O Direcionamento Estratégico na Administração Legislativa: a Experiência da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte Outros Idiomas

ID:
62277
Resumo:
O planejamento é a base para as demais funções da administração, sendo assim, um gestor somente consegue agir, controlar e executar as atividades às quais lhe são pertinentes caso consiga primeiramente realizar o planejamento organizacional. Partindo desse ponto de vista clássico das ciências administrativas, o presente trabalho tem por objetivo propor um modelo de direcionamento estratégico a partir da percepção de atores sociais estratégicos visando o aprimoramento dos procedimentos legislativos, atendendo os anseios da sociedade com garantias de perenidade nas ações administrativas da Assembleia. Para tanto, seguiu os seguintes passos: a) diagnóstico interno da situação administrativa da instituição e das perspectivas futuras e diagnóstico externo da situação atual da instituição e das perspectivas futuras; b) análise das tendências identificadas ao Poder Legislativo Estadual com foco na formação do Direcionamento Estratégico. Nesse sentido, foram aplicados roteiros estruturados com servidores, deputados e membros da sociedade no intuito de construir tal plano, em seguida, com o emprego de métodos mistos, os dados foram analisados mediante análise de conteúdo e estatísticas descritivas pelo software NVivo, material responsável por sustentar a análise citada. Os resultados apresentam o direcionamento estratégico, a proposta de visão de futuro, missão e compromissos. Estes compromissos auxiliam a definição dos objetivos finalísticos e administrativos, bem como as linhas de atuação do legislativo. Também são destacadas as especificidades do poder legislativo e a necessidade de intensificar as ações de formação na ALRN. É possível concluir que o cerne do trabalho está em propor a sociedade como central em todas as etapas da definição do direcionamento estratégico. A visão de futuro possui os anseios da sociedade como pilar, um dos compromissos consiste na representação da sociedade e uma das linhas de atuação é a participação popular.
Citação ABNT:
RUSSO, C. E. A.; DIAS, T. F.; MEDEIROS, M. F. M.; COSTA, L. D. S. O Direcionamento Estratégico na Administração Legislativa: a Experiência da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. Interface - Revista do Centro de Ciências Sociais Aplicadas, v. 17, n. 3, p. 200-237, 2020.
Citação APA:
Russo, C. E. A., Dias, T. F., Medeiros, M. F. M., & Costa, L. D. S. (2020). O Direcionamento Estratégico na Administração Legislativa: a Experiência da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. Interface - Revista do Centro de Ciências Sociais Aplicadas, 17(3), 200-237.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/62277/o-direcionamento-estrategico-na-administracao-legislativa--a-experiencia-da-assembleia-legislativa-do-rio-grande-do-norte/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABRUCIO, F. L. (1997). O impacto do modelo gerencial na administração pública: um breve estudo sobre a experiência internacional recente. Cadernos ENAP, (10).

ACKOFF, R. L. (1976). Planejamento empresarial. Rio de Janeiro: LTC.

AKAO, Y. (1991). Hoshin Kanri: Policy Deployment for Successful TQM. Cambridge, MA: Productivity Press.

ALLISON, G. (1979). Public and Private Management: Are They Fundamentally Alike in All Unimportant Respects? In Public Management and Private Perspectives.

ALMEIDA, A. A., & Menezes, J. D. F. (2013). A importância do planejamento estratégico como fator preponderante ao crescimento organizacional. Revista Eletrônica, (8), 60– 76.

ALMG. (2010a). Direcionamento Estratégico: Assembleia Legislativa de Minas Gerais, 2010-2020. Belo Horizonte.

ALMG. (2010b). Projeto de Resolução 4615/2010. Dispõe sobre o Direcionamento Estratégico da ALMG e dá outras providências. Belo Horizonte.

ALMT. (2012). Planejamento Estratégico 2012-2016 da Assembleia Legislativa do Mato Grosso. Cuiabá.

ALRN. (2003). Resolução 046/90 Regimento Interno da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. Natal.

ALRN. (2012). Resolução 050/2012 Organização Administrativa da ALRN. Natal.

