O Papel das Associações Comunitárias na Promoção da Confiança do Cidadão em Instituições Públicas Outros Idiomas

ID:
63070
Resumo:
Objetivo da pesquisa: Compreender como as associações comunitárias influenciam o desenvolvimento da confiança do cidadão nas instituições públicas. Enquadramento teórico: A pesquisa tem como referencial teórico as definições de sociedade civil e associações comunitárias, bem como sobre confiança, capital social e cultura política. Metodologia: Foi utilizada a triangulação de dados como estratégia metodológica. Uma etapa qualitativa deu-se através de entrevistas com gestores públicos, presidentes das associações comunitárias pesquisadas e da observação direta em eventos destas, seguida de análise de conteúdo. Uma etapa quantitativa envolveu a aplicação de questionários junto a moradores do município estudado, seguida por uma análise estatística dos dados. Resultados: Apesar do reconhecido papel das associações comunitárias junto à realidade local, observa-se baixa participação da população em reuniões e decisões coletivas, levando a ações menos eficazes. Percebeu-se que não há alinhamento na compreensão do papel das associações por parte de cidadãos, gestores públicos e presidentes de associações quanto ao seu papel político. A legitimidade da atuação das associações e a participação nesses espaços influenciam no desenvolvimento da confiança e promoção de cultura política nas instituições públicas, o que não se concretiza integralmente no caso estudado. O baixo nível de participação da comunidade interfere no desempenho das associações e em sua capacidade de gerar capital social. Originalidade: Estudos sobre associações de moradores, de modo geral, têm como foco o caráter normativo e o papel social destas organizações. Ao considerar seu papel político, aliado ao engajamento cidadão, propõe-se um resgate da importância cívica destas organizações e de seu papel na gestão da vida política nas cidades. Contribuições teóricas e práticas: Os resultados evidenciam a importância das associações comunitárias como promotoras de cultura política e capital social e permitem repensar aspectos práticos da gestão dessas organizações e suas contribuições para perspectivas comunitárias da administração pública e da gestão social.
Citação ABNT:
MARCHI, J.; PINHEIRO, D. M.; PAGANI, C. O Papel das Associações Comunitárias na Promoção da Confiança do Cidadão em Instituições Públicas. Administração Pública e Gestão Social, v. 13, n. 3, p. 1-18, 2021.
Citação APA:
Marchi, J., Pinheiro, D. M., & Pagani, C. (2021). O Papel das Associações Comunitárias na Promoção da Confiança do Cidadão em Instituições Públicas. Administração Pública e Gestão Social, 13(3), 1-18.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/63070/o-papel-das-associacoes-comunitarias-na-promocao-da-confianca-do-cidadao-em-instituicoes-publicas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Andion, C., Ronconi, L., Moraes, R. L., Gonsalves, A. K. R., Serafim, L. B. D. (2017). Sociedade civil e inovação social na esfera pública: uma perspectiva pragmatista. Revista de Administração Pública, 51(3), 369-387.

Andion, C., Serva, M. (2004). Por uma visão positiva da sociedade civil: uma análise histórica da sociedade civil organizada no Brasil. Cayapa: Revista Venezolana de Economía Social, 4(7), 7-24.

Ansell, C. K. (2012). Democratic Governance in a Pragmatist Key.Pragmatist Democracy: Evolutionary Learning as Public Philosophy. Oxford/New York, NY: Oxford University Press.

Araujo, C. A. L., Tolentino, M. A., Theophilo, C. R. (2009). Realidade Organizacional das associações comunitárias rurais da região sul de Montes Claros - MG. Anais do XXXIII Encontro da ANPAD, São Paulo. http://www.anpad.org.br/admin/pdf/CON2030.pdf.

Avritzer, L. (2012). Sociedade civil e Estado no Brasil: da autonomia à interdependência política. Opinião Pública, 18(2), 383-398.

Baquero, M. (2001). Cultura política participativa e desconsolidação democrática: reflexões sobre o Brasil contemporâneo. São Paulo em Perspectiva, 15(4), 98-104.

