Perspectivas de uso do sistema de credenciamento para ampliar a eficiência de processos licitatórios Outros Idiomas

ID:
63440
Resumo:
Com base em um estudo de caso envolvendo um sistema de credenciamento de companhias aéreas implementado pelo Governo Federal para a aquisição de passagens para viagens a trabalho de servidores públicos, este artigo defende a possibilidade de utilização do credenciamento para imprimir maior celeridade e eficiência em contratações públicas. No caso examinado neste estudo, foram identificadas as seguintes circunstâncias responsáveis pelo sucesso do modelo: (i) existência de um número limitado e identificável de fornecedores; (ii) possibilidade de que todos esses fornecedores sejam credenciados, desde que atendam aos requisitos; (iii) mecanismos que minimizem a formação de conluios entre credenciados; e (iv) realização de minicompetições ou possibilidade de comparação online de preços atualizados de mercado no momento da seleção do fornecedor para a efetiva contratação. O presente artigo argumenta, ainda, que a definição a priori de preços a serem praticados pela Administração não constitui requisito para todos os casos de credenciamento.
Citação ABNT:
SORTE JUNIOR, W. F.Perspectivas de uso do sistema de credenciamento para ampliar a eficiência de processos licitatórios. Práticas de Administração Pública, v. 4, n. 3, p. 67-88, 2020.
Citação APA:
Sorte Junior, W. F.(2020). Perspectivas de uso do sistema de credenciamento para ampliar a eficiência de processos licitatórios. Práticas de Administração Pública, 4(3), 67-88.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/63440/perspectivas-de-uso-do-sistema-de-credenciamento-para-ampliar-a-eficiencia-de-processos-licitatorios/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC). (2018). Anuário do Transporte Aéreo 2017. Brasília: ANAC.

Albano, G. L., & Nicholas, C. (2016). The Law and Economics of Framework Agreements: Designing Flexible Solutions for Public Procurement. Cambridge: Cambridge University Press.

Anderson, R. D., Kovacic, W., & Müller, A. C. (2012). Ensuring integrity and competition in public procurement markets: a dual challenge for good governance. In: Escritório das Nações Unidas para Serviços de Projetos (UNOPS). (2012). Transparency and public procurement, Supplement to the 2011 Annual Statistical Report on United Nations Procurement. UNOPS.

Bahia. (2005). Lei nº 9.433, de 01 de março de 2005. Dispõe sobre as licitações e contratos administrativos pertinentes a obras, serviços, compras, alienações e locações no âmbito dos Poderes do Estado da Bahia e dá outras providências. Estado da Bahia, Casa Civil. Recuperado de http://www.legislabahia.ba.gov.br/documentos/lei-no-9433-de-01-de-marco-de-2005.

Brasil. (1993). Lei n.º 8.666, de 21 de junho de 1993. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8666cons.htm.

Brasil. (1995). Câmara dos Deputados. Projeto de Lei nº 1.292, de 30 de novembro de 1995. Estabelece normas gerais de licitação e contratação para as administrações públicas diretas, autárquicas e fundacionais da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios; altera as Leis nºs 13.105, de 16 de março de 2015 (Código de Processo Civil), 8.987, de 13 de fevereiro de 1995, e 11.079, de 30 de dezembro de 2004, e o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal); e revoga dispositivos da Lei nº 12.462, de 4 de agosto de 2011, e as Leis nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e 10.520, de 17 de julho de 2002. Recuperado de https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=16526.

Brasil. (2015). Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Instrução Normativa n.º 3, de 11 de fevereiro de 2015. Governo Federal, Portal de Compras. Recuperado de https://www.comprasgovernamentais.gov.br/index.php/legislacao/instrucoes-normativas/297-instrucao-normativa-n-3-de-11-de-fevereiro-de-2015.

Brasil. (2018). Câmara dos Deputados. Projeto de Lei nº 10060/2018, de 18 de abril de 2018. Dispõe sobre o uso do Cartão de Pagamentos de Gastos Federais (CPGF) por todos os Poderes e órgãos da União. Recuperado de https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=2172484.

Brasil. (2019). Medida Provisória nº 877, de 25 de março de 2019. Altera a Lei nº 9.430, de 27 de dezembro de 1996, para dispor sobre a dispensa de retenção de tributos federais na aquisição de passagens aéreas pelos órgãos ou pelas entidades da Administração Pública Federal. Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2019/Mpv/mpv877.htm#:~:text=MEDIDA%20PROVIS%C3%93RIA%20N%C2%BA%20877%2C%20DE%2025%20DE%20MAR%C3%87O%20DE%202019&text=Altera%20a%20Lei%20n%C2%BA%209.430,entidades%20da%20administra%C3%A7%C3%A3o%20p%C3%BAblica%20federal.

