Práticas de organização na constituição do direito à cultura e à cidade: compreendendo as lutas por direitos de uma organização cultural na cidade de Goiás, Brasil Outros Idiomas

ID:
61094
Resumo:
O objetivo deste artigo é discutir como as práticas organizacionais no campo da cultura constituem o desenvolvimento, promoção e acesso aos direitos à cultura e à cidade na cidade de Goiás, Brasil. Aproximamos o campo de Estudos Baseados em Práticas (SBP) com o Direito para compreender os fenômenos jurídicos não institucionalizados pelo Estado dos processos organizacionais. A partir de uma etnografia multissituada realizada no Centro Histórico da cidade de Goiás, Goiás, localidade tombada pela Unesco como Patrimônio da Humanidade, entre agosto de 2014 e dezembro de 2015, destacamos os processos pelos quais as práticas organizacionais, enquanto produtoras de espaços nas cidades, constituem Direitos ao reconhecer ou negligenciar a ocupação do espaço urbano por determinados grupos sociais. Enfatizamos como as análises dos processos organizacionais podem contribuir para um debate sobre Direitos sob uma perspectiva do pluralismo jurídico a partir do cotidiano das cidades, destacando a relevância de se compreender as ocupações dos espaços urbanos como forma de reconfigurar as relações entre Estado e sociedade civil.
Citação ABNT:
CAMARGO, L. R. F.; OLIVEIRA, J. S.; ADORNO, E. C. L. M.; GOMES, T. R.; BERNARDO, G. Organizational practices in the constitution of the right to culture and to the city: understanding the struggle for the rights of a cultural organization in Goiás City, Brazil. Desenvolvimento em Questão, v. 18, n. 53, p. 105-119, 2020.
Citação APA:
Camargo, L. R. F., Oliveira, J. S., Adorno, E. C. L. M., Gomes, T. R., & Bernardo, G. (2020). Organizational practices in the constitution of the right to culture and to the city: understanding the struggle for the rights of a cultural organization in Goiás City, Brazil. Desenvolvimento em Questão, 18(53), 105-119.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/61094/praticas-de-organizacao-na-constituicao-do-direito-a-cultura-e-a-cidade--compreendendo-as-lutas-por-direitos-de-uma-organizacao-cultural-na-cidade-de-goias--brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
BISPO, M. S. Methodological Reflections on Practice-Based Research in Organization Studies. Brazilian Administration Review, v. 12, p. 309-323, 2015.

BUCHANAN, I. Non‐places: space in the age of supermodernity. Social Semiotics, v. 9, n. 3, p. 393-398, 1999.

CARDOSO DE OLIVEIRA, L. R. A dimensão simbólica dos direitos e a análise de conflitos. Revista de Antropologia, v. 53, p. 451-473, 2011.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2008.

CLIFFORD, J. Route: travel and translation in the late twentieth century. Cambridge: Harvard University Press, 1997.

COLAÇO, T. L.; DAMÁZIO, E. S. P. Um diálogo entre o pensamento descolonial e a antropologia jurídica: elementos para o resgate dos saberes jurídicos subalternizados. Sequência, v. 61, p. 85-110, 2011.

COURPASSON, D. The Politics of Everyday. Organization Studies, v. 38, n. 6, p. 843-859, 2017.

CUNLLIFFE, A.; ALCADIPANI, R. The Politics of Access in Fieldwork: Immersion, Backstage Dramas, and Deception. Organizational Research Methods, v. 19, n. 4, p. 535-561, 2016.

CZARNIAWSKA, B. Organizations as obstacles to organizing. In: CZARNIAWSKA, B. Organization and organizing: materiality, agency and discourse. New York: Routledge, 2013. p. 3-22.

DELGADO, A. F. Goiás: a invenção da cidade “Patrimônio da Humanidade”. Horizontes Antropológicos, v. 11, n. 23, 2005.

DEWALT, K. M.; DEWALT, B. R. Participant observation: a guide for fieldworkers. Toronto: Altamira Press, 2011.

FELDMAN, M. S.; ORLIKOWSKI, W. J. Theorizing practice and practicing theory. Organization Science, v. 22, n. 5, p. 1.240-1.253, 2011.

FONTANA, A.; FREY, J. H. Interviewing: the art of science. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (org.). Handbook of Qualitative Research. London: Sage, 1994.

GAGNON, T. Ethnography for a new global political economy? Marcus (1995) revisited, through the lens of Tsing and Nash. Ethnography, First Published, 6 Nov. 2017.

GEERTZ, C. Nova luz sobre a Antropologia. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

GHERARDI, S. How to conduct a practice-based study. Cheltenham: Edward Elgar, 2012.