Baquero, M. (2003). Construindo uma outra sociedade: o capital social na estruturação de uma cultura política participativa no Brasil. Revista de Sociologia e Política, (21), 83-108.

Baquero, M. (2008). Democracia formal, cultura política informal e capital social no Brasil. Opinião Pública, 14(2), 380-413.

Bobbio, N. (2007). Estado, governo, sociedade: para uma teoria geral da política. 14 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Cohen, J. L. (2007). Civil Society and Globalization: Rethinking the Categories. In L. Trägårdh (Ed.), State and Civil Society in Northern Europe: the Swedish Model Reconsidered. p. 37-66. New York, Oxford: Berghahn Books.

Cohen, J. L., Arato, A. (1994). Civil society and political theory. MIT press.

Dagnino, E. (1998). Sociedade civil e democracia: reflexões sobre a realidade brasileira. Revista Idéias, 5(2)/(1), 13-42.

Fukuyama, F. (1995). Trust: the social virtues and the creation of prosperity. New York: e Free Press.

Fung, A. (2003). Associations and democracy: Between theories, hopes, and realities. Annual Review of Sociology, 29(1), 515-539.

Gomes, M. F. C. M. (2015). Política social e cultura política. Revista de Políticas Públicas, 6(1), 113-125.

Habermas J. (1996). Between Facts and Norms: Contributions to a Discourse Theory of Law and Democracy. Cambridge, MA: MIT Press

Heideman, L. J. (2018). Making civil society sustainable: the legacy of USAID in croatia. VOLUNTAS: International Journal of Voluntary and Nonprofit Organizations, 29(2), 333-347.

Ibope. (2019). Índice de Confiança Social 2019. São Paulo: Ibope Inteligência.

Inkeles A. (2001). Measuring social capital and its consequences. In J. D. Montgomery, A. Inkeles. (Ed.), Social Capital as a Policy Resource. Boston, MA: Springer.

Jacobi, P. R. (1980). Movimentos sociais urbanos no Brasil. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, 9(1), 221-236.

Kuschnir, K., Carneiro, L. P. (1999). As dimensões subjetivas da política: cultura política e antropologia da política. Revista Estudos Históricos, 13(24), 227-250.

Laniado, R. N. (2001). Troca e reciprocidade no campo da cultura política. Sociedade Estado, 16(1-2), 222-244.

Latinobarómetro. (2018). Informe 2018. Buenos Aires: Latinobarómetro. https://www.latinobarometro.org/latdocs/INFORME_2018_LATINOBAROMETRO.pdf.

Lavalle, A. G., Szwako, J. (2015). Sociedade civil, Estado e autonomia: argumentos, contra-argumentos e avanços no debate. Opinião Pública, 21(1), 157-187.

Lüchmann, L. H. H. (2016). Associativismo e democracia: um estudo em Florianópolis. Florianópolis: Editora UFSC.

O'Donnell, G. (1987). Transição democrática e políticas sociais. Revista de Administração Pública, 21(4), 9-16.

Putnam, R. D. (2005). Comunidade e democracia: a experiência da Itália Moderna. 4 ed. Rio de Janeiro: FGV.

Santos, A. S. R. (2000). A importância das associações de bairro. Última arca de Noé. http://www.ultimaarcadenoe.com.br/urbanismoassociacoes.htm>.

Santos, P. L. (2002). A comunidade em ação no combate à criminalidade. Relatório Final de Pesquisa apresentado à Fapesp. Processo nº 01/00070-1. Marilia.

Teixeira, M. L. M., Popadiuk, S. (2003). Confiança e desenvolvimento de capital intelectual: o que os empregados esperam de seus líderes? Revista Administração Contemporânea, 7(2), 73-92.

Transparência Internacional. (2019). Índice de Percepção da Corrupção 2019. Berlin: Transparência Internacional. https://comunidade.transparenciainternacional.org.br/asset/67:indice-de-percepcao-da-corrupcao-2019?stream=1