Daly, J. L., & Buehner, M. A. (2003). P-card Utilization in Municipal Government: Advantages and Concerns. Journal of Public Procurement, 3(1), 75-94.

Fernandes, J. U. J. (2016). Vade-mécum de licitações e contratos. (7. ed.) Belo Horizonte: Fórum.

Fiuza, E. P. S., Pompermayer, F. M., & Rauen, A. T. (2019) A Retomada da Agenda Perdida das Compras Públicas: Notas Sobre o Novo Projeto de Lei de Licitações da Câmara dos Deputados em 2018-2019. Nota Técnica n. 47, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Recuperado de http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/nota_tecnica/190322_nt_47_diset.pdf.

Gerring, J. (2007). Case Study Research: Principles and Practices. Cambridge: Cambridge University Press.

Gillham, B. (2000). Case Study Research Methods. Londres: Continuum.

Goiás. (2012). Lei nº 17.928, de 27 de dezembro de 2012. Dispõe sobre normas suplementares de licitações e contratos pertinentes a obras, compras e serviços, bem como convênios, outros ajustes e demais atos administrativos negociais no âmbito do Estado de Goiás. Estado de Goiás. Secretaria de Estado da Casa Civil. Recuperado de https://legisla.casacivil.go.gov.br/pesquisa_legislacao/89895/lei-17928.

Guimarães, B. S. (2016). Credenciamento e Contratos da Administração: uma alternativa virtuosa. Direito do Estado, 27 de junho de 2016. Recuperado de http://www.direitodoestado.com.br/colunistas/bernardo-strobel-guimaraes/credenciamento-e-contratos-da-administracao-uma-alternativa-virtuosa.

Justen Filho, M. (2004). Comentários à lei de licitações e contratos administrativos. (10. ed.). São Paulo: Dialética.

Marconi, M. de A., & Lakatos, E. M. (2003). Fundamentos de metodologia científica. (5. ed.) São Paulo: Atlas.

Medauar, O. (2018). Direito administrativo moderno. (21. ed.). Belo Horizonte: Fórum Conhecimento Jurídico.

Mills, A. J., Eurepos, G., & Wiebe, E. (2010) Encyclopedia of Case Study Research. California: Sage.

Miranda, H. S. (2018). Compra direta de passagens aéreas. Enap. Casoteca de Gestão Pública. Recuperado de https://repositorio.enap.gov.br/bitstream/1/3460/7/Compra%20direta%20de%20passagens%20a%C3%A9reas_portugu%C3%AAs.pdf.

Paraná. (2007). Lei nº 15.608, de 16 de agosto de 2007. Estabelece normas sobre licitações, contratos administrativos e convênios no âmbito dos Poderes do Estado do Paraná. Estado do Paraná, Casa Civil, Sistema Estadual de Legislação. Recuperado de https://www.legislacao.pr.gov.br/legislacao/listarAtosAno.do?action=exibir&codAto=5844&indice=4&totalRegistros=407&anoSpan=2010&anoSelecionado=2007&mesSelecionado=0&isPaginado=true.

Reis, L. E. (2017). Licitações e contratos: cases e orientações objetivas. Curitiba: Negócios Públicos.

Requi, E. M. dos S. (2015). Afinal, o que é credenciamento? Recuperado de https://www.zenite.blog.br/afinal-o-que-e-credenciamento/.

Ribeiro, J. A. (2011). Inexigibilidade de licitação e o credenciamento de serviços. . Recuperado de https://jus.com.br/artigos/18683/inexigibilidade-de-licitacao-e-o-credenciamento-de-servicos/1.

TCU. (1995). Decisão nº 656/1995. Plenário. Relator: Ministro Homero Santos. Sessão de 6 de dezembro de 1995. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 28 dez.

TCU. (2010). Acórdão nº 351/2010. Plenário. Relator: Ministro-Substituto Marcos Bemquerer Costa. Sessão de 3 de março de 2010. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 5 mar.

TCU. (2013). Acórdão nº 1150/2013. Plenário. Relator: Ministro Aroldo Cedraz. Sessão de 15 de maio de 2013. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 21 mai.

TCU. (2017). Acórdão nº 1545/2017. Plenário. Relator: Ministro Aroldo Cedraz. Sessão de 19 de julho de 2017. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 17 ago.

TCU. (2018a). Acórdão nº 1191/2018. Plenário. Relator: Ministro Benjamin Zymler. Sessão de 23 de maio de 2018. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 11 jun.

TCU. (2018b). Acórdão nº 784/2018. Plenário. Relator: Ministro Marcos Bemquerer. Sessão de 11 de abril de 2018. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 23 abr.

Yin, R. K. (2003). Case Study Research: Design and Methods. (3. ed.). California: Sage.