Mulheres de Vida Fácil? Tempo, Prazer e Sofrimento no Trabalho de Prostitutas Outros Idiomas

ID:
58834
Resumo:
Este estudo se propõe a analisar como percepções temporais influenciam vivências de prazer e sofrimento no trabalho de prostitutas, em Belo Horizonte (MG). Foi realizado um estudo de caso, de natureza qualitativa descritiva. A coleta de dados deu-se por meio de entrevistas com roteiro semiestruturado. Foram abordadas 15 profissionais dos chamados “hotéis de batalha”, e os dados coletados foram tratados por meio de análise de conteúdo. As prostitutas entrevistadas associam o tempo a um recurso, e isso se vincula a vivências de prazer e sofrimento, no sentido de que a administração adequada do tempo gera, para elas, o dinheiro, que é a principal fonte de prazer do seu trabalho. Contudo, esse tempo de trabalho é também fonte de vivências de sofrimento, uma vez que as prostitutas naturalizam ou aceitam incômodos em relação ao trabalho e às consequências que ele acarreta.
Citação ABNT:
PAIVA, K. C. M.; PEREIRA, J. R.; GUIMARÃES, L. R.; BARBOSA, J. K. D.; SOUSA, C. V. Mulheres de Vida Fácil? Tempo, Prazer e Sofrimento no Trabalho de Prostitutas. Revista de Administração de Empresas, v. 60, n. 3, p. 208-221, 2020.
Citação APA:
Paiva, K. C. M., Pereira, J. R., Guimarães, L. R., Barbosa, J. K. D., & Sousa, C. V. (2020). Mulheres de Vida Fácil? Tempo, Prazer e Sofrimento no Trabalho de Prostitutas. Revista de Administração de Empresas, 60(3), 208-221.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/S0034-759020200304
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/58834/mulheres-de-vida-facil--tempo--prazer-e-sofrimento-no-trabalho-de-prostitutas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Barreto, L. C. (2013). Prostituição, gênero e trabalho. Rio de Janeiro, RJ: Multifoco.

Barreto, L. C.; Prado, M. A. M. (2010). Identidade das prostitutas em Belo Horizonte: As representações, as regras e os espaços. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 5(2), 193-205.

Barros, L. A. (2005). Mariposas que trabalham: uma etnografia da prostituição feminina na região central de Belo Horizonte. Jus Navigandi, 8(1). http://www.egov.ufsc.br/portal/ sites/default/files/anexos/23531-23533-1-PB.pdf

Bauman, Z. (2007). Tempos líquidos. São Paulo, SP: Zahar.

Berger, P. L.; Luckmann, T. (2004). A construção social da realidade. Petrópolis, RJ: Vozes.

Blithe, S. J.; Wolfe, A. W. (2017). Work–life management in legal prostitution: Stigma and lockdown in Nevada’s brothels. Human Relations, 70(6), 725-750. doi: 10.1177/0018726716674262

Bluedorn, A. C.; Jaussi, K. S. (2007). Organizationally relevant dimensions of time across levels of analysis. In Dansereau, F. and Yammarino, F.J. (Ed.). Multi-Level Issues in Organizations and Time. 6, 187-223. Oxford: Elsevier.

Carvalho, E. R. (2018). Norbert Elias and the philosophical controversy surrounding the nature of time. Time & Society, 27(2), 155-175. doi: 10.1177/0961463X15590744

Castro, P. M.; Cançado, V. L. (2009). Prazer e sofrimento no trabalho: A vivência de profissionais de recursos humanos. Gestão & Planejamento, 10(1), 19-37.

Cunha, L. A. (2014). Prostituição e religião: A trajetória religiosa de mulheres que praticam a prostituição na região de Santo Amaro – São Paulo. 127 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Dario, V. C.; Lourenço, M. L. (2018). Cultura organizacional e vivências de prazer e sofrimento no trabalho: um estudo com professores de instituições federais de ensino superior. Revista Organizações em Contexto, 14(27), 345-395. doi: 10.15603/1982-8756/roc.v14n27p345-395

Dejours, C. (1994). A carga psíquica do trabalho. In C. Dejours, E. Abdoucheli, C. Jayet, & M. I. S. Betiol (Coords.), Psicodinâmica do trabalho: Contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. p. 21-32. São Paulo, SP: Atlas.

Dejours, C. (1996). Uma nova visão do sofrimento humano nas organizações. In J. F. Chanlat. (Org.), O indivíduo na organização: Dimensões esquecidas. p. 149-173. São Paulo, SP: Atlas.

Durant, B.; Couch, J. (2019). ‘It’s just more, you know, natural’: The perceptions of men who buy sex in an emerging street sex market. Sexualities, 22(3), 310-324. doi: 10.1177/1363460717737489

Elias, N. (1998). Sobre o tempo. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Fanganiello, A. L. S. (2008). Profissionais do sexo e autoimagem na cidade de São Paulo. 54 f. (Mestrado em Trabalho de Conclusão de Curso - TCC) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008. https://sapientia.pucsp.br/handle/handle/18753

Forno, C. Dal. (2015). A centralidade do sujeito na construção de um trabalho vivo. SIG Revista de Psicanálise, 4(6), 139-142.

