Práticas de Contabilidade Gerencial no Terceiro Setor: O Desafio da Gestão Eficiente Outros Idiomas

ID:
63072
Resumo:
Objetivo: Verificar se a implementação de práticas de contabilidade gerencial em uma organização do terceiro setor brasileiro apoia o alcance da eficiência organizacional, sob as especificidades de organizações sem fins lucrativos. Enquadramento teórico: Por meio da abordagem institucional, em que pressões internas e externas influenciam a adoção e a mudança de práticas, o estudo apresenta a contabilidade gerencial como suporte à gestão eficiente das demandas técnicas e sociais de organizações do terceiro setor brasileiro. Nesse segmento social, as organizações atuam por melhores resultados e para atender expectativas da sociedade, na busca de eficiência e apoio social. Metodologia: Pesquisa de natureza descritiva com abordagem qualitativa, realizada por meio de levantamento, aplicada em uma fundação privada educacional brasileira. A coleta de dados foi efetuada por meio de documentos e questionário. Na análise dos dados foi utilizada análise qualitativa de conteúdo e estatística descritiva. Resultados: A implementação das práticas de contabilidade gerencial foi orientada por eficiência, para o atendimento das demandas técnicas da Fundação, em prol de sua sustentabilidade, e das demandas sociais, para concretizar sua missão. Práticas tradicionais de contabilidade gerencial são efetivamente conhecidas e utilizadas e têm um papel decisivo no processo de gestão da Fundação, contribuindo para o alcance da eficiência organizacional. Originalidade: A pesquisa preenche uma demanda por pesquisas empíricas que apresentem a contabilidade gerencial como um meio de sustentar a gestão eficiente das demandas técnicas e sociais de organizações do terceiro setor brasileiro, em prol da sua continuidade nesse ambiente social. Contribuições teóricas e práticas: O estudo contribui por ampliar o conhecimento sobre a contabilidade gerencial no terceiro setor, área negligenciada na literatura contábil, sugerindo novos estudos. Como contribuição prática, demonstra-se que a implementação de práticas de contabilidade gerencial em organizações do terceiro setor permite alcançar eficiência organizacional, com a adaptação dos conceitos de gestão tradicionais à realidade desse segmento social, sem desrespeitar seus princípios norteadores.
Citação ABNT:
INNOCENTI, R.; GASPARETTO, V. Práticas de Contabilidade Gerencial no Terceiro Setor: O Desafio da Gestão Eficiente. Administração Pública e Gestão Social, v. 13, n. 3, p. 1-24, 2021.
Citação APA:
Innocenti, R., & Gasparetto, V. (2021). Práticas de Contabilidade Gerencial no Terceiro Setor: O Desafio da Gestão Eficiente. Administração Pública e Gestão Social, 13(3), 1-24.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/63072/praticas-de-contabilidade-gerencial-no-terceiro-setor--o-desafio-da-gestao-eficiente/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Amans, P., Mazars-Chapelon, A., & Villesèque-Dubus, F. (2015). Budgeting in institutional complexity: the case of performing arts organizations. Management Accounting Research, n. 27, p. 47-66. https://doi.org/10.1016/j.mar.2015.03.001

Angonese, R., & Lavarda, C. E. F. (2014). Analysis of the factors affecting resistance to changes in management accounting systems. Revista Contabilidade & Finanças, 25(66), 214-227. https://dx.doi.org/10.1590/1808-057x201410810

Arruda, L. L., Voese, S. B., Espejo, M M dos S. B., & Vieira, F. G. D. (2013). Ferramentas de contabilidade gerencial no terceiro setor: um estudo comparativo entre as WWF Brasil e Itália. Revista Iberoamericana de Contabilidad de Gestión, 11(22), 1-21.

Atkinson et al. (2015). Contabilidade Gerencial. São Paulo: Atlas.

