A Governança da Propriedade Intelectual no Contexto da Inovação Aberta Outros Idiomas

ID:
58616
Resumo:
Assumindo como papel de novo paradigma no âmbito da inovação nas organizações, a inovação aberta é considerada como um fenômeno de crescente importância tanto para acadêmicos quanto para os gestores de empresas. Considerando-se a relevância da inovação aberta para as organizações, muitos pesquisadores têm discutido a respeito da governança responsável por gerenciar o referido processo. Em função da necessidade de se compreender o caminho teórico percorrido por pesquisadores que discutem a respeito da inovação aberta, seus mecanismos de governança e o efeito destes fatores nas decisões quanto à propriedade intelectual gerada a partir de uma colaboração, este trabalho busca investigar a produção científica sobre a relação entre o processo de governança e propriedade intelectual no contexto da inovação aberta. Este artigo fornece uma perspectiva holística sobre o paradoxo do conhecimento em colaborações de P&D como um consequente da inovação aberta, descrevendo os novos caminhos da pesquisa em I.A., bem como o papel e as implicações do licenciamento como mecanismo particular para superar o paradoxo da inovação aberta. A pesquisa discute a proeminência da assimetria de informação como uma questão-chave na escolha e concepção de estruturas de governança apropriadas para a inovação aberta. Esta pesquisa caracteriza-se como descritiva, quanto à abordagem, a pesquisa é mista e em relação à estratégia de pesquisa, classifica-se como bibliométrica complementada por uma revisão sistemática. Os dados para realização desta pesquisa foram coletados a partir da busca das palavras chave - open innovation, governance e intellectual property-, nas bases: Spell, Portal de teses e dissertações CAPES, EBSCO, Web of Science e Scopus, 39 trabalhos que demonstraram aderência aos três temas sob análise - inovação aberta, governança e propriedade intelectual. Após análise do material, foi possível perceber que existe um certo amadurecimento do tema, visto que as pesquisas que analisam a inovação aberta não estão mais focadas apenas em justificar a importância desta para o aumento de competitividade organizacional. A governança neste processo é tratada na perspectiva do gestor da organização e a principal discussão que é travada a partir disso se refere à preocupação deste com a propriedade intelectual fruto da interação entre os envolvidos. Grande parte dos trabalhos utilizam como principais atores em sua análise da inovação aberta, a relação empresa-empresa. Evidencia-se a necessidade de explorar esta temática a partir da perspectiva de outros agentes. Além disso, percebe-se não existir um consenso na literatura em relação aos tipos de governança para gerenciar a inovação aberta e a nomenclatura destes. Outra percepção a partir da análise dos artigos presentes no portfólio bibliográfico consiste na falta de estudos que discutam sobre o papel da cultura e da confiança no processo de interação entre agentes, sejam estas empresas privadas, empresas públicas ou universidades.
Citação ABNT:
BURGER, B. E.; FIATES, G. G. S. A Governança da Propriedade Intelectual no Contexto da Inovação Aberta. Revista de Administração da Unimep, v. 18, n. 2, p. 209-235, 2020.
Citação APA:
Burger, B. E., & Fiates, G. G. S. (2020). A Governança da Propriedade Intelectual no Contexto da Inovação Aberta. Revista de Administração da Unimep, 18(2), 209-235.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/58616/a-governanca-da-propriedade-intelectual-no-contexto-da-inovacao-aberta/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BENEDETTI, M. H. A contribuição das universidades para as empresas que adotam o modelo de inovação aberta. 2011.

BICAN, P. M.; GUDERIAN, C. C.; RINGBECK, A. Managing knowledge in open innovation processes: an intellectual property perspective. Journal of Knowledge Management, v. 21, n. 6, p. 1384-1405, 2017.

BOGERS, M. The open innovation paradox: knowledge sharing and protection in R&D collaborations. European Journal of Innovation Management, v. 14, n. 1, p. 93-117, 2011.

