Vínculos Organizacionais de Comprometimento, Entrincheiramento e Consentimento: Explorando seus Antecedentes e Consequentes Outros Idiomas

ID:
58659
Periódico:
Resumo:
Este trabalho tem por objetivo desenvolver um modelo que analise as influências dos valores organizacionais nos vínculos de comprometimento, entrincheiramento e consentimento do indivíduo com a organização, como variáveis antecedentes, e o desempenho no trabalho, como variável consequente. Para alcançar o objetivo traçado, realizou-se uma pesquisa de natureza descritiva e explicativa, com abordagem de métodos mistos – quantitativos e qualitativos. A pesquisa foi estruturada em duas fases. Na primeira fase, os dados foram coletados a partir da aplicação de um questionário de pesquisa fechado. Para os dados quantitativos, a análise foi operacionalizada por meio da técnica de modelagem de equações estruturais. Na segunda fase, os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas. A análise dos dados qualitativos foi realizada por meio da técnica de análise de conteúdo. Os resultados revelam que determinados valores compartilhados pela organização são determinantes do tipo de vínculos que o indivíduo estabelece com a organização, sendo que valores distintos influenciam vínculos distintos. Ademais, como consequente, o tipo de vínculo organizacional estabelecido influencia o desempenho do indivíduo no trabalho.
Citação ABNT:
TOMAZZONI, G. C.; COSTA, V. M. F. Vínculos Organizacionais de Comprometimento, Entrincheiramento e Consentimento: Explorando seus Antecedentes e Consequentes. Cadernos EBAPE.BR, v. 18, n. 2, p. 268-283, 2020.
Citação APA:
Tomazzoni, G. C., & Costa, V. M. F. (2020). Vínculos Organizacionais de Comprometimento, Entrincheiramento e Consentimento: Explorando seus Antecedentes e Consequentes. Cadernos EBAPE.BR, 18(2), 268-283.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1679-395175056
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/58659/vinculos-organizacionais-de-comprometimento--entrincheiramento-e-consentimento--explorando-seus-antecedentes-e-consequentes/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Ed. 70, 2011.

BASTOS, A. V. B.; AGUIAR, C. V. N. Comprometimento organizacional. In: PUENTE-PALACIOS, K.; PEIXOTO, A. L. A. (Org.). Ferramentas de diagnóstico para organizações e trabalho: um olhar a partir da psicologia. Porto Alegre: Artmed, 2015. p. 78-91.

BECKER, H. S. Notes on the concept of commitment. American Journal of Sociology, v. 66, n. 1, p. 32-40, 1960.

CAMERON, K. S.; BRIGHT, D.; CAZA, A. Exploring the relationships between organizational virtuousness and performance. American Behavioral Scientist, v. 47, n. 6, p. 766-790, 2004.

CAMPBELL, J. P. Modeling the performance prediction problem in industrial and organizational psychology. In: DUNNETTE, M. D.; HOUGH, L. M. (Ed.). Handbook of industrial and organizational psychology. Palo Alto: Consulting Psychology Press, 1990. p. 687-732.

CARSON, K. D.; BEDEIAN, A. G. Career commitment: construction of a measure and examination of its psychometric properties. Journal of Vocational Behavior, v. 44, n. 3, p. 237-262, 1994.

CHIN, W. W. The partial least squares approach for structural equation modeling. In: MARCOULIDES, G. A. (Ed.). Modern methods for business research. London: Lawrence Erlbaum Associates, 1998. p. 295-336.

COHEN, J. Statistical power analysis for the behavioral sciences. New York: Psychology Press, 1998.

FOGAÇA, N. et al. Job performance analysis: scientific studies in the main journals of management and psychology from 2006 to 2015. Performance Improvement Quarterly, v. 30, n. 4, p. 231-247, 2018.

FORNELL, C.; LARCKER, D. F. Evaluating structural equation models with unobservable variables and measurement error. Journal of Marketing Research, v. 18, n. 1, p. 39-50, 1981.

GAO-URHAHN, X.; BIEMANN, T.; JAROS, S. J. How affective commitment to the organization changes over time: a longitudinal analysis of the reciprocal relationships between affective organizational commitment and income. Journal of Organizational Behavior, v. 37, p. 515-536, 2016.

HAIR JUNIOR, J. F. et al. A primer on partial least squares structural equation modeling (PLS-SEM). Los Angeles: Sage, 2013.

HARTER, J. K. et al. Causal impact of employee work perceptions on the bottom line of organizations. Perspectives on Psychological Science, v. 5, n. 4, p. 378-389, 2010.

HEAVEY, A. L.; HOLWERDA, J. A.; HAUSKNECHT, J. P. Causes and consequences of collective turnover: a meta-analytic review. Journal of Applied Psychology, v. 98, n. 3, 412-453, 2010.

KLEIN, H. J. Commitment in organizational contexts: introduction to the special issue. Journal of Organizational Behavior, v. 37, p. 489-493, 2016.

KLEIN, H. J.; MOLLOY, J. C.; BRINSFIELD, C. T. Recconceptualizing workplace commitment to redress a stretched construct: revisiting assumptions and removing confounds. Academy of Management Review, v. 37, p. 130-151, 2012.