Beuren, I. M., Rengel, S., & Rodrigues, M. M. Junior. (2015). Relação dos atributos da contabilidade gerencial com os estágios do ciclo de vida organizacional. Innovar, 25(57), 63-78. http://dx.doi.org/10.15446/innovar.v2 5n57.50328

Borges, G. M. C. (2017). Determinantes dos impedimentos de concessões e transferências de recursos públicos às entidades privadas sem fins lucrativos no Brasil. (Tese de doutorado). Universidade de Brasília, Universidade Federal da Paraíba, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, Brasil. http://repositorio.unb.br/handle/10482/22366

Carvalho, C. A. P. D. (2000). Preservar a identidade e buscar padrões de eficiência: questões complementares ou contraditórias na atualidade das organizações não governamentais? REAd-Revista Eletrônica de Administração, 6(2), 1-21. http://hdl.handle.net/10183/19413

Chenhall, R. H., & Langfield-Smith, K. (1998). The relationship between strategic priorities, management techniques and management accounting: an empirical investigation using a systems approach. Accounting, Organizations and Society, 23(3), 243-264. https://doi.org/10.1016/S0361-3682(97)00024-X

Chenhall, R. H., Hall, M., & Smith, D. (2017). The expressive role of performance measurement systems: A field study of a mental health development project. Accounting, Organizations and Society, n. 63, p. 60-75. https://doi.org/10.1016/j.aos.2014.11.002

Cunha, P. R. da, Carpes, A M da S., & Utzig, M. J. S. (2014). Gestão e desempenho em organizações de sociedade de interesse público (OSCIPs): um estudo em entidades de microcrédito. Revista Ambiente Contábil, 6(1), 202-218. https://periodicos.ufrn.br/ambiente/article/view/4127

de Souza, M. A., Buffon, B., Kuss, I. R., Flash, C. J., & Enzweiler, M. A. (2011). Gestão sustentável de instituição assistencial religiosa: um estudo na Província São Francisco de Assis (PSFA). ConTexto, 11(20), 45-57. https://www.seer.ufrgs.br/ConTexto/article/view/22428

Epstein, M.J., & McFarlan, F. (2011). Measuring the efficiency and effectiveness of a nonprofit's performance. Strategic Finance, n. 93, p. 27-35. https://www.semanticscholar.org/paper/Measuring-the-efficiency-and-effectiveness-of-a-Epstein-McFarlan/5b128b296883a427c19f5b1d22ea22bad4dfc270

Fischer, R. M., & Falconer, A. P. (1998). Desafios da parceria governo e terceiro setor. Revista de administração, 33(1), 12-19. http://www.spell.org.br/documentos/ver/18151/desafios-da-parceria-governo-no-terceiro-setor.

Frezatti, F., Barroso, M. F. G., & Carter, D. B. (2015). Discursos internos se sustentam sem suporte da contabilidade gerencial?Um estudo de caso no setor de autopeças. Organizações & Sociedade, 22(75), 485-503. http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=400641525002.

Guerra, C. E., & Aguiar, A. C. (2007). Institucionalização do terceiro setor brasileiro: da filantropia à gestão eficiente. In Congresso Virtual Brasileiro de Administração. Vol. 4. p. 1-18. http://www.convibra.com/2007/congresso/artigos/188.pdf

Guerreiro, R., Cornachione, E. B. Júnior, & Soutes, D. O. (2011). Empresas que se destacam pela qualidade das informações a seus usuários externos também se destacam pela utilização de artefatos modernos de contabilidade gerencial? Revista Contabilidade & Finanças, 22(55), 88-113. https://doi.org/10.1590/S1519-70772011000100006

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. São Paulo: Bookman Editora.

Hopper, T., & Bui, B. (2016). Has management accounting research been critical? Management Accounting Research, n. 31, p. 10-30. https://doi.org/10.1016/j.mar.2015.08.001

Imlau, J. M.; Gasparetto, V. (2017). Práticas de contabilidade gerencial em cooperativas de produção agropecuária do estado do Rio Grande do Sul. Custos e @gronegócio on line, 13(2), 237-264. http://www.custoseagronegocioonline.com.br/numero2v13/OK%2013%20gerencial.pdf

Institute of management accountants. (1998). Definition of management accounting. IMA.

