Relevância da Natureza dos Ativos Intangíveis das Companhias Abertas para o Mercado Acionário Brasileiro Outros Idiomas

ID:
63004
Resumo:
O objetivo desta pesquisa é verificar a relevância da natureza dos ativos intangíveis das companhias de capital aberto brasileiras para o mercado acionário. Para isso, a amostra abrange as empresas não financeiras que negociam suas ações na bolsa de valores Brasil, Bolsa, Balcão (B3). O período de análise foi de 2010 a 2017, compreendendo o intervalo em vigor do CPC 04 – Ativo Intangível R1 (2010). A amostra contou com 301 empresas analisadas, abrangendo 2.184 observações. Para verificar a relevância dos ativos intangíveis, foram formuladas duas hipóteses e três equações com base no modelo de Ohlson (1995), com adaptações de Collins, Maydew e Weiss (1997). Os resultados apontaram que o ativo intangível aumentou ao longo dos anos, haja vista que passou de 348,8 bilhões de reais para 624,6 bilhões de reais. Quanto à natureza do intangível, o goodwill, as concessões e os intangíveis em serviço foram os itens mais representativos em todos os anos analisados. Nas regressões, foi observado que o intangível demonstrou relevância para o valor de mercado, apesar de ter um poder incremental baixo. Além disso, dez das 14 naturezas do intangível se mostraram relevantes. Conclui-se que os intangíveis, de modo geral, são relevantes para o mercado acionário, contribuindo com o valor de mercado.
Citação ABNT:
PACHECO, J.; ROVER, S. Relevância da Natureza dos Ativos Intangíveis das Companhias Abertas para o Mercado Acionário Brasileiro. Revista Universo Contábil, v. 16, n. 2, p. 67-86, 2020.
Citação APA:
Pacheco, J., & Rover, S. (2020). Relevância da Natureza dos Ativos Intangíveis das Companhias Abertas para o Mercado Acionário Brasileiro. Revista Universo Contábil, 16(2), 67-86.
DOI:
10.4270/ruc.2020211
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/63004/relevancia-da-natureza-dos-ativos-intangiveis-das-companhias-abertas-para-o-mercado-acionario-brasileiro/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Aboody, D., & Lev, B. (1998). The value relevance of intangibles: The case of software capitalization. Journal of Accounting Research, 36, 161-191.

Abubakar, S., & Abubakar, M. (2015). Intangible assets and value relevance of accounting information of listed High-Tech firms in Nigeria. Research Journal of Finance and Accounting, 6(11), 60-79.

Badenhausen, K. (2019). As 100 marcas mais valiosas do mundo em 2019. Forbes, São Paulo, mai. 2019. Disponível em: https://forbes.com.br/listas/2019/05/as-100-marcas-mais-valiosas-do-mundo-em-2019/

Ball, R., & Brown, P. (1968). An empirical evaluation of accounting income numbers. Journal of Accounting Research, 6(2), 159-178.

Barth, M. E., Beaver, W. H., & Landsman, W. R. (2001). The relevance of the value relevance literature for financial accounting standard setting: another view. Journal of Accounting and Economics, 31(1-3), 77-104.

Beaver, W. H. (1968). The information content of annual earnings announcements. Journal of Accounting Research, 6, 67-92.

Benston, G. J. (1967). Published corporate accounting data and stock prices. Journal of Accounting Research, 5, 22-54.

Bizotto, B. L. S., Rali, G., Ribeiro, B., Stancki, G.L. (2014). Fundo de comercio: O Intangível de maior relevância para as empresas. In: XIV Mostra de Iniciação Científica, Pós-graduação, Pesquisa e Extensão.

Brasília (Distrito Federal). Deliberação CVM Nº 488, de 03 de Outubro de 2005. [Aprova o pronunciamento do IBRACON NPC nº 27 sobre Demonstrações Contábeis – Apresentação e Divulgações]. Diário Oficial, 03. Out. 2005.

