Gerenciamento de Riscos e Gestão de Controles Internos em Empresas Brasileiras Envolvidas em Crimes de Corrupção e Lavagem de Dinheiro Outros Idiomas

ID:
58824
Resumo:
Diante dos rumorosos escândalos de corrupção e lavagem de dinheiro no país envolvendo empresas de capital aberto, em especial aqueles descobertos pela Operação Lava Jato, percebe-se a fragilidade das companhias no tocante à gestão de controles internos e ao gerenciamento de riscos. Assim, o estudo tem por objetivo identificar as principais características do gerenciamento de riscos e da gestão de controles internos divulgadas nos formulários de referência de companhias de capital aberto listadas na B3, envolvidas em crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Foram analisados os formulários de referência dos exercícios de 2013 a 2016 de seis empresas que vêm sendo investigadas pelo Ministério Público Federal. Observou-se, dentre outras fragilidades, que algumas empresas ainda não adotam uma política de gerenciamento de riscos formal, ou só recentemente passaram a implementá-la, enquanto outras julgam que a gestão de controles internos não tem sido eficaz.
Citação ABNT:
FAÇANHA, M. C.; LIMA, F. A. P.; LUCA, M. M. M.; VASCONCELOS, A. C. Gerenciamento de Riscos e Gestão de Controles Internos em Empresas Brasileiras Envolvidas em Crimes de Corrupção e Lavagem de Dinheiro . Revista Contemporânea de Contabilidade, v. 17, n. 43, p. 34-50, 2020.
Citação APA:
Façanha, M. C., Lima, F. A. P., Luca, M. M. M., & Vasconcelos, A. C. (2020). Gerenciamento de Riscos e Gestão de Controles Internos em Empresas Brasileiras Envolvidas em Crimes de Corrupção e Lavagem de Dinheiro . Revista Contemporânea de Contabilidade, 17(43), 34-50.
DOI:
https://doi.org/10.5007/2175-8069.2020v17n43p34
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/58824/gerenciamento-de-riscos-e-gestao-de-controles-internos-em-empresas-brasileiras-envolvidas-em-crimes-de-corrupcao-e-lavagem-de-dinheiro-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AICPA – American Institute of Certified Public Accountants. Internal Control. 2014. Disponível em: www.aicpa.org/Publications/InternalControl/Pages/InternalControl.aspx. Acesso em: 20 maio 2017.

ARAGÃO, L. A.; CAVALCANTE, D. S. Qualidade das informações do formulário de referência nas empresas brasileiras listadas no Novo Mercado da BM&FBovespa. RACE – Revista de Administração, Contabilidade e Economia (Online), v. 13, p. 1089-1118, 2014.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução de L. de A. Rego e A. Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 2006.

BARROS, E. S.; FEITOZA, G. B. Impacto do Controle da Corrupção sobre a Eficiência do Governo no Ano de 2015: O Caso dos Países da América Latina. Desenvolvimento em Questão, v. 17, n. 49, p. 10-29, 2019. http://dx.doi.org/10.21527/2237-6453.2019.49.10-29

BATABYAL, S.; CHOWDHURY, A. Curbing corruption, financial development and income inequality. Progress in Development Studies, v. 15, v. 1, p. 49-72, 2015. https://doi.org/10.1177/1464993414546980

BAUER, Martin. Análise de conteúdo clássica uma revisão. In: BAUER, Martin; GASKELL, George (Eds.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

BEUREN, I. M.; DALLABONA, L. F.; DANI, A. C. Disclosure de informações sobre gestão de riscos e controle interno pelas empresas listadas na BM&FBovespa. Revista de Economia e Administração, v. 10, n. 1, p. 44-65, 2011. https://doi.org/10.11132/rea.2011.444

BRASIL. Lei n. 12.846/2013. Dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira, e dá outras providências. Diário Oficial, Brasília, DF, 1o de agosto de 2013.