GOLSHORKI, D.; ROULEAU, L; SEIDL, D.; VAARA, E. Handbook of strategy as practice. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.

GOMES, M. V. P.; BARROS, A. N.; GRIGOLETTO, F.; MATOS, L. Direitos humanos e administração: um estudo bibliométrico e uma agenda de pesquisa. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO (EnANPAD), 29., 2015, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: Anpad, 2015. p. 1-18.

HERRERA FLORES, J. A (re) invenção dos direitos humanos. Florianópolis: Fundação Boiteaux, 2009.

HODDER, I. The interpretation of documents and material culture. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (ed.). Handbook of Qualitative Research. London: Sage, 1994.

HORST, C. Expanding sites: the question of “depth” explored. In: FALZON, M. A. Multi-sited ethnography: theory, praxis and locality in contemporary research. London: Ashgate, 2009. p. 119-133.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010. Disponível em: https://sidra. ibge.gov.br/pesquisa/censo-demografico/demografico-2010/inicial. Acesso em: 30 mar. 2015.

KANT DE LIMA, R. Sensibilidades jurídicas, saber e poder: bases culturais de alguns aspectos do direito brasileiro em uma perspectiva comparada. Anuário Antropológico, v. 2, p. 25-51, 2010.

KANT DE LIMA, R.; BAPTISTA, B. G. L. Como a antropologia pode contribuir para a pesquisa jurídica? Anuário Antropológico, p. 9-37, 2014.

LIMA, A. N. V. O desafio da participação popular na construção e implementação da Política Estadual de Habitação de Interesse Social do estado da Bahia. Revista de Administração Pública, v. 48, n. 6, p. 1.4311.450, 2014.

MARCUS, G. E. Ethnography in/of the world system: the emergence of multi-sited ethnography. Annu. Rev. Anthropol, v. 24, p. 95-117, 1995.

MARCUS, G. E. What is at stake – and is not – in the idea and practice of multi-sited ethnography. Canberra Anthropology, v. 22, n. 2, p. 6-14, 1999.

NEUBAUER, J. Cultural history after Foucault. New York: Aldine de Gruyter, 1999.

OLIVEIRA, J. S.; CAVEDON, N. R. Os circos contemporâneos como heterotopias organizacionais: uma etnografia multissituada no contexto Brasil-Canadá. Revista de Administração Contemporânea, v. 21, n. 2, p. 142-162, 2017.

PINHEIRO, I. A.; VIEIRA, L. J. M.; MOTTA, P. C. D. Mandando Montesquieu às favas: o caso do não cumprimento dos preceitos constitucionais de independência dos três poderes da república. Revista de Administração Pública, v. 45, n. 6, p. 1.733-1.759, 2011.

RECKWITZ, A. Affective spaces: a praxeological outlook. Rethinking History: The Journal of Theory and Practice, v. 16, n. 2, p. 241-258, 2013.

SANTOS, A. L. N.; CORREIA, M. F. R.; OLIVEIRA, P. V. A Bahia e os seus fluxos e refluxos rumo à mpitica Mama África: um possível campo de exercício da cooperação Sul-Sul? Cadernos CRH, v. 29, n. 76, p. 87-100, 2016.

SANTOS, L. L. S.; ALCADIPANI, R. Por uma epistemologia das práticas organizacionais: a contribuição de Theodore Schatzki. Organizações & Sociedade, v. 22, p. 79-98, 2015.

SCHATZKI, T. R. On organizations as they happen. Organization Studies, v. 27, n. 12, p. 1.863-1.873, 2006.

SCHUCH, P. Antropologia do Direito: trajetória e desafios contemporâneos. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica, v. 67, p. 51-73, 2009.

SIKOR, T.; HE, J.; LESTRELIN, G. Property rights regimes and natural resources: A conceptual analysis revisited. World Development, v. 93, p. 337-349, 2017.

SILVA, R. L.; RUE, L. A. A acessibilidade nos sites do Poder Executivo estadual à luz dos direitos fundamentais das pessoas com deficiência. Revista de Administração Pública, v. 49, n. 2, p. 315-336, 2015.

STEENSMA, H. K.; CHARI, M.; HEIDL, R. The quest for expansive intellectual property rights and the failure to disclose known relevant prior art. Strategic Management Journal, v. 36, n. 8, p. 1.351-1.371, 2015.

WOLKMER, A. C. Os novos direitos: seus mecanismos jurídicos de proteção. Juízes para a Democracia, São Paulo, v. 1, p. 6, 2001.

WOLKMER, A. C. Pluralismo jurídico, direitos humanos e interculturalidade. Seqüência, v. 53, p. 113-128, 2006.