Gerenciamento de Risco nas Inspeções Sanitárias de Indústrias Farmacêuticas: Principais Indicativos de Impacto do Modelo Adotado em Minas Gerais Outros Idiomas

ID:
58477
Resumo:
O gerenciamento de risco emerge como um modelo de gestão na área de saúde pública que visa o melhor uso dos recursos com a garantia da qualidade dos serviços. O presente trabalho analisou os principais indicativos de impacto da adoção do modelo de gerenciamento de risco implementado pela Vigilância Sanitária de Minas Gerais em indústrias farmacêuticas do segmento de medicamentos e insumos farmacêuticos. O estudo caracterizou-se de levantamento bibliográfico, documental e de campo, com questionários direcionados a representantes das indústrias farmacêuticas produtoras de medicamentos e insumos farmacêuticos ativos (IFA) de Minas Gerais, submetidas a fiscalização da Visa, e de entrevistas semiestruturadas com responsáveis técnicos de 4 indústrias de medicamentos localizadas na Região Metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, e com 2 gestores e inspetores do corpo técnico da Vigilância Sanitária de Minas Gerais, além de observação participante com o intuito de melhor compreender os fluxos internos da rotina de trabalho da Visa Estadual. A pesquisa evidenciou indícios e percepções positivas em relação ao modelo de gerenciamento de risco adotado pela Vigilância Sanitária em indústrias farmacêuticas, de forma que apurou indicativos de impacto favoráveis tanto para o governo quanto para as empresas em questão.
Citação ABNT:
RODRIGUES, P. W.; DUFLOTH, S. C.; CALDEIRA, M. G. N. Gerenciamento de Risco nas Inspeções Sanitárias de Indústrias Farmacêuticas: Principais Indicativos de Impacto do Modelo Adotado em Minas Gerais. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, v. 9, n. 1, p. 94-118, 2020.
Citação APA:
Rodrigues, P. W., Dufloth, S. C., & Caldeira, M. G. N. (2020). Gerenciamento de Risco nas Inspeções Sanitárias de Indústrias Farmacêuticas: Principais Indicativos de Impacto do Modelo Adotado em Minas Gerais. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, 9(1), 94-118.
DOI:
https://doi.org/10.5585/rgss.v9i1.14769
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/58477/gerenciamento-de-risco-nas-inspecoes-sanitarias-de-industrias-farmaceuticas--principais-indicativos-de-impacto-do-modelo-adotado-em-minas-gerais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2009). NBR ISO 31.000 Gestão de riscos: princípios e diretrizes. Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Disponível em: https://gestravp.files.wordpress.com/2013/06/iso31000-gestc3a3o-de-riscos.pdf.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2010). Resolução n. 17, de 16 de abril de 2010. Dispõe sobre as boas práticas de fabricação de medicamentos. Diário Oficial da União. Brasília, DF, Brasil. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33880/2568070/res0017_16_04_2010.pdf/b9a8a293f04c-45d1-ad4c-19e3e8bee9fa.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2014). POP-O-SNVS015: planejamento de inspeções para verificação das boas práticas de fabricação de medicamentos e insumos farmacêuticos com base no risco sanitário associado. Brasília, DF: Anvisa. Brasil. Ministério da Saúde.

Botelho, S. F. & Reis, A. M. M. (2015). Planos de minimização de riscos em farmacovigilância: uma ação de saúde pública para promoção da segurança de medicamentos. Revista Ciência & Saúde Coletiva, 3897-3905. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v20n12/1413-8123-csc-20-12-3897.pdf.

Brasil, Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2018). Resolução n. 207, de 03 de janeiro de 2018 (2018). Dispõe sobre a organização das ações de vigilância sanitária, exercidas pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. Diário Oficial da União, Brasília, DF, Brasil. Disponível em http://portal.anvisa.gov.br/documents/10181/3882739/RDC_207_2018_.pdf/7f618e8f42ca-4808-a091-98185cbc933c

BRASIL. Casa Civil. (1990). Lei Federal nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da união, Brasília, DF, Brasil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8080.htm.

Brasil. Ministério da Saúde. (2018). FormSUS: formação do corpo técnico de inspetores da área de medicamentos e congêneres. Belo Horizonte: FormSUS. Disponível em: http://formsus.datasus.gov.br/site/default.php. Brasil. Ministério da Saúde.

Conselho Nacional de Secretários de Saúde. (2007). Vigilância em Saúde 2 (2). Brasília, DF: Coleção Progestores: para entender a gestão do SUS. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/colec_progestores_livro6b.pdf.