BRASILIANO, A. C. R. Gestão de risco de fraude. São Paulo: Sicurezza, 2015.

CALDAS, O. V.; COSTA, C. M.; PAGLIARUSSI, M. S. Corrupção e composição dos gastos governamentais: evidências a partir do Programa de Fiscalização por Sorteios Públicos da Controladoria-Geral da União. Revista de Administração Pública (Impresso), v. 50, p. 237-264, 2016. https://doi.org/10.1590/00347612140185

CARIOCA, K. J. F.; DE LUCA, M. M. M.; PONTE, V. M. R. Implementação da lei Sarbanes-Oxley e seus impactos nos controles internos e nas práticas de governança corporativa: um estudo na Companhia Energética do Ceará – Coelce. Revista Universo Contábil, v. 6, n. 4, p. 50-67, out./dez. 2010.

CASTRO, P. R.; AMARAL, J. V.; GUERREIRO, R. Aderência ao Programa de Integridade da Lei Anticorrupção Brasileira e Implantação de Controles Internos. Revista Contabilidade & Finanças USP, v. 30, n. 80, p. 186-201, 2019. https://doi.org/10.1590/1808-057x201806780

CHAIKIN, D. Commercial corruption and money laundering: a preliminary analysis. Journal of Financial Crime, 2008. https://doi.org/10.1108/13590790810882865.

CODIM – Comitê de Orientação para Divulgação de Informações ao Mercado. Pronunciamento de orientação no 9, de 27 de abril de 2011. Instruções preparativas do formulário de referência. Disponível em http://www.codim.org.br/elaborados.asp. Acesso em: 9 mar. 2017.

COSO – Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission. Gerenciamento de riscos corporativos – estrutura integrada. 2007. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2017.

COSO – Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission. Internal control – integrated framework. 2007. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2017.

CRISANTE NETO, B.; GALHARDO, L. C.; CRESTO, V. Importância da auditoria na avaliação dos controles internos. Resenha BMF, n. 162, p. 64-68, 2005.

CROUHY, M.; GALAI, D.; MARK, R. Gerenciamento de risco: abordagem conceitual e prática. Rio de Janeiro: Qualitymark; São Paulo: Serasa, 2004.

CVM – Comissão de Valores Mobiliários. Instrução CVM no 480, de 7 de dezembro de 2009. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2017.

CVM – Comissão de Valores Mobiliários. Instrução CVM nº 552, de 9 de outubro de 2014. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2017.

D’AVILA, M. Z.; OLIVEIRA, M. A. M. Conceitos e técnicas de controles internos de organizações. São Paulo: Nobel, 2002.

DANTAS, J. A.; RODRIGUES, F. F.; MARCELINO, G. F.; LUSTOSA, P. R. B. Custo-benefício do controle: proposta de um método para avaliação com base no Coso. Revista Contabilidade, Gestão e Governança, v. 13, n. 2, p. 3-19, 2010.

ECKERT, A.; MECCA, M. S.; BIASIO, R.; PEZZI, G. M. Accounting frauds: characterization and analysis of brazilian scientific publications. Revista Universo Contábil, v. 10, n. 1, p. 84-103, 2014. https://doi:10.4270/ruc.2014105

FARIAS, R. P.; DE LUCA, M. M. M.; MACHADO, M. V. V. A metodologia Coso como ferramenta de gerenciamento dos controles internos. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 3, n. 12, p. 55-71, 2009.

GOMES, P. H. V.; FERREIRA, J. H. M.; DE LUCA, M. M. M.; PONTE, V. M. R. Análise do nível de adesão ao disclosure do risco operacional pelos bancos com ações negociadas na BM&FBovespa. Revista Razão Contábil & Finanças, v. 3, n. 1, p. 36-56, jan./jun. 2012.