ALRN. (2017a). Histórico da ALRN. Recuperado 30 de junho de 2020, de http://www.al.rn.gov.br/portal/p/historia

ALRN. (2017b). Portal da Transparência da ALRN. Recuperado 30 de junho de 2020, de http://transparencia.al.rn.leg.br/transparencia/servidores.php

ANSOFF, H. I. (1990). A nova estratégia empresarial. São Paulo: Atlas.

ANSOFF, H. I. (1991). Critique of Henry Mintzberg's ‘The design school: reconsidering the basic premises of strategic management’. Strategic Management Journal, 12(6), 449-461.

ANTUNES, M. C. (2011). Maturidade do alinhamento estratégico entre o plano plurianual e os órgãos de controle: um estudo de caso no Ministério Público da União. Universidade de Brasília.

ARANTES, R. B., ABRUCIO, F. L., & TEIXEIRA, M. A. C. (2005). A imagem dos Tribunais de Contas subnacionais. Revista do Serviço Público, 56(1), 57–83.

ARRETCHE, M. (2003). Dossiê agenda de pesquisa em políticas públicas. RBCS, 18(51).

BARDIN, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

BELL, D. N. F., & Wright, R. W. (1996). The Impact of Minimum Wages on the Wages of the Low Paid: Evidence from the Wage Boards and Councils. Economic Journal, 650– 656.

BORJA, J. (1988). A participação citadina. Espaço e Debates, 24(1).

BOTELHO, C. R. O. M., & Melo, M. R. M. (2009). Planejamento e gestão estratégica na Câmara dos Deputados: quebrando paradigmas. Brasília.

BOTELHO, C. R. O. M., & Melo, M. R. M. (2010). Desafios e soluções para implantação da gestão estratégica na Câmara dos Deputados. Brasília.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Brasília: Senado Federal.

BRASIL. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado (1995). Brasília: Câmara da Reforma do Estado, Presidência da República.

BRESSER-PEREIRA, L. C. (1996). Da Administração pública burocrática à gerencial. Revista do Serviço Público, 47(1).

BRESSER-PEREIRA, L. C. (1998). A reforma do Estado dos anos 90: lógica e mecanismos de controle. Lua Nova, 45, 49–96.

BRESSER-PEREIRA, L. C. (2014). Reforma da nova gestão pública: agora na agenda da América Latina, no entanto. Revista do Serviço Público, 53(1), 5–27.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Wilheim, J., & Sola, L. (2001). Sociedade e Estado em transformação. São Paulo: Unesp.

BRYSON, J. M. (2004). Strategic planning for public and nonprofit organizations: a guide to strengthening and sustaining organizational achievement (3ª ed). San Francisco: Jossey-Bass Publishers.

CERTO, S. C., & PETER, J. P. (1993). Administração Estratégica: planejamento e implementação da estratégia. São Paulo: Makron Books.

CORRÊA, I. M. (2007). Planejamento estratégico e gestão pública por resultados no processo de reforma administrativa do estado de Minas Gerais. Revista de Administração Pública, 41(3), 487-504.

COSTA, E. A. (2006). Gestão estratégica. Editora Saraiva.

DRUCKER, P. (1998). Introdução à administração. São Paulo: Pioneira.

FERREIRA, M. M. G. (2014). Análise das dificuldades e dos desafios da implementação do planejamento estratégico com a metodologia Balanced Scorecard na Secretaria de Comunicação Social do Senado Federal. Brasília.

GARSCHAGEN, B. (2015). Pare de Acreditar no Governo: por que os brasileiros não confiam nos políticos e amam o Estado. Editora Record.

GIACOMONI, J., & PAGNUSSAT, J. L. (2006). Planejamento e Orçamento governamental. ENAP, 193–228.

GUIMARÃES, A. S. (2012). Gestão estratégica no poder legislativo: o caso da assembleia legislativa de minas gerais. E-Legis-Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação da Câmara dos Deputados, 9(9), 65–83.

GUIMARÃES, A. S., Schwartz, F. P., & Souza, J. W. D. (2012). Gestão estratégica no Poder Legislativo: o caso da Câmara dos Deputados. Revista do Serviço Público, 63(1), 25–42.

HITT, M. A., IRELAND, D. R., & HOSKISSON, R. E. (2002). Administração estratégica: competitividade e globalização. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

HOPKINS, W. E., & HOPKINS, S. A. (1997). Strategic planning–financial performance relationships in banks: A causal examination. Strategic Management Journal, (18), 635–652.

