Profissionais de Secretariado: Caracterização do Perfil Requerido pelos Empregadores Portugueses Outros Idiomas

ID:
60524
Resumo:
Este trabalho apresenta os resultados da análise de 844 anúncios de emprego para a área de Secretariado, publicados, em Portugal, no Jornal Expresso (formato papel), entre 1978 e 2018 e tem como objetivo geral identificar o perfil de profissional desta área procurado pelos empregadores durante estas quatro décadas. Sabendo que o profissional de Secretariado tem, atualmente, responsabilidades e características bastante diferentes das que lhe eram próprias no passado, este trabalho tem como objetivos específicos identificar alterações nos requisitos (idade, género, formação e experiência) presentes nos anúncios em análise e rastrear o espectro de competências – técnicas e transversais – mais relevantes para os empregadores. Os resultados confirmam mudanças significativas, nomeadamente no que concerne às profissões procuradas, ao género dos profissionais, ao domínio de ferramentas e técnicas de apoio à função, com o aparecimento e progressiva solicitação das ferramentas informáticas, bem como no que respeita às competências transversais mais valorizadas.
Citação ABNT:
RIBEIRO, S. I. R.; CALVÃO, A. R. P.; SIMÕES, A. V. Profissionais de Secretariado: Caracterização do Perfil Requerido pelos Empregadores Portugueses. Revista de Gestão e Secretariado, v. 11, n. 3, p. 133-157, 2020.
Citação APA:
Ribeiro, S. I. R., Calvão, A. R. P., & Simões, A. V. (2020). Profissionais de Secretariado: Caracterização do Perfil Requerido pelos Empregadores Portugueses. Revista de Gestão e Secretariado, 11(3), 133-157.
DOI:
http://dx.doi.org/10.7769/gesec.v11i3.1088
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/60524/profissionais-de-secretariado--caracterizacao-do-perfil-requerido-pelos-empregadores-portugueses/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abreu, M. I., & Ramos, Z. (2019). Uma história de quase quatro décadas – de 1980 a março de 2019. Cadernos da Associação Portuguesa de Profissionais de Secretariado e Assessoria, n.º 7.

Almeida, W., Borini, F., & Souza, E. (2018). Competências comportamentais dos profissionais de secretariado: o impacto da actuação internacional da empresa. GESEC – Revista de Gestão e Secretariado, 9(1), 1-17.

Ardions, I., Romero, Z., & Sequeira, A. (2006). Organização e Técnicas Empresariais. Porto: Politema-IPP.

Barreto, A. (2015). População e Sociedade. In A. C. Pinto (Coord.), A Busca da Democracia: 1960 – 2000 (pp. 113-143). Lisboa: Editora Objetiva.

Bartolotto, M., & Willers, E. (2005). Profissional de Secretariado Executivo: Explanação das principais características que compõem o perfil. Revista Expectativa, 4(1), 45-56.

Borges, M. (2015). Secretariado: Uma Visão Prática. Lisboa: ETEP.

Cabral-Cardoso, C., Estêvão, C., & Silva, P. (2006). As Competências Transversais dos Diplomados do Ensino Superior: perspectiva dos empregadores e dos diplomados. Guimarães: TecMinho.

Cardoso, G., Mendonça, S., & Paisana, M. (2016). Anuário da Comunicação 2014 – 2015. Recuperado a 24 de abril de 2018, de https://obercom.pt/wpcontent/uploads/2016/06/Anu%C3%A1rio-da-Comunica%C3%A7%C3%A3o-20142015.pdf.

Cielo, I., Schmidt, C., & Wenningkamp, K. (2014). Secretariado Executivo no Brasil: Quo Vadis? GESEC – Revista de Gestão e Secretariado, 5(3), 49-70.

Cooper, D. R., & Schindler, P. S. (2016). Métodos de Pesquisa em Administração 12ª edição. Porto Alegre: McGraw Hill Brasil.

Cordeiro, R., & Giotto, O. (2011). Competências complementares: secretário executivo e administrador. Secretariado em Revist@, 5(1), 13-27.

Erviti, M. C., Fernández-Vallejo, A. M., & Razkin, M. J. (2016). Competencias del Asistente de Dirección en el entorno digital. In E. Santos et al. (Coord.), Práxis e Inovação em Secretariado (pp. 97-129). Castelo Branco: Instituto Politécnico de Castelo Branco.

ESCO (2020). Uma taxonomia das qualificações, competências e profissões europeias. Recuperado a 23 de abril de 2020, de https://ec.europa.eu/esco/portal/occupation?resetLanguage=true&newLanguage=pt.