GOMES, T. G.; MEDEIROS, C. R. O. Construindo e Desconstruindo Escândalos de Corrupção: A Operação Lava-Jato nas Interpretações da Veja e Carta Capital. Organizações & Sociedade, v. 26, n. 90, p. 457-485, 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1984-9260904

IYER, N.; SMOCIUK, M. Risco de fraude: um breve manual para prevenir e detectar fraudes. São Paulo: Sicurezza, 2013.

KASSEM, R.; HIGSON, A. W. The New Fraud Triangle Model. Journal of Emerging Trends in Economic and Management Sciences, v. 3, n. 3, p. 191-195, 2012.

KHOJASTEHPOUR, M. How does corporate social responsibility avoid the incidence of corruption in international expansion ? European Business Review, v. 27, n. 3, p. 334–342, 2015. http://dx.doi.org/10.1108/EBR-01-2015-0002

LOPES, C. C. V. M.; GONÇALVES, R. S.; CALLADO, A. L. C. Controle interno de empresas brasileiras listadas na Nyse: uma comparação entre as informações enviadas à SEC e à CVM. In: CONGRESSO UFPE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, 10., 2016, Recife. Anais... Recife: UFPE, 2016

MACOHON, E. R.; PETRY, J. F.; FERNANDES, F. C. Elaboração do Panorama do Mercado Segurador Brasileiro em Relação à Regulamentação Internacional de Solvência. Revista Contemporânea de Contabilidade, v. 14, n. 31, p. 127-154, 2017. https://doi.org/10.5007/2175-8069.2017v14n31p127

MADEIRA, L. M.; GELISKI, L. O Combate a Crimes de Corrupção pela Justiça Federal da Região Sul do Brasil. Revista de Administração Pública, v. 53, n. 6, p. 987-1010, 2019. http://dx.doi.org/10.1590/0034761220180237

MARAGNO, L. M. D.; KNUPP, P. S.; BORBA, J. A. Corrupção, Lavagem de Dinheiro e Conluio no Brasil: Evidências Empíricas dos Vínculos entre Fraudadores e Cofraudadores no Caso Lava Jato. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 13, n. 1, p. 5-18, 2019. http://dx.doi.org/10.11606/issn.19826486.rco.2019.158510

MARUYAMA, U.; RODRIGUES, E. F. Estratégias corporativas para gerenciamento de riscos em controles internos: estudo de caso sobre o processamento eletrônico de cheques. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, v. 21, n. 1, p. 2-11, 2016. https://doi.org/10.12979/13411

MIARI, R. C.; MESQUITA, J. M. C.; PARDINI, D. J. Market efficiency and organizational corruption: study on the impact on shareholder value. BBR. Brazilian Business Review (English Edition. Online), v. 12, p. 123, 2015. https://doi.org/10.15728/bbrconf.%202015.1

MONTEIRO, R. P. Análise do sistema de controle interno no Brasil: objetivos, importância e barreiras para sua implantação. Revista Contemporânea de Contabilidade, v. 12, n. 25, p. 159-188, 2015. https://doi.org/10.5007/2175-8069.2015v12n25p159

MPF – Ministério Público Federal. Entenda o caso. 2016. Disponível em: http://lavajato.mpf.mp.br/entendao-caso. Acesso em: 14 jun. 2017.

NASCIMENTO, A. M.; REGINATO, L. Controladoria: instrumento de apoio ao processo decisório. 2. ed., rev. e ampl. São Paulo: Atlas, 2015.

PELEIAS, I. R.; EHRENTREICH, H.P.; SILVA, A.F.; FERNANDES, F.C. Pesquisa sobre a percepção dos gestores de uma rede de empresas distribuidoras de um fabricante de autopeças sobre controles internos e gestão de riscos. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, v. 7, n. 1, p. 6-28, 2017. http://dx.doi.org/10.18028/rgfc.v7i1.2570

PERERA, L. C. J.; FREITAS, E. C.; IMONIANA, J. O. Avaliação do sistema de combate às fraudes corporativas no Brasil. Revista Contemporânea de Contabilidade, v. 11, n. 23, p. 3-30, 2014. https://doi.org/10.5007/2175-8069.2014v11n23p3

PINTO, J.; LEANA, C.; PIL, F. K. Corrupt organizations or organizational of corrupt individuals? Two types of organization-level corruption. Academy of Management Review, v. 33, n. 3, p. 685-709, 2008.

