Liderança em Ações Coletivas: Um Ensaio Teórico sobre seus Conceitos, Características e Atribuições Outros Idiomas

ID:
62580
Resumo:
Liderança é uma temática amplamente teorizada e discutida em organizações hierárquicas, porém ainda é incipiente e pouco explorada nas organizações constituídas pela coletividade, a exemplo das cooperativas e das associações. Nesse sentido, o objetivo deste ensaio teórico é refletir sobre conceitos, funções e características da liderança especificamente no caso de ações coletivas. Em termos metodológicos, refere-se à um estudo bibliográfico, realizado a partir do que já tem sido publicado cientificamente sobre liderança em ações coletivas em bancos de dados como o Portal de Periódicos da Capes, o Banco de Teses e Dissertações da Capes, o EBSCO e o Spell. Dessa maneira, a contribuição deste ensaio decorre de uma discussão teórica em torno do assunto em questão. Como principais aspectos encontrados nas bibliografias publicadas, tem-se que a liderança em ações coletivas pode assumir diversos estilos e ser exercida por distintos atores, sendo um ou mais envolvidos, internos ou externos, de forma mais concentrada ou dispersa (compartilhada), passiva ou ativa, formal ou informal, dependendo do contexto ou situação. Ademais, essa liderança possui ampla gama de funções, principalmente voltadas às habilidades sociais e de relacionamento interpessoal.
Citação ABNT:
WENNINGKAMP, K. R.; SCHMIDT, C. M. Liderança em Ações Coletivas: Um Ensaio Teórico sobre seus Conceitos, Características e Atribuições . Revista Brasileira de Gestão e Inovação, v. 8, n. 3, p. 109-137, 2021.
Citação APA:
Wenningkamp, K. R., & Schmidt, C. M. (2021). Liderança em Ações Coletivas: Um Ensaio Teórico sobre seus Conceitos, Características e Atribuições . Revista Brasileira de Gestão e Inovação, 8(3), 109-137.
DOI:
10.18226/23190639.v8n3.06
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/62580/lideranca-em-acoes-coletivas--um-ensaio-teorico-sobre-seus-conceitos--caracteristicas-e-atribuicoes-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Alexander, J., Comfort, M., Weiner, B., & Bogue, R. (2001). Leadership in Collaborative Community Health Partnerships. Nonprofit Management & Leadership, 12(2), 159-175.

Arce, M.D.G. (2001) Leadership and the aggregation of international collective action. Oxford Economic Papers, (53), 114-137.

Assis, D. G. C. De, Silva, F. M. V. Da, Siqueira, E. S., & Binotto, E. (2015). O papel da liderança em associações: os desafios na construção de processos coletivos de gestão. Gestão & Planejamento, Salvador, 16(1), 4-28.

Bass, B. M. (1990). From transactional to transformational leadership: learning to share the vision. Organizational Dynamics, 18(3), 19-31.

Bergamini, C. W. (1994). Liderança: a administração do sentido. Revista de Administração de Empresas – RAE, São Paulo, 34(3), 102-114.

Brito, C. M. (2001). Towards an institutional theory of the dynamics of industrial networks. Journal of Business & Industrial Marketing. 16(3), 150-166.

Burns, J. M. (1978). Two Excerpts from Leadership. In: BURNS, J. M. Leadership. New York: Perenium. Recuperado em 20 outubro, 2018, de http://www.ascd.org/ASCD/pdf/journals/ed_lead/el_197903_burns2.pdf.

Camargo, F. F. de A. (2010). Liderança nas redes de cooperação associativas de PMEs: um estudo de caso na rede Centersul de Mato Grosso. Dissertação (mestrado) – Programa de PósGraduação em Ciências Sociais. Universidade do Vale do Rio dos Sinos. São Leopoldo, RS, Brasil. Disponível: http://www.repositorio.jesuita.org.br/bitstream/handle/UNISINOS/4642/23d.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Christoffoli, P. I. (2000). O desenvolvimento de cooperativas de produção coletiva de trabalhadores rurais no capitalismo: limites e potencialidades. Dissertação (mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Administração. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, PR, Brasil. Disponível: https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/61642.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes (2019). Banco de Teses e Dissertações. Recuperado em 14 outubro, 2019, de https://sdi.capes.gov.br/banco-de-teses/01_bt_index.html.

