Competências Empreendedoras: Um Estudo com Discentes do Ensino Médio Outros Idiomas

ID:
60519
Resumo:
O interesse pela aprendizagem e educação empreendedoras estimula novas formas de pensar sobre o indivíduo empreendedor e o papel do ensino no seu desenvolvimento. Diante deste contexto, este estudo teve como objetivo reconhecer as competências empreendedoras que os alunos do Colégio de Aplicação da Univali [CAU] desenvolveram no Ensino Médio com a disciplina de Sociedade e Cultura. A pesquisa de natureza descritiva, teve abordagem quantitativa, sendo aplicado um questionário de autopreenchimento com base no modelo McClelland (1973), que destaca as competências empreendedoras em 3 conjuntos (Realização, Planejamento e Poder). A população pesquisada foram os 132 alunos dos 1º, 2º e 3º anos do Ensino Médio do CAU resultando em uma amostra de 66 respondentes. Os resultados apontaram que os discentes, ao cursarem a referida disciplina, desenvolveram a competência busca de oportunidade e comprometimento no conjunto de realização ao afirmarem estarem satisfeitos com a disciplina. No planejamento, predominou o reconhecimento de oportunidades para criar produtos/serviços, desenvolvendo a competência de busca de informações. Por fim, no conjunto poder, os discentes afirmaram que acreditam no sucesso do empreendimento constituído na disciplina, ou seja, desenvolveram a autoconfiança.
Citação ABNT:
LIZOTE, S. A.; MIRANDA, A. L.; SILVA, S. G.; GOHN, C. Competências Empreendedoras: Um Estudo com Discentes do Ensino Médio . Revista de Gestão e Secretariado, v. 11, n. 3, p. 27-46, 2020.
Citação APA:
Lizote, S. A., Miranda, A. L., Silva, S. G., & Gohn, C. (2020). Competências Empreendedoras: Um Estudo com Discentes do Ensino Médio . Revista de Gestão e Secretariado, 11(3), 27-46.
DOI:
http://dx.doi.org/10.7769/gesec.v11i3.1103
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/60519/competencias-empreendedoras--um-estudo-com-discentes-do-ensino-medio-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Ander-Egg, E. (1978). Introducción a las técnicas de investigación social: para trabajadores sociales. (7a ed.) Buenos Aires: Humanitas.

Audy, J. & Ferreira, G. (2006). Universidade empreendedora: uma visão da PUCRS. In Audy, J. L. N.; Morosini, M. C. (Orgs.). Inovação e empreendedorismo na universidade. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Azevedo, A. C. (2015). As práticas de ensino do empreendedorismo na formação dos acadêmicos de graduação do centro de ciências sociais aplicadas gestão de uma universidade comunitária de Santa Catarina. Dissertação de Mestrado, Programa de PósGraduação em Administração, Universidade do Vale do Itajaí, Biguaçu, SC.

Balconi, S. B. (2016). A influência das atividades de educação empreendedora sobre as características empreendedoras dos alunos de graduação da UFSM. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Gestão de Organizações Públicas, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS.

Barbosa, R. A. P., Silva, E. A., Gonçalves, F. H. L., & Morais, F. R. (2020). O impacto da educação empreendedora na intenção de empreender: análise dos traços de personalidade. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 9(1),124-158. DOI http://dx.doi.org/10.14211/regepe.v9i1.1589

Behling, G. & Lenzi, F. C. (2019). Competências empreendedoras e comportamento estratégico: um estudo com microempreendedores em um país emergente. Brazilian Business Review, 16(3), 255-272. DOI http://dx.doi.org/10.15728/bbr.2019.16.3.4

Brasil, M. L. A. V. (2015). O processo de inovação social a partir de práticas de liderança e de competências empreendedoras: um estudo no setor cultural do estado do Amazonas. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Administração e Turismo, Universidade do Vale do Itajaí, Biguaçu, SC.

Cancellier, E. L. P. L. (2013). O monitoramento de concorrentes na pequena empresa: um estudo de caso em empresa catarinense. Contextus-Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 11(1), 25-38. Recuperado em 10 abril, 2020, de http://www.spell.org.br/documentos/ver/16149/o-monitoramento-de-concorrentes-napequena-empresa--um-estudo-de-caso-em-empresa-catarinense/i/pt-br

Carvalho, A. M., Moreno, E., Bonatto, F. R. O., & Silva, I. P. (2000). Aprendendo metodologia científica. São Paulo: O Nome da Rosa.

Cavalieri, A. M. (2010). Anísio Teixeira e a educação integral. Paideia, 20(46), 249-259. DOI https://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2010000200012

Cheung, C. K. & Au, E. (2010). Running a small business by students in a secondary school: its impact on learning about entrepreneurship. Journal of Entrepreneurship Education, 13, 2010.

D’Este, P., Mahdi, S., Neely, A., & Rentocchini, F. (2012). Inventors and entrepreneurs in academia: what types of skills and experience matter? Technovation, 32, 293-303. DOI https://doi.org/10.1016/j.technovation.2011.12.005

Dewey, J. (2010). Arte como experiência. São Paulo: Martins Fontes.

Dornelas, J. C. A. (2003). Empreendedorismo corporativo: como ser empreendedor, inovar e se diferenciar em organizações estabelecidas. (2a. ed.). Rio de Janeiro: Elsevier.

Endeavor Brasil. (2016). Pesquisa Empreendedorismo nas Universidades Brasileiras. Recuperado em 4 abril, 2020, de https://endeavor.org.br/pesquisa-universidadesempreendedorismo-2016/

Etzkowitz, H. (2003). Research groups as “quasi-firms”: the invention of the entrepreneurial university. Research Policy, 32(1), 109-121. DOI https://doi.org/10.1016/S00487333(02)00009-4

Etzkowitz, H. (2016). The entrepreneurial university: vision and metrics. Industry and Higher Education, 30(2), 83-97. DOI https://doi.org/10.5367/ihe.2016.0303

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa. (4a. ed.). São Paulo: Atlas.

Hashimoto, M., Cardoso, A. M., & Krakauer, P. V. C. (2018). Inovações nas técnicas pedagógicas para a formação de empreendedores. Revista Pensamento Contemporâneo em Admininstração,12(4), 17-38 DOI https://doi.org/10.12712/rpca.v12i4.12584

Hashimoto, M., Fonseca, R. S. da. (2018). A importância do ensino empreendedor na formação do nível técnico. Revista de Negócios, 23(3), 7-18 DOI http://dx.doi.org/10.7867/1980-4431.2018v23n3p7-18

Hjorth, D. (2011). On provocation, education and entrepreneurship. Entrepreneurship & Regional Development, 23(1), 49-63. DOI https://doi.org/10.1080/08985626.2011.540411

Kassean, H., Vanevenhoven, J., Liguori, E., & Winkel, D. (2015). Entrepreneurship education: a need for reflection, real-world experience and action. International Journal of Entrepreneurial Behaviour & Research, 21(5), 690-708. DOI 10.1108/IJEBR-072014-0123

Kochadai, M. (2011). Entrepreneurial competency: a study with reference to socially and economically. Backward Communities in Chennai City, Master Thesis, Department of Commerce School of Management, Podicherry University, India.

Lenzi, F. C. (2008). Os empreendedores corporativos nas empresas de grande porte: um estudo da associação entre tipos psicológicos e competências empreendedoras. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Administração, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Lenzi, F. C., Ramos, F., Maccari, E. A., & Martens, C. D. P. (2012). O desenvolvimento de competências empreendedoras na administração pública: um estudo com empreendedores corporativos na prefeitura de Blumenau, Santa Catarina. Gestão & Regionalidade, 2(82), 117-129. DOI https://doi.org/10.13037/gr.vol28n82.1468

Lima, E., Hashimoto, M., Melhado, J. & Rocha, R. (2014). Brasil: Em busca de uma Educação Superior Em Empreendedorismo De Qualidade. In F. A. P. Gimenez, E. C. Camargo & A. D. L. Moraes (Eds.). Educação para o empreendedorismo. Curitiba: Agência de Inovação da UFPR.

Lizote, S. A. (2013). Relação entre competências empreendedoras, comprometimento organizacional, comportamento intraempreendedor e desempenho em universidades. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Administração e Turismo, Universidade do Vale do Itajaí, Biguaçu, SC.