PORTULHAK, H.; BARILLI, R. F. Motivações para a expulsão de contabilistas do serviço público federal brasileiro. RACE – Revista de Administração, Contabilidade e Economia (Online), v. 15, n. 2, p. 685704, 2016. https://doi.org/10.18593/race.v15i2.9929

RICHARDSON, R. J. Pesquisa Social: Métodos e Técnicas. 2 ed. São Paulo: Atlas, 2009.

RUANKAEW, T. Beyond the fraud diamond. International Journal of Business Management & Economic Research, v. 7, n. 1, p. 474-476, 2016.

SERRA, M. F. S.; ARES, E. C. A doação responsável como uma alternativa viável para combater fraudes e corrupções em entidades sem finalidade lucrativa: um estudo do trabalho desenvolvido pela Fundación Lealtad. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, v. 19, n. 2, p. 93-115, 2014. https://doi.org/10.12979/9768

SILVA JUNIOR, A. C.; VALADARES, J. L.; MACEDO, S. V. Desdobramentos da Operação Lava-Jato no Combate à Corrupção no Brasil: Uma Análise a partir da Perspectiva Neo-Institucional. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 13, n. 4, p. 154-170, 2019. https://doi.org/10.12712/rpca.v13i3.28415

SILVA, J. L. R.; MARQUES, L. F. B.; TEIXEIRA, R. Prevenção a lavagem de dinheiro em instituições financeiras: avaliação do grau de aderência aos controles internos. Base, v. 8, n. 4, p. 300-310, 2011. https://doi.org: /10.4013/base.2011.84.03

SILVA, K. H. A.; NASCIMENTO, J. C. H. B.; SOUSA, W. D.; BERNARDES, J. R. O controle interno na prevenção de fraudes: um estudo de caso numa mineradora. Revista Opara, v. 5, p. 43-68, 2015.

SILVA, L. M. Contabilidade forense: princípios e fundamentos. São Paulo: Atlas, 2012.

VIDAL, D. C.; SILVA, A. H. C. A percepção dos auditores externos sobre a adequação dos sistemas de controle interno nas empresas de capital aberto. Pensar Contábil, v. 18, n. 67, p. 57-67, 2016.

WANG, Y.; YOU, J. Corruption and firm growth: Evidence from China. China Economic Review, v. 23, n. 2, p. 415-433, 2012. https://doi.org/ 10.1016/j.chieco.2012.03.003

WEBER, E. L.; DIEHL, C. A. Gestão de riscos operacionais: um estudo bibliográfico sobre ferramentas de auxílio. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, v. 19, n. 3, p. 41-58, 2014. https://doi.org/10.12979/10408

WELLS, J. T. Encyclopedia of fraud. 3. ed. Texas: Association of Certified Fraud Examiners, 2002.

YALLAPRAGADA, R. R.; ROE, C. W.; TOMA, A. G. Accounting Fraud, and White-Collar Crimes in The United States. Journal of Business Case Studies (JBCS), v. 8, n. 2, p. 187-192, 8 Feb. 2012. https://doi.org/10.19030/jbcs.v8i2.6806

ZONATTO, V. C. S.; BEUREN, I. M. Evidenciação das características básicas recomendadas pelo Coso (2004) para a gestão de riscos em ambientes de controle no relatório da administração de empresas brasileiras com ADRs. Contextus, v. 10, n. 1, p. 77-98, 2012. https://doi.org/10.19094/contextus.v10i1.191