Determinantes do desempenho dos participantes da prova do Enem: evidências para o Rio Grande Do Sul Outros Idiomas

ID:
61124
Resumo:
O estudo da diferença do desempenho escolar entre as escolas de natureza pública e privada mostra-se importante às políticas públicas, principalmente as que relacionam políticas sociais para o ingresso no Ensino Superior. Desta forma, o presente trabalho propõe-se a averiguar a ocorrência de diferenças entre os ensinos público e privado, no Estado do Rio Grande do Sul, a partir do desempenho dos alunos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), no ano de 2017. Para isso aplicou-se a modelagem de regressão quantílica decomposta em quartis à distribuição condicional da proficiência. Os resultados mostraram-se favoráveis ao desempenho dos alunos de escolas de natureza privada, de forma crescente, para os quartis, e que possuem melhores condições socioeconômicas familiares, como renda e mãe com formação no Ensino Superior. São evidências que demandam políticas públicas de equalização de possibilidades ao acesso ao Ensino Superior como forma de minimizar as crescentes desigualdades educacionais.
Citação ABNT:
TORRES, R.; PEREIRA, M. M.; BENDER FILHO, R.; LISBINSKI, F. C. Determinantes do desempenho dos participantes da prova do Enem: evidências para o Rio Grande Do Sul. Desenvolvimento em Questão, v. 18, n. 53, p. 352-368, 2020.
Citação APA:
Torres, R., Pereira, M. M., Bender Filho, R., & Lisbinski, F. C. (2020). Determinantes do desempenho dos participantes da prova do Enem: evidências para o Rio Grande Do Sul. Desenvolvimento em Questão, 18(53), 352-368.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/61124/determinantes-do-desempenho-dos-participantes-da-prova-do-enem--evidencias-para-o-rio-grande-do-sul/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALBERNAZ, Â.; FERREIRA, F., H., G.; FRANCO, C. Qualidade e equidade na educação fundamental brasileira. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 32, n. 3, p. 453-476, 2002.

ALVES, M. T. G.; SOARES, J. F. Cor do aluno e desempenho escolar: as evidências do Sistema de Avaliação do Ensino Básico – SAEB. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 26., 2002, Caxambu: [s.n.], 2002.

BARBETTA, P. A.; ANDRADE, D. F. D.; TAVARES, H. R. Estudo de fatores associados através de regressão quantílica hierárquica. Estudos em avaliação educacional, São Paulo, v. 29, p. 320-349, maio/ago. 2018.

BLACK, S. E.; DEVEREUX, P. J. Recent Developments in Intergenerational Mobility. NBER Working Paper, Amsterdam, v. 4, abr. 2011.

CAMERON, A. C.; TRIVEDI, P. K. Microeconometrics Using Stata. Lakeway Drive: Stata Corp LP, 2009.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS (CNM). Análise sobre os indicadores educacionais do Rio Grande do Sul. Estudos Técnicos CNM, v. 2, p. 41-47, abr. 2009.

CORTI, A. P. As diversas faces do Enem: análise do perfil dos participantes (1999-2007). Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 24, n. 55, p. 198-221, abr./ago. 2013.

COSTA-BEBER, L. B. et al. Processos seletivos de Universidades Públicas da Região Sul do Brasil: movimento de mudanças a partir do Novo Enem. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 14, p. 217-232, 2014.

DIAS, R. E. Profissionalização docente e a cultura da performatividade. In: ENDIPE – ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO, 13., 2006, Recife. Anais [...]. Recife, 2006.

FERREIRA, S. G.; VELOSO, F. A reforma da educação. In: PINHEIRO, A. C.; GIAMBIAGI, F. Rompendo o marasmo: a retomada do desenvolvimento no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

FOLHA DE SÃO PAULO. Veja o desempenho da sua escola no Enem 2018. Confira a posição de sua escola no ranking nacional do Enem de 2016, 2017. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2017/12/1942488-confira-a-posicao-de-sua-escola-no-ranking-nacional-do-enem-de-2016.shtml. Acesso em: 16 nov. 2019.

