Saberes e modos de vida: por um projeto coletivo de turismo de base comunitária na comunidade Ribeirinha São Gonçalo Beira Rio, Mato Grosso, Brasil Outros Idiomas

ID:
61117
Resumo:
Diante da crise socioeconômica e ambiental, o Turismo de Base Comunitária (TBC) representa uma alternativa ao desenvolvimento que tem como escopo conservar os recursos naturais, promovendo o bem-estar das comunidades por meio da geração de renda e inclusão social. O objetivo deste estudo está em investigar os principais desafios e possibilidades para o desenvolvimento do Turismo de Base Comunitária na comunidade ribeirinha São Gonçalo Beira Rio, marco da fundação do município de Cuiabá-MT. Metodologicamente optou-se pela pesquisa de campo; como ferramenta de análise situacional, a matriz de Swot e a análise dos dados foram concatenados com o discurso de Foucault. Os resultados preliminares evidenciam que a localidade de São Gonçalo Beira Rio apresenta possibilidades para o desenvolvimento do TBC, em razão da riqueza de saberes e dos modos de vida desta comunidade. Em função, porém, da complexidade e das inúmeras variáveis identificadas, será necessário um planejamento coletivo, iniciando-se pela sensibilização, mobilização e qualificação dos atores envolvidos, bem como adoção de estratégias comunitárias a fim de auferir melhores resultados.
Citação ABNT:
ALCANTARA, L. C. S.; DUARTE, A. P. P. Saberes e modos de vida: por um projeto coletivo de turismo de base comunitária na comunidade Ribeirinha São Gonçalo Beira Rio, Mato Grosso, Brasil. Desenvolvimento em Questão, v. 18, n. 53, p. 202-221, 2020.
Citação APA:
Alcantara, L. C. S., & Duarte, A. P. P. (2020). Saberes e modos de vida: por um projeto coletivo de turismo de base comunitária na comunidade Ribeirinha São Gonçalo Beira Rio, Mato Grosso, Brasil. Desenvolvimento em Questão, 18(53), 202-221.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/61117/saberes-e-modos-de-vida--por-um-projeto-coletivo-de-turismo-de-base-comunitaria-na-comunidade-ribeirinha-sao-goncalo-beira-rio--mato-grosso--brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALCANTARA, L. C. S.; FEUSER, S.; SAMPAIO, A. C. C. Turismo de base comunitária: uma experiência na zona de educação para o ecodesenvolvimento do Rio Sagrado (Morretes, Paraná, Brasil). Turismo & Sociedade, Curitiba, v. 8, n. 2, p. 342-359, maio/ago. 2015.

ALMEIDA, F. A. B.; CASTRO, J. F. Planejamento do turismo de base comunitária: perspectivas críticas. Caderno Virtual de Turismo. Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 66-81, dez. 2017.

APPENDINI, K. A.; VERDUZCO, G. La transformación de la ruralidad mexicana: modos de vida y respuestas locales y regionales. Estudios Sociologicos, México, v. XX, n. 59, p. 468-474, 2002.

ARIANO, H. A. Viola de Cocho: controvérsias em torno do registro de propriedade de um símbolo regional. Revista de Antropologia do Centro-Oeste. Cuiabá, v. 4, n. 7, p. 153-171, jan./jul. 2017.

BANZATO, B. M., FAVERO, J. M., AROUCA, J. A. C.; CARBONARI, J. H. B. Análise ambiental de unidades de conservação através dos métodos SWOT e GUT: o caso do parque estadual restinga de Bertioga. Revista Brasileira de Gestão Ambiental, Pombal-PB, v. 6, n. 1, p. 38-49, jan./dez. 2012.

BARRETTO, M. Relações entre visitantes e visitados: um retrospecto dos estudos socioantropológicos. Turismo em Análise, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 133-149, 2004.

BARTHOLO, R.; SANSOLO, D. G.; BURSZTYN, I. (org.). Turismo de base comunitária: diversidade de olhares e experiências brasileiras. Rio de Janeiro: Letra e Imagem, 2009. 508 p.

BRAMBATTI, L. E.; NITSCHE, L. B. Roteiros rurais: associativismo e participação comunitária. O roteiro Caminhos de Guajuvira, Araucária-PR. Revista Rosa dos Ventos – Turismo e Hospitalidade, Caixas do Sul, v. 10, n. 1, p. 71-84, jan./mar. 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.18226/21789061.

BRASIL. Ministério do Turismo. Dinâmica e diversidade do turismo de base comunitária: desafio para a formulação de política pública. Brasília: Ministério do Turismo, 2010a. 88 p.

BRASIL. Ministério do Turismo. Plano Nacional de Turismo 2018-2022. Brasília: Ministério do Turismo, 2018. 162 p.

