Roteiro de Escolha de Software Repositório de Documentos Outros Idiomas

ID:
62076
Resumo:
Esse trabalho tem por objetivo o de apresentar as funcionalidades que um software de repositório digital deve possuir. Foi realizada uma pesquisa bibliográfica por meio da busca de termos como “implantação de repositório digital”, “implantação de repositório institucional”, “escolha de repositório digital”, “escolha de repositório institucional”, “software de repositório digital”, “software de repositório institucional”, em diversas bases de dados. Como resultado, é proposto um roteiro para executar o processo de escolha de softwares de repositório digital a partir das funcionalidades, pré-requisitos e ferramentas disponíveis em diversos sistemas. Foi possível concluir que os grupos de funcionalidades podem ser divididos em funcionalidades para os gestores do software de repositório digital, funcionalidades para os gestores de tecnologia de informação da empresa, funcionalidades para os gestores da gestão do conhecimento e funcionalidades para os usuários do sistema e funcionários da empresa.
Citação ABNT:
FICHE, R. H.; MOURA, L. R. C.; MAIA, L. C. G.; CUNHA, N. R. S. Roteiro de Escolha de Software Repositório de Documentos. Revista de Tecnologia Aplicada, v. 9, n. 1, p. 45-66, 2020.
Citação APA:
Fiche, R. H., Moura, L. R. C., Maia, L. C. G., & Cunha, N. R. S. (2020). Roteiro de Escolha de Software Repositório de Documentos. Revista de Tecnologia Aplicada, 9(1), 45-66.
DOI:
http://dx.doi.org/10.48005/2237-3713rta2020v9n1p4566
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/62076/roteiro-de-escolha-de-software-repositorio-de-documentos/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Andrade, M. C. de. (2018). Interoperabilidade semântica entre repositórios digitais científicos: um perfil de aplicação de metadados baseado nas necessidades de informação em oncologia. Tese de Doutorado, Universidade do Minho, Minho, Portugal.

Ávila, B. T., Silva, M., & Cavalcante, L. (2017). Uso de repositórios digitais como fonte de informação por membros das universidades federais brasileiras. Informação & Sociedade, 27(3), 97-120.

Baptista, A. A., & Ferreira, M. (2006). Repository conversations. Brazilian Journal of Information Science, 0(0), 47-60.

Batista, F. F. (2012). Modelo de gestão do conhecimento para a administração pública brasileira como implementar a gestão do conhecimento para produzir resultados em benefício do cidadão. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Blattmann, U., & Weber, C. (2008). Dspace como repositório digital na organização. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, 13(2), 467-485.

Boté, J.-J., & Minguillón, J. (2010). Conservación de objetos de aprendizaje en repositorios digitales. RUSC, 9(1), 21-35.

Castro, R. L., Pelufê, M. S., & Arruda, R. G. (2013). Repositórios digitais da Embrapa: acesso livre a produção técnico-científica. Congresso Brasileiro de Biblioteconomia, Documentação e Ciência da Informação, Florianópolis, Brasil, 25.

Costa, M. P. da. (2010). Modelo de gestão de repositórios institucionais de acesso aberto à informação científica. Monografia de bacharelado, Universidade de Brasília, Brasília, Brasil.

Dobratz, S., Schoger, A., & Strathmann, S. (2007). The nestor catalogue of criteria for trusted digital repository evaluation and certification. Journal of Digital Information, 8(2), 1-6.

Fabri, L. B., Moraes, H. N., Costa, A. C., Morais, R. C., Costa, H. R. da, & Netto, C. M. (20121). Repositório institucional de objetos de aprendizagem utilizando DSpace. Simpósio Brasileiro de Informática na Educação, Rio de Janeiro, Brasil, 23.

Fiche, R. H., Moura, L. R. C., Maia, L. G. (2017). A utilização dos repositórios digitais encontrados nas organizações. Revista Analisando em Ciência da Informação, 5(1), 61-80.

Gama, I. da S., & Carvalho, L. S. (2017). Tendências e perspectivas de pesquisa sobre repositórios digitais no Brasil: uma análise de rede sociais (ARS). Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, 11(sup.), 1-14.

Goellner, S. V., Lomando, N. T., Job, I., & Soares, L. S. (2102). Memória e programas sociais de esporte e lazer: o acervo do programa segundo tempo do repositório digital do centro de memória do esporte. Motrivivência, 24(38), 89-97.

Leite, F. C. (2009). Como gerenciar e ampliar a visibilidade da informação científica brasileira: repositórios institucionais de acesso aberto. Brasília: Ibict.

Monteiro, F. de S. (2008). Organização da informação em repositórios digitais institucionais com ênfase na descrição física e descrição temática. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, Brasília, Brasil.