Currie, G., Grubnic, S., & Hodges, R. (2011). Leadership in public services networks: antecedents, process and outcome. Public Administration, 89(2), 242–264.

EBSCO Information Services. (2019). About. Recuperado em 14 outubro, 2019, de https://www.ebsco.com/about.

Einwohner, R.L. (2007). Leadership, authority, and collective action: Jewish resistance in the Ghettos of Warsaw and Vilna. American Behavioral Scientist, 50(10), 1306-1326.

Garfield, Z., & Hagen, E. (2015). Leadership and collective action in the HRAF probability sample. American Journal Of Physical Anthropology, 37(3), 179-192.

Gil, A. C. (2010). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas.

Glowacki, L., & Von Rueden, C. (2015). Leadership solves collective action problems in small-scale societies. Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences, 360(1683), 1-13.

Gohn, A. da G. (2011). Teorias dos Movimentos Sociais: Paradigmas clássicos e contemporâneos. 9. ed. São Paulo: Edições Loyola.

Granovetter, M. (1973). The strength of the weak ties. American Journal of Sociology. 78(6), 1360-1380.

Harrell, A., & Simpson, B. (2016). The Dynamics of Prosocial Leadership: Power and Influence in Collective Action Groups. Social Forces, 94(3), 1283-1308.

Komai, M., Grossman, P.J., & Deters, T. (2011) Leadership and information in a single-shot collective action game: An experimental study. Managerial and Decision Economics, (32), 119–134

Lazzarini, S. G., Chaddad, F. R., & Cook, M. L. (2001). Integrating Supply Chain and Network Analysis: the study of netchains. Journal on Chain and Network Science. 1(1), 7-21.

Lobo, I. D., Vélez, M., & Puerto, S. (2016). Leadership, entrepreneurship and collective action: A case study from the Colombian Pacific Region. International Journal of the Commons, 10(2), 982–1012.

Marcon, C., & Moinet, N. (2000). La stratégie-réseau. Essai de stratégie, ZéroHeure. Recuperado em 15 outubro, 2018, de https://hal.inria.fr/hal-01171493/document.

Margetts, H. Z., John, P., Hale, S. A., & Reissfelder, S. (2015). Leadership without Leaders? Starters and Followers in Online Collective Action. Political Studies, 63(2), 278-299.

Ménard, C. (2004). The economics of hybrid Organizations. Journal of Instituonal and Theoretical Economics. 160, (3), 345-376.

Moe, T. (1980). A calculus of group membership. American Journal of Political Science, 24 (4), 593-632.

Müller-Seitz, G. (2012). Leadership in Interorganizational Networks: A Literature Review and Suggestions for Future ResearchInternational. Journal of Comentários de Gestão, (14), 428-443.

Nassar, A. M. (2001). Eficiência das associações de interesse privado nos agronegócios brasileiros. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Administração. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil. Disponível: https://repositorio.usp.br/item/001140443.

Northouse, P.G. (2015). Leadership: theory and practice. Western Michigan University. 7. ed. 494 p. California: Sage Publications.

Olson, M. (1999). A lógica da ação coletiva: os benefícios públicos e uma teoria dos grupos sociais. Tradução de Fabio Fernandez. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Ostrom, E. (1998). A Behavioral approach to the rational choice theory of collective action. American Political Science Review, 92(1), 1-22.

Pompeu, R. B. (1997). Ações coletivas na citricultura: comparação entre as associações de produtores e das indústrias. Dissertação (Mestrado) – Programa de pós-graduação em Economia Aplicada. Universidade de São Paulo, ESALQ. Piracicaba, SP, Brasil. Disponível: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11132/tde-20190821-124508/pt-br.php.