Isidoro, C., Facci, N., Espejo, M. M. D. S. B., & Garcias, P. M. (2012). A utilização de artefatos de contabilidade gerencial em cooperativas agropecuárias. Revista de Contabilidade da UFBA, 6(2), 39-55. https://portalseer.ufba.br/index.php/rcontabilidade/article/view/5948

Ittner, C. D., & Larcker, D. F. (1995). Total quality management and the choice of information and reward systems. Journal of Accounting Research, n. 33, p. 1-34. DOI: 10.2307/2491371 https://www.jstor.org/stable/2491371

Järvinen, J. T. (2016). Role of management accounting in applying new institutional logics: A comparative case study in the non-profit sector. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 29(5), 861-886. https://doi.org/10.1108/AAAJ-07-2012-01058

Johanne Pettersen, I., & Nyland, K. (2012). Reforms and clinical managers' responses: a study in Norwegian hospitals. Journal of Health Organization and Management, 26(1), 15-31. https://doi.org/10.1108/14777261211211070

Kraus, K., Kennergren, C., & von Unge, A. (2017). The interplay between ideological control and formal management control systems – A case study of a non-governmental organisation. Accounting, Organizations and Society, 63, pp. 42-59. https://doi.org/10.1016/j.aos.2016.02.001

Lapponi, J. (2000). Estatística usando Excel. São Paulo: Elsevier.

Lasyoud, A. A., Haslam, J., & Roslender, R. (2018). Management accounting change in developing countries: evidence from Libya. Asian Review of Accounting, 26(3), 278-313. https://doi.org/10.1108/ARA-03-2017-0057

Lavarda, C. E. F., & Popik, F. (2016). Contradições institucionais, práxis e mudança do controle gerencial: Estudo de caso em uma cooperativa. Advances in Scientific and Applied Accounting, 9(2), 119-140. http://asaa.anpcont.org.br/index.php/asaa/article/view/240/159

Lopez, F., & Bueno, N. (2012). Transferências federais a entidades privadas sem fins lucrativos (1999-2010). http://hdl.handle.net/10419/91131

Marassi, R. B., Wrubel, F., & Rosa, F. S. D. (2014). Análise da Institucionalização de Artefatos de Custos no Controle Gerencial em uma empresa Têxtil. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 9(2), 58-79. http://atena.org.br/revista/ojs-2.2.3-06/index.php/ufrj/article/viewArticle/2259

Mário, P. D. C., Alves, A. D. D. F., Carmo, J. P. S. D., Silva, A. P. B. D., & Jupetipe, F. K. N. (2013). A utilização de instrumentos de contabilidade gerencial em entidades do terceiro setor. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 8(1), 64-79. https://doi.org/10.21446/scg_ufrj.v8i1.13283

Marques, B. A., Rody, P. H. A., Campos, G. M., & Reina, D. (2015). Terceiro Setor: panorama das tendências de 1998 a 2013 por meio de um estudo bibliométrico. Enfoque: Reflexão Contábil, 34(2), 71- 89. http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/Enfoque/article/view/23439

Milani Filho, M. A. F. (2009). Resultado econômico em organizações do Terceiro Setor: um estudo exploratório sobre a avaliação de desempenho. Revista Contabilidade e Controladoria, 1(1), 35-44. http://dx.doi.org/10.5380/rcc.v1i1.14710

Mont'Alvão, A. L. Neto. (2014). Tendências das desigualdades de acesso ao ensino superior no Brasil: 1982-2010. Educação & Sociedade, 35(127), 417-441. https://doi.org/10.1590/S0101-73302014000200005.

Morgan, L. M., & de Benedicto, G. C. (2009). Um estudo sobre a controladoria em organizações do terceiro setor na Região Metropolitana de Campinas. Revista de Administração, 7(3), 111-133.

Oliveira, J., & Quinn, M. (2015). Interactions of rules and routines: re-thinking rules. Journal of Accounting & Organizational Change, 11(4), 503-526. https://doi.org/10.1108/JAOC-11-2013-0095

Oyadomari, J. C., de Mendonça, O. R. Neto, Cardoso, R. L., & de Lima, M. P. (2008). Fatores que influenciam a adoção de artefatos de controle gerencial nas empresas brasileiras: um estudo exploratório sob a ótica da teoria institucional. Revista de Contabilidade e Organizações, 2(2), 55-70. https://doi.org/10.11606/rco.v2i2.347 05

Ozdil, E., & Hoque, Z. (2017). Budgetary change at a university: A narrative inquiry. The British Accounting Review, 49(3), 316-328. https://doi.org/10.1016/j.bar.2016.09.004

Paim, J. D. Q. (2017). Contribuições das universidades comunitárias de Santa Catarina para o desenvolvimento regional na sociedade do conhecimento (Dissertação de mestrado). Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, SC, Brasil. http://repositorio.unesc.net/handle/1/5473

