Competências Gerenciais: Estudo das Funções da Coordenação de Curso Superior em Administração Outros Idiomas

ID:
58490
Resumo:
A presente pesquisa tem como objetivo analisar como se caracteriza a gestão por competências, em Instituições de Ensino Superior – IES que adotam este modelo. A metodologia utilizada foi classificada como abordagem qualitativa, descritiva e pesquisa de campo. O objeto de investigação foram duas Universidades Privadas localizadas na região da Grande Florianópolis. Os dados foram coletados por meio de levantamento documental e entrevistas com os coordenadores do curso de administração das IES. A análise dos dados foi realizada por meio da análise do conteúdo. Como conclusão, os resultados apontam que dentro do contexto onde estão inseridas as IES estudadas, apresentam características muito semelhantes na condução das suas atividades por parte dos coordenadores do curso de administração.
Citação ABNT:
CASTRO JUNIOR, D. F. L.; DELUCA, M. A. M.; BARP, A. D.; SOUZA, I. M.; ABREU, J. C. Competências Gerenciais: Estudo das Funções da Coordenação de Curso Superior em Administração. Revista Eletrônica Científica do CRA-PR, v. 6, n. 2, p. 16-29, 2019.
Citação APA:
Castro Junior, D. F. L., Deluca, M. A. M., Barp, A. D., Souza, I. M., & Abreu, J. C. (2019). Competências Gerenciais: Estudo das Funções da Coordenação de Curso Superior em Administração. Revista Eletrônica Científica do CRA-PR, 6(2), 16-29.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/58490/competencias-gerenciais--estudo-das-funcoes-da-coordenacao-de-curso-superior-em-administracao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Baldridge, J. V. (1983) Strategic planning in higher education: Does the emperor have any clothes? Berkeley: McCutchan.

Beal, R. M. & Yasai-Ardekani, M. (2000) Perfomance implications of aligning CEO functional experiences with competitive strategies. Journal of Management, 26(4), 733-762.

Birnbaum, R. (2000). Management fads in higher education. San Francisco: Jossey-Bass.

Boyatzis, R. E. (1982). The competent manager: A model for effective performance. New York: Jhon Wiley & Sons.

Carbone, P. P. (2015). Gestão por competência e educação corporativa: caminhos para o desenvolvimento de competências. Inclusão Social, 7(1).

Carbone, P. P.; Brandão, H. P.; Leite, J. B. D. & Vilhena, R. M. P. (2005). Gestão por competências e gestão do conhecimento. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Carvalho, C. H. A. (2013). A mercantilização da educação superior brasileira e as estratégias de mercado das instituições lucrativas. Revista Brasileira de Educação, 18(54), 761-776.

Castro Junior, D. F. L; Silveira-Martins, E.; Miura, M. N.; Deluca, M. A. M. & Costa, A. M. (2015). Orientação estratégica: análise do comportamento de coordenadores de curso de uma universidade pública federal. Revista Gestão Universitária na América Latina GUAL, 8, 4869.

Covin, J. G. (1991). Entrepeneurial versus conservative firms: a comparasion of strategies and performance. Journal of Management Studies, 25(5), 339-462.

Denzin, N. K. & Lincoln, Y. S. (1994). Handbook of qualitative research. Thousand Oaks, CA: Sage.

Dess, G. G. & Davis, P. S. (1984). Porter’s (1980) generic strategies as determinants of strategic group membership and organizational performance. Academy of Management Journal, 27(3), 467-488.

Dutra, J. S. (2016). Competências: conceitos, instrumentos e experiências. 2. ed. São Paulo: Atlas.

Eisenhardt, K. M. (1989). Building theories from case study research. Academy of Management Review, 14(4), 532-550.

Flannery, T. P.; Hofrichter, D. A. & Platten, P. E. (1997). Personas, desempeño y pago: Compensación dinámica para el nuevo entorno de negocios. Buenos Aires; Paidos.

Fleury, A. & Fleury, M. T. L. (2004). Estratégias empresariais e formação de competências: Um quebra-cabeça caleidoscópico da indústria brasileira. 3. ed. São Paulo: Atlas.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Hambrick, D. C. (1980). Operationalizing the concept of business-level strategy in research. Academy of Management Review. 5(4), 567-576.

Hambrick, D. C. (1983). Some tests of the effectiveness and functional attributes of Miles and Snow’s strategic types. Academy of Management Journal, 26(1), 05-26.

Hardy, C. & Fachin, R. (1996). Gestão estratégica na universidade brasileira: Teoria e casos. Porto Alegre: UFRGS.

Hoffmann, I. L., Nunes, R. C., & Muller, F. M. (2019). As informações do censo da educação superior na implementação da gestão do conhecimento organizacional sobre evasão. Gestão & Produção, 26(2), 1-14. https://doi.org/10.1590/0104-530X-2852-19

Kotler, P. & Murphy, P. (1981). Strategic planning for higher education. Journal of Higher Education. 52(5), 470-489.