JAEGER, G., & Selznick, P. (1964). A normative theory of culture. American Sociological Review, 653–669.

JANN, W., & REICHARD, C. (2014). Melhores práticas na modernização do Estado. Revista do Serviço Público, 53(3), 33–52.

KAPLAN, R. S., & NORTON, D. P. (1997). A estratégia em ação: Balanced Scorecard (32o ed). Rio de Janeiro: Elsevier.

KAPLAN, R. S., & NORTON, D. P. (2000). Organizações orientadas para a estratégia: como as empresas que adotaram o balanced scorecard prosperam no novo ambiente de negócios (1o ed). Rio de Janeiro: Campus.

KAPLAN, R. S., & NORTON, D. P. (2004). Mapas estratégicos: convertendo ativos intangíveis em resultados tangíveis (1o ed). Rio de Janeiro: Elsevier.

KAPLAN, R. S., & NORTON, D. P. (2006). Alinhamento utilizando o balanced scorecard para criar sinergias positivas (4ª ed). Rio de Janeiro: Elsevier.

KISSLER, L., & HEIDEMANN, F. G. (2006). Governança pública: novo modelo regulatório para as relações entre Estado, mercado e sociedade?. Revista de Administração Pública, 40(3), 479-499.

KOOIMAN, J. (1993). Modern governance: new government-society interactions. Newbury Park. Calif.: SAGE.

LAMOUNIER, B. ., & SOUZA, A. D. (1992). As elites brasileiras e a modernização do setor público: um debate. São Paulo: Editora Sumaré/FAPESP/Fundação Ford.

MARINI, C. (2008). Um decálogo da boa gestão pública: os desafios de um Estado para resultados. In XIII Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública. Buenos Aires, Argentina.

Matus, C. (2006). O plano como aposta. In Planejamento e Orçamento Governamental (p. 115–144). Brasília: ENAP.

MAYER, M. C., & Whittington, R. (1999). Strategy, Structure and Systemness: National Institutions and Corporate Change in France, Germany and the UK, 1950-1993. Organization Studies, 20(6), 933–959.

MERTON, R. K. (1959). Teoria e struttura sociale. Bologna: Il Mulino.

MINTZBERG, H. (1994). The rise and the fall of strategic planning. New York: Free Press.

MINTZBERG, H. (2010). Safári de estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman.

MINTZBERG, H., AHLSTRAND, B., & LAMPEL, J. (2000). Safári de Estratégia. Porto Alegre: Bookman.

MOTTA, P. R. D. M. (2013). O estado da arte da gestão pública. Revista de Administração de Empresas, 53(1), 82-90.

NOGUEIRA, A. R. R. (2005). Novas tecnologias de informação como fatores propulsores de empreendedorismo. Rio de Janeiro: Instituto COPPEAD de Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

NUNES, E. (1997). A gramática política do Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

OCDE. (1998). The OCDE Jobs Study. Paris: OCDE.

OLIVEIRA, D. D. P. R. (2012). Planejamento Estratégico – Conceitos, Metodologia e Metodologias (3ª ed). São Paulo: Atlas.

OLIVEIRA, D. S. S. D. (2005). A organização do processo legislativo na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

OSBORNE, D., & GAEBLER, T. (1994). Reinventando o governo: como o espírito empreendedor está transformando o setor público. Rio de Janeiro: Mh Comunicação.

OTA, E. T. (2014). Os desafios para o uso do planejamento estratégico nas organizações públicas: uma visão de especialistas. Fundação Getúlio Vargas.

PALUDO, A. V., & PROCOPIUCK, M. (2014). Planejamento governamental: Referencial teórico, conceitual e prático (2ª ed). São Paulo: Atlas.

PEREZ Diaz, V. (1987). Retorno de la sociedad civil. IEE.

PORTER, M. E. (1986). Estratégia Competitiva. Rio de Janeiro: Campus.

PORTER, M. E. (1987). The State of Strategic Thinking. Economist.

PORTER, M. E. (1989). Competição: estratégias competitivas essenciais (4 ª ed). Rio de Janeiro: Campus.

PORTER, M. E. (1999a). Como as forças competitivas moldam a estratégia. In Competição: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus.

