Os Investimentos em Saúde Pública: Uma Avaliação do Desempenho dos Gastos Públicos em Minas Gerais Outros Idiomas

ID:
60007
Resumo:
O financiamento da saúde pública possui limitações como a escassez e a distribuição de recursos, das quais comprometem a prestação do serviço público de qualidade. Nesse sentido, há a necessidade de buscar a eficiência dos gastos públicos, a fim de alcançar os resultados. O objetivo deste estudo é avaliar o desempenho do serviço de saúde pública nos municípios de Minas Gerais. Para isso, foi avaliado 602 municípios mineiros, no período de 2015, utilizando duas variações do modelo Análise Envoltória de Dados. O primeiro se chama Modelo de Medidas Específicas (MME), o qual utilizou-se o desenvolvimento municipal como variável não-discricionária, e o segundo modelo utilizado foi a Fronteira Invertida, com o intuito de diferenciar os municípios mais eficientes. Os resultados apresentaram que municípios vizinhos tendem a possuir valores de eficiência próximos, devido à regionalidade. Nesse sentido, há uma preocupação com municípios de regiões mais carentes, necessitando da formulação de políticas públicas capazes de atender à população e melhorar o desempenho dos serviços de saúde pública.
Citação ABNT:
MENDES, W. A.; TEIXEIRA, K. M. D.; FERREIRA, M. A. M. Os Investimentos em Saúde Pública: Uma Avaliação do Desempenho dos Gastos Públicos em Minas Gerais. Enfoque Reflexão Contábil, v. 40, n. 1, p. 87-104, 2021.
Citação APA:
Mendes, W. A., Teixeira, K. M. D., & Ferreira, M. A. M. (2021). Os Investimentos em Saúde Pública: Uma Avaliação do Desempenho dos Gastos Públicos em Minas Gerais. Enfoque Reflexão Contábil, 40(1), 87-104.
DOI:
https://doi.org/10.4025/enfoque.v40i1.45643
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/60007/os-investimentos-em-saude-publica--uma-avaliacao-do-desempenho-dos-gastos-publicos-em-minas-gerais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ARANTES, R. B. et al. Controles democráticos sobre a administração pública no Brasil: Legislativo, tribunais de contas, Judiciário e Ministério Público. In: LOUREIRO, M. R.; ABRUCIO, F. L.; PACHECO, R. S. (Orgs.). Burocracia e política no Brasil: desafios para a ordem democrática no século XXI. Rio de Janeiro: FGV, 2010. p. 109-147.

ARAÚJO, A. H. S.; SANTOS FILHO, J. E.; GOMES, F. G. Lei de Responsabilidade Fiscal: efeitos e consequências sobre os municípios alagoanos no período 2000-10. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 49, n. 3, p. 739-759, maio/jun. 2015. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2018.

BANKER, R. D.; MOREY, R. C. Efficiency analysis for exogenously fixed inputs and outputs. Operations Research, v. 34, n. 4, p. 513-521, 1986.

BARAT, A. M. Política nacional de saúde transferências financeiras realizadas pelo ministério da saúde. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. v. 14, n. 3, p. p. 47-83, jul./ set. 1980.

BERMAN, P. Cost efficiency in primary health care: studies of health facilities in Indonesia. Health Policy and Planning, v. 4, n. 4, p. 316-322, dez. 1989.

BOADWAY, R.; SHAH, A. Fiscal Federalism: Principles and Practices of Multiorder Governance. New York: Cambridge University Press, 2009.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1988.

BRASIL. Lei Complementar nº 141, de 13 de janeiro de 2012. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 13 jan. 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2018.

BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, Seção 1, 20 set. 1990.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Democracia, Estado Social e Reforma Gerencial. Revista de Administração de Empresas, Rio de Janeiro, v. 50, n. 1, p. 112-116, Mar. 2010. Disponível em: . Acesso em: 22 Fev. 2017.

CABRAL, K. F. D.; FERREIRA, M. A. M. Investigação dos Níveis de Eficiência na Alocação dos Recursos Públicos após o Pacto pela Saúde. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde RAHIS, v. 11, n. 1, p. 83-98, jan./mar. 2014. Disponível em: . Acesso em: 06 nov. 2019.