BRASIL. Ministério do Turismo. Segmentação do turismo e o mercado. Brasília: Ministério do Turismo, 2010b. 170 p.

BUCKLEY, R. Case studies in ecotourism. Reino Unido: Cabi International; Oxfordshire, 2003.

CORIOLANO, L. N. M. T. O turismo comunitário no nordeste brasileiro. In: BARTHOLO, R.; SANSOLO, D. G.; BURSZTYN, I. (org.). Turismo de base comunitária: diversidade de olhares e experiências brasileiras. Rio de Janeiro: Letra e Imagem, 2009. p. 277-287.

CORIOLANO, L. N. M. T.; LIMA, L. C. Turismo comunitário e responsabilidade socioambiental. Fortaleza: Eduece, 2003. 366 p.

COSTA, S. S.; LEMOS, T. A.; CAMPOS, D. P. F.; OLIVEIRA, J. C.; GUERREIRO, Q. L. M. Análise swot como ferramenta para diagnosticar o potencial turístico da comunidade Ponta de Pedras, Santarém-PA. Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais. Aracaju, v. 9, n. 6, jul. 2018. Edição especial Congaba.

CUIABÁ. Prefeitura de Cuiabá. Perfil socioeconômico dos bairros de Cuiabá. Cuiabá: Instituto de Planejamento e Desenvolvimento Urbano (IPDU), 2007. 124 p.

CUIABÁ. Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Turismo. Portal. 2018. Disponível em: http://www. cuiaba.mt.gov.br/secretarias/secretaria-de-cultura-esporte-e-turismo/13123.

DANTAS, N. G. S.; MELO, R. S. O método de análise SWOT como ferramenta para promover o diagnóstico turístico de um local: o caso do município de Itabaiana-PB. Caderno Virtual de Turismo, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 118-130, 2008.

ENDLICH, A. M. Perspectivas sobre o urbano e o rural. In: SPOSITO, M. E. B.; WHITACKER, A. M. (org.). Cidade e campo: relações e contradições entre urbano e rural. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010. p. 11-31.

FABRINO, N. H.; NASCIMENTO, E. P.; COSTA, H. A. Turismo de base comunitária: uma reflexão sobre seus conceitos e práticas. Caderno Virtual de Turismo, Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, p. 172-190, dez. 2016.

FAGUNDES, M. B. B.; SCHMIDT, V.; CENTURIÃO, D. A. S. Identificação das variáveis de SWOT como ferramenta para promover o diagnóstico turístico e o desenvolvimento local: Corumbá, MS. Informe Gepec, Toledo, v. 17, n. 1, p. 6-22, jan./jun. 2013.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1969.

FREIRE, L. S.; FERREIRA, H. C. H. O turismo de base comunitária como alternativa de desenvolvimento local: o caso de Curuçá-Pará. Revista Associação Brasileira dos Estudos do Trabalho, Juiz de Fora, v. 5, n. 3, p. 36-44, set./dez. 2015.

GABRIELL, C. P.; SANTOS, G. N. Turismo de base comunitária e patrimônio cultural imaterial no Nordeste Brasileiro. Caderno Virtual de Turismo, Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, p. 141-154, dez. 2016.

GÓMEZ, C. P.; FALCÃO, M. C.; CHEREM, L.; SILVA, T. N. A participação da comunidade no turismo de base comunitária: um estudo de múltiplos casos. Caderno Virtual de Turismo. Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 263279, ago. 2016.

GONÇALVES, S.; SILVA, G. C. J. Possibilidades do turismo comunitário na reserva de desenvolvimento sustentável Ponta do Tubarão/RN. Caderno Virtual de Turismo, Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 82-95, dez. 2017.

GRIMM, I. J.; ALCÂNTARA, L. C. S.; SAMPAIO, C. A. C. Tourism under climate change scenarios: impacts, possibilities, and challenges. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, São Paulo, 12(3), p 1-22, set./ dez. 2018. Disponível em: https://www.rbtur.org.br/rbtur/article/view/1354/823. DOI: http://dx.doi. org/10.7784/rbtur.v12i3.1354.

GUZZATTI, T. C.; SAMPAIO, C. A. C.; CORIOLANO, L. N. M. T. Turismo de base comunitária em territórios rurais: caso da Associação de Agroturismo Acolhida na Colônia (SC). Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 93-106, jan./abr. 2013.

HALLACK, N.; BURGOS, A.; CARNEIRO, D. M. R. Turismo de base comunitária: estado da arte e experiências brasileiras. AmbientalMente Sustentable, España, v. 1, n. 11-12, p. 7-25, enero/dec. 2011.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Classificação e caracterização dos espaços rurais e urbanos do Brasil: uma primeira aproximação. Coordenação de Geografia. Rio de Janeiro: IBGE, 2017. 84 p.