BOGERS, M.; CHESBROUGH, H.; MOEDAS, C. Open Innovation: Research, Practices, and Policies. California Management Review, v. 60, n. 2, p. 5-16, 2018.

CERVANTES, M.; MEISSNER, D. Commercialising public research under the open innovation model: new trends. Форсайт, v. 8, n. 3, 2014.

CHESBROUGH, H. Open Innovation: The New Imperative for Creating and Profiting from Technology. Harvard Business School Press. Boston, M.A. 2003.

CHESBROUGH, H. Open innovation: Where we've been and where we're going. ResearchTechnology Management, v. 55, n. 4, p. 20-27, 2012.

DE BACKER, K.; LÓPEZ-BASSOLS V.; MARTINEZ C. Open Innovation in a Global Perspective: What Do Existing Data Tell Us? OECD Science, Technology and Industry Working Papers, No. 2008/04. OECD Publishing, Paris. 2008.

EBRAHIM, N. A.; BONG, Y. B. Open Innovation: A Bibliometric Study. International Journal of Innovation, v. 5, n. 3, 2018.

FELIN, T.; ZENGER, T. R. Closed or open innovation? Problem solving and the governance choice. Research Policy, v. 43, n. 5, p. 914-925, 2014.

FONSECA, S. A. Incubadoras como vetores para a promoção de tecnologias limpas em empreendimentos de pequeno porte: possibilidades e limites. RAM, Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 188-212, 2015.

FREEL, M.; ROBSON, P. J. Appropriation strategies and open innovation in SMEs. International Small Business Journal, v. 35, n. 5, p. 578-596, 2017.

FREITAS, I. M. B.; GEUNA, A.; ROSSI, F. Finding the right partners: Institutional and personal modes of governance of university–industry interactions. Research Policy, 42(1), 50-62, 2013.

GALVÃO, C. M.; SAWADA, N. O. ; TREVISAN, M. A. Revisão sistemática: recurso que proporciona a incorporação das evidências na prática da enfermagem. Rev Lat Am Enferm, v. 12, n. 3, p. 549-565, 2004.

GASSMANN, O.; ENKEL, E. Towards a theory of open innovation: three core process archetypes. 2004.

GESING, J.; ANTONS, D.; PIENING, E. P.; RESE, M.; SALGE, T. O. Joining Forces or Going It Alone?On the Interplay among External Collaboration Partner Types, Interfirm Governance Modes, and Internal R & D. Journal of Product Innovation Management, 32(3), 424-440, 2015.

GLÄNZEL, W. Coauthorship patterns and trends in the sciences (1980-1998): A bibliometric study with implications for database indexing and search strategies, 2002.

GOMES, M. S.; GONÇALO, C. R.; PEREIRA, C. D.; VARGAS, S. L. A inovação como conexão para o desenvolvimento de parcerias entre universidadeempresa. Navus Revista de Gestão e Tecnologia. Florianópolis, SC, v. 4, n. 2, p. 78-91, 2014.

GREEN, B. N.; JOHNSON, C. D.; ADAMS, A. Writing narrative literature reviews for peerreviewed journals: secrets of the trade. Journal of chiropractic medicine, v. 5, n. 3, p. 101-117, 2006.

GUARIDO FILHO, E. R.; MACHADO-DA-SILVA, C. L.; GONÇALVES, S. A. Organizational institutionalism in the academic field in Brazil: social dynamics and networks. BAR-Brazilian Administration Review, v. 6, n. 4, p. 299-315, 2009.

GUEDES, V. L. S.; BORSCHIVER, S. Bibliometria: uma ferramenta estatística para a gestão da informação e do conhecimento, em sistemas de informação, de comunicação e de avaliação científica e tecnológica. Encontro Nacional de Ciência da Informação, v. 6, p. 1-18, 2005.

HAGEDOORN, J.; ZOBEL, A. The role of contracts and intellectual property rights in open innovation. Technology Analysis & Strategic Management, v. 27, n. 9, p. 1050-1067, 2015.

