Os sertões do Piauí em dinamização: dilemas e desafios para gestão urbana em uma cidade de comando regional piauiense Outros Idiomas

ID:
61142
Resumo:
Objetivo do estudo: Este artigo objetiva apontar e discutir os dilemas e desafios da gestão urbana que Picos/PI, vem experimentando, considerando seu atual Plano Diretor. Metodologia/abordagem: a construção da pesquisa está pautada em dois momentos: o primeiro, de base teórica, entre diferentes pensadores, na literatura urbano e regional. O segundo, de natureza qualitativa, cuja referência é a seleção, interpretação e análise técnica de documentos legais do município de Picos/PI: Plano Diretor vigente e a Lei municipal do Uso do Solo. Originalidade/Relevância: O dinamismo urbano e regional ocorrido em muitas cidades localizadas, fora dos quadros metropolitanos do Brasil, desde a década de 1980, tem motivado a constituição de uma rica agenda de pesquisas acadêmicas, cuja direção tem se dado sobre os processos de gestão urbana e análises sobre os diferentes instrumentos de ordenamento urbano. Muitas reflexões têm questionado o futuro daquelas cidades, a partir da existência e execução de seus Planos Diretores. Nesse contexto, aparece Picos/PI, uma Cidade de Comando Regional, qualificada, pelas fortes interações espaciais, bem como, pela destacada capacidade, de uma Área Urbana Funcional (FUA), nos sertões do estado do Piauí, Brasil Principais resultados: O principal dilema, repousa na observação de que as legislações analisadas possuem uma série de inconformidades com a organicidade da referida cidade. Frente a isso, o grande desafio é essencialmente político: a urgente atualização Plano Diretor, bem como, da sua efetiva aplicação, com vistas à resolução de uma série de demandas, de organização espacial, no contexto intraurbano. Contribuições teóricas/metodológicas: Analise e interpretação dos papeis urbanos na região e os rebatimentos espaciais a partir da concepção de Cidades de Comando regional.
Citação ABNT:
LIMA, J. G.Os sertões do Piauí em dinamização: dilemas e desafios para gestão urbana em uma cidade de comando regional piauiense. International Journal of Professional Business Review, v. 5, n. 2, p. 194-213, 2020.
Citação APA:
Lima, J. G.(2020). Os sertões do Piauí em dinamização: dilemas e desafios para gestão urbana em uma cidade de comando regional piauiense. International Journal of Professional Business Review, 5(2), 194-213.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/61142/os-sertoes-do-piaui-em-dinamizacao--dilemas-e-desafios-para-gestao-urbana-em-uma-cidade-de-comando-regional-piauiense/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BELLET, C. (Ed). Urbanización, producción y consumo en ciudades medias/intermedias. Lleida: Edicions de la Universitat de Lleida.

BERNARDY, R. J.; SILVEIRA, R. L. L. da. (2017). A cidade média monocêntrica e policêntrica: análise da sustentabilidade do uso do solo urbano. Pesquisa de Estágio pós-doutoral, Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional – PPGDR, Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul, Rio Grande do Sul.

BESERRA, M. R. (2016). Segregação socioespacial e planejamento urbano em Picos (PI): entre as demandas da população e as decisões do Poder Público Municipal. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas, Universidade Federal do Piauí, Teresina, Piauí.

CORRÊA, R. L. (2006). Estudos sobre a rede urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

CORRÊA, R. L. (2010). Trajetórias geográficas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

DAVOUDI, S. (2003). European Briefing: Polycentricity in European Spatial Planning: from na Analytical Tool to a Normative Agenda European Planning Studies. Abingdon: Carfax Publishing, n. 11, p. 979-999.

ESTATUTO DA CIDADE. (2001). Lei 10.267, de 28 de agosto de 2001: Altera dispositivos das Leis nos 4.947, de 6 de abril de 1966 e dá outras providências, Brasília.

FERRÃO, J. (2012). Regiões Funcionais, Relações urbano-rurais e Política de Coesão Pós-2013. Lisboa: ICS Relatório Final.

IBGE.Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2008). Regiões de Influência das Cidades 2007. Rio de Janeiro.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. São Paulo: Centauro. 2001.

LIMA, J. G.; SILVA, C. E. da; LUZ, F. J. L. A. (2016). Dinâmicas Urbanas em Espaços Sertanejos Piauienses (DUESPI): riscos e vulnerabilidades socioambientais em Picos/PI. Artigo apresentado no 6° Congresso Nacional de Educação Ambiental 2016, João Pessoa, Brasil.

LIMA, J. G.; SILVEIRA, R. L. L da. (2018). Cidades Médias Brasileiras a Partir de um Novo Olhar Denominal e Conceitual: Cidades de Comando Regional. Revista Desenvolvimento em Questão, n. 42, p. 8-41.

O’NEILL, M. M. V. C. As bases territoriais institucionais: novas configurações no espaço nordestino. Tese de Doutorado, Programa de Pós Graduação em Geografia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

OLIVEIRA, H. C. M. de; SOARES, B. R. (2014). Cidade média: apontamentos metodológicos e tipologia. Revista Caminhos de Geografia, Uberlândia, n. 15, p. 119-133.

PANIZZI, W. M. (Ed). Estudos urbanos: Porto Alegre e seu planejamento. Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PICOS. (2006). Propostas Pactuadas: Programas e Projetos – realidade municipal – parte integrante do Plano Diretor. Picos.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PICOS. (2006). Relatório Consolidado: Leitura do Município – realidade municipal – parte integrante do Plano Diretor. Picos. REIS, J. Ensaios de Economia Impura. Coimbra – Portugal: Almedina, 2007.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PICOS. (2008). Estudo Prévio de Impacto de Vizinhança de Picos. Picos.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PICOS. (2008). Lei Municipal do Uso do Solo de Picos. Picos.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PICOS. (2008). Leis do Plano Diretor: o Plano Diretor Participativo Municipal – parte IV. Picos.

SANTOS, M. (1994). Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico informacional. São Paulo: Hucitec.

SANTOS, M. (1996). A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec.

SANTOS, M. (2002). O país distorcido: o Brasil, a globalização e a cidadania. São Paulo: Publifolha.

SANTOS, M. (2008). O espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana. São Paulo: Edusp.

SAULE JÚNIOR, N.; ROLNIK, R. (2001). Estatuto da Cidade: novos horizontes para a reforma urbana. São Paulo: Polis.

SCHÄEFFER, N. O. (1993). Do armazém da esquina ao shopping Center: a transformação do consumo de Porto Alegre.

SILVEIRA, R. L. L.; BRANDT, G. B. FACCIN, C. R., SILVEIRA, L. L. , KUMMER, D. C. (2017). Policentrismo, Áreas Urbanas Funcionais (FUAs) e Dinâmica Territorial: Um estudo exploratório desde a região do Vale do Rio Pardo RS Brasil. Revista Redes, Santa Cruz do Sul, 22: 184217.

SOUZA, M. L. de. (2004). Mudar a cidade: uma introdução crítica ao planejamento e à gestão urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

SPOSITO, M. E, B.; GOES, E. M.; SPOSITO, E. S. (2015). Reestructuración y cambio en dos centros comercial es tradicionales. Visiones comparadas: Presidente Prudente (Brasil) y Lleida (España).

VILLAÇA, F. (2001). Espaço intraurbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel.

BERNARDY, R. J. (2013). O planejamento urbano de pequenos municípios com base no Plano Diretor. Revista Desenvolvimento em Questão, n. 11, p. 4-34.

REIS, J. Ensaios de Economia Impura. Coimbra – Portugal: Almedina, 2007