Improvisação: Nem Jazz, nem Teatro, mas Metamorfose Itinerária Outros Idiomas

ID:
59306
Resumo:
O objetivo deste artigo foi compreender como a improvisação realizada pelos artistas circenses se insere no cotidiano da gestão do circo e do espetáculo. Sob a perspectiva qualitativa de investigação aplicada na análise de multicasos, os dados foram produzidos mediante observações assistemáticas no cotidiano de 31 circos itinerantes localizados na região sudeste do Brasil e de entrevistas semiestruturadas com 116 artistas circenses, e a análise de dados foi feita por meio da análise de narrativas. As improvisações aparecem tanto na condução do espetáculo como dentro deste. Elas estão vinculadas ao poder de afetar ou não o público que assiste às peças e de preencher um vácuo na condução da performance circense, que cria condições para possíveis enredos. O espetáculo se metamorfisa, então, em várias possiblidades: encurtando, empurrando, apressando, picotando. Agenciamentos esses que possibilitam maliciosamente a improvisação de ocorrer, desenhando outros espetáculos.
Citação ABNT:
CARRIERI, A. P.; QUARESMA JÚNIOR, E. A.; PALHARES, J. V.; AGUIAR, A. R. C. Improvisação: Nem Jazz, nem Teatro, mas Metamorfose Itinerária. Revista de Administração de Empresas, v. 60, n. 4, p. 273-283, 2020.
Citação APA:
Carrieri, A. P., Quaresma Júnior, E. A., Palhares, J. V., & Aguiar, A. R. C. (2020). Improvisação: Nem Jazz, nem Teatro, mas Metamorfose Itinerária. Revista de Administração de Empresas, 60(4), 273-283.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/S0034-759020200404
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/59306/improvisacao--nem-jazz--nem-teatro--mas-metamorfose-itineraria/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português