Empreendedorismo feminino sob a perspectiva da estratégia como prática e teoria institucional Outros Idiomas

ID:
61133
Resumo:
O objetivo deste trabalho é sugerir uma nova perspectiva teórica nos estudos sobre empreendedorismo feminino, mais especificamente, uma análise do fenômeno sob as perspectivas da Estratégia como Prática e Teoria Institucional. Para tanto, realizou-se uma pesquisa bibliográfica qualitativa, afim de extrair conceitos que possibilitassem essa análise. Foi feita uma busca nas bases de dados Scielo.Org, Scopus (Elsevier) e Web of Science, onde foram selecionados 28 (vinte e oito) artigos entre nacionais e internacionais, os quais auxiliaram o desenvolvimento desse estudo. Como resultados destaca-se que a análise do empreendedorismo feminino sob as lentes da estratégia como prática, traz o foco da observação para o sujeito estrategista, contribuindo assim, com a compreensão da prática institucional, ou seja, uma investigação que parte do micro para o macro. Essa análise é uma das principais contribuições teóricas desse estudo, fortalecendo um campo de pesquisa ainda em construção. Há, ainda, a contribuição com o campo de Estudos Organizacionais, pois ao se entender que o empreendedorismo é um fenômeno pluridisciplinar e transdisciplinar, faz surgir dados que proporcionam novas visões sobre a natureza e a realidade do fenômeno pesquisado.
Citação ABNT:
SANTOS, F. O.; MATOS JÚNIOR, J. E.; VIEIRA, D. A.; CORNÉLIO, E. A.; SANTANA, F. B. Empreendedorismo feminino sob a perspectiva da estratégia como prática e teoria institucional. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, v. 12, n. 3, p. 511-527, 2020.
Citação APA:
Santos, F. O., Matos Júnior, J. E., Vieira, D. A., Cornélio, E. A., & Santana, F. B. (2020). Empreendedorismo feminino sob a perspectiva da estratégia como prática e teoria institucional. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 12(3), 511-527.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/61133/empreendedorismo-feminino-sob-a-perspectiva-da-estrategia-como-pratica-e-teoria-institucional/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Canhada, D. I. D.; Rese, N. (2009). Contribuições da 'estratégia como prática' ao pensamento em estratégia. REBRAE, 2(3), 273-289.

Carter, C.; Clegg, S. R.; Kornberger, M. (2008). SAP zapping the field. Strategic organization, 6(1), 107-112.

Carter, C.; Clegg, S. R.; Kornberger, M. (2008). So! apbox: editorial essays: Strategy as practice?.

Coraiola, D. M.; Mello, C. M. D.; Jacometti, M. (2012). Estruturação da estratégia-como-prática organizacional: possibilidades analíticas a partir do institucionalismo organizacional. RAM.Revista de Administração Mackenzie, 13(5), 204-231.

Gerbran, M.; Nassif, V. (2010). Empreendedorismo feminino: em um mundo masculinizado, como as mulheres conquistam seu espaço. XIII SemeAd–Seminários em Administração.

Gimenez, F. A. P.; Ferreira, J. M.; Ramos, S. C. (2017). Empreendedorismo Feminino No Brasil: Gênese E Formação De Um Campo De Pesquisa. (Female Entrepreneurship in Brazil: Genesis and Formation of a Research Field).

Gimenez, F.; Ferreira, J.; Ramos, S. (2017). Empreendedorismo Feminino no Brasil: Gênese e Formação de Um Campo de Pesquisa. REGEPE-Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 6(1), 40-74.

Gomes, A. F.; Santana, W. G. P.; Araújo, U. P. (2009). Empreendedorismo feminino: o estado-da-arte. ENANPAD-Encontro Nacional da ANPAD, 33.

Gouvêa, A. B. C. T.; Silveira, A.; Machado, H. P. V. (2013). Mulheres empreendedoras: compreensões do empreendedorismo e do exercício do papel desempenhado por homens e mulheres em organizações. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 2(2), 32-54.

Guerez, P. (2007). V CONGRESSO BRASILEIRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS (Doctoral dissertation, Universidade Positivo).

Guerez, P.; da Silva Nogueira, E. E. (2016). O PROCESSO DE (DES) INSTITUCIONALIZAÇÃO DO MODELO EMPREENDEDOR MASCULINO: UM ENSAIO A PARTIR DA LENTE DA LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL. In Anais do Congresso Brasileiro de Estudos Organizacionais.

Jarzabkowski, P.; Paul Spee, A. (2009). Strategy‐as‐practice: A review and future directions for the field. International journal of management reviews, 11(1), 69-95.

Jarzabkowski, P.; Whittington, R. (2008). A strategy-as-practice approach to strategy research and education. Journal of Management Inquiry, 17(4), 282-286.

Jarzabkowski, P.; Wilson, D. C. (2004). Pensando e agindo estrategicamente: novos desafios para a análise estratégical. RAE, 44(4), 11-20.

Machado-da-Silva, C. L.; Fonseca, V. S. D.; Crubellate, J. M. (2010). Estrutura, agência e interpretação: elementos para uma abordagem recursiva do processo de institucionalização. Revista de Administração Contemporânea, 14(SPE), 77-107.

Natividade, D. R. D. (2009). Empreendedorismo feminino no Brasil: políticas públicas sob análise. Revista de Administração Pública, 43(1), 231-256.

Oliveira Junior, A. B. D.; Gattaz, C. C.; Bernardes, R. C.; Iizuka, E. S. (2018). Pesquisa em empreendedorismo (2000-2014) nas seis principais revistas brasileiras de administração: lacunas e direcionamentos. Cadernos EBAPE.BR, 16(4), 610-630.

Ornellas, T. S. (2017). A produção de conhecimento sobre gênero e estudos organizacionais no Brasil: Uma análise dos últimos dez anos.

Sampaio, R. F.; Mancini, M. C. (2007). Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Brazilian Journal of Physical Therapy, 11(1), 83-89.

Souza, T. R. D. (2016). A tradução de práticas estratégicas por seus praticantes: estudo de casos múltiplos em consultorias sergipanas.

Suddaby, R.; Seidl, D.; Lê, J. K. (2013). Strategy-as-practice meets neo-institutional theory.

Teixeira, R. M.; Bomfim, L. C. S. (2016). Empreendedorismo feminino e os desafios enfrentados pelas empreendedoras para conciliar os conflitos trabalho e família: estudo de casos múltiplos em agências de viagens. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 10(1), 44-64.

Viana, M. F. (2016). Lógicas institucionais e estratégia como prática: uma abordagem construtivista. (Doctoral dissertation, Tese de doutorado, Programa de Pós-graduação em Administração, Universidade Federal de Lavras, Lavras, MG, Brasil).

Vicenzi, S. E.; Bulgacov, S. (2013). Fatores motivadores do empreendedorismo e as decisões estratégicas de pequenas empresas. Revista de Ciências da Administração, 15(35), 208-221.

Weick, K. E. (1995). Sensemaking in organizations. (Vol. 3). Sage.

Whittington, R. (1996). Strategy as practice. Long range planning, 29(5), 731-735.

Andrade, L.; Brito, M.; Brito, V.; Baeta, O. (2016). Estratégia como prática: Uma análise das práticas ambientalistas da Universidade Federal de Lavras (UFLA). Revista de Gestão Social e Ambiental, 10(2), 02-18.