Custos versus Benefícios Resultantes da Ação Coletiva na Agricultura Familiar: Um Olhar Além das Informações Financeiras Outros Idiomas

ID:
61457
Resumo:
A literatura e as teorias que permeiam o desenvolvimento regional têm demonstrado que, além das percepções financeiras positivas e/ou negativas resultantes das ações coletivas, há custos e benefícios não financeiros, falhas e desafios a serem enfrentados pelos grupos. Diante disso, este estudo teve como objetivo central analisar de que forma a estrutura de governança coletiva apresenta influência (social, econômica, informacional, cultural e política) sobre os agricultores familiares associados à Associação de Produtores de Corumbataí do Sul – APROCOR. Para isso, foram utilizados os métodos qualitativo e explicativo, através da pesquisa documental e entrevistas. Os resultados demonstraram que, dentre os inúmeros benefícios gerados aos produtores familiares, destaca-se o papel da APROCOR em proporcionar ganhos econômicos e financeiros, informacionais, sociais, ambientais e de saúde ao trabalhador rural. Além dos benefícios gerados ao produtor, o estudo demonstrou ainda que a ação coletiva gera externalidades positivas, resultando em ganhos para a família do produtor rural, para o meio ambiente e comunidade local. As principais falhas existentes entre os indivíduos analisados incluem dificuldades de natureza cognitiva, estrutural, comportamental, institucional e política, além de desafios, dentre os quais, a capacitação dos agentes e promoção da racionalidade coletiva. Conclui-se que, apesar das falhas, há viabilidade da ação coletiva, uma vez que há possibilidade de minimização das dificuldades e cumprimento dos desafios coletivos.
Citação ABNT:
TIERLING, I. M. B. M.; SCHMIDT, C. M. Custos versus Benefícios Resultantes da Ação Coletiva na Agricultura Familiar: Um Olhar Além das Informações Financeiras. Sociedade, Contabilidade e Gestão, v. 15, n. 3, p. 84-108, 2020.
Citação APA:
Tierling, I. M. B. M., & Schmidt, C. M. (2020). Custos versus Benefícios Resultantes da Ação Coletiva na Agricultura Familiar: Um Olhar Além das Informações Financeiras. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 15(3), 84-108.
DOI:
https://doi.org/10.21446/scg_ufrj.v0i0.24355
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/61457/custos-versus-beneficios-resultantes-da-acao-coletiva-na-agricultura-familiar--um-olhar-alem-das-informacoes-financeiras/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BANCO MUNDIAL. Relatório sobre o desenvolvimento mundial de 2008: Agricultura para o desenvolvimento. Washington: The World Bank, 2007.

BATALHA, M. O.; BUAINAIN, A. M.; FILHO, H. M. De S. Tecnologia de gestão e agricultura familiar. In: 42° Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural, 2004, Cuiabá, Anais... Cuiabá, 2004.

BERGAMASCO, S. M. P. P.; KAGEYAMA, A. A.; OLIVEIRA, J. T. A. Uma Tipologia dos Estabelecimentos Agropecuários do Brasil a partir do Censo de 2006. RESR, Piracicaba, vol. 51, n. 1, p. 105-122, jan/mar 2013.

BRITO, Carlos M. Towards an institutional theory of the dynamics of industrial networks. Journal of Business & Industrial Marketing. v. 16, n. 3, p. 150-166, 2001.

BUAINAIN, A. M. Agricultura familiar, agroecologia e desenvolvimento sustentável: questões para debate. Brasília: IICA, 2006.

BUAINAIN, A. M.; GARCIA, J. R. Os pequenos produtores rurais mais pobres ainda tem alguma chance como agricultores? In: A pequena produção rural e as tendências do desenvolvimento agrário brasileiro: Ganhar tempo é possível? Brasília: CGEE, 2013.

CALEMAN, S. M. Q. Falhas de coordenação em sistemas agroindustriais complexos: uma aplicação na agroindústria de carne bovina. São Paulo, 2010. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Administração. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo.

CHIARIELLO, C. L.; EID, F. Singularidade na gestão de cooperativas tradicionais e populares: estudo de caso em cooperativas rurais do Paraná. Organizações Rurais & Agroindustriais, v. 12, n.1, p.98-112, 2010.

EISENHARDT, K. M.; MARTIN, J. A. Dynamic capabilities: what are they? Strategic Management Journal, n.21, p.1105-1121, 2000.

FAO Food and Agriculture Organization of the United Nations. The state of food and agriculture: innovation in family farming. FAO: Roma, 2014.

FARINA, E. M. M. Q. Consolidation, multinationalisation, and competition in Brazil: impacts on horticulture and dairy products systems. Development Policy Review, v.4, n. 20, p. 441-457, 2002.

GRANOVETTER, Mark. The strength of the weak ties. American Journal of Sociology. v. 78, n. 6, p. 1360-1380, 1973.