FRANCO, A. M. P.; MENEZES F. N. Uma análise de rankings de escolas brasileiras com dados do SAEB. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 42, n. 2, p. 263-283, abr./jun. 2012.

GREENE, W. H. Econometric analysis. 5. ed. New York: Pearson Education, 2003.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). 2019. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/educacao-basica. Acesso em: 20 set. 2019.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Primeiro dia do Enem 2017 termina com baixo índice de candidatos eliminados. INEP, 2017. Disponivel em: http://portal.inep.gov.br/ artigo//asset_publisher/B4AQV9zFY7Bv/cntent/primeiro-dia-do-enem-2017-termina-com-baixo-indicede-candidatos eliminados/21206. Acesso em: 28 jun. 2019.

KOENKER, R.; BASSETT, G. Regression Quantiles. Econometrica, v. 46, n. 1, p. 33, 1978.

MACHADO, A. F. et al. Qualidade do ensino em matemática: determinantes do desempenho de alunos em escolas públicas estaduais mineiras. Economia, v. 9, n. 1, p. 23-45, 2008.

MADEIRA, F, R. Educação e desigualdade no tempo de juventude. In: CAMARANO, Ana Amélia (org.). Transição para a vida adulta ou vida adulta em transição. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). 2006. p. 139-170.

MEDEIROS, M.; OLIVEIRA, L. F. B. D. Desigualdades regionais em educação:potencial de convergência. Revista Sociedade e Estado, v. 29, p. 561-586, maio/ago. 2014.

MORAES, A. G. E. D.; BELLUZZO, W. O diferencial de desempenho escolar entre os sistemas de ensino. Nova Economia, Belo Horizonte , v. 24, n. 2, p. 409-430, ago. 2014.

NOGUEIRA, L. C. B.; DE ALENCAR, E. F.. Tal pai, tal filho? Uma análise dos efeitos fatores de circunstâncias sobre o desempenho dos alunos na avaliação do Pisa 2012. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 49, n. 1, 2019.

RIGOTTI, J. I. R. A transição da escolaridade no Brasil e as desigualdades regionais. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 18, p. 59-73, jan./dez. 2001.

SILVA, E. N. D.; JÚNIOR, S. D. S. P. Sistema financeiro e crescimento econômico: uma aplicação de regressão. Aplicada, Ribeirão Preto, v. 10, jul./set 2006.

SILVA, L, A.; MORINO, A, H; SATO, T. M. C. Prática de mineração de dados no Exame Nacional do Ensino Médio. In: WORKSHOPS DO CONGRESSO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO, v. 3, n. 1, p. 651660, 2014, Dourados, MS. Anais [...]. Dourados, MS: Sociedade Brasileira de Computação, 2014. Disponível em: http://www.br-ie.org/pub/index.php/wcbie/article/view/3289. Acesso em: 22 abr. 2017.

SOARES, J. F.; COLLARES, A. C. M. Recursos familiares e o desempenho cognitivo dos alunos do ensino básico brasileiro. Dados: Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 49, n. 3, p. 615-650, 2006.

TELES, T. R. Política de cotas do ensino superior brasileiro: uma análise percuciente in faciem do princípio constitucional da igualdade. Ius Gentium, Curitiba, PR, v. 12, n. 6, 2015. ISSN 2237-4965.

TRAVITZKI, R. ENEM: limites e possibilidades do Exame Nacional do Ensino Médio enquanto indicador de qualidade escolar. 2013. 320 p. Tese (Doutorado – Programa de Pós-Graduação em Educação. Área de Concentração: Educação e Filosofia) – Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, São Paulo, 2013.

ZACCHI, R. C. Desempenho escolar e desigualdades educacionais no Brasil: uma análise a partir do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). 288 f. 2016. Tese (Doutorado em Sociologia Política) – Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, 2016.