Vivências de Assédio Moral na Pós-Graduação: Relatos de Docentes e Discentes Outros Idiomas

ID:
60527
Resumo:
O meio acadêmico e de pesquisa são contextos de trabalho nos quais ocorrem situações de assédio moral, seja pelo abuso de poder, pressões e cobranças, vaidades/ego ou pela recusa de diferença. Esta pesquisa objetivou identificar as práticas de assédio moral vivenciadas por discentes e servidores docentes vinculados aos Programas de Pós-Graduação stricto sensu de uma Universidade da região sul brasileira. A pesquisa teve uma abordagem mista (quantiquali), sendo aplicado um questionário online (126 respostas) e realizadas entrevistas semiestruturadas (7) com docentes e discentes da Pós-Graduação. Foram realizadas análises descritivas dos dados e análise de conteúdo. Verificou-se a ocorrência de situações de assédio relacionado ao trabalho (por exemplo, opiniões e pontos de vista ignorados, sobrecarga de trabalho), assédio pessoal (ser ignorado/excluído; humilhado ou ridicularizado; comentários ofensivos sobre o indivíduo) e, em menor escala, assédio por intimidações físicas ou sexuais (gritaram com você/agressividade gratuita; comportamentos intimidativos). Tanto docentes quanto discentes experienciaram situações como estas de forma frequente. Observou-se que as agressões sofridas pelos discentes partem, principalmente, dos docentes durante a aula ou em orientações, sendo que no ambiente de aula as agressões são dirigidas aos alunos de forma geral. Já os docentes são alvos majoritariamente dos próprios colegas. Por fim, o assédio moral é uma prática frequente na Pós-Graduação, a qual naturaliza determinados comportamentos hostis, como se estes fizessem parte “da formação do discente”. Ressalta-se a importância de debates sobre assédio moral no contexto acadêmico e científico, de modo a contribuir para mudanças de crenças e práticas.
Citação ABNT:
NUNES, T. S.Vivências de Assédio Moral na Pós-Graduação: Relatos de Docentes e Discentes. Revista de Gestão e Secretariado, v. 11, n. 3, p. 212-237, 2020.
Citação APA:
Nunes, T. S.(2020). Vivências de Assédio Moral na Pós-Graduação: Relatos de Docentes e Discentes. Revista de Gestão e Secretariado, 11(3), 212-237.
DOI:
http://dx.doi.org/10.7769/gesec.v11i3.1101
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/60527/vivencias-de-assedio-moral-na-pos-graduacao--relatos-de-docentes-e-discentes/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 2004.

Barreto, M. (2005) Assédio Moral: a violência sutil. Análise epidemiológica e psicossocial no trabalho no Brasil (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, SP, Brasil.

Barreto, M., & Heloani, R. (2015). A discussão do assédio moral em organizações públicas e sindicais: situando o debate. In M. L. Emmendoerfer, S. R., Tolfo, & T. S. Nunes (Org.). Assédio moral: em organizações públicas e a (re)ação dos sindicatos (pp. 31-51). 1. Ed. Curitiba, PR: ed. CRV.

Coutinho, M. C., Magro, M. L. P. D., & Budde, C. (2011). Entre o prazer e o sofrimento: um estudo sobre os sentidos do trabalho para professores universitários. Psicologia: teoria e prática, 13(2), 154-167.

Creswell, J. W., & Clark, V. L. (2013). Pesquisa de métodos mistos. 2. ed. Porto Alegre: Penso.

Einarsen, S. (2005). The nature, causes and consequences of bullying at work: The Norwegian experience. Pistes, 7(3), 1-14.

Einarsen, S., Hoel, H., & Notelaers, G. (2009). Measuring exposure to bullying and harassment at work: Validity, factor structure and psychometric properties of the Negative Acts Questionnaire-Revised. Work & Stress, 23(1), 24-44.

Einarsen, S., Hoel, H., Zapf, D., & Cooper, C. L. (2003). The concept of bullying at work: the European tradition. In Einarsen, S., Hoel, H., Zapf, D., & Cooper, C. L. (Eds.). Bullying and Emotional Abuse in the Workplace: International perspectives in research and practice (pp. 3-30). London: Taylor & Francis.

Einarsen, S., Hoel, H., Zapf, D., & Cooper, C. L. (2011). The concept of bullying and harassment at work: The European tradition. In S. Einarsen, H. Hoel, D. Zapf, & C. L. Cooper (Eds.). Bullying and harassment in the workplace: Developments in theory, research, and practice (pp. 3-39). London: Taylor & Francis.

Freitas, M. E. (2001). Assédio Moral e Assédio Sexual: faces do poder perverso nas organizações. Revista de Administração de Empresas – RAE, 41(2), 2001.

Freitas, M. E., Heloani, R., & Barreto, M. (2008). Assédio moral no trabalho. Cengage Learning, São Paulo.