IPHAN. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Dossiê IPHAN 8: modo de fazer viola de Cocho. Brasília: IPHAN, 2005. 116 p.

KRIPPENDORF, J. Sociologia do turismo: para uma nova compreensão do lazer e das viagens. São Paulo: Aleph, 2000. 186 p.

LOBO, P. N. M. O turismo comunitário como desafio ao desenvolvimento sustentável: o caso da Resex do Batoque, Aquiraz/CE. Caderno Virtual de Turismo, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, p. 25-41, ago. 2017.

MALDONADO, C. O turismo rural comunitário na América Latina: gênesis, características e políticas. In: BARTHOLO, R.; SANSOLO, D. G.; BURSZTYN, I. (org.). Turismo de base comunitária: experiências brasileiras. Rio de Janeiro: Letra e imagem, 2009. 30-31 p.

MAMEDE, J. S. S.; DAVID, M.; TSUKAMOTO FILHO, A. A.; PASA, M. C. Os quintais e manifestações culturais da comunidade São Gonçalo Beira Rio, Cuiabá-MT. Biodiversidade, Rondonópolis, MT, v. 14, n. 1, p. 168182, 2015.

MATO GROSSO. Artesanato de Mato Grosso. 2018. Disponível em: http://www.sedec.mt.gov. br/-/3027075-artesanato?inheritRedirect=true.

MATO GROSSO. Lei nº 10.183, de 18 de novembro de 2014. Dispõe sobre a Política Estadual do Turismo e dá outras providências. Diário Oficial do Estado, 18 de novembro de 2014. Disponível em: https://www. al.mt.gov.br/legislacao/12254/visualizar. Acesso em: 24 jun. 2018.

MEDEIROS, J. L.; NASCIMENTO, M. A. L.; PERINOTTO, A. R. C. Análise SWOT e turismo: uma avaliação estratégica no Projeto Geoparque Seridó/RN. Ciência e Sustentabilidade. Juazeiro do Norte, v. 3, n. 1, p. 94-123, jan./jun. 2017.

MELO, N. R. A aplicação da análise SWOT no planejamento turístico de uma localidade: o caso de Araxá-MG. Caderno Virtual de Turismo, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 164-176, ago. 2011.

MESQUITA, J. L. Turismo de aventura e ecoturismo sustentável: diferenças. Estadão, 18 ago. 2014. Disponível em: https://marsemfim.com.br/diferenca-entre-turismo-de-aventura-ecoturismo-e-turismo-sustentavel/#:~:text=Ecoturismo%20(ou%20turismo%20ecol%C3%B3gico),a%20consci%C3%AAncia%20ambiental%20nos%20turistas. Acesso em: 16 jul. 2020.

MIELKE, E. J.; PEGAS, F. Turismo de base comunitária no Brasil. Insustentabilidade é uma questão de gestão. Revista Turismo em Análise, v. 24, n. 1, p. 170-189, abr. 2013.

MONÇALE, A. M.; MOREIRA, B. D. Fotografia, etnografia e festa: um olhar sobre a festa de santo na comunidade São Gonçalo Beira Rio – Cuiabá/MT. CONGRESSO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO NA REGIÃO CENTRO-OESTE, 15., 2013, Rio Verde, GO, 30/5 a 1º/6/2013.

MORAES, W. V.; EMMENDOERFER, M. L. Turismo comunitário e inclusão social: análise do roteiro turístico de base comunitária do projeto boas práticas na Serra do Brigadeiro – MG. Abet, Juiz de Fora, v. 5, n. 3, p. 26-35, set./dez. 2015.

OLIVEIRA, D. P. R. Planejamento estratégico. 28. ed. São Paulo: Atlas, 2010. 335 p.

OLIVEIRA, M.; FREITAS, H. Focus Group: instrumentalizando o seu planejamento. In: GODOI, C. K.; BANDEIRADE-MELLO, R.; SILVA, A. B. da (org.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006.

OLIVEIRA, R. S.; CORDEIRO, J. S. Análise dos atrativos naturais da Serra dos Alves, Senhora do Carmo, Itabira, MG, Brasil: uma contribuição para o desenvolvimento do turismo sustentável. Revista Turismo em Análise, São Paulo, v. 28, n. 2, p. 206-223, maio/ago. 2017.

OSORIO, P. S. Os festivais de cururu e siriri. Anuário Antropológico, Brasília, n. 1, p. 237-260, 2012.

OYARZÚN, E. M.; CARCAMO, C. G. (org.). Analisis de la red agroturismo Chiloé. Valdivia, Los Ríos, Chile: Instituto de Turismo; Universidad Austral de Chile, 2001.