CAETANO, R.; DAIN, S. O Programa de Saúde da Família e a Reestruturação da Atenção Básica à Saúde nos Grandes Centros Urbanos: Velhos Problemas, Novos Desafios. Physis: Revista Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 11-21, jan./jun. 2002.

CAPELLA, A. C. N. Perspectivas Teóricas sobre o Processo de Formulação de Políticas Públicas. BIB Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, São Paulo, n. 61, p. 25-52, jan./jun. 2006.

CHARNES, A. et al. Data envelopment analysis: theory, methodology and application. Dordrecht: Kluwer Academic, 1994.

ENTANI, T.; MAEDA, Y.; TANAKA, H. Dual models of interval DEA and its extensions to interval data. European Journal of Operational Research, v. 136, p. 32-45, 2002.

FARIA, F. P.; JANNUZZI, P. D. M.; SILVA, S. J. D. Eficiência dos gastos municipais em saúde e educação: uma investigação através da análise envoltória no estado do Rio de Janeiro. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 42, n. 1, p. 155-177, fev. 2008. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2016.

FERREIRA, C. M. C.; GOMES, A. P. Introdução à análise envoltória de dados: teoria, modelos e aplicações. Viçosa: Editora UFV, 2009.

FERREIRA, I. F. S.; BUGARIN, M. S. Transferências voluntárias e ciclo político-orçamentário no federalismo fiscal brasileiro. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 61, n. 3, p. 271-300, jul./set. 2007.

FINBRA. Ministério da Fazenda. Tesouro Nacional, 2018. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2018.

FIRJAN. IFDM: Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal. Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2018.

FONSECA, P. C.; FERREIRA, M. A. M. Investigação dos níveis de eficiência na utilização de recursos no setor de saúde: uma análise das microrregiões de Minas Gerais. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 199-213, abr./jun. 2009.

FOX, K. J. Efficiency in the Public Sector. New York: Springer Science+Business Media, LLC, 2002.

FREITAS, B. R.; OLIVEIRA, A. R. Avaliação dos consórcios intermunicipais de saúde da Zona da Mata mineira: uma análise sob a ótica dos gestores de saúde. Holos, Natal, v. 3, p. 338-353, 2015.

GONÇALVES, M. A. et al. Uma análise da mudança de produtividade da alocação de recursos públicos na atenção básica da saúde em municípios da região sudeste brasileira. Revista de Ciências da Administração, v. 14, n. 34, p. 60-74, dez. 2012. Disponível em: . Acesso em: 06 nov. 2019.

GREVE, J.; COELHO, V. S. R. P. Evaluating the impact of contracting out basic health care services in the state of São Paulo, Brazil. Health Policy and Planning, v. 32, n. 7, p. 923–933, set. 2017. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2017.

GREY, C. Towards a critique of managerialism: the contribution of Simone Weil. Journal of Management Studies, v. 33, n. 5, p. 591-612, 1996.

IBGE. Sistema IBGE de Recuperação Automática SIDRA, 2018. Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2018.

JORGE, M. J. et al. Efficiency analysis in public health organizations in Brazil. Journal of Modelling in Management, v. 8, n. 2, p. 241-254, 2013. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2017.

JOUMARD, I. et al. Health Care Systems: Efficiency and Policy Settings. OECD Publishing, 2010.

KINGDON, J. W. Agendas, Alternatives, and Public Policies. 2. ed. Harlow: Pearson Education Limited, 2014.

LIMA, A. P. G. Os Consórcios Intermunicipais de Saúde e o Sistema Único de Saúde. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 16, n. 4, p. 985-996, out./dez. 2000.

LIMA, L. D. D. Conexões entre o federalismo fiscal e o financiamento da política de saúde no Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 511-522, abr. 2007. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2018.

LIU, X. Policy tools for allocative efficiency of health services. Geneva: World Health Organization, 2003.

LOTTA, G. S. Saberes locais, mediação e cidadania: o caso dos agentes comunitários de saúde. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 21, suppl. 1, p. 210-222, 2012. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2018.