Gosdal, T. C., Soboll, L. A. P., Schatzmam, M., & Eberle, A. D. (2009). Assédio Moral Organizacional: esclarecimentos conceituais e repercussões. In T. C. Gosdal & L. A. P. Soboll (Orgs.). Assédio Moral Interpessoal e Organizacional: um enfoque interdisciplinar (pp. 33-41). São Paulo: LTr.

Heloani, R., & Barreto, M. (2015). Assédio moral nas relações sociais no âmbito das instituições públicas. In: J. A. P. GEDIEL, E. F. Silva, F. Zanin, & L. E. Mello (Orgs). Estado, poder e assédio: relações de trabalho na administração pública (pp. 145-162). Curitiba: Kairós Edições.

Heloani, R., & Barreto, M. (2018). Assédio moral: Gestão por humilhação. Curitiba, Juruá.

Hirigoyen, M-F. (2006). Mal-estar no trabalho: redefinindo o assédio moral. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Hirigoyen, M-F. (2008). Assédio moral: a violência perversa no cotidiano. 10. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Levecque, K., Anseel, A., Beuckelaer, A., Heyden, J. V. d., & Gislef, L. (2017). Work organization and mental health problems in PhD students. Research Policy, 46(4), 868879.

Leymann, H. (1996). The Content and Development of Mobbing at Work. European Journal of Work and Organizational Psychology, 5(2), 165-184.

Martins, A. A. V., & Honorio, L. C. (2014). Prazer e sofrimento docente em uma instituição de ensino superior privada em Minas Gerais. Organizações & Sociedade, 21(68), 835851.

Nielsen, M. B., & Einarsen, S. V. (2018). What we know, what we do not know, and what we should and could have known about workplace bullying: An overview of the literature and agenda for future research. Aggression and Violent Behavior, 42, 71-83.

Nunes, T. S. (2016). A influência da cultura organizacional na ocorrência do assédio moral no trabalho na Universidade Federal de Santa Catarina (Tese de Doutorado). Centro Sócio-Econômico, Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Nunes, T. S., & Tolfo, S. R. (2015). Una reflexión sobre las investigaciones acerca del acoso moral en el trabajo en el entorno de la asociación nacional de postgrado e investigación en administración (ANPAD). In E. B. Villar, M. Caputo, E. A. Coria, & M. Gimenez (Orgs.). Hostigamiento Psicológico Laboral e Institucional en Iberoamérica: estado del arte y experiencias de intervención (651-668). 1 ed. Buenos Aires: Sb editorial.

Nunes, T. S., & Torga, E. M. M. (2020). Workplace bullying in postgraduate courses: The consequences experienced by teachers and students of a Brazilian state university. Education Policy Analysis Archives, 28(11), 1-27.

Nunes, T. S., Tolfo, S. R., & Espinosa, L. M. C. (2019). A percepção de servidores universitários sobre as políticas, ações e discursos institucionais sobre o assédio moral no trabalho. Organizações em Contexto, 15(29), 191-222.

Nunes, T. S., Tolfo, S. R., & Nunes, L. S. (2013). Assédio Moral em Universidade: a violência identificada por servidores docentes e técnico-administrativos. Organizações em Contexto, 9(18), 25-61.

Oliveira, M. E. (2017). História, memórias e cenário atual da intensificação do trabalho docente na educação básica paulista: apontamentos de pesquisa. História, 36(9), 1-26.

Pellegrini, P. G. (2016). Assédio moral no trabalho e repercussões na estrutura e dinâmica familiares (Dissertação de Mestrado). Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Pheko, M. M., Monteiro, N. M., & Segopolo, M. T. (2017). When work hurts: a conceptual framework explaining how organizational culture may perpetuate workplace bullying. Journal of Human Behavior in the Social Environment, 27(6), 571-588.

Piñuel, I. (2013). Por si acaso te acosan…: 100 cosas que necesitas saber para salir del acoso psicológico en el trabajo. Buenos Aires: Códice.

Rates, A. C. F., & Leda, D. B. (2018). “Pau pra toda obra”: As vivências de prazer e sofrimento no trabalho de professores substitutos de uma Universidade Federal. Revista Trabalho (En)Cena, 3(3), 34-56.

Ribeiro, C. V. S., & Leda, D. B. (2016). O trabalho docente no enfrentamento do gerencialismo nas Universidades Federais brasileiras: Repercussões na subjetividade. Educação em Revista, 32(4), 97-117.

Salin, D. (2003). Workplace Bullying among Business Professionals: Prevalence, Organisational Antecedents and Gender Differences (Doctoral dissertation). Swedish School of Economics and Business Administration, Helsinki, Swedish.

Zapf, D., Escartín, J., Einarsen, S., Hoel, H., & Vartia, M. (2011). Empirical findings on prevalence and risk groups of bullying in workplace. In S. Einarsen, H. Hoel, D. Zapf, & C. L. Cooper (Eds.). Bullying and harassment in the workplace: Developments in theory, research, and practice (pp. 75-105). London: Taylor & Francis.