HARDIN, Russel. One for All: The Logic of Group Conflict. Princeton: Princeton University Press, 1995.

LAZZAROTTO, J. J. O associativismo rural e a sua viabilização: estudo de caso comparativo de duas associações de produtores rurais do município de Pato Branco (PR). In: 24º Enanpad, 2000, Florianópolis. Anais... Florianópolis: Anpad, 2000.

LOURENZANI, Ana Elisa. SILVA, Andrea Lago da. Ações coletivas envolvendo pequenos produtores: da exclusão à inclusão nos mercados. Revista Extensão Rural, DEAER/CPGExR – CCR – UFSM, Ano XIII, Jan – Dez de 2006.

LOURENZANI, W. L. Modelo sistêmico para gestão integrada da agricultura familiar. São Carlos, 2005. Tese (Doutorado) – Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de São Carlos, 2005.

MAEDA, Marianne Y.; SAES, Maria S. M. A lógica da ação coletiva: a experiência do Condomínio Agrícola Leópolis. In: XII SEMEAD-Seminários em Administração, 2009, São Paulo. XII SEMEAD Empreendedorismo e Inovação, 2009.

MAPA – MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Década de esperança e ascensão para a agricultura familiar. Disponível em: < http://www.agricultura.gov.br/noticias/decada-de-esperanca-e-ascensao-para-a-agricultura-familiar>. Acesso em: 13 mar. 2020.

MENARD, C. The economics of hybrid organizations. Journal of Institutional and Theoretical Economics. v. 160, n. 3, p. 345-376, 2004.

NASSAR, André M. Eficiência das associações de interesse privado nos agronegócios brasileiros. São Paulo, 2001. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Administração. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo.

NAVARRO, Z.; CAMPOS, S. K. A “pequena produção rural” no Brasil. In: A pequena produção rural e as tendências do desenvolvimento agrário brasileiro: Ganhar tempo é possível? Brasília: CGEE, 2013.

OLSON, Mancur. A lógica da ação coletiva: os benefícios públicos e uma teoria dos grupos sociais. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1999.

OSTROM, Elinor. Collective Action and Local Development Processes. Sociologica. Bologna, 2007.

OSTROM, Elinor. Governing the commons: the evolution of institutions for collective action. EUA: Cambridge University Press, 1990.

PASINI, Andreia Helena. A ação coletiva como forma de agregação no sistema agroindustrial da aquicultura de Maripá-PR. Toledo, 2013. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Desenvolvimento Regional e Agronegócio, Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

SACHS, I. Inclusão social pelo trabalho: desenvolvimento humano, trabalho decente e o futuro dos empreendedores de pequeno porte. Rio de Janeiro: Garamond, 2003.

SANDLER, Todd. Global Collective Action. University of Southern California: Cambridge, 2004.

SAUVÉE, Loïc. Efficiency, Effectiveness and the Design of Network Governance. In: 5TH International Conference on Chain Management in Agribusiness and the Food Industry Noordwijk an Zee, The Netherlands, 2002, Noordwijk an Zee. Anais… Noordwijk an Zee, 2002.

SCHMIDT, C. M. Criação e apropriação de valor no sistema agroindustrial do vinho do Vale dos Vinhedos. Cascavel: EDUNIOESTE, 2012.

SCHMIDT, Carla Maria; CIELO, Ivanete; WENNINGKAMP, Keila; TOMIO, Marialva. Collective Actions in Sustainable Rural Tourism: A Case Study of the Western Region of Paraná. Systems Research and Behavioral Science. Volume 33, Issue 2. First published: 01 December 2015.

SCHMIDT, Carla Maria; SAES, Maria Sylvia Macchione; MONTEIRO, Guilherme Fowler de Ávila. Value creation and value appropriation in networks: an empirical analysis of the role of geographical indication in the wine industry in Vale dos Vinhedos, RS, Brazil. Organizações Rurais & Agroindustriais, Lavras, v. 16, n. 3, p. 343-362, 2014.

SCHNEIDER, S. Reflexões sobre diversidade e diversificação: agricultura, formas familiares e desenvolvimento rural. Ruris, v. 4, n. 1, p. 85-131, 2010.

SILVA, A. L.; LOURENZANI, A. E. B. S. Modelo sistêmico de ocorrência de ações coletivas: um estudo multicaso na comercialização de frutas, legumes e verduras. Gestão de Produção, v. 18, n. 1, p. 159-174, 2011.

WENNIGKAMP, K. R. Ações coletivas no agronegócio: uma análise da produção científica no Brasil (1990 a 2013). Toledo, 2015. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Regional e Agronegócio, Universidade do Oeste do Paraná.

ZYLBERSZTAJN, Decio; CALEMAN, S. M. Q. Falhas organizacionais: tipologia, determinantes e proposta de modelo teórico. Revista OES, vol. 20, n. 65, p. 261-282, abr/jun 2013.