Le Boterf, G. (1994). De la compétence. Essai sur un attracteur étrange, Paris, Les Editions d’Organisation.

Martins, E. S.; Lima, N. C.; Queiroz, J. V.; Penedo, A. S. T.; Souza, G. H. S. (2013) Medição de desempenho: avaliando o sistema de uma instituição de ensino do RS. Desafio Online, 1(2), 1-21.

McClelland, D. C. (1973). Testing for competence rather than intelligence. American Psychologist. jan. 1-14.

Melo, M. C. O. L. (2003). A gerência feminina em setores industrial e bancário: o conservadorismo internalizado versus o moderno em construção. In: Proceedings of the International Conference of the Iberoamerican Academy of Management, 3, 2003, São Paulo.

Meyer Júnior, V. (1991). Planejamento estratégico: uma renovação na gestão das instituições universitárias. In: Temas de administração universitária. Florianópolis: Nupeau, OEA/UFSC: 53-69.

Meyer Júnior, V. (2000) Novo contexto e as habilidades do administrador universitário In: Meyer Júnior, V. & Murphy, P (org.). Dinossauros, gazelas e tigres: Novas abordagens da administração universitária. Um diálogo Brasil e EUA. Florianópolis: Insular.

Meyer Júnior, V; Pascucci, L. & Mangolin, L. (2012). Gestão estratégica: Um exame de práticas em universidades privadas. RAP-Revista de Administração Pública, 46(1), 49-70.

Minayo, M. C. S. (Org.). (2003). Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. 22. ed. Rio de Janeiro: Vozes.

Oliveira, D. A.; Gonçalves, R. S. & Barbosa, A. C. Q. (2014). Percepção dos gestores de recursos humanos em relação ao modelo de gestão por competências. Revista FSA, 11(1).

Picawy, M. M. (2008) PDI Plano de Desenvolvimento Institucional, PPI Projeto Pedagógico Institucional e PPC Projeto Pedagógico de Curso, entre o dito e o feito, uma análise da implementação em três IES/RS/BRASIL. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Prahalad, C. K. & Hamel, G. (1990). The core competence of the corporation. Harvard Business Review. 68(3), 79-91.

Prahalad, C. K. & Hamel, G. (2005). Competindo pelo futuro: estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar os mercados de amanhã. 19. ed. Rio de Janeiro: Campus.

Serafim, M. P. (2011). O processo de mercantilização das instituições de educação superior: um panorama de debate nos EUA, na Europa e na América Latina. Avaliação. 16(2), 241-265.

Siedschalg, D. & Marinho, S. V. (2018). Fatores que influenciam na implementação da estratégia em uma universidade sem fins lucrativos. BASE – Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos. 15(3), 205-222.

Silveira-Martins, E. (2012). Comportamento estratégico, ambidestria, incerteza ambiental e desempenho no processo de formulação de estratégias das empresas vinícolas brasileiras. 2012. 140f. Tese (Doutorado em Administração). Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade do Vale do Itajaí, Biguaçu.

Silveira-Martins, E.; Mascarenhas, L. E.; Muller, C. R. (2017). Orientação empreendedora uni/multidimensional como estratégia precedente da capacidade gerencial. Revista Brasileira de Gestão e Inovação, 4(2), 105-124.

Slater, S. F. & Narver, J. C. (1995). Market orientation and the learning organization. Journal of Marketing, 59, 63-74.

Slater, S. F. & Olson, E. M. (2000). Strategy type and performance: the influence of sales force management. Strategic Management Journal, 21, 813-829.

Slater, S. F.; Olson, E. M. & Hult, T. M. (2006). The moderning influence of strategic orientation on the strategy formation capability – performance relationship. Strategic Management Journal, 27, 1221-1231.

Sousa, M. G. T. O. & Barbosa, M. F. N. (2018). A aplicação da gestão por competências nos processos de gestão de pessoas: Um estudo com os servidores técnico-administrativos no Centro de Ciências Jurídicas e Sociais/UFCG. REUNIR: Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade. 8(3), 31-46.

Souza, S. & Souza, I. M. (2018). A implantação da gestão por competência nos termos do Decreto n.º 5.707/2006 na Universidade Federal de Santa Catarina. Revista de Administração da UNIMEP. 16(3), 79-106.

Spencer Jr., L. M. & Spencer, S. M. (1993). Competence at work: models for superior performance. New York: John Wiley.

Trevizan, M. J. (2004). Competências dos gestores administrativos e de apoio em Universidades Comunitárias. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Engenharia da Produção. Florianópolis, 2004. 190 f.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

White, R. E. (1986). Generic business strategies, organizational context and performance: an empirical investigation. Strategic Management Journal. 7, 217-231.

Yin, R. K. (1987). Case study research: design and methods. Beverly Hills: Sage Publications.

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: Planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman.

Zarifian, P. (2001). Objetivo competência: Por uma nova lógica. São Paulo: Atlas