Consumo sob duas Rodas: A Bicicleta e o Incremento da Economia Local Outros Idiomas

ID:
62196
Resumo:
Tendo em vista as políticas de mobilidade urbana e a problemática ambiental que resultaram na criação de infraestrutura para a disseminação da bicicleta como alternativa sustentável para locomoção e de fomento a economia urbana local. Esta pesquisa buscou delinear o perfil dos sujeitos usuários desse tipo de modal, investigar os segmentos de mercado fomentados pela economia da bicicleta e identificar a percepção dos empresários em relação a seus clientes, na cidade de Fortaleza (CE). A metodologia utilizada é de cunho quali-quantitativa. A técnica utilizada para tratamento dos dados qualitativos foi análise de conteúdo, e os dados quantitativos foram suportados pela estatística descritiva e análise de cluster. Foi aplicado um questionário com 132 usuários desse tipo de modal e realizadas entrevistas com proprietários ou gerentes de estabelecimentos que atuam na comercialização e serviços de manutenção de bicicletas. Como resultados foram identificados dois clusters distintos, sendo o cluster 1 formado por respondentes que possuem bicicleta, predominantemente do gênero feminino, enquanto no cluster 2, também prevalecem respondentes do gênero feminino, no entanto, são mais jovens e não possuem bicicleta própria. O segmento de mercado mais fomentado pelos usuários é do ramo de ciclismo, pois identificaram-se aquisições em maiores proporções que os demais segmentos. Apenas os comerciantes especializados em venda e serviços perceberam incrementos nos seus negócios, devido à expansão da infraestrutura específica e à cultura de mobilidade urbana instituída pelas políticas públicas da Prefeitura de Fortaleza nos últimos anos.
Citação ABNT:
ALBUQUERQUE, L. C.; AMORIM, K. V. N. M.; SOUSA, E. S.; FONTENELE, R. E. S. Consumo sob duas Rodas: A Bicicleta e o Incremento da Economia Local. Revista de Gestão e Secretariado, v. 12, n. 1, p. 79-105, 2021.
Citação APA:
Albuquerque, L. C., Amorim, K. V. N. M., Sousa, E. S., & Fontenele, R. E. S. (2021). Consumo sob duas Rodas: A Bicicleta e o Incremento da Economia Local. Revista de Gestão e Secretariado, 12(1), 79-105.
DOI:
http://dx.doi.org/10.7769/gesec.v12i1.1128
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/62196/consumo-sob-duas-rodas--a-bicicleta-e-o-incremento-da-economia-local/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Andion, C. (2003). Análise de redes e desenvolvimento local sustentável. Revista de Administração Pública – RAP, 37 (5), 1033 – 1054.

Araújo, M. R. M; Sousa, D.A.;Oliveira, J. M.; Jesus, M. S.; Sá, N. R.; Santos, P. A. C., & Lima, T. C.(2009). Andar de bicicleta: contribuições de um estudo psicológico sobre mobilidade. Temas em Psicologia. 17 (2), 481-495.

Bowles, B.; Fleming, K., Fuller, K., Lankford, J., & Printz, J. (2011). Economic and health benefits of bicycling in Iowa. (University of Northern Iowa). Retrieved from http://www.peoplepoweredmovement.org/site/images/uploads/Economic_and_Health_Benefits_of_Bicycling_in_Iowa.pdf

Castro, C. M. S. E., Barbosa, H. M., & Oliveira, L. K. (2013). Análise do potencial de integração da bicicleta com o transporte coletivo em Belo Horizonte. Journal of. Transporte Literature. 7(2), 146-170.

Coelho, E.M. Jr., Vilas, G.T.; Silva, K. K. P. & Pereira, R. V. (2015) Impactos positivos das implementações de ciclovias, ciclofaixas e faixas compartilhadas no município de São Paulo. Anais do Encontro Internacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente (ENGEMA), São Paulo, SP, Brasil, 18.