Persson, E., & Moretto, L. Neto (2020). Desenvolvimento Institucional em Organizações da Sociedade Civil: Gestão Social ou Gestão Estratégica do Social? Administração Pública E Gestão Social, 12(3). https://doi.org/10.21118/apgs.v12i3.5405

Raptopoulos, M. M. S. C., & Silva, J. F. da. (2020). Avaliação Comparativa de Métodos de Mensuração e Avaliação de Desempenho para Organizações do Terceiro Setor. Administração Pública E Gestão Social, 12(4). https://doi.org/10.21118/apgs.v12i4.6229

Reis, A. M. dos, & Teixeira, A. J. C. (2013). Utilização de Artefatos de Contabilidade Gerencial nas Sociedades Cooperativas Agropecuárias de Minas Gerais e Sua Relação com Porte e Desempenho Financeiro. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 7(4), 355-371. https://doi.org/10.17524/repec.v7i4.997

Ribeiro, L., & Timóteo, A. (2012). A Adoção dos Controles Internos em uma Organização do Terceiro Setor como Sustentabilidade Econômica: Um Estudo de Caso em uma Associação de Minas Gerais. Revista Contemporânea de Contabilidade, 9(17), 61-82. https://doi.org/10.5007/2175-8069.2012v9n17p61

Russo, P. T., & Guerreiro, R. (2017). Percepção sobre a sociomaterialidade das práticas de contabilidade gerencial. RAE-Revista de Administração de Empresas, 57(6), 567-584. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-759020170605

Russo, P. T., Parisi, C., & Pereira, C. A. (2016). Evidências das forças causais críticas dos processos de institucionalização e desinstitucionalização em artefatos da contabilidade gerencial. Revista Contemporânea de Contabilidade, 13(30), 3-33. http://dx.doi.org/10.5007/2175-8069.2016v13n30p3

Salamon, L. M., & Anheier, H. K. (1997). Defining the nonprofit sector: A cross-national analysis. New York: Manchester University Press.

Saraiva, L. A. S., Duarte, A. C. O., de Magalhães, Y. T., & Oliveira, D. A. (2011). Questões identitárias no terceiro setor: estudo de dois casos. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da Fundace, 2(1). http://dx.doi.org/10.13059/racef.v2i1.30

Silva, C. E. G. (2010). Gestão, legislação e fontes de recursos no terceiro setor brasileiro: uma perspectiva histórica. Revista de Administração Pública, 44(6), 1301-1325. http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/6964

Silva, C. E. G., & Aguiar, A. C. (2011). Avaliação de Atividades no terceiro setor de Belo Horizonte: da racionalidade subjacente às influências institucionais. Organizações & Sociedade, 18(56), 35-56. http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=400638314003

Silveira, D., & Borba, J. A. (2010). Evidenciação Contábil de Fundações Privadas de Educação e Pesquisa: Uma Análise da Conformidade das Demonstrações Contábeis de Entidades de Santa Catarina. Contabilidade Vista & Revista, 21(1), 41-68. https://revistas.face.ufmg.br/index.php/contabilidadevistaerevista/article/view/815

Soares, S., Ramos, F., Casagrande, J., & Nunes, N. (2019). Revisão integrativa da literatura brasileira sobre Contabilidade Financeira e Gerencial de organizações do Terceiro Setor. Revista Brasileira de Contabilidade, 239(1), 68-89.

Valadão, V. M., Malaquias, R. F., & de Sousa, E. G. (2008). Controladoria como uma opção à sustentabilidade econômica nas organizações de Terceiro Setor: o caso de uma associação. Revista Contemporânea de Contabilidade, 5(9), 131-152. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=3166463

Voese, S. B., & Reptczuk, R. M. (2011). Características e peculiaridades das entidades do terceiro setor. ConTexto, 11(19), 31-42. https://www.seer.ufrgs.br/ConTexto/article/view/16314

Wanderley, C., & Cullen, J. (2013). Management accounting change: A review. BASE-Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 10(4), 294-307. https://doi.org/10.4013/base.2013.104.01

Youssef, M. A. (2013). Management accounting change in an Egyptian organization: an institutional analysis. Journal of Accounting & Organizational Change, 9(1), 50-73. https://doi.org/10.1108/18325911311307203.