A Tomada de Decisão Empresarial em Finanças: Aspectos Epistemológicos e Paradigmáticos Outros Idiomas

ID:
58734
Resumo:
Este caso de ensino fornece a possibilidade de discussão sobre questões epistemológicas e paradigmáticas em Finanças, sobretudo quanto às influências cognitivas, sociais e emocionais observadas sobre a tomada de decisão dos indivíduos – campo de estudo das Finanças Comportamentais. O presente caso fictício exemplifica como as crenças, emoções e sentimentos do gestor podem influenciar suas decisões e, consequentemente, impactar o desempenho de seu negócio. Inicialmente, o caso de sucesso do Sr. Batista é apresentado e serve para elucidar o que vem depois dele: revisão da literatura envolvendo a tomada de decisão financeira, questões para reflexão, discussão e considerações finais. Ao apresentar aspectos contemporâneos da discussão paradigmática em Finanças e ao fornecer de forma elucidativa ideias e base teórica para pesquisadores, alunos e demais indivíduos interessados na investigação teórica e prática de assuntos da área, este caso de ensino contribui com a formação e o desenvolvimento de senso crítico de profissionais de finanças, pesquisadores, estudantes de pós-graduação e estudantes de graduação em nível avançado.
Citação ABNT:
GOMES, M. C.; VALLE, M. R. A Tomada de Decisão Empresarial em Finanças: Aspectos Epistemológicos e Paradigmáticos. Administração: Ensino e Pesquisa, v. 21, n. 1, p. 92-113, 2020.
Citação APA:
Gomes, M. C., & Valle, M. R. (2020). A Tomada de Decisão Empresarial em Finanças: Aspectos Epistemológicos e Paradigmáticos. Administração: Ensino e Pesquisa, 21(1), 92-113.
DOI:
http://dx.doi.org/10.13058/raep.2020.v21n1.1368
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/58734/a-tomada-de-decisao-empresarial-em-financas--aspectos-epistemologicos-e-paradigmaticos/i/pt-br
Tipo de documento:
Caso de Ensino
Idioma:
Português
Referências:
AGUIAR, E. S. et al. A Influência de Gênero, Idade, Formação e Experiência nas Decisões de Investimentos: uma Análise do Efeito Confiança. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, v. 4, n. 3, p. 44-55, 2016. http://dx.doi.org/10.18405/recfin20160303

ARDALAN, K. Capital structure theory: Reconsidered. Research in International Business and Finance, v. 39, Part B, p. 696-710, 2017. https://doi.org/10.1016/j.ribaf.2015.11.010

ARDALAN, K. On the role of paradigms in finance. New York: Ashgate, 2008.

ÁVILA, L. A. C. et al. Behavioral Biases in Investors’ Decision: Studies Review from 2006-2015. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, v. 6, n. 2, p. 112-131, 2016. https://doi.org/10.18028/2238-5320/ rgfc.v6n2p112-131

BAKER, H. K.; RICCIARDI, V. How Biases Affect Investor Behaviour. The European Financial Review, February-March, p. 7-10, 2014. Disponível em SSRN: https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=2457425

BAKER, M.; WURGLER, J. Market timing and capital structure. The Journal of Finance, v. 57, n. 1, p. 1-32, 2002. https://doi.org/10.1111/1540-6261.00414

BARRETO, P. S.; MACEDO, M. A. S; ALVES, F. J. S. Tomada de Decisão e Teoria dos Prospectos em Ambiente Contábil: Uma Análise com Foco no Efeito Framing. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, v. 3, n. 2, p. 61-79, 2013.

BLACK, F.; SCHOLES, M. The pricing of options and corporate liabilities. Journal of Political Economy, v. 81, n. 3, p. 637-654, 1973. Recuperado de http://www.jstor.org/stable/1831029

BURRELL, G.; MORGAN, G. Sociological paradigms and organizational analysis. London: Heinemann Educational Books, 1979.

FAMA, E. The behavior of stock-market prices. Journal of Business, v. 38, n. 1, p. 34-105, 1965. Recuperado de http://www.jstor.org/stable/2350752

KAHNEMAN, D.; TVERSKY, A. Prospect Theory: an analysis of decisions under risk. Econometrica, v. 47, n. 2, p. 263-291, 1979. Recuperado de http://www.jstor.org/stable/1914185

KENDALL, M. G. The analysis of economic time series. Journal of the Royal Statistical Society, v. 96, p. 11-25, 1953. Recuperado de http://www.jstor.org/stable/2980947

KRIEGER, K.; ANG, J. S. The Unintended Consequences of High Expectations and Pressure on New CEOs. Journal of Business Finance & Accounting, v. 40, n. 3-4, p. 501–526, 2013. https://doi.org/10.1111/ jbfa.12021