Collis, J., & Hussey, R. (2009). Pesquisa em administração: Um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. (2a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Diniz, C. C., Santos, F. S., Crocco, M. (2006). Conhecimento, inovação e desenvolvimento regional/local In: Diniz, C. C., & Crocco, M. (Orgs.). Economia regional e urbana: contribuições teóricas recentes. Belo Horizonte, MG: Editora UFMG.

Diógenes, K. C. A., Araújo, M. A. F., Tassigny, M. M., & Bizarria, F. P. A. (2017). Perspectivas de mobilidade urbana sustentável e a adesão ao modo cicloviário. Revista de Gestão Social e Ambiental, 11(1), 21-37.

Edra, F. P. M., Costa, M. L., & Fernandes, T. T. (2015). Cicloturismo em Niterói: potencialidade a partir do Rio de Janeiro. Caderno Virtual de Turismo, 15(3), 331-345.

European Cyclists’ Federation (2015, 22 de dezembro). Cycling works and job in the cycling economy. Brussels, Belgium: author. Retrieved from https://ecf.com/groups/cycling-works-jobs-and-job-creation-cycling-economy

Fávero, L. P., Belfiore, P.; Silva, F.L. & Chan, B. L. (2009). Análise de dados: Modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier.

Ferrarini, A. V. (2012). Desenvolvimento local integrado e sustentável: uma metodologia para políticas e programas de superação da pobreza. Interações, 13 (2), 233-241.

Forward, S.E. (2014). Exploring people’s willingness to bike using a combination of the theory of planned behavioural and the transtheoretical model. Revue Européenne de Psychologie Appliquée, 64, 151-159.

Franco, C.M.A. (2011). Incentivos e empecilhos para a inclusão da bicicleta entre universitários. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil.

Gomes, R. (2012). Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In: Minayo, M. C. S., Deslandes, S. F & Gomes, R. (Orgs.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. (32a ed.). Petrópolis: Vozes.

Gray, D. E. (2012). Pesquisa no mundo real. (2a ed.). Porto Alegre, RS: Penso.

Instituto de Energia e Meio Ambiente (2010). A bicicleta e as cidades: como inserir a bicicleta na política de mobilidade urbana. Renato Boareto (Org.). (2ª ed.) São Paulo, SP: author. Disponível em: http://www.energiaeambiente.org.br/wpcontent/uploads/2015/09/A-bicicleta-e-as-cidades.pdf

Instituto de Planejamento de Fortaleza -Iplanfor. (2015). Plano de Mobilidade de Fortaleza (PlanMob). Fortaleza, CE: author. Disponível em http://fortaleza2040.fortaleza.ce.gov.br/site/assets/files/publications/fortaleza2040_plano_de_mobilidade_urbana_17-08-2015.pdf

Iwai, T. (2016). Orientação de valor social, sistema de valores e comportamento cooperativo: um estudo experimental. Revista de Administração Mackenzie, 17(1), 82-111.

Martins, R. D. & Caldas, E.L. (2009). Visões do desenvolvimento local: uma análise comparada de experiências brasileiras. Interações, 10 (2), 207-218.

Martins, R. D., Vaz, J.C. & Caldas, E. L. (2010). A gestão do desenvolvimento local no Brasil: (des)articulação de atores, instrumento e território. Revista de Administração Pública – RAP, 44 (3), 559-590.

Mason, J.; Fulton, L. & Mcdonald, Z. (2015). A global high shift cycling scenario: the potential for dramatically increasing bicycle and e-bike use in cities around the world. (Institute for Transportations & Development Policy e University of California, Davis). Retrieved from https://www.itdp.org/wp-content/uploads/2015/11/A-Global-High-Shift-Cycling-Scenario_Nov-2015.pdf

Milheiro, V. (2016). Bicicleta e qualidade de vida nas cidades. Revista da UIIPS, 4(1), 200-215.

