.Recuperado em 20 janeiro, 2019 de https://www.scielosp.org/pdf/physis/2004.v14n1/41-65/pt.

Conselho Federal de Enfermagem (2001). Resolução n. 266/2001, de 05 de outubro de 2001. Aprova as atividades do enfermeiro auditor. Recuperado em 16 janeiro, 2018 de http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-2662001_4303.html.

Conselho Federal de Enfermagem (2009). Resolução n. 358/2009, de 15 de outubro de 2009. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem, e dá outras providências. Recuperado em 15 novembro, 2018 de http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-3582009_4384.html.

Conselho Federal de Enfermagem (2012). Resolução n. 429/2012. Dispõe sobre o registro das ações profissionais no prontuário do paciente, e em outros documentos próprios da enfermagem, independente do meio de suporte tradicional ou eletrônico. Recuperado em 16 janeiro, 2018 de http://www.coren-ro.org.br/resolucao-cofen-no-4292012_2155.html.

Conselho Federal de Enfermagem (2017). Resolução n. 0564/2017. Aprova o novo Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem. Recuperado em 10 março, 2018 de http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-5642017_59145.html/print/.

Costa, L. P. & Fossatti, P. (2015). Capacitação do Enfermeiro Auditor na Gestão em Saúde: Importância e Realidade. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde [RAHIS], 12(2), 70-80.

Delory-Momberger, C. A. (2016). Pesquisa biográfica ou a construção compartilhada de um saber do singular. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto) Biográfica, 1(1), 133-147.

Fazzolo Scarparo, A., Ferraz, C. A., Dias Pedreschi Chaves, L., Silva Gabriel Rotta, C. (2009). Abordagem Conceitual de Métodos e Finalidade da Auditoria De Enfermagem. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 10(1), 124-130.

Feldman, L. B., Gatto, M. A. F. &, Cunha, I. C. K. O. (2005). História da evolução da qualidade hospitalar: dos padrões a acreditação. Acta Paulista Enfermagem, 18(2), 213239.

Fonseca, A. S., Yamanaka, N. M. A., Barison, T. H. A. S. & Luz, S. F. (2005). Auditoria e o uso de indicadores assistenciais: uma relação mais que necessária para a gestão assistencial na atividade hospitalar. O Mundo da Saúde, 29(2), 161-169.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. (4 ed.) São Paulo: Atlas.

Gunther, H. (2006). Pesquisa Qualitativa Versus Pesquisa Quantitativa: Esta é a questão? Psicologia: Teoria e Pesquisa, 22(2), 201-210.

Koerich, C., Lanzoni, G. M. M., Coimbra, R., Tavares, K.S. & Erdmann, A.L. (2019). Recursos e competências para gestão de práticas educativas por enfermeiros: revisão integrativa. Revista Gaúcha de Enfermagem, 40(e20180031), 1-17.

Kurcgant, P. (1991). Administração em enfermagem. São Paulo, SP: EPU.

Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da Enfermagem e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília: Conselho Federal de Enfermagem.

Linch, G., Lima, A., Souza, E., Nauderer, T., Paz, A. & Costa, C. (2017). Impacto de uma intervenção educativa na qualidade dos registros de enfermagem. Revista LatinoAmericana de Enfermagem, 25(e2938), 1-8.

Loureiro, L. H., Costa, L. M., Marques, V. L. & Hoyashi, C. M. T. (2018). Como a auditoria de enfermagem pode influenciar na qualidade assistencial. Revista Práxis, 10(19), 91-102.

Medrado, S. S. R. & Moraes, M. W. (2011). Auditoria de enfermagem em centro cirúrgico: atuação do enfermeiro auditor. Revista SOBECC, 16(1), 56-63.

Mendes, K. S. S., Silveira, R. C. C. P.; Galvão, C. M. (2008). Revisão Integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enfermagem, 17(4), 758 764, out-dez.

Mezzomo, A. A. (1982). Serviço do prontuário do paciente: organização e técnica. São Paulo: Centro São Camilo de Desenvolvimento em Administração da Saúde.

Minayo, M. C. S. (2009). Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. (Cap. 5, pp. 929). Rio de Janeiro: Vozes.