Muñoz, W. C., & Restrepo, M. C. (2016). Los repositorios como herramienta para la recuperación del patrimonio bibliográfico: el caso de seis bibliotecas públicas municipales del departamento de Antioquia. Revista Interamericana de Bibliotecología, 39(1), 57-65.

Paiva, M. R., & Giannasi-Kaimen, M. J. (2011). Proposta de política de informação para repositório temático institucional em moda e design na Universidade Estadual de Maringá. Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, Brasília, Brasil, 12.

Pavão, C. M. G., Araujo Neto, A. D., Caregnato, L. F., Costa, J. S. D., Horowitz, Z.; Oliveira, Z. P. D., & Saatkamp, C. M. (2008). Repositório digital: acesso livre à informação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Conferência Ibero-Americana de Publicações Eletrônicas no Contexto da Comunicação Cientifica, Rio de Janeiro, Brasil, 2.

Piñeiro, M. M., Sera, E. M., & Puente, Á. de J. P. (2015). Los repositorios de acceso abierto como alternativa para la visibilidad de la ciencia en las universidades: estudio de caso. Revista Cubana de Información en Ciencias de la Salud, 26(4), 330-346.

Pires, D. B., & Silva, J. M. da. (2014). Gestão da informação em organizações do conhecimento: reflexões para uma plataforma de colaboração. Revista Prisma.com, 21, 1-27.

Ribeiro Junior, D. I., Assis, G. de O., Pereira, A. M., Lima, K. C. de, Schenkel; M. B. de, & Silveira, L. C. da. (2012). Implantação do repositório digital do projeto “memória científica da Faed” com Dspace: relato de experiência. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, 17(1), 152-173.

Ribeiro, O. B., & Vidotti, S. G. (2010). Otimização do acesso à informação científica: discussão sobre a aplicação de elementos da arquitetura da informação em repositórios digitais. Biblos, 23(2), 105-116.

Rodrigues, A. P. (2012). Integração de ambiente virtual de aprendizagem com repositório digital. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Rosa, F., Meirelles, R. F., & Palacios, M. (2011). Repositório institucional da Universidade Federal da Bahia: implantação e acompanhamento. Informação & Sociedade, 21(1), 129-141.

Santarém Segundo, J. E., Camargo, L. S., Shintaku, M., & Vidotti, S. A. G. (2010). Integração do framework manakin com a plataforma Dspace para múltiplas apresentações visuais de informações nos repositórios digitais. RDBCI, 7(2), 10-26.

Santos, H. M. dos, & Flores, D. (2016). Reflexões sobre a preservação de documentos arquivísticos digitais: estratégias e repositórios. Revista Sociais e Humanas, 28(2), 9-24.

Santos, J. C. (2017). Repositorio digital da Escola Superior de Magistratura do Estado do Maranhao: proposta de implantação. BiblioCanto, 3(2), 65-80.

Saraiva, B. M. (2013). Um repositório aberto de conteúdos museológicos, arquivísticos e bibliográficos no Museu da Presidência da República: o caso Mus@. Dissertação de Mestrado, Universidade do Porto, Porto, Portugal.

Sengupta, S. (2012). Status of E-theses repositories with special reference to India. Library Philosophy & Practice, 15(6), 1-27.

Silva, L. H. G. da. (2010). As políticas dos repositórios institucionais: conteúdo, acesso, preservação, metadados e submissão/ autoarquivamento. Monografia de bacharelado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Simões, M. da G. de M., Freitas, M. C. V. de, & Bravo, B. R. (2015). A interoperabilidade entre os OPAC e os repositórios institucionais nas universidades públicas portuguesas e espanholas. Brazilian Journal of Information Science, 9(1), 1-19.

Swan, A. (2011). Institutional repositories now and next. In P. Dale, J. Beard & M. Holland (orgs.), University libraries and digital learning environments (pp. 119-134). Ashgate: Routledge.

Texier, J., Giusti, M. R. de, Lira, A. J., Oviedo, N., & Villarreal, G. L. (2013). DSpace como herramienta para un repositorio de documentos administrativos en la Universidad Nacional Experimental del Táchira. Revista Interamericana de Bibliotecología, 36(2), 109-124.

Vacari, I., Visoli, M. C., Leite, F. C., Pontes, S. D. de C., Okawachi, M. F., Simão, V. P., Gonzales, L. E., & Praxedes, M. G. (2010). Software livre para implementação de repositórios digitais e provedores de serviços: experiência da Embrapa Informática Agropecuária. Jornadas Argentinas de Informática, Buenos Aires, Argentina, 38.

Weitzel, S. R., Leite, F. C. L., & Arellano, M. A. (2008). E-LIS: um repositório digital para a Biblioteconomia e Ciência da Informação no Brasil. Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias, São Paulo, Brasil, 15.