OYMADA, G. C.; GATTI, F. Arte e identidade de gênero na Comunidade São Gonçalo Beira Rio em Cuiabá-MT. Revista de Administração do Sul do Pará. Pará, v. 3, n. 1, p-53-64, jan./abr. 2016.

PAULA, L. B.; REZENDE, A. C.; ALVARES, D. F. Planejamento e gestão de destinos turísticos a partir do fortalecimento e engajamento das partes interessadas. Revista de Cultura e Turismo, Ilhéus, BA, v. 12, n. 1, p. 31-58, fev. 2018.

PEZZI, E.; VIANNA, S. L. G. A experiência turística e o turismo de experiência: um estudo sobre as dimensões da experiência memorável. Revista Turismo em Análise, São Paulo, v. 26, n. 1, 2015. Especial.

ROMANCINI, S. R. Paisagem e simbolismo no arraial pioneiro São Gonçalo em Cuiabá-MT. Espaço e Cultura, Rio de Janeiro, n. 19-20, p. 81-87, jan./dez. 2005.

SAMPAIO, C. A. C.; ZECHNER, T.; HENRIQUEZ, C.; CORIOLANO, L. N. M.; FERNANDES, S. Turismo comunitário a partir de experiências brasileiras, chilenas e costarriquenha. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 42-58, jan./mar. 2014. Obtido em: https://rbtur.org.br/rbtur/article/ view/575/628. DOI: https://doi.org/10.7784/rbtur.v8i1.575.

SANTOS, G. Cultura popular e tradição oral na festa de São Gonçalo Beira Rio. ENECULT – ENCONTRO DE ESTUDOS MULTIDISCIPLINARES EM CULTURA, 5., 2009, Salvador, Bahia, Brasil: Faculdade de Comunicação/Ufba, 27 a 29 maio 2009.

SANTOS, G. L. S. O siriri na contemporaneidade em Mato Grosso: suas relações e trocas. 2010. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Mato Grosso, Instituto de Linguagens, Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea, 2010a.

SANTOS, G. L. S. Reflexões sobre a dança siriri e processos identitários em Cuiabá-MT. ENCONTRO DE ESTUDOS MULTIDISCIPLINARES EM CULTURA, 6., 2010, Salvador-BH, 25-27 maio 2010b.

SCOPINHO, R. A.; VALENCIO, N. F. L. S.; LOURENÇO, L. F. Memória, cotidiano e trabalho: notas sobre modos de vida e subjetividades na Serra do Açor, Portugal. Novos Cadernos NAEA, v. 18, n. 2, p. 135-148, jun./set. 2015.

SILVA, F. P. S.; MATTA, A. E. R.; SÁ, N. S. C. Turismo de base comunitária no antigo Quilombo Cabula. Caderno Virtual do Turismo, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p.79-92, ago. 2016.

STRONZA, A., PEGAS, F. Ecotourism and Conservation: Two Cases from Peru and Brazil. Human Dimensions of Wildlife, 13 (4), p. 263-279, 2008. DOI: 10.1080/10871200802187097

STRONZA, A.; GORDILLO, J. Community Views of Ecotourism: Redefining Benefits. Annals of Tourism Research, v. 35, v. 2, p. 444-468, 2008.

TURISOL. Rede Brasileira de Turismo Solidário e Comunitário. Projeto Bagagem: semeando o turismo comunitário pelo Brasil. 2018. Disponível em: http://projetobagagem1.tempsite.ws/arquivos/livreto-projeto_bagagem-09-parte1.pdf.

TURNER, Victor W.; BRUNER, Edward M. (ed.). Dewey, Dilthey, and Drama: An Essay in the Anthropology of Experience, Anthropology of Experience. Urbana and Chicago. Illinois, EUA: University of Illinois Press, 1986. p. 33-44.

VASCONCELOS, L. C. S. O Bairro São Gonçalo Beira Rio e a Copa do Mundo 2014 em Cuiabá-MT. GeoSaberes, Fortaleza, v. 6, n. 2, p. 376-386, nov. 2015, Especial.

WEAVER, D. B.; LAWTON, L. J. Twenty years on: the state of contemporary ecotourism research. Tourism Management, v. 28, p. 1.168-1.179, 2007.

WTO. World Tourism Organization. Tourism and the sustainable development goals – good practices in the Americas.. Madri: UNWTO, 2018. p. 56.

ZAPPELLINI, M. B.; FEUERSCHÜTTE, S. G. O uso da triangulação na pesquisa científica brasileira em administração. Administração Ensino e Pesquisa, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 241-273, abr./maio/jun. 2015.