Cartografia social nas narrativas dos territórios: o caso das populações ribeirinhas na Amazônia legal Outros Idiomas

ID:
61139
Resumo:
Objetivo do estudo: O objetivo deste artigo é compreender de que forma a cartografia social pode ser utilizada nas narrativas dos territórios urbanos. Para atingir este objetivo, aprofunda-se o marco-teórico do estudo, caracteriza-se a realidade dos ribeirinhos na Amazônia Legal,descreve-se o uso da cartografia social na comunidade investigada e averigua as narrativas colocadas na construção da cartografia social do território Metodologia/abordagem: Estudo de caso em uma comunidade ribeirinha na Amazônia Legal, Brasil, em 2018 e pesquisa atualizada em 2020. O estudo contemplou as seguintes fases: 1) seleção da comunidade a ser feito o mapeamento sugerido; 2) contato com os líderes da comunidade para marcar dois encontros na produção da cartografia; destacando que esses líderes foram escolhidos a partir da faixa etária e campo social inserido; 3) produção coletiva da cartografia social; 4) demarcação, via GPS, a localidade sugerida no mapa pelos líderes da comunidade; 5) organização, catalogação e impressão da cartografia social gerada; e, 6) análise dos resultados e conclusões Originalidade/Relevância: A memória é construída por meio da materialização da história vivida na medida em que a construção da cartografia social é elaborada pela própria comunidade duas conduções pontuais se sucedem. Assim, este é um estudo original na medida em que propõem a aplicação da cartogrfia em ambientes urbanos. Principais resultados: Na medida em que território se torna palco de conflitos devido às relações entre os atores sociais, a cartografia social vem auxiliar as comunidades na manutenção de identidades culturais. A cartografia identificou dois tipos de memórias. A primeira trata do reconhecimento do território da comunidade a partir das suas narrativas “oficiais” daquelas transcritas e reproduzidas pelos atores políticos do Estado-Nação. A segunda, a partir da experiência vivida naquele território na medida em que a construção desses mapas se sucedem e se nota a coexistência de duas percepções de um território sobreposto do mesmo espaço: uma posta e, outra, vivida. Contribuições teóricas/metodológicas: Refere-se a aplicação da cartografia social no ambiente urbano para compreender suas narrativas.
Citação ABNT:
ARAUJO JUNIOR, E. M.Cartografia social nas narrativas dos territórios: o caso das populações ribeirinhas na Amazônia legal. International Journal of Professional Business Review, v. 5, n. 2, p. 153-162, 2020.
Citação APA:
Araujo Junior, E. M.(2020). Cartografia social nas narrativas dos territórios: o caso das populações ribeirinhas na Amazônia legal. International Journal of Professional Business Review, 5(2), 153-162.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/61139/cartografia-social-nas-narrativas-dos-territorios--o-caso-das-populacoes-ribeirinhas-na-amazonia-legal/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALBERDI, R. (2012). Aportes de la cartografía social al desarrollo sustentable: un enfoque desde el territorio. http://fich.unl.edu.ar/CISDAV/upload/Ponencias_y_Posters/Eje05/Alberdi_Ramiro/Alberdi_Aportes_de_la%20CartografiaSocial_desarrolloSustentable. pdf.

ANTUNES, R. (2012). A nova morfologia do trabalho no Brasil: reestruturação e precarização. Nueva Sociedad, versão especial em português, p. 44-59, jun. http://www.nuso.org/upload/articulos/3859_1.pdf.

Barcellos C. et al. (2008) Georreferenciamento de dados de saúde em escala submunicipal: algumas experiências no Brasil. Epidemiol, Serv. Saúde, v. 17, n. 1, p. 59-70. Brasília.

BOYNARD, L. M. (2010). Representações do espaço geográfico em disputa: O Movimento Negro brasileiro e as novas cartografias sociais. Revista Tamoios. v. VI, n. 1, p. 110-114.

BOYNARD, L. M. (2011) Usos da cartografia antiracismo nas lutas do movimento negro brasileiro. Revista Geográfica de América Central. Número Especial EGAL, Costa Rica, p. 01-09.

ECKERT, C. (1992). Une ville autrefois minière: La Grand-Combe. Étude d’Anthropologie Sociale. Thèse de Doctorat. Université Paris V, Sorbonne. Avril.

ENNE, A. L. S.; NERCOLINI, M. (2016). Narrativas de memória e territórios inventados: a configuração das identidades e dos lugares como processos culturais. Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Mídia e Cotidiano, v. 8, p. 1-15.

GIL, A. C. (2010). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GOLDSTEIN, R. A. (2012). A cartografia na Estratégia de Saúde da Família: instrumentos para incorporação do território na Atenção Primária à Saúde. Tese Doutorado, Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Rio de Janeiro, 2012.

GORAYEB, A; MEIRELES, A. J. A. (2014). Cartografia social vem se consolidando com instrumento de defesa de direitos. Rede Mobilizadores. http://www.mobilizadores.org.br/coep/Publico/consultarConteudoGrupo.aspx?TP=V&CODIGO=C20142610482831.

HAESBAERT, R. (2004). Dos múltiplos territórios à multiterritorialidade. Conferência setembro. http://www.ufrgs.br/petgea/Artigo/rh.pdf.

HALL, S. (2001). Cultural identity and diáspora. London: Harvester Wheatsheaf.

IBGE. (2019). Portal da Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. https://www.ibge.gov.br/busca.html?searchword=ribeirinhos. Acesso em: ago. 2019.

MÉO, G. D. (2001). Géographie sociale et territoires L’identité: une médiation essentielle du rapport espace/société, Géocarrefour, v. 77, n. 2, p. 175-184.

MILAGRES, C. S. F. et al. (2011). Princípios de Cartografia Social em Diagnósticos Participativos em Projetos de Reforma Agrária. Aveiro, Portugal, IV Congresso de Estudos Rurais, Sociedade de Estudos Rurais, fevereiro.

MOORE, E.; GARZÓN, C. (2010). Social Cartography: The Art of Using Maps to Build Community Power. Race, Poverty & the Environment. Fall, 2010.

PECQUEUR, B. A guinada territorial da economia global. Política & Sociedade, n. 14, p. 79-105, 2009.

POLAK, M. (2012). Memória e Identidade Social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10.

RAFFESTIN, C. (1993). Por uma geografia do poder. Editora Ática, São Paulo, 1993.

RICOEUR, P. (1994). A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp, 1994.

VELHO, G. (1994). Memória, identidade e projeto In: VELHO, G. Projeto e metamorfose: antropologia das sociedades complexas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. p. 97-113.

YIN, R. K. (2015). Estudo de caso: planejamento e métodos. 5 ed. Porto Alegre: Bookman

ACSELRAD, H.; COLI, L. R. (2008). Disputas Cartográficas e disputas territoriais. In: ACSELRAD, Henri (org). Cartografias Sociais e Território. Rio de Janeiro: UFRJ, IPPUR.