Ministério das Cidades (2007). Programa brasileiro de mobilidade por bicicleta Bicicleta Brasil: Caderno de referência para elaboração de plano de mobilidade por bicicleta nas cidades. Brasília, DF: Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. Disponível em: https://www.cidades.gov.br/images/stories/ArquivosSEMOB/Biblioteca/LivroBicicletaBrasil.pdf

Monteiro, J. P. R., & Monteiro, M.S. L. (2006). Hortas comunitárias de Teresina: agricultura urbana e perspectiva de desenvolvimento local. Revista Iberoamericana de Economia Ecológica, 5, 47-60.

Mota, J. C.; & Sá, F. M. (2013). A valorização económica da bicicleta em Portugal. Transportes em Revista, pp.46-52 Disponível em http://ordenaracidade.pt/sitejcarvalho/assets/files/2052/tr_130_valoriza_o_da_bicicleta.pdf

Mourad, A. I., & Serralvo, F. A. (2018). Estudo sobre a influência do posicionamento de marca no desempenho competitivo das organizações. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 10(3), 427-449.

Muls, L. M. (2008). Desenvolvimento local, espaço e território: o conceito de capital social e a importância da formação de redes entre organismos e instituições locais. Economia, 9 (1), 1-21.

Németh, J. (2009). Defining a public: the management of privately owned public space. Urban Studies, 46 (11), 2463-2490.

O Povo Online (2015, 9 de dezembro). Bicicletar Fortaleza lidera ranking de bicicletas compartilhadas no Brasil. Fortaleza, CE: author. Disponível em http://www20.opovo.com.br/app/fortaleza/2015/09/10/noticiafortaleza,3502212/fortaleza-lidera-utilizacao-de-bicicletas-compartilhadas-no-brasil.shtml

O Povo Online (2016, 01 de junho). Seis novas estações do Bicicletar serão entregues nesta quinta-feira. Fortaleza, CE: author. Disponível em http://www.opovo.com.br/app/fortaleza/2016/06/01/noticiafortaleza,3619251/seis-novasestacoes-do-bicicletar-serao-entregues-nesta-quinta.shtml

Olekszechen, N.; Battiston, M.; & Kuhnen, A. (2016). Uso da bicicleta como meio de transporte nos estudos pessoa-ambiente. Desenvolvimento e Meio ambiente, 36, 355-369.

Passador, C. S., & Passador, J. L. (2010). Apontamentos sobre as políticas públicas de combate à seca no Brasil: cisternas e cidadania? Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 15 (6), 65-86.

Passafaro, P., Rimano, A., Piccini, M. P., Metastasio, R., Gambardella,V., Gullace, G., & Lettieri, C.(2014) .The bicycle and the city: Desires and emotions versus attitudes, habits and norms. Journal of Environmental Psychology, 38, 76 – 83.

Patricio, L.C.B., & Kruszielski, L. (2016). Dia de bicicleta ao trabalho: uma potencial ferramenta para planejamento e promoção da mobilidade sustentável. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade – GeAS, 5(3), 135-151.

Pereira, C.H.T., & Silva, M.E. (2018). A economia compartilhada como movimento de transição. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade – GeAS, 7(3), 451-468.

Providelo, J. K., & Sanches, S. P. (2010). Percepções de indivíduos acerca do uso da bicicleta como modo de transporte. Transportes, 18, 53-61.

Quigley, J. M. (2008). Urban economics: the new palgrave dictionary of economics (2nd ed.). [Adobe digital editions version]. DOI:10.1057/9780230226203.1770

Rechene, S. T., & Silva, M. E. (2020). Vamos pedalar? A sustentabilidade na percepção de usuários de bicicletas compartilhadas. Revista Metropolitana de Sustentabilidade, 10 (2).

Rechia, S., Tschoke, A., Machado, G. C., & Joukoski, S. (2016). O lazer sobre duas rodas: uma questão de espaço, tempo e ação em Curitiba-PR. Pensar a Prática, 19(3), 568-578.