Carlos Filho, F. D. A., Silva Filho, L. L., Lagioia, U. C. T., Silva, I. É. M., & Araújo, J. G. (2013). A adoção das normas internacionais de contabilidade ocasionou um maior reconhecimento dos ativos intangíveis no Brasil? Revista Catarinense da Ciência Contábil, 12(37), 51-63.

Cassel, C. M., Hackl, P., & Westlund, A. H. (2000). On measurement of intangible assets: A study of robustness of partial least squares. Total Quality Management, 11(7), 897-907.

Castro, W. B. (2015). O impacto das restrições para registro dos ativos intangíveis na diferença entre o valor de mercado e o valor contábil. Revista Brasileira de Contabilidade, 215, 69-81.

Chauvin, K. W., & Hirschey, M. (1994). Goodwill, profitability, and the market value of the firm. Journal of Accounting and Public Policy, 13(2), 159-180.

Collins, D. W., Maydew, E. L., & Weiss, I. S. (1997). Changes in the value-relevance of earnings and book values over the past forty years. Journal of Accounting and Economics, 24(1), 39-67.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis. Pronunciamento Técnico CPC 04 R1, de 05 de novembro de 2010. Ativo intangível. Disponível em: http://www.cpc.org.br.

Cordeiro, J. F., Carmo, C. H. S., & Ribeiro, A. M. (2017). Contabilidade societária ou contabilidade regulatória? Value relevance das informações contábeis do setor brasileiro de energia elétrica. In USP International Conference in Accounting (17).

Eloy, J. C. C., & de Souza, M. M. (2018). Reconhecimento dos ativos intangíveis nas combinações de negócios: Uma análise nas características das companhias de capital aberto brasileiras no período entre 2012 e 2014. Revista de Contabilidade da UFBA, 12(1), 116-136.

Ernst & Young. (2013). Análises sobre o IFRS no Brasil. FIPECAFI, 452p. Recuperado de: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/223909/mod_resource/content/1/Pesquisa_EY_Fipecafi_2013_Web.pdf

Fama, E. F. (1970). Efficient capital markets: A review of theory and empirical work. The Journal of Finance, 25(2), 383-417.

Ferreira, G. D., Carmo, C. H. S., Moura, P. J. P., & Ribeiro, A. M. (2017). Value relevance de ativos intangíveis: Uma análise nas empresas do setor de energia elétrica da bolsa brasileira. In USP International Conference In Accounting (17).

García‐Ayuso, M. (2003). Factors explaining the inefficient valuation of intangibles. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 16(1), 57-69.

Ghahramanizady, M., & Behname, M. (2013). Intangible assets value relevance; metals industry of Tehran stock exchange case study. Technical Journal of Engineering and Applied Sciences, 3(21), 2759-2765.

Hadi, A. S. (1992). Identifying multiple outliers in multivariate data. Journal of the Royal Statistical Society: Series B (Methodological), 54(3), 761-771.

Herculano, H. A., & Piccoli, M. R. (2016). Reconhecimento de ativos intangíveis: Uma análise sobre o value relevance no Brasil. Revista Mineira de Contabilidade, 17(1), 62-72.

Ji, X. D., & Lu, W. (2014). The value relevance and reliability of intangible assets: evidence from Australia before and after adopting IFRS. Asian Review of Accounting, 22(3), 182-216.

Kallapur, S., & Kwan, S. Y. (2004). The value relevance and reliability of brand assets recognized by UK firms. The Accounting Review, 79(1), 151-172.

Kayo, E. K., Kimura, H., Martin, D. M. L., & Nakamura, W. T. (2006). Ativos intangíveis, ciclo de vida e criação de valor. Revista de Administração Contemporânea, 10(3), 73-90.

Kimouche, B., & Rouabhi, A. (2016). The impact of intangibles on the value relevance of accounting information: Evidence from French companies. Intangible Capital, 12(2), 506-529.

Kloeppel, N., Zittei, M. V. M., & Klann, R. C. (2013). Ativos intangíveis: reconhecimento em empresas de utilidade pública listadas na BM&FBovespa. Revista de Estudos Contábeis, 4(7), 98-115.