Lizote, S. A., Alves, C. S. R., Verdinelli, M. A., & Terres, J. C. (2017). Capital humano e sua relação com o desempenho organizacional em empresas prestadoras de serviços contábeis. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 16(48), 24-38. DOI http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v16n48.2373

Lizote, S. A., Lana, J., Orlandi, C., Camargo, M. P., Branco, M. A. G. A. & Lenzi, F. C. (2012). Empreendedorismo: uma investigação empírica acerca das relações entre competências empreendedoras e conduta intraempreendedora. In: Anais... Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro/RJ.

Lizote, S. A., Verdinelli, M. A., & Bervian, L. M., & Nascimento, S. (2018). Competências empreendedoras e desempenho dos cursos de graduação: um estudo de suas relações a partir da percepção dos diretores de centro. Revista de Administração Contemporânea, 22(3), 311-335. DOI ttps://doi.org/10.17524/repec.v12i2.1573

Lück, H. (2009). Dimensões de gestão escolar e suas competências. Curitiba: Editora Positivo.

Mamede, M. I. B. & Moreira, M. Z. (2005). Perfil de competências empreendedoras dos investidores Portugueses e Brasileiros: um estudo comparativo na rede hoteleira do Ceará. In: XXIX Encontro Anual da ANPAD. Anais... Brasília/DF.

Man, T. W. Y. & Lau, T. (2000). Entrepreneurial competencies of SME owner/managers in the Hong Kong services sector: a qualitative analysis. Journal of Enterprising Culture, 8(3), 235-254.

McClelland, D. C. (1973). Testing for competence rather than for intelligence. American Psychologist, 28(1), 1.

Morales, S. A. (2004). Relação entre competências e tipos psicológicos junguianos. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC.

Prodanov, C. C. & Freitas, E. C. de. (2013). Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Novo Hamburgo: Universidade Freevale.

Rocha, E. L. C. & Freitas, A. A. F. (2014). Avaliação do ensino de empreendedorismo entre estudantes universitários por meio do perfil empreendedor. Revista de Administração Contemporânea, 18(4), 465-486.

Rosa, S. B. & Lapolli, E. M. (2010). Santa Catarina: um estado que é uma vitrine de talentos. In E. M. Lapolli, A. M. B. Franzani & V. A B. Souza (Orgs). Vitrine de talentos: notáveis empreendedores em Santa Catarina. Florianópolis: Pandion.

Schmitz, A. L. F. (2012). Competências empreendedoras: os desafios dos gestores de instituições de ensino superior como agentes de mudanças. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento, Centro Tecnológico, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC.

Severino, A. J. (2000). Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez.

Siegel, D. S. & Wright, M (2015). Academic entrepreneurship: time for rethink? Britsh Journal of Management, 26(4), 582-595.

Silva, J. V. V. M., & Klein, A. Z. (2016). Possibilidades e desafios do M-learning para o desenvolvimento de competências empreendedoras. Revista Ciências Administrativas, 22(2), 451-482.

Silveira, A., Nascimento, S. & Riboldi, L. (2018). Sustentabilidade e intenção empreendedora: estudo com discentes do curso de Administração da Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC). R.G.Secr.,GESEC, 9(2), 179-204. DOI https://doi.org/10.7769/gesec.v9i2.769

Snell, R. & Lau, A. (1994). Exploring local competences salient for expanding small business. Journal of Management Development, 13(4), 4-15.

Stefaniczen, J. & Zampier, M. A. (2017). Competências dos profissionais de fisioterapia: estudo em um município da Região Centro Oeste do Paraná. Revista da Micro e Pequena Empresa, 11(2), 33-57.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

UNESCO. (1998). Declaración mundial sobre la educación superior en el siglo XXI: visión y acción. Paris: UNESCO.

UNESCO. (2009). Conferencia mundial sobre la educación superior 2009: La nueva dinámica de la educación superior y la investigación para el cambio social y el desarrollo. Paris: UNESCO.

Vale, G. V., Wilkinson, J. & Amâncio, R. (2008). Empreendedorismo, inovação e redes: uma nova abordagem. RAE-eletrônica, 7(1).

Vesala, K. M. & Pyysiäinen, (2008). J. Understanding entrepreneurial skills in the farm context. Research Institute of Organic Agriculture. Switzerland: Frick.

Von Graevenitz, G., Harhoff, D., & Weber, R. (2010). The effects of entrepreneurship education. Journal of Economic Behavior & Organization, 76(1), 90-112.

Zarifian, P. (2001). Objetivo competência: por uma nova lógica. São Paulo: Atlas.