Richardson, R. J. (2012). Pesquisa social: Métodos e técnicas. (3a ed.). São Paulo, SP: Atlas.

Ricieri, M. G., Fontenele, H. B., & da Silva Junior, C. A. P. (2017). Percepção de cidadãos de uma cidade de médio porte em relação ao uso da bicicleta como modo de transporte. REEC-Revista Eletrônica de Engenharia Civil, 13(1), 283-296.

Roma, C. M. (2016). Circuito inferior da economia urbana e cidades locais-híbridas. Mercator-Revista de Geografia da UFC, 15(2), 23-36.

Rosemberg Associados. (2015). O uso de bicicletas no Brasil: qual o melhor modelo de incentivo? Associação Brasileira dos Fabricantes de motocicletas, ciclomotores, motonetas, bicicletas e similares (ABRACICLO). Disponível em http://www.abraciclo.com.br/downloads/34-seguranca/968-estudo-rosenberg.

Santos, C. C., & Souza, S. L. (2014, Agosto). A pobreza urbana e os dois circuitos da economia urbana: reflexões teóricas. Anais do Congresso Brasileiro de Geógrafos (CBG). Vitória, ES, Brasil, 7.

Santos, M. (2008). Espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. (2a ed.). São Paulo, SP: Editora da Universidade de São Paulo.

Sausen, J. O., Patias, I. A., & Allebrandt, S.L. (2011). Desenvolvimento local e estratégia de pequenos empreendimentos agroindustriais – a lógica da cooperação e do associativismo: o Pacto Fonte Nova. Cadernos Ebape.BR, 9 (3), 870-894.

Schoner, J. E., Harrison, R. A., & Wang, X. (2012). Sharing to grow: economic activity associated with nice ride bike share stations. (Technical report, University of Minnesota). Retrieved from http://conservancy.umn.edu/handle/11299/135470

Si, S., Chen, H., Liu, W., & Yan, Y. (2020). Disruptive innovation, business model and sharing economy: the bike-sharing cases in China. Management Decision, Ahead-of-print.

Silveira, M. O., & Maia, M. L. A. (2013, Novembro). Comportamento e uso da bicicleta. Anais do Congresso de Pesquisa e Ensino e Transportes (ANPET). Belém, PA, Brasil, 27.

Silveira, M. O., & Maia, M. L. A. (2015). Variáveis que influenciam no uso da bicicleta e as crenças da teoria do comportamento planejado. Transportes, 23(1), 24-36.

Simão, G.L., Freitas, A.F., Silva, E. A., Bastos, B.R.N., Salgado, R.J, S.F. & Amoedo, N.B.P. (2017). Políticas públicas de desenvolvimento local e adensamento de capital social: Análise do programa de aquisição de alimentos (PAA) em quatro municípios de Minas Gerais. Revista de Administração da UFSM, 10 (2), 288-306.

Smart Growth America. (n.d.). Complete Streets Stimulate the Local Economy. Washington, DC: author. Retrieved from http://www.smartgrowthamerica.org/documents/cs/factsheets/cs-economic.pdf

Storper, M.; & Venables, A. J. B. (2004). Buzz: face-to-face contact and the urban economy. Journal of Economic Geography, 4(4), 351-370. Retrieved from http://cep.lse.ac.uk/pubs/download/dp0598.pdf

Tribuna do Ceará (2016, 17 de dezembro). Ciclofaixa de lazer tem novas rotas neste domingo. Fortaleza, CE: author. Disponível em http://tribunadoceara.uol.com.br/noticias/mobilidadeurbana/ciclofaixa-de-lazer-tem-novas-rotas-neste-domingo/

Weigand, L. (2008). A review of literature: the economic benefits of bicycling. Center for Transportation Studies. Center for Urban Studies. Portland State University, Portland, Oregon. Retrieved from https://www.pdx.edu/ibpi/sites/www.pdx.edu.ibpi/files/Economic%20Benefits%20of%20Bicycling.pdf.