MARQUES, R. M.; MENDES, Á. A problemática do financiamento da saúde pública brasileira: de 1985 a 2008. Economia e Sociedade, Campinas, v. 21, n. 2, p. 345-362, ago. 2012. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2018.

MASSARDI, W. D. O.; ABRANTES, L. A. Esforço Fiscal, Dependência do FPM e Desenvolvimento socioeconômico: um estudo aplicado aos municípios de Minas Gerais. REGE Revista de Gestão, São Paulo, v. v. 22, n. 3, p. 295-313, out. 2015. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2017.

MATTOS, E.; TERRA, R. Conceitos sobre eficiência. In: BOUERI, R.; ROCHA, F.; RODOPOULOS, F. (Orgs.). Avaliação da Qualidade do Gasto Público e Mensuração da Eficiência. Brasília: Secretaria do Tesouro Nacional, 2015.

MAZON, L. M.; MASCARENHAS, L. P. G.; DALLABRIDA, V. R. Eficiência dos gastos públicos em saúde: desafio para municípios de Santa Catarina, Brasil. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 24, n. 1, p. 23-33, jan./mar. 2015.

MENDONÇA, C. S. et al. Trends in hospitalizations for primary care sensitive conditions following the implementation of Family Health Teams in Belo Horizonte, Brazil. Health Policy and Planning, v. 27, n. 4, p. 348-355, jul. 2012. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2017.

MUSGRAVE, R. A. The Theory of Public Finance: A Study in Public Economy. New York: McGraw-Hill, 1959.

OSBORN, D.; GAEBLER, T. Reinventando o governo: como o espírito empreendedor está transformando o setor público. 10. ed. Brasília: MH Comunicação, 1995.

PALUDO, A. Administração Pública. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

PAULA, A. P. P. Administração pública brasileira entre o gerencialismo e a gestão social. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 45, n. 1, p. 36-49, jan./mar. 2005. Disponível em: . Acesso em: 07 nov. 2019.

SANTOS, L. M.; GONÇALVES, M. A.; FERREIRA, M. A. M. Performance evaluation of expenditure in primary care: the case of Brazil’s southeastern cities. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 21, n. 70, p. 467-487, jul./set. 2014. Disponível em: . Acesso em: 06 nov. 2019.

SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

SILVA, A. A. P. et al. Eficiência na alocação de recursos públicos destinados à educação, saúde e habitação em municípios mineiros. Contabilidade, Gestão e Governança, Brasília, v. 15, n. 1, p. 96-114, jan./abr. 2012.

SILVEIRA, J. Q.; MEZA, L. A.; MELLO, J. C. C. B. S. Use of DEA and inverted frontier for airlines benchmarking and anti-benchmarking identification. Production, São Paulo, v. 22, n. 4, p. 788-795, set./dez. 2012.

SOARES, M. M.; MELO, B. G. Condicionantes políticos e técnicos das transferências voluntárias da União aos municípios brasileiros. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 50, n. 4, p. 539-561, jul./ago. 2016. Disponível em: . Acesso em: 04 mar. 2018.

SOUZA, C. Federalism and regional interest intermediation in Brazilian public policies. Public Administration and Development, v. 19, n. 3, p. 263-279, jul. 1999. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2018.

SUBIRATS, J. Definición del problema. Relevancia pública y formación de la agenda de actuación de los poderes públicos. In: SARAVIA, E.; FERRAREZI, E. (Orgs.). Políticas públicas. Brasília: ENAP, v. 1, 2006.

VIACAVA, F. et al. SUS: oferta, acesso e utilização de serviços de saúde nos últimos 30 anos. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 6, p. 1751-1762, jun. 2018. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2018.

WHO. Constitution of the World Health Organization. Genebra: World Health Organization, 1946.

WILLIAMSON, J. G. Regional Inequality and the Process of National Development: A Description of the Patterns. Economic Development and Cultural Change, Chicago, v. 13, n. 4, parte II, p. 1-84, jul. 1965. Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2018.

YAMADA, Y.; MATUI, T.; SUGIYAMA, M. New analysis of efficiency based on DEA. Journal of the Operations Research Society of Japan, v. 37, n. 2, p. 158-167, 1994.