Teoria do comportamento planejado decomposto: determinantes de utilização do Serviço Mobile Banking Outros Idiomas

ID:
5948
Resumo:
Este trabalho buscou reconhecer os antecedentes que explicam a intenção dos clientes bancários em adotar o mobile banking e optou-se por testar a Teoria do Comportamento Planejado Decomposto (TAYLOR e TODD, 1995). A operacionalização deste estudo ocorreu em duas fases. Na fase exploratória, realizaram-se entrevistas e sessões de grupo de foco. Na fase descritiva, de natureza quantitativa, buscou-se a validação do modelo a partir de uma amostra de 515 clientes bancários. Nesta etapa, a técnica estatística multivariada de modelagem de equações estruturais foi usada no tratamento dos dados. As relações entre os construtos do modelo encontraram apoio na análise de dados. Os resultados apontaram para a validade do modelo, entretanto, sinalizaram a necessidade de algumas alterações. Verificou-se que variações na atitude e segurança explicam 74% da variação de intenção em utilizar o mobile banking por parte dos respondentes. Percebeu-se que alguns construtos da teoria original não tiveram significante impacto na intenção comportamental e uma nova variável foi incluída no teste do modelo. Por fim, este trabalho também buscou testar a intenção como antecedente do comportamento real, e os construtos controle percebido e intenção atingiram um R2 de 0,28 na explicação da variação no comportamento real.
Citação ABNT:
SANTOS, D. O.; VEIGA, R. T.; MOURA, L. R. C. Teoria do comportamento planejado decomposto: determinantes de utilização do Serviço Mobile Banking. Revista Organizações em Contexto, v. 6, n. 12, p. 78-106, 2010.
Citação APA:
Santos, D. O., Veiga, R. T., & Moura, L. R. C. (2010). Teoria do comportamento planejado decomposto: determinantes de utilização do Serviço Mobile Banking. Revista Organizações em Contexto, 6(12), 78-106.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/5948/teoria-do-comportamento-planejado-decomposto--determinantes-de-utilizacao-do-servico-mobile-banking/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABDALA, R. A. Avaliação dos fatores que influenciam a decisão de utilização dos serviços bancários através de internet na cidade de Belo Horizonte. 2004. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.

AJZEN, I. Constructing a TpB Questionaire: Conceptual and methodological considerations. [S.l.]. 2002. Disponível em: http://www-unix.oit.umass.edu/~aizen/. Acesso em: 13/11/2006. 2002.

AJZEN, I. From intentions to actions: a theory of planned behavior. In: KUHI, J., BECKMAN, J. Action – control: from cognition to behavior. Heidelberg: Springer, 1985.

AJZEN, I. Perceived Behavioral Control, SelfEfficacy, Locus of Control, and the Theory of Planned Behavior. Journal of Applied Social Psychology, v. 32, p. 1-20, 2002.

ALBERTIN, A. L. Modelo de comércio eletrônico e um estudo no setor bancário. RAE – Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 39, n.1, p. 64-76, jan/mar. 1999.

ARMITAGE, C. J.; CONNER, M. Efficacy of the Theory of Planned Behaviour: A meta-analytic review. British Journal of Social Psychology, v. 40, n. 4, p. 471-499, dez. 2001.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70. 2004.

BISCOLA, P. H. N.; LIMA FILHO, D. O. Qualidade percebida dos serviços de auto-atendimento: um estudo no varejo bancário brasileiro. Revista de Ciências da Administração, v. 8, n. 15, p. 47-62, jan./jun. 2006.

BOTTENTUIT JUNIOR, J. B. Dispositivos e tecnologias móveis nas empresas: novas possibilidades para os negócios na era da informação. RNTI - Revista Negócios e Tecnologia da Informação, v. 3, n. 1, 2008.

BRASIL, V. S. Sistemas de Entrega de Serviços Bancários: variáveis antecedentes e características individuais influenciadoras do uso de canais de atendimento 'interpessoal' e 'internet'. In: ENANPAD, 30, 2006, Salvador. Anais ENANPAD.

DAVIS, F. D. Perceived Usefulness, Perceived Ease of Use and User Acceptance of Information Technology. MIS Quarterly, p. 319-340, Set. 1989.

ENGEL, J. F.; BLACKWELL, R. D.; MINIARD, P. W. Consumer Behavior. 8 ed. Philadelphia: Dryden Press, 1995.

FEDERAÇÃO BRASILEIRA DE BANCOS DE AUTOMAÇÃO BANCÁRIA FEBRABAN. O setor bancário em números. [S.l], 2008. Disponível em: http://www.febraban.org.br/Acervo1.asp?id_texto=214&id_pagina=85&palavra=. Acesso em: 30/10/2008.

GODOY, A. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, vol. 35, n. 3, p. 20-29, maio/jun. 1995.

HAIR, J. et al. Análise Multivariada de Dados. 5 ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HERNANDEZ, J. M. C; MAZZON, J. A. Adoção de Internet Banking: Proposição e Aplicação de Uma Abordagem Metodológica Integrada. In: ENANPAD, 30, 2006, Salvador. Anais ENANPAD.

HERNANDEZ, J. M. C; MAZZON, J. A. Um estudo empírico dos determinantes da adoção de Internet Banking entre não usuários brasileiros. Rev. adm. contemp, vol. 12, n. spe, p. 9-39. 2008.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 3 ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

MELLO, R. A.; QUEIROZ, E. S. A. O Banco na Internet: Inovações em Tecnologia da Informação Moldam Novos Serviços Bancários. In: ENANPAD, 30, 2006, Salvador. Anais ENANPAD.

PASQUALI, L. (org) Teoria e Métodos de Medida em Ciências do Comportamento. Brasília: LabPAM; UnB: INEP. 1996.

PUSCHEL, J. P. Mobile banking: proposição e teste de um modelo integrativo de adoção de inovações. 2009. Dissertação (Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

ROGERS, E. M. Diffusion of Innovations. New York: The Free Press, 1983.

SOLOMON, M. R. O comportamento do Consumidor: Comprando, Possuindo e Sendo. Trad.: Lene Belon Ribeiro. 5 ed. Porto Alegre: Bookman, 2002.

SOUZA, R. V. Prontidão para tecnologia do consumidor: aspectos emocionais da adoção de produtos e serviços baseados em tecnologia. In: ENANPAD, 26, 2002, Salvador. Anais ENANPAD.

SUTTON, S. ______________. Journal of Applied Social Psychology. Wiley Peeriodicals, v. 28, n. 15, p. 1317-1338, 2010. (versão eletrônica – jul 2006).

TAYLOR, S.; TODD, P. A. Understanding Information Technology Usage: A Test of Competing Models. Information Systems Research, v. 6, n. 2, p. 144-176, 1995.