Franco, D. S., Paiva, K. C. M.; Dutra, M. R. S. (2018). Percepções temporais e controle: Um estudo com trabalhadores de call center. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, 7(2), 75-97. doi: 10.9771/23172428rigs.v7i2.25301

Frezza, M., Grisci, C. L. I.; Kessler, C. K. (2009). Tempo e espaço na contemporaneidade: Uma análise a partir de uma revista popular de negócios. Revista de Administração Contemporânea, 13(3), 487-503. doi: 10.1590/S1415-65552009000300009

Güell, P.; Yopo, M. (2016). The subjective texture of time: An exploratory and empirical approach to time perspectives in Chile. Time & Society, 25(2), 295-319. doi: 10.1177/0961463X15577260

Harvey, D.; Sobral, A. U. (1994). Condição pós-moderna. São Paulo, SP: Loyola

Hassard, J. (2001). Imagens do tempo no trabalho e na organização. Handbook de estudos organizacionais. 2. 190-216. São Paulo, SP: Atlas.

Hoffmann, C., Traverso, L. D.; Zanini, R. R. (2014). Contexto de trabalho das pessoas com deficiência no serviço público federal: Contribuições do inventário sobre trabalho e riscos de adoecimento. Gestão & Produção, 21(4), 707-718. doi: 10.1590/0104-530X379

Koeber, C. (2017). The social reorganization of time: The “great speedup” and the transformation of time and work discipline. Humanity & Society, 41(2), 143-157. doi: 10.1177/0160597617698424

Lainez, N. (2019). Treading water: Street sex workers negotiating frantic presents and speculative futures in the Mekong Delta, Vietnam. Time & Society, 28(2), 804-827. doi: 10.1177/0961463X18778473

Lana, J., Gama, M. A. B., Bandeira-de-Mello, R.; Marcon, R. (2018). O tempo como legitimador da causa: Implicações temporais em pesquisas de administração. Revista Alcance, 25(1), 106-119. doi: 10.14210/alcance.v25n1(Jan/Abr).p106-119

Leite, G. S. (2008). Filha, mãe, avó e puta: A história de uma mulher que decidiu ser prostituta. São Paulo, SP: Objetiva.

Lobo, B. N. L.; Sampaio, J. A. L. (2016). A prostituição e a dignidade da pessoa humana: Crítica literária e musical à negação do direito fundamental ao trabalho. Espaço Jurídico: Journal of Law, 17(3), 913-932. doi: 10.18593/ejjl.v17i3.10554

Martins, A. A. V.; Honório, L. C. (2014). Prazer e sofrimento docente em uma instituição de ensino superior privada em Minas Gerais. Organizações & Sociedade, 21(68), 79-96. doi: 10.1590/S1984-92302014000100005

Meihy, J. C. S. B. (2015). Prostituição à brasileira: cinco histórias. São Paulo, SP: Contexto.

Mello, H. D. A.; Tonelli, M. J. (2002). O tempo e as organizações: Concepções do tempo em periódicos de estudos organizacionais. Anais do II Encontro Nacional de Estudos Organizacionais (ENEO), ANPAD, Recife, PE.

Ministério do Trabalho e Emprego. (2008). CBO (Classificação Brasileira de Ocupações): Profissionais do sexo. www.mtecbo. gov.br/busca/descricao.asp?codigo=5198

OIT - Organização Internacional do Trabalho. (2015). Juventude e trabalho informal no Brasil. Brasília: OIT. https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---americas/---ro-lima/---ilobrasilia/documents/publication/wcms_526213.pdf

Paiva, K. C. M.; Souza, C. M. O. (2016). Time perception: A study of young Brazilian workers. Tourism & Management Studies, 12(1), 203- 210. doi: 10.18089/tms.2016.12122

Pereira, J. R., Paiva, K. C. M., Santos, J. V. P.; Sousa, C. V. (2018). “O show tem que continuar”: Encalços e percalços do ser/estar prostituta. Contextus–Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 16(3), 151-180. doi: 10.19094/contextus.v16i3.32642

Pereira, J. R., Palhares, J. V.; Silva, A. G. C. (2018). Entre o sagrado e o profano: Identidades, paradoxos e ambivalências de prostitutas evangélicas do baixo meretrício de Belo Horizonte. Anais do XLII EnANPAD, ANPAD, Curitiba, PR.

Pitts, F. H. (2015). Time and work. Time & Society, 24(3), 390-395. doi: 10.1177/0961463X15615720

Roberts, N. (1992). As prostitutas da história. Rio de Janeiro, RJ: Rosas dos Tempos.

Sanders, T. (2018). Unpacking the process of destigmatization of sex work/ers: Response to Weitzer ‘Resistance to sex work stigma’. Sexualities, 21(5-6), 736-739. doi: 10.1177/1363460716677731

Thompson, E. P. (1991). Time, work-discipline and industrial capitalism. In: E. P. Thompson. Customs in common. p. 352-403. London, UK: Merlin Press.

Vergara, S. C. (2011). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo, SP: Atlas.

Vergara, S. C.; Caldas, M. (2005). Paradigma interpretacionista: A busca da superação do objetivismo funcionalista nos anos 1980 e 1990. RAE-Revista de Administração de Empresas, 45(4), 66-72. doi: 10.1590/S0034-75902005000400006

Veriguine, N. R., Basso, C.; Soares, D. H. P. (2014). Juventude e perspectivas de futuro: A orientação profissional no Programa Primeiro Emprego. Psicologia: Ciência e Profissão, 34(4), 1032-1044. doi: 10.1590/1982-370000902013

Weitzer, R. (2018). Resistance to sex work stigma. Sexualities, 21(5-6), 717-729. doi: 10.1177/1363460716684509

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: Planejamento e métodos. Porto Alegre, RS: Bookman.

Bardin, L. (2006). Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.