HAIR, J. F.; BLACK, W. C.; BABIN, B. J.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L. Análise multivariada de dados. 6 ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HOFSTEDE, Geert; HOFSTEDE, Gert Jan; MINKOV, Michael. Cultures and organizations: Software of the mind. New York: Mcgraw-hill, 2005.

HOLGERSSON, M.; GRANSTRAND, O.; BOGERS, M. The evolution of intellectual property strategy in innovation ecosystems: Uncovering complementary and substitute appropriability regimes. Long Range Planning, 2017.

HUIZINGH, E. K. Open innovation: State of the art and future perspectives. Technovation, v. 31, n. 1, p. 2-9, 2011.

KUMAR, R. Research methodology: A step-by-step guide for beginners. Sage, 2014.

LAURSEN, K.; SALTER, A. Open for innovation: the role of openness in explaining innovation performance among UK manufacturing firms. Strategic management journal, v. 27, n. 2, p. 131-150, 2006.

ORTIZ-DE-URBINA-CRIADO, M.; NÁJERA-SÁNCHEZ, J. J.; MORA-VALENTÍN, E. A Research Agenda on Open Innovation and Entrepreneurship: A Co-Word Analysis. Administrative Sciences, v. 8, n. 3, p. 34, 2018.

RANDHAWA, K.; WILDEN, R.; HOHBERGER, J. A bibliometric review of open innovation: Setting a research agenda. Journal of Product Innovation Management, 33(6), 750-772, 2016.

RICHARDSON, R. J.; Pesquisa Social: Métodos e Técnicas. São Paulo: Atlas, 2011.

RODRÍGUEZ, J. L.; LORENZO, A. G. Open innovation: Organizational challenges of a new paradigm of innovation management. European Research Studies, v. 14, n. 1, p. 75, 2011.

SAEBI, T.; FOSS, N. J. Business models for open innovation: Matching heterogeneous open innovation strategies with business model dimensions. European Management Journal, v. 33, n. 3, p. 201-213, 2015.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, M. del P. B. Metodologia de Pesquisa. 5 ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

SANTOS, J. S.; TEIXEIRA, E. S.; MARINI, M. J. Ciência, tecnologia, inovação e desenvolvimento no Programa de Empreendedorismo da Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Revista Grifos, 25(41), 255-285, 2017.

SEKARAN, U.; BOUGIE, R. Research methods for business: A skill building approach. John Wiley & Sons, 2016.

STEFAN, I.; BENGTSSON, L. Appropriability: a key to opening innovation internationally? Int. J. Technology Management, v. 71, n. 3/4, 2016.

VEER, T.; LORENZ, A.; BLIND, K. How open is too open?The mitigating role of appropriation mechanisms in R&D cooperation settings. R&D Management, v. 46, n. S3, p. 1113-1128, 2016.

VENÂNCIO, D. M.; ANDRADE, D.; FIATES, G. G. S. Inovação em serviços: um estudo bibliométrico da produção científica no Portal Capes até setembro de 2013. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, v. 7, n. 1, p. 137-157, 2014.

WEST, J.; BOGERS, M. Leveraging external sources of innovation: a review of research on open innovation. Journal of Product Innovation Management, v. 31, n. 4, p. 814-831, 2014.

WEST, J.; BOGERS, M. Profiting from external innovation: a review of research on open innovation. In: 9th International Open and User Innovation Workshop, Vienna, Austria, 2011.

WILLIAMSON, O. E. The Mechanisms of Governance. Oxford University Press: New York, NY. 1996.

BELFORT, A. C.; FREITAS, H. M. R. de.; MARTENS, C. D. P. Affordances em Tecnologia Móvel: um tema já consolidado ou uma tendência? In: XVIII SEMEAD, Seminários em Administração, 2015. Anais do XVIII SEMEAD Seminários em Administração, São Paulo: USP. 2015. p. 1-16.