Ministério da Saúde. Portaria nº. 1 996/GM/MS. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde e dá outras providências. Brasília: MS. Recuperado em 08 abril, 2019 de http://portal.anvisa.gov.br/documents/33856/396770/Pol%C3%ADtica+Nacional+de+Educ a%C3%A7%C3%A3o+Permanente+em+Sa%C3%BAde/c92db117-e170-45e7-99848a7cdb111faa.

Morais, C. G. X., Batista, E. M. S. B., Castro, J. F. L., Assunção, S. S. & Castro, G. M. O. (2015). Registros de enfermagem em prontuário e suas implicações na qualidade assistencial segundo os padrões de acreditação hospitalar: um novo olhar da auditoria. Revista Acreditação. 5(9), 64-84.

Motta, A. L. C. (2003). Auditoria de enfermagem nos hospitais e operadoras de planos de saúde. São Paulo: Iátria.

Nogueira de Sá, A. C. M. G., Ferreira, E. R. O., Xavier, J. C. & Alves, C. M. (2018). Contribuições da Educação Permanente para qualificação da assistência de enfermagem em um hospital público. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, 22(1), 87-94.

Paim, C. R. P. & Ciconelli, R. M. (2007). Auditoria de avaliação da qualidade dos serviços de saúde. Revista de Administração de Saúde, 9(36), 85-91.

Pereira, P. M., Petry, P., Porto, A. R. & Thofehrn, M. B. (2010). A importância do enfermeiro auditor na qualificação da assistência profissional. Revista Enfermagem UFPE, 4(2), 504509.

Pinto, K. A. & Melo, C. M. M. (2010). A Prática da Enfermeira em Auditoria em Saúde. Revista da Escola de Enfermagem USP, 44(3), 671 – 678. Recuperado em 24 de abril, 2018 de www.ee.usp.br/reeusp/.

Riolino, A. N. & Kliukas, G. B. V. (2003). Relato de experiência de Enfermeiras no campo de auditoria de prontuário: uma ação inovadora. Revista Nursing, 6(65), 35-38.

Rothbarth, S.; Wolff, L. D. G.; Peres, A. M. (20009). O desenvolvimento de competências gerenciais do enfermeiro na perspectiva de docentes de disciplinas de administração aplicada à enfermagem. Texto Contexto Enfermagem, 18(2), 321-329.

Santos, Santana, Vieira, Garcia & Trippo, C. A. Santana, E. J. S., Vieira, R. P., Garcia, E. G. & Trippo, K. V. (2012). Auditoria e o enfermeiro como ferramentas de aperfeiçoamento do SUS. Revista Baiana Saúde Pública, 36(2), 539-559.

Scarparo, A. F., Ferraz, C. A., Chaves, L. D. P. & Gabriel, C. S. (2010). Tendências da Função do Enfermeiro Auditor no Mercado em Saúde. Texto e Contexto Enfermagem, 19(1), 85-92.

Silva, G. M. & Seiffert, O. M. L. B. (2009). Educação continuada em enfermagem: uma proposta metodológica. Revista Brasileira de Enfermagem, 62(3), 362-366.

Siqueira, P. L. F. (2014). Auditoria em saúde e atribuições do enfermeiro auditor. Caderno Saúde e Desenvolvimento, 3(2), 5-19.

Sociedade Brasileira de Enfermeiros Auditores em Saúde (2018). Atribuições do enfermeiro auditor. Recuperado em 01 de junho, 2018 de http://www.sobeas.org.br.

Souza, M.T.; Silva, M.D. & Carvalho, R. (2010). Revisão Integrativa: O que é? Como fazer? Einstein, 8(1), 102-106.

Treviso, P., Peres, S. C., Silva, A. D., Santos, A. A. (2017). Competências do enfermeiro na gestão do cuidado. Revista de Administração em Saúde, 17(4), 1-15.

Viana, C. D., Bragas, L. Z. T., Lazzari, D. D., Garcia, C. T. F. & Moura, G. M. S. (2016). Implantação da auditoria concorrente de enfermagem: um relato de experiência. Texto Contexto Enfermagem, 25(1), 1-7.

Vosgerau, D. S. A. R. & Romanowski, J. P. (2014). Estudos de revisão: implicações conceituais e metodológicas. Revista Diálogo Educacional, 14(41), 165-189.

Whittemore, R.; Knafl, K. (2005). The integrative review: updated methodology.Journal of Advanced Nursing, 52(5), 546–553.