Fleury, M., & Fleury, A. (2001). Construindo o conceito de competência. RAC – Revista de Administração Contemporânea, 5, 183-196.

France, S. (2015). The definitive personal assistant & secretarial handbook. London, Philadelphia, New Deli: Kogan Page.

Gray, D. E. (2016). Doing research in the real world. 3rd edition.

Holcomb, Z. C. (2016). Fundamentals of descriptive statistics. Routledge.

IMA – International Management Assistants. (2020). IMA Profile for Management Support Professionals. Recuperado a 25 de abril de 2020, de https://www.imanetwork.org/profile-management-support-professional

Lasta, A., & Durante, D. (2008). A gestão secretarial no cenário organizacional contemporâneo. Secretariado Executivo em Revista, 4, 49-65.

Mandey, C. (2016). Stakeholders’ Perception towards the Role of Secretaries in Globalization Era. Journal of International Scholars Conference Business & Governance, 1(3), 234-242.

Moreno, M. (2006). Evaluación, balance y formación de competencias laborales transversales: propuestas para mejorar la calidad en la formación profesional y en el mundo del trabajo. Laertes Educación: Barcelona.

Moura, M. A. (2008). Trabalho e Competências em Transformação: O Papel da Profissional de Secretariado. Revista Expectativa, 7(7), 27-49.

Müller, R., Oliveira, V. S., & Cegan, E. (2015). Perfil do(a) Profissional de Secretariado Executivo na Gestão Contemporânea: Evidências a Partir dos Ingressantes no Mercado de Trabalho na Cidade de Curitiba e das Demandas Empresariais . GESEC Revista de Gestão e Secretariado, 6(3), 129-151.

Pôle Emploi (2018). Enquête Besoins en main-d’œuvre 2018. Recuperado a 12 de abril de 2018, de http://statistiques.poleemploi.org/bmo/Handlers/HTFile.ashx?FZD=gqDp4irDNQzSKSGYeCHGuA%3d%3d& SITEKEY=620c8132-d522-44fa-8efa-27a62c26702c

PORDATA Base de Dados Portugal Contemporâneo (s/d). Taxa de desemprego: total e por sexo (%). Recuperado a 12 de maio de 2020 de https://www.pordata.pt/Portugal/Taxa+de+desemprego+total+e+por+sexo+(percentagem )-550.

Rabaglio, M. (2001). Seleção por competências. São Paulo: Educator.

Ramos, R., Sousa, B., & Monteiro, N. (2009). História de Portugal (pp. 747-777). Lisboa: Esfera dos Livros.

Rankin, D., & Shumack, K. (2017). The Administrative Professional: Technology and Procedures. Recuperado a 12 de junho de 2018, de https://books.google.pt/books?id=uXUcCgAAQBAJ&printsec=frontcover&hl=ptPT&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false.

Sabino, R. F. & Gonçalves, V. (2016). A formação superior para o Secretariado na perspetiva luso-brasileira. GESEC – Revista de Gestão e Secretariado, 7(1), 150-171.

Santos, E. & Moretto, C. (2011). O mercado de trabalho do secretário executivo no contexto da dinâmica produtiva e do emprego recentes no Brasil. Revista do Secretariado Executivo, 7, 21-35.

Santos, E., Brunheta, V., & Franco, H. (2016). O Secretariado no Mundo Global. In E. Santos et al. (Coord.), Práxis e Inovação em Secretariado (pp. 7-19). Castelo Branco: Instituto Politécnico de Castelo Branco.

Santos, P. M. (2014). Secretariado. Visão estratégica para a competitividade. Viseu: Edições Esgotadas.

Santos, P. M., Guedes, A., & Roque, V. (2016). Secretariado e planeamento estratégico – a implementação de ferramentas de gestão estratégica na assessoria especializada. In. A. M. Vieira et al. (orgs.). Livro de Atas do Congresso Internacional de Secretariado e Assessoria 2016 (pp. 118-132). Porto: Conselho Profissional de Secretariado.

Swiatkiewicz, O. (2014). Competências transversais, técnicas ou morais: um estudo exploratório sobre as competências dos trabalhadores que as organizações em Portugal mais valorizam. Cadernos EBAPE.BR, 12(3), 663-687.

Tomás, M. (2001). Terminologia de formação profissional – alguns conceitos de base III. Lisboa: Direção Geral do Emprego e Formação Profissional.

Tuorinsuo-Byman, S. (2008). European management assistants: work, challenges and the future. Helsinki: Haaga-Heelia University of Applied Sciences.

Villardón-Gallego, L., Yaniz, C., & Moro, A. (2014). Competencies for employment: training and the labour market. Procedia: Social and behavioral sciences, 139, 373-379.