Costa, E. A. & Souza, G. S. (2010). Considerações teóricas e conceituais acerca do trabalho em vigilância sanitária, campo específico do trabalho em saúde. Salvador, BA: UFBA. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v15s3/v15s3a08.pdf.

Costa, E. A. (2009). Fundamentos da vigilância sanitária. In: Costa, E.A.C. (org.). Vigilância sanitária: temas para debate. (pp. 11-36). Salvador, BA: UFBA. Disponível em: http://books.scielo.org/id/6bmrk.

Gil, A. C. (2008). Métodos e Técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Hoeflitch, S., Pinheiro, E., Dalessandro, M. & Malebranche, H. (2016). O gerenciamento de risco aplicado às organizações: integrando os silos do GRC. Anais do Congresso Nacional de Excelência em Gestão & Inovarse Inovação & Responsabilidade Social, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, XII. Disponível em: http://www.inovarse.org/sites/default/files/T16_182.pdf.

Lei Estadual n. 13.317, de 24 de setembro de 1999, que contém o Código de Saúde do Estado de Minas Gerais. Diário Oficial de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil. Disponível em: https://www.saude.mg.gov.br/images/documentos/Resolu%c3%a7%c3%a3o_5710.pdf.

Leite, H. J. D. & Navarro, M. V. T. (2009). Risco potencial: um conceito de risco operativo para vigilância sanitária. In: Costa, E. A. C. (org.).Vigilância sanitária: temas para debate. (pp. 61-82). Salvador, BA: UFBa. Disponível em: http://books.scielo.org/id/6bmrk/pdf/costa-9788523208813-05.pdf.

Lucchese, G. (2001). Globalização e regulação sanitária: os rumos da vigilância sanitária no Brasil. Tese de Doutorado em Saúde Pública, Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswald Cruz, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Disponível em: http://portalteses.icict.fiocruz.br/pdf/FIOCRUZ/2001/lucchgd/capa.pdf.

Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. (2003). Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas.

Marshall, I. J., Cierco, A. A., Rocha, A. V., Mota, E. B. & Leusin, S. (2008). Gestão da qualidade. Rio de Janeiro: FGV.

Mello, C. H. P. (2011). Gestão da qualidade. São Paulo: Pearson Education do Brasil.

MG, Brasil. Paulo, W. L., Fernandes, F. C., Rodrigues, L. G. B. & Eidt, J. (2007). Riscos e controles internos: uma metodologia de mensuração dos níveis de controle de riscos empresariais. Revista Contabilidade & Finanças, 18 (43), 49-60. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-70772007000100005.

Minas Gerais. (1999). Lei Estadual n. 13.317, de 24 de setembro de 1999. Contém o código de saúde do Estado de Minas Gerais. Diário Oficial de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil. Disponível em: https://www.almg.gov.br/export/sites/default/consulte/legislacao/Downloads/pdfs/CodigoS aude.pdf.

Minas Gerais. (2016). Lei Estadual n. 22.447, de 22 de dezembro de 2016. Altera a Lei nº 13.317, de 24 de setembro de 1999, que contém o Código de Saúde do Estado de Minas Gerais. Diário Oficial de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil. Disponível em: https://sogi8.sogi.com.br/Arquivo/Modulo113.MRID109/Registro1257356/lei%20n%2022. pdf .

Minas Gerais. (2018). Portal da Vigilância em Saúde. Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais. Disponível em: http://vigilancia.saude.mg.gov.br/

Morais, I. B. S. A. (2017). Qualidade e a busca por eficiência administrativa para o processo de inspeção sanitária. Monografia de Graduação em Administração Pública. Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho, Fundação João Pinheiro, Belo Horizonte,

SES/MG. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. (2005). Resolução n. 17.0811, de 30 de dezembro de 2005 (2005). Identifica as Gerências Regionais de Saúde – GRS do Estado de Minas Gerais e estabelece as suas respectivas áreas de abrangência. Diário Oficial de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil. Disponível em: http://www.saude.mg.gov.br/images/documentos/res_0811.pdf.

SES/MG. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. (2017). Resolução n. 5710 , de 02 de maio de 2017. Institui procedimentos para avaliação do risco sanitário no âmbito do Estado de Minas Gerais, para os tipos de estabelecimentos que menciona, conforme o disposto no art. 85-A da

Silva, J. B., Jr. & Rattner, D. (2016). A vigilância sanitária no controle de riscos potenciais em serviços de hemoterapia no Brasil. Revista Saúde em Debate, 40(109), 136-153. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010311042016000200136&script=sci_abstract&t lng=pt.