Processos de Trabalho da Assistência Estudantil no Ensino Superior: Uma Percepção dos Assistentes Sociais da Universidade de Brasília (UnB) Outros Idiomas

ID:
63071
Resumo:
Objetivo da pesquisa: O objetivo da pesquisa é analisar os processos de trabalho dos assistentes sociais na assistência estudantil da UnB. Enquadramento teórico: Na última década ocorreu uma expansão e democratização das vagas no ensino superior público do Brasil. Essa expansão ampliou o número de estudantes em vulnerabilidade socioeconômica, demandando uma ampliação nos programas de assistência estudantil. Entretanto, o crescimento da assistência estudantil nas universidades não tem sido compatível com sua demanda, gerando problemas de gestão e falta de recursos e infraestrutura. Metodologia: Os dados foram obtidos por meio da aplicação de questionário semiaberto para a equipe de assistentes sociais em um estudo de caso para a UnB. O instrumental analítico foi a análise de cluster. Resultados: Os resultados desta pesquisa indicaram que existem poucos fatores positivos nos processos de trabalho na assistência estudantil da UnB, sugerindo a necessidade de intervenções em diferentes aspectos, a fim de acompanhar as transformações ocorridas nas universidades públicas brasileiras. Originalidade: O tema (processos de trabalho da assistência estudantil) e a abordagem da pesquisa (percepção dos assistentes sociais) são pouco explorados na literatura nacional e internacional. Contribuições teóricas e práticas: O estudo contribui para verificação empírica da teoria que cerca os modelos de administração pública e apresenta resultados práticos para a gestão da assistência estudantil, constatando o descompasso entre a demanda gerada pelas políticas de inclusão na UnB e os recursos financeiros e humanos para implementação dessas políticas, bem como aspectos a serem melhorados no que tange ao planejamento, ao treinamento e à comunicação no trabalho da assistência estudantil na UnB.
Citação ABNT:
SANT’ANNA, M. C.; ALMEIDA, A. N. Processos de Trabalho da Assistência Estudantil no Ensino Superior: Uma Percepção dos Assistentes Sociais da Universidade de Brasília (UnB). Administração Pública e Gestão Social, v. 13, n. 3, p. 1-20, 2021.
Citação APA:
Sant’anna, M. C., & Almeida, A. N. (2021). Processos de Trabalho da Assistência Estudantil no Ensino Superior: Uma Percepção dos Assistentes Sociais da Universidade de Brasília (UnB). Administração Pública e Gestão Social, 13(3), 1-20.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/63071/processos-de-trabalho-da-assistencia-estudantil-no-ensino-superior--uma-percepcao-dos-assistentes-sociais-da-universidade-de-brasilia--unb-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
CFESS. (2012). Código de ética do/a assistente social. Lei 8.662/93 de regulamentação da profissão. 10 ed. Brasília: Conselho Federal de Serviço Social. http://www.cfess.org.br/arquivos/CEP_CFESS-SITE.pdf.

Almeida, A. N. & Silva, P. V. (2020). Desempenho acadêmico e as dificuldades dos estudantes em vulnerabilidade socioeconômica. Revista Temas em Educação, 29(1), 76-94.

Almeida, A. N., Neres, I. V., Nunes, A., Souza Júnior, C. V. N. (2020). Effectiveness of public university expansion in Brazil: comparison between the situation of graduated and dropout students. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 28(107), 457-479.

Baldam, R., Valle, R., Rozenfeld, H. (2014). Gerenciamento de Processos de Negócio - BPM: Uma referência para implantação prática. Rio de Janeiro: Elsevier.

Bernardino, S. J. Q. & Santos, J. F. (2020). Práticas de gestão de recursos humanos nas organizações sociais em Portugal: Um estudo exploratório. Administração Pública e Gestão Social, 12(1), 1-23.

Biazzi, M. R., Muscat, A. R. N., Biazzi, J. L. (2011). Modelo de aperfeiçoamento de processos em instituições públicas de ensino superior. Gestão & Produção, 18(4), 869-880.

Bresser-Pereira, L. C. (2007). Burocracia pública e classes dirigentes no Brasil. Revista de Sociologia e Política, n. 28, p. 9-30.

Carmen, P. N. (2019). Retos de futuro en la gestión de los recursos humanos públicos en España. Administração Pública e Gestão Social, 11(4), 1-19.

Castro Silva, R. R. C. & Mattia, C. (2016). Ciência administrativa e gestão pública: uma crítica à primazia do privado em relação ao público. Cadernos EBAPE, 14(4), 1054-1065.

Cendón, B. V., Ribeiro, N. A. & Chaves, C. J. (2014). Pesquisas de survey: análise das reações dos respondentes. Informação & Sociedade: Estudos, 24(3), 29-48.

Cordeiro, W. M. (2017). Burocracia na construção da administração pública do século XXI: uma reflexão teórica. In: IV Encontro Brasileiro de Administração Pública. A construção da Administração Pública do Século XXI, 2017, João Pessoa - PB, Anais... João Pessoa – PB.