MACIEL, C. O.; CAMARGO, C. Social connection in organizations: the effects of local ties on job engagement and performance. Revista de Administração, v. 51, p. 377-385, 2016.

MAIA, L. G.; BASTOS, A. V. B.; SOLINGER, O. N. Which factors make the difference for explaining growth in newcomer organizational commitment?A latent growth modeling approach. Journal of Organizational Behavior, v. 37, n. 4, p. 537-357, 2016.

MEDEIROS, C. A. F.; ALBUQUERQUE, L. G. Comprometimento organizacional: um estudo de suas relações com características organizacionais e desempenho nas empresas hoteleiras. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, v. 5, n. 1, p. 35-64, 2005.

MEYER, J. P.; ALLEN, N. J. A three-component conceptualization of organizational commitment. Human Resource Management Review, v. 1, n. 1, p. 61-89, 1991.

MOWDAY, R. T.; PORTER, L. W.; STEERS, R. M. Employee-organization linkages: the psychology of commitment, absenteism and turnover. New York: Academic Press, 1982.

NASCIMENTO, T. G. et al. Valores organizacionais: uma análise bibliométrica da produção nacional do período de 2000 a 2013 na área de administração. Organizações em Contexto, v. 12, n. 24, p. 37-64, 2016.

OLIVEIRA, A. F.; TAMAYO, A. Inventário de perfis de valores organizacionais. Revista de Administração, v. 39, n. 2, p. 129-140, 2004.

PAIVA, K. C. M.; DUTRA, M. R. S. Valores organizacionais e valores do trabalho: um estudo com operadores de call center. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 40-62, 2017.

PINHO, A. P. M. Comprometimento, entrincheiramento e consentimento organizacionais: uma análise destes vínculos, entre gestores e trabalhadores, de diferentes organizações. 256 f. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

PINHO, A. P. M.; BASTOS, A. V. B.; ROWE, D. E. O. Diferentes vínculos indivíduo-organização: explorando seus significados entre gestores. Revista de Administração Contemporânea, v. 19, n. 3, p. 288-304, 2015.

PINHO, A. P. M.; BASTOS, A. V. B.; ROWE, D. E. O. Diferentes vínculos organizacionais: explorando concepções, fatores organizacionais antecedentes e práticas de gestão. Organizações & Sociedade, v. 22, n. 75, p. 659-680, 2015.

QUEIROGA, F.; BORGES-ANDRADE, J. E.; COELHO JUNIOR, F. A. Desempenho no trabalho: escala de avaliação geral por meio de autopercepções. In: PUENTE-PALACIOS, K.; PEIXOTO, A. L. A. (Org.). Ferramentas de diagnóstico para organizações e trabalho: um olhar a partir da psicologia. Porto Alegre: Artmed, 2015. p. 36-45.

RINGLE, C. M.; SILVA, D.; BIDO, D. Modelagem de equações estruturais com utilização do SmartPLS. Revista Brasileira de Marketing, v. 3, n. 2, p. 54-71, 2014.

RODRIGUES, A. C. A.; BASTOS, A. V. B. Entrincheiramento organizacional. In: PUENTE-PALACIOS, K.; PEIXOTO, A. L. A. (Org.). Ferramentas de diagnóstico para organizações e trabalho: um olhar a partir da psicologia. Porto Alegre: Artmed, 2015. p. 107-120.

RODRIGUES, A. C. A.; BASTOS, A. V. B. Entrincheiramento organizacional: construção e validação da escala. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 25, n. 4, p. 688-700, 2012.

SCHEIBLE, A. C. F.; BASTOS, A. V. B. An examination of human resource management practices influence on organizational commitment and entrenchment. Brazilian Administration Review, v. 10, n. 1, p. 57-76, 2013.

SCHWARTZ, S. H. Universals in the content and structure of values: theoretical advances and empirical tests in 20 countries. In: ZANNA, M. (Org.). Advances in experimental social psychology. San Diego: Academic Press, 1992. p. 1-65.

SILVA, E. E. C.; BASTOS, A. V. B. Consentimento organizacional. In: PUENTE-PALACIOS, K.; PEIXOTO, A. L. A. (Org.). Ferramentas de diagnóstico para organizações e trabalho: um olhar a partir da psicologia. Porto Alegre: Artmed, 2015. p. 92-106.

SONNENTAG, S.; FRESE, M. Performance concepts and performance theory. In: SONNENTAG, S. (Ed.). Psychology management of individual performance. Oxford: John Wiley & Sons, 2002. p. 3-27.

TAMAYO, A. Valores organizacionais e comprometimento afetivo. Revista de Administração Mackenzie, v. 6, n. 3, p. 192-213, 2005.

TAMAYO, A.; GONDIM, M. G. C. Escala de valores organizacionais. Revista de Administração, v. 31, n. 2, p. 62-72, 1996.

TENENHAUS, M et al. PLS path modeling. Computational Statistics & Data Analysis, v. 48, n. 1, p. 159-205, 2005.

BALSAN, L. A. G. et al. A influência do comprometimento, do entrincheiramento e do suporte à transferência de treinamento sobre o impacto do treinamento no trabalho. Revista de Administração da UFSM, v. 10, n. 6, p. 976-989, 2017.