MALAQUIAS, R. F.; MAMEDE, S. P. N. Efeito Calendário e Finanças Comportamentais no Segmento de Fundos Multimercados. RAC Revista de Administração Contemporânea, v. 19, n. spe, p. 98-116, 2015. http://dx.doi.org/10.1590/1982-7849rac20152062

MARKOWITZ, H. Portfolio selection. The Journal of Finance, v. 7, n. 1, p. 77-91, 1952. https://doi.org/10.1111/j.1540-6261.1952.tb01525.x

MARTINS, J. F. et al. O comportamento financeiro dos estudantes de graduação à luz da teoria dos prospectos. Revista Ciências Administrativas, v. 21, n. 1, p. 95-111, 2015. http://dx.doi.org/10.5020/23180722.2015.v21n1p95

MCGOUN, E. G. On knowledge of finance. International Review of Financial Analysis, v. 1, n. 3, p. 161177, 1992. https://doi.org/10.1016/1057-5219(92)90002-L

MODIGLIANI, F. E.; MILLER, M. H. The cost of capital, corporation finance, and the theory of investment. The American Economic Review, v. 48, n. 3, p. 261-97, 1958. Recuperado de http://www.jstor.org/stable/1809766

MRAMOR, D.; LONČARSKI, I. Traditional, modern and new approach to finance. Conference on alternative perspectives on finance. University of Hamburg, Hamburg, Germany, 6, August 2002.

PONDÉ, J. L. Racionalidade, incomensurabilidade e história: aprendendo com um diálogo entre as obras de HA Simon e TS Kuhn [Discussion Paper]. Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2014. Recuperado de http://www.ie.ufrj.br/images/pesquisa/publicacoes/discussao/2014/TD_ IE_010_2014_-_Ponde.pdf.

ROSTAMI, M.; DEHAGHANI, Z. A. Impact of Behavioral Biases (overconfidence, ambiguity-aversion and loss-aversion) on Investment Making Decision in Tehran Stock Exchange. Journal of Scientific Research and Development, v. 2, n. 4, p. 60-64, 2015.

RUBINSTEIN, M. Rational Markets: Yes or No? The Afirmative Case. Financial Analysts Journal. v. 28, n. 1, 2001. https://doi.org/10.2469/faj.v57.n3.2447

SHARPE, W. F. Capital asset prices: a theory of market equilibrium under conditions of risk. The Journal of Finance, v. 19, n. 3, p. 425-442, 1964. http://www.jstor.org/stable/2977928

SILVA, P. V. J. G.; SANTOS, J. B. ; PEREIRA, G. P. Estudo Bibliométrico sobre Finanças Comportamentais no Brasil de 2007 a 2017. In: 5th Brazilian Behavioral Economics and Finance Meeting, Fundação Getulio Vargas, São Paulo, 2018. https://cef.fgv.br/sites/cef.fgv.br/files/arquivos/2._artigo_bibliometria_ fin._comp_-_final.pdf

SILVA, T. B. J. et al. Influência do Excesso de Confiança e Otimismo no Endividamento de Organizações Cinquentenárias e não Cinquentenárias Brasileiras. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, v. 5, n. 2, p. 1-3, 2017. http://dx.doi.org/10.18405/recfin20170203

SIMON, H. A. Administrative behavior: a study of decision-making processes in administrative organizations. 4th ed. New York: Simon & Schuster, 2013.

THALER, R. H. From Cashews to Nudges: The Evolution of Behavioral Economics. American Economic Review, v. 108, n. 6, p. 1265–1287, 2018. https://doi.org/10.1257/aer.108.6.1265

TORGA, E. M. M. F. et al. Behavioral finance and games: simulations in the academic environment. Revista Contabilidade & Finanças, v. 29, n. 77, p. 297-311, 2018. http://dx.doi.org/10.1590/1808-057x201804830

TVERSKY, A.; KAHNEMAN, D. Judgment under uncertainty: heuristics and biases. Science, v. 185, n. 4157, p. 1124-1131, 1974. http://www.jstor.org/stable/1738360

YOSHINAGA, C. E.; RAMALHO, T. B. Finanças Comportamentais no Brasil: uma aplicação da teoria da perspectiva em potenciais investidores. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 16, n. 53, p. 594615, 2014. http://dx.doi.org/10.7819/rbgn.v16i52.1865

ZANALDA, G. Financial Crises, History of. International Encyclopedia of the Social & Behavioral Sciences (Second Edition), p. 183-190, 2015. https://doi.org/10.1016/B978-0-08-097086-8.71074-9

ZHANG, Y.; GIMENO, J. Earnings Pressure and Long-Term Corporate Governance: Can Long-Term-Oriented Investors and Managers Reduce the Quarterly Earnings Obsession? Organization Science, v. 27, n. 2, p. 354-372, 2016. https://doi.org/10.1287/orsc.2016.1056