Public Hospital Network: Outcomes of the Different Models of Organization Other Languages

ID:
58480
Abstract:
Public hospitals in Portugal, aiming to increase their productivity, efficiency and quality, underwent several reforms over the last 17 years. As a result, there are different organizational models (Hospitals, Hospitals and Local Health Units) and two legal statutes (the business - E.P.E. and another in public-private partnership - PPP). This article aims to present and compare the results of public hospitals in different organizational models and legal status in 2015, based on indicators of access, performance / efficiency and quality. As a method, the literature review and the analysis of indicators of access, efficiency and quality collected from the information systems of the Ministry of Health were used. As the main results, with respect to the organizational model, Hospital Centers present excellent results in care, hospitals in public-private partnership have the best results regarding the length of stay and the use of installed capacity (general and outpatient). However, the Local Health Units present the best results in the articulation with the primary care, the ambulatory surgery, the compliance with the maximum response times and the control of the infection. The conclusion of the various models shows that it is in the Local Health Units that a balance between access, efficiency, productivity, performance, quality and cost control can be found.
ABNT Citation:
NUNES, A. M.Rede Hospitalar Pública em Portugal: Resultados de Diferentes Modelos Organizacionais. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, v. 9, n. 1, p. 154-172, 2020.
APA Citation:
Nunes, A. M.(2020). Rede Hospitalar Pública em Portugal: Resultados de Diferentes Modelos Organizacionais. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, 9(1), 154-172.
DOI:
https://doi.org/10.5585/rgss.v9i1.13286
Permalink:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/58480/public-hospital-network--outcomes-of-the-different-models-of-organization/i/en
Document type:
Artigo
Language:
Português
References:
Administração Central do Sistema de Saúde. Benchmarking hospitais. Disponível em http://benchmarking.acss.min-saude.pt/monitormensal.aspx. Acedido a 10 de setembro de 2018.

Campos, A. (2008). Reformas da saúde – o fio condutor. Coimbra: Edições Almedina.

Campos, A., & Ramos, F. (2005). Contas e ganhos na saúde em Portugal. Dez Anos de Percurso. In Desafios para Portugal – Seminários da Presidência da República (p. 157223). Lisboa: Casa das Letras.

Consultado a 10 de setembro de 2018. Ministério Da Saúde (2010). Relatório do Grupo Técnico para a Reforma da Organização Interna dos Hospitais. A organização interna e a governação dos hospitais. Lisboa: Ministério da Saúde.

Decreto-Lei n.º 233/2005. Transforma em entidades públicas empresariais os hospitais com a natureza de sociedade anónima, o Hospital de Santa Maria e o Hospital de São João e cria o Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental, E. P. E., o Centro Hospitalar de Setúbal, E. P. E., e o Centro Hospitalar do Nordeste, E. P. E., e aprova os respectivos Estatutos.

Devers, K., Shortell, S., Gillies, R., Anderson, D., Mitchell, J., & Morgan, K. (1994). Implementing organized delivery systems: an integration scorecard. Health Care Management Review, 19, 7-20.

Diário da República n.º 172, I Série A, de 26 de julho, p.4683. Lei n.º 27/2002. Aprova o novo regime jurídico da gestão hospitalar e procede à primeira alteração à Lei n.º 48/90, de 24 de agosto. Diário da República nº 258, I Série A, 8 de novembro, p.7150.

Diário da República n.º 249, I Série A, 29 de dezembro, p.7323. Decreto-Lei n.º 284/99. Estabelece o regime aplicável aos centros hospitalares e grupos de hospitais do Serviço Nacional de Saúde.

Direção-Geral de Saúde (DGS) (2001). Glossário de Conceitos para Produção de Estatísticas em Saúde. Lisboa: DGS.

Grone, O., & Garcia-Barbero, M. (2016). Integrated care: a position paper of the WHO European Office for integrated health care services. International Journal of Integrated, 1(1), 1-10.

Instituto Nacional de Estatística (INE) (2018). Serviço de metainformação. Disponível em http://smi.ine.pt/Conceito.

Moreno, C. (2010). Como o Estado gasta o nosso dinheiro. Lisboa: Caderno editores.

Nunes, A. (2016). Reformas na Gestão Hospitalar: análise nos efeitos da empresarialização [tese]. Lisboa: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, Universidade de Lisboa.

Pereira, L. (2005). A reforma estrutural da saúde e a visão estratégica para o futuro. Lisboa: Gradiva.

Simões, J. (2004). As parcerias público-privadas no sector da saúde em Portugal. Revista Portuguesa de Saúde Pública, 4, 79-90.

Tribunal de Contas (2009). Auditoria ao Programa de Parcerias Público Privadas da Saúde Primeira vaga de hospitais. Período 2001-2004. Relatório n.º 15. Lisboa: Tribunal de Contas.