PORTER, M. E. (1999b). Competição: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus.

PORTER, M. E. (1999c). O que é estratégia? In Competição: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus.

PRADO, O; RIBEIRO, M. M.; DINIZ, E. (2012). Governo eletrônico e transparência: olhar crítico sobre os portais do governo federal brasileiro. In: PINHO, J. A. G. (Ed.). Estado, sociedade e interações digitais: expectativas democráticas. Salvador: Editora EDUFBA.

PRAHALAD, C. K., & HAMEL, G. (2005). Competindo pelo Futuro (23ª ed). Rio de Janeiro: Campus.

REZENDE, F. (2010). Planejamento no Brasil: auge, declínio e caminhos para a reconstrução.

RHODES, R. A. W. (1997). Understanding governance: policy networks, governance, reflexivity and accountability. Buckingham, Philadephia: Open University Press.

RIO GRANDE DO NORTE. Constituição Estadual: Promulgada em 1989 e ementas posteriores (1989). Natal.

ROYO, S. D. (1999). Conceptos Básicos de Gestión de Servicios en el Entorno Público. Gestión de Servicios Públicos: Estrategias de Marketing e Calidad, 15–33.

RUSSO, C. E. A. ([s.d.]). Planejamento Estratégico da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte para o biênio 2017-2018 (1ª ed). Natal: Jovens Escribas.

RUSSO, C. E. A. (2015). Planejamento Estratégico da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte para o biênio 2015/2016 (1ª ed). Natal: Jovens Escribas.

RUSSO, C. E. A. (2017). Avaliação da eficiência: caso do projeto Assembleia Cidadã Rio Grande do Norte, Brasil. In Caderno de Estudos Legislativos (1ª ed, p. 113–163). Natal: Jovens Escribas.

RUSSO, C., & Dias, T. (2016). Diretrizes da construção do primeiro planejamento estratégico da Assembleia Legislativa do Rio Grand do Norte - Brasil. In VII Congreso Internacional en Gobierno, Administración y Políticas Públicas GIGAPP. Madrid: VII Congreso Internacional en Gobierno, Administración y Políticas Públicas GIGAPP.

SANTOS, L. A. D., & CARDOSO, R. L. D. S. (2001). Avaliação de desempenho da ação governamental no Brasil: problemas e perspectivas. In Congreso Internacional del CLAD. Caracas: Congreso Internacional del CLAD.

SCHIEMANN, W.; LINGLE, J. H. (1999). Bullseye!: hitting your strategic targets through high-impact measurement. New York: Free Press Simon and Schuster Inc.

SECRETARIA ESPECIAL DE COMUNICAÇÃO SOCIAL. (2010). Planejamento Estratégico 2010-2018: Memória do processo de definição das diretrizes estratégicas da Secretaria Especial de Comunicação Social. Brasília: Senado Federal.

SHOEMAKER, P. J. H. (1992). How to link strategic vision to core capabilities. Sloan Management Review, 67–81.

SHOEMAKER, P. J. H., & GUNTHER, R. E. (2002). Profiting from uncertainty: strategies for succeeding no matter what the future brings. New York: The Free Press.

SILVA, E. R. D. (2005). A sofisticação da gestão e o direcionamento estratégico no setor de cinema: um estudo exploratório no segmento produtor. Universidade Federal do Rio de Janeiro.

SILVEIRA, H. F. H. (2001). Internet, governo e cidadania. Revista Ciência da Informação, 30(2), 80–90.

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃo. (2011). Plano Estratégico do Tribunal de Contas da União 2011/2015: construindo o TCU do futuro. Recuperado 30 de junho de 2020, de https://portal.tcu.gov.br/data/files/67/87/20/17/06DEF610F5680BF6F18818A8/Plano_estrategico_TCU_2011-2015.pdf

TRIGUEIRO-FERNANDES, L., SANTOS, F. & COSTA, L. (2020). Fundamentos do Modelo Gerencial Brasileiro: Estudo de Caso na Câmara Municipal de Natal à Luz da Teoria da Escolha Pública. Perspectivas Contemporâneas, 2(15).

WEBER, M. (1982). Ensaios de sociologia (5ª ed). Rio de Janeiro: Guanabara.