Costa, L. A. & Rocha, D. F. (2018). Burocracia e gestão pública: uma análise do Ministério da Saúde. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 26 (3), 632-645.

Deligdisch, M. E., Stelzer, J., Gonçalves, E das N. (2011). Autonomia universitária e políticas públicas: indissociável participação da sociedade. In: XI Colóquio Internacional sobre Gestão Universitária na América do Sul, 2011, Florianópolis. Anais eletrônicos... Florianópolis – SC: Gestão da Internacionalização, da Cooperação e da Cultura na Educação Superior.

Drumond, A. M., Silveira, S de F. R., Arlindo Silva, E. (2014). Predominância ou coexistência?Modelos de administração pública brasileira na Política Nacional de Habitação. Revista de Administração Pública, 48(1), 3-25.

Dutra, N. G. R. & Santos, M. F. S. (2017). Assistência estudantil sob múltiplos olhares: a disputa de concepções. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação, 25(94), 148-181.

Ferreira da Silva, F. L. & Almeida, A. N. (2020). Gestão de riscos na área de pessoal à luz da emenda constitucional 95/2016: uma aplicação para a Universidade de Brasília. Revista Gestão Universitária na América Latina – GUAL, 13(3), 232-255.

Ferreira, M. (2020). Assistência estudantil: uma avaliação a partir do desempenho acadêmico dos discentes da UnB. 54 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Gestão Pública) – Universidade de Brasília, Brasília.

Gonçalves, J. E. L. (2000). Processo, que processo? Revista de administração de empresas, 40(4), 8-19.

Guerra, Y. (2000). Instrumentalidade no trabalho do Assistente Social. In. Capacitação em Serviço Social e política social. Módulo 4: O trabalho do Assistente Social e as políticas sociais. Brasília: UnB - CFESS/ABEPSS/CEAD.

Guerra, Y. (2009). A dimensão investigativa no exercício profissional. In. Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília: CFESS/ABEPSS.

Hair, Jr. J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., Tatham, R. L. Análise multivariada de dados. 6 ed. Porto Alegre: Bookman; 2009.

Iamamoto, M. V. (2015). O Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 26 ed. São Paulo, Cortez.

Kunsch, M. M. K. (2018). A comunicação estrategica nas organizações contemporâneas. Media & Jornalismo, 18(33), 13-24.

Leite, L. Q. (2016). Reflexões teóricas sobre modelos de Gestão Pública: o paradigma weberiano, a New Public Management e o Estado Neo-Weberiano. Revista de Pesquisa em Políticas Públicas, 7(1), 80-95.

Likert, R. (1932). A technique for the measurement of attitudes. Archives of Psychology, 22(140), 1-55.

nd. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Assembleia Constituinte, 1988.

nd. (2007). Decreto n. 6.096, de 25 de abril de 2007. (2007, 25 abril) Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais - REUNI.

nd. (2010). Decreto n. 7.234, de 19 de julho de 2010. (2010, 19 julho) Programa Nacional de Assistência Estudantil - PNAES. Brasília, 19 de julho de 2010.

Nd. (2012). Lei n. 12.711, de 29 de agosto de 2012. (2012). Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Brasília, 2012.

nd. (2016). Emenda Constitucional n. 95, de 15 de dezembro de 2016. (2016, 15 dezembro) Altera o ato das disposições constitucionais transitórias, para instituir o novo regime fiscal, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, v. 153, n. 240, p. 2, 16 dez. 2016. Seção 1.

Pssamai, A. J., Souza, V. G. (2020). Transparência e dados abertos governamentais: possibilidades e desafios a partir da lei de acesso à informação. Administração Pública e Gestão Social, 12(2), 1-20.

Raichelis, R. (2011). O assistente social como trabalhador assalariado: desafios frente as violações de seus direitos. Serviço Social & Sociedade, n. 107, p. 420-437.

Raichelis, R., Possamai, A. J., Souza, V. G. (2020). Transparência e dados abertos governamentais: possibilidades e desafios a partir da lei de acesso à informação. Administração Pública e Gestão Social, 12(2), 1-20.

Silveira, J. T. (2018). Problemas habituais de legística na preparação e redação de leis e regulamentos. Revista eletrônica de direito público, 5(3), 134-158.

Sousa, C. T. (2008). A prática do assistente social: conhecimento, instrumentalidade e intervenção profissional. Emancipação, 8(1), 119-132.

Trindade, R. L. P. (2004). Desvendando as Determinações Sócio-históricas do Instrumental técnico-operativo do Serviço Social na Articulação entre Demandas Sociais e Projetos Profissionais. Revista Temporalis, 2(4), 21-39.

UnB. (2020). Universidade de Brasília. www.unb.br.

Zorzal, L. & Rodrigues, G. M. (2015). Transparência das informações das universidades federais: estudo dos relatórios de gestão à luz dos princípios de governança. Biblios, n. 61, p. 1-18