Implementação da Lei Sarbanes-Oxley e Seus Impactos nos controles internos e nas práticas de governança corporativa: um estudo na Companhia Energética do Ceará – Coelce Outros Idiomas

ID:
6273
Resumo:
A Lei Sarbanes-Oxley (SOX) tem como um dos principais objetivos a minimização dos riscos e um melhor gerenciamento dos controles internos das empresas. Editada em 2002, a SOX trouxe uma maior necessidade de transparência das informações, intensificando a busca pela melhoria contínua nos aspectos de controles internos e governança corporativa das empresas. Este estudo tem por objetivo analisar os impactos da aplicação da SOX nos controles internos e nas práticas de governança corporativa da Companhia Energética do Ceará, a COELCE, que, por possuir ações negociadas no mercado norte-americano, deve adequar-se às práticas de governança corporativa e controles internos requeridas pela SOX. A verificação dos impactos deu-se por meio de um estudo de caso, com aplicação de questionários e realização de entrevistas com um grupo de colaboradores da empresa, associada à análise de documentos que possibilitaram investigar os processos da empresa antes e depois da implementação da SOX. Os resultados obtidos indicam que a COELCE teve impactos relevantes em seus controles internos, já que estes não estavam adequados à SOX, e que os impactos no tocante às práticas de governança corporativa ocorreram, principalmente, à época do processo de privatização da empresa, antes da implementação da SOX na empresa.
Citação ABNT:
CARIOCA, K. J. F.; LUCA, M. M. M.; PONTE, V. M. R. Implementação da Lei Sarbanes-Oxley e Seus Impactos nos controles internos e nas práticas de governança corporativa: um estudo na Companhia Energética do Ceará – Coelce. Revista Universo Contábil, v. 6, n. 4, p. 50-67, 2010.
Citação APA:
Carioca, K. J. F., Luca, M. M. M., & Ponte, V. M. R. (2010). Implementação da Lei Sarbanes-Oxley e Seus Impactos nos controles internos e nas práticas de governança corporativa: um estudo na Companhia Energética do Ceará – Coelce. Revista Universo Contábil, 6(4), 50-67.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/6273/implementacao-da-lei-sarbanes-oxley-e-seus-impactos-nos-controles-internos-e-nas-praticas-de-governanca-corporativa--um-estudo-na-companhia-energetica-do-ceara-----coelce/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANDRADE, A.; ROSSETTI, J. P. Governança corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. São Paulo: Atlas, 2006.

BARALDI, P. Gerenciamento de riscos empresariais: a gestão de oportunidades, a avaliação de riscos e a criação de controles internos nas decisões empresariais. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

BERGAMINI JÚNIOR, S. Controles internos como um instrumento de governança corporativa. Revista do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social: BNDES, v. 12, n. 24 , p. 149-188, dez., 2005.

BERLE, A.; MEANS, G. The modern corporation and private propriety. Macmilian, 1932.

BORGERTH, V. M. C. da. SOX: entendendo a Lei Sarbanes-Oxley. São Paulo: Thomson Learning, 2006.

BOYNTON, W. C.; JOHNSON, R. N.; KELL, W. G. Auditoria. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

CÂNDIDO, J. Levantamento de risco operacional e avaliação de controles internos: contribuição ao estudo de uma metodologia. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Estadual de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, 2007.

CICA – CANADIAN INSTITUTE OF CHARTERED ACCOUNTANT. Criteria of Control Committee of Canadian Institute of Chartered Accountant. 1994. Disponível em: . Acesso em: 5 abr. 2008.

COELCE – Companhia Energética do Ceará. Sobre a COELCE: portal Coelce. 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2008.

COLLINS, Jill; HUSSEY, Roger. Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

COSO Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission. Enterprise risk management. 2004. Disponível em: . Acesso em: 19 dez. 2007. D’ÁVILA, M. Z. O.; MARTINS M. A. Conceitos e técnicas de controles internos nas organizações. São Paulo: Nobel, 2002.

CVM Comissão de Valores Mobiliários. Recomendações da CVM sobre governança corporativa. 2002. Disponível em: . Acesso em: 11 mar. 2008

D’ÁVILA, M. Z. O.; MARTINS M. A. Conceitos e técnicas de controles internos nas organizações. São Paulo: Nobel, 2002.

DIAS, S. V. S. dos. Auditoria de processos organizacionais: teoria, finalidade, metodologia de trabalho e resultados esperados. São Paulo: Atlas, 2006.

FAGUNDES, C. Introdução ao risco operacional. 2004. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2008.

IBGC – Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Código das melhores práticas de governança corporativa. 2004. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2008.

IBGC – Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Governança corporativa em empresas de controle familiar: casos de destaque no Brasil. São Paulo: Saint Paul, 2006.

ICAEW – Institute of Chartered Accountants in England and Wales. Auditing Standards. 1999. Disponível em: . Acesso em: 3 abr. 2008.

KPMG. 3ª pesquisa KPMG sobre gerenciamento de riscos e governança corporativa. 2004. Disponível em: Acesso em: 5 abr. 2008

LEAL, R.P.C; CARVALHAL-DA-SILVA, A. L.; VALADARES, S. M. Estrutura de controle das companhias brasileiras de capital aberto. Revista de Administração, São Paulo, v. 537, n. 1, p. 7-18, jan./abr., 2002.

MARTINS, G. A. Estudo de caso: uma estratégia de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2006.

PETERS, M. R. S. Implantando e gerenciando a Lei Sarbanes Oxley: governança corporativa agregando valor aos negócios. São Paulo: Atlas, 2007.

SOUZA, T. M. G. Governança corporativa e o conflito de interesses nas sociedades anônimas. São Paulo: Atlas, 2005.

STANDARDS AUSTRALIA. Standards Australia AS/NZS 4360 Risk Management, Sydney, 2004.

THE KING REPORT. Critical analysis & commentary on important investing issues. Abr. 2004. Disponível em: < http://www.thekingreport.com/>. Acesso em: 12 abr. 2008.

VEIGA, L. R. da. A controladoria como um mecanismo interno de governança corporativa: um estudo envolvendo empresas de países relacionados aos modelos de governança corporativa anglo-saxão, alemão e latino-europeu. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), Rio Grande do Sul, 2006.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2005.