Lev, B. (2003). Remarks on the measurement, valuation, and reporting of intangible assets. FRBNY Economic Policy Review, 9,(3), 17-22.

Lev, B., & Sougiannis, T. (1996). The capitalization, amortization, and value-relevance of R&D. Journal of Accounting and Economics, 21(1), 107-138.

Mansuri, B. B. (2016). Emerging issues in accounting for intangible assets. International Journal of Economics, Commerce and Management, 4(1), 608-614.

Mantovani, E. F. V., & Almeida Santos, F. (2014). A contabilização do ativo intangível nas 522 empresas listadas na BM&FBOVESPA. RAI Revista de Administração e Inovação, 11(4), 310-328.

Martins, E., Almeida, D. L. D., Martins, E. A., & Costa, P. D. S. (2010). Goodwill: Uma análise dos conceitos utilizados em trabalhos científicos. Revista Contabilidade & Finanças, 21(52), 1-25.

Miguel, C. (2011). Como empreendedores podem valorizar bens intangíveis de uma empresa? Exame, São Paulo. Recuperado de: https://exame.com/pme/patrimonio-intocavel/

Ohlson, J. A. (1995). Earnings, book values, and dividends in equity valuation. Contemporary Accounting Research, 11(2), 661-687.

Oliveira, L., Rodrigues, L. L., & Craig, R. (2010). Intangible assets and value relevance: Evidence from the Portuguese stock exchange. The British Accounting Review, 42(4), 241-252.

Organização das Nações Unidas (2017). Um terço do valor de produtos indústrias são de "capital intangível". Recuperado de: https://news.un.org/pt/story/2017/11/1600762-um-terco-do-valor-de-produtos-industrias-sao-de-capital-intangivel#.WhXf9VWnFhF.

Pacheco, J., Rover, S., & Vicente, E. F. R. (2018). Value relevance do nível de evidenciação do ativo intangível nas companhias de capital aberto brasileiras. Revista Contemporânea de Contabilidade, 15(37), 178-199.

Patrocínio, M. R., Kayo, E. K., & Kimura, H. (2007). Aquisição de empresas, intangibilidade e criação de valor: um estudo de evento. Revista de Administração, 42(2), 205-215.

Ramsey, J. B. (1969). Tests for specification errors in classical linear least‐squares regression analysis. Journal of the Royal Statistical Society: Series B (Methodological), 31(2), 350-371.

Ritta, C. O., Ensslin, S. R., & Ronchi, S. H. (2010). A evidenciação dos ativos intangíveis nas empresas brasileiras: Empresas que apresentaram informações financeiras à bolsa de valores de São Paulo e Nova York em 2006 e 2007. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 9(1), 62-75.

Santos, G. S. P. (2018). Organizações exponenciais: Uma análise do desenvolvimento de startups na incubadora MIDI tecnológico. 2018. 236f. Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) – Curso de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Santos, N. J. (2018). Avaliação de empresas: Aspectos objetivos na verificação de valor econômico de ativos intangíveis. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 17(50), 23-36.

Shah, S. Z. A., Liang, S., & Akbar, S. (2013). International Financial Reporting Standards and the value relevance of R&D expenditures: Pre and post IFRS analysis. International Review of Financial Analysis, 30, 158-169.

Silva, A., Souza, T. R., & Klann, R. C. (2017). A influência dos ativos intangíveis na relevância da informação contábil. Revista Contemporânea de Contabilidade, 14(31), 26-45.

Sorin-George, T., & Catalin, G. (2017). The world’s most innovative companies in the period 2015-2016. Ovidius University Annals, Economic Sciences Series, 17(1), 69-73.

Souza, M. M. D., & Borba, J. A. (2017). Value relevance do nível de disclosure das combinações de negócios e do goodwill reconhecido nas companhias de capital aberto brasileiras. Revista Contabilidade & Finanças, 28(73), 77-92.

Vasconcelos, T., Forte, D., & Basso, L. F. (2019). The impact of intangibles of German, English and Portuguese companies: From 1999 to 2016. RAM Revista de Administração Mackenzie, 20(4), 1-38.