Portal de Periódicos da Capes. (2019). Acervo. Recuperado em 14 outubro, 2019, de https://www.periodicos.capes.gov.br/index.php?option=com_pcollection&Itemid=105.

Ramírez, E., & Berdegué, J. (2003). Acción coletiva y mejoras en las condiciones de vida de poblaciones rurales. Fundo Mink'a de Chorlaví. 2003. Recuperado em 03 agosto, 2018, de http://www.inca.gob.mx/biblioteca/libros/desarrollo_territorial/Folleto_ACCION%20COLECTIVA.pdf.

Rost, J., & Smith, A. (1992). Leadership: A Postindustrial approach. European Management Journal, 10 (2), 193-201.

Sachs, I. (2003). Inclusão social pelo trabalho: desenvolvimento humano, trabalho descente e futuro dos empreendedores de pequeno porte. Rio de Janeiro: Garamond.

Sandler, T. (2004). Global Collective Action. University of Southern California: Cambridge.

Santos, F. S. dos. (2010). Momentos de empowerment: estratégias de pequenos produtores vinculados à agricultura familiar no Rio Grande do Sul. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós Graduação em Administração. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS, Brasil. Disponível: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/26800.

Schmidt, C. M., & Saes, M. S. M. (2008). Ações coletivas: desenvolvimento para arranjos produtivos inseridos no contexto do agronegócio e turismo rural. In: 46º Congresso da Sober, Anais do 46º Congresso da Sober, Rio Branco, AC, Brasil.

Scientific Periodicals Electronic Library. Sobre. (2019). Recuperado em 04 outubro, 2019, de http://www.spell.org.br/sobre/caracteristicas

Tierling, I. M. B. M. (2016). Ação coletiva no contexto da agricultura familiar: um estudo na Associação de Produtores de Corumbataí do Sul. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Agronegócio, Unioeste, Paraná. Toledo, PR, Brasil. Disponível: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=4402890.

Tonin, G. A. (2014). Redes de empresas e impacto regional: o caso de Santa Maria (RS). Tese (Doutorado) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, USP. São Paulo, SP, Brasil. Disponível: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/USP_6fffcaaace0abed8806555906987c4f9.

Turchetti, M (2015). Práticas de gestão em redes de pequenas e médias empresas: estudo de múltiplos casos no Rio Grande do Sul. Dissertação (Mestrado) – Administração, Programa de PósGraduação em Administração, UNISINO. Porto Alegre, RS, Brasil. Disponível: http://www.repositorio.jesuita.org.br/handle/UNISINOS/5444.

Van Belle, D.A. (1996). Leadership and collective action: The case of revolution. International Studies Quarterly, (40), 107-132.

Verschoore, J. R. (2006). Redes de cooperação interorganizacionais: a identificação de atributos e benefícios para um modelo de gestão. Tese (Doutorado) – Escola de Administração, Programa de Pós-Graduação em Administração, URGS. Porto Alegre, RS, Brasil. Disponível: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/6567.

Wenningkamp, K. R. (2015). Ações coletivas no agronegócio: uma análise da produção científica no Brasil a partir de teses e dissertações (1998-2012). Dissertação (Mestrado) Desenvolvimento Regional e Agronegócio, Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Toledo, PR, Brasil. Disponível: http://tede.unioeste.br/handle/tede/2188.

Winkler, I. (2006). Network Governance Between Individual and Collective Goals: Qualitative Evidence from Six Networks. Journal of Leadership and Organizational Studies, 12(3), 119-134.

Yukl, G. A. (2009). Leadership in Organizations. 7. ed., 648 p. Pearson Higher Education.

Zylbersztajn, D. (2010). From Contracts to Networks: New Directions in the Study of Governance of Agro-Food-Energy Networks. In: 4TH European Forum on Systems Dynamics and Innovation in Food Networks, 2010, Innsbruck-Igls, Anais do 4TH European Forum on Systems Dynamics and Innovation in Food Networks. Innsbruck-Igls.