Avaliação da flexibilidade da jornada de trabalho e o seu impacto no compartilhamento do conhecimento Outros Idiomas

ID:
63443
Resumo:
Este artigo tem como objetivo avaliar o impacto da redução e flexibilização da jornada de trabalho sobre a gestão do conhecimento organizacional. Para tanto, realizou-se um estudo de caso em uma instituição federal de ensino superior (IFES) com os servidores da reitoria, local onde foi realizada a redução e flexibilização de horário de trabalho. Foi realizada uma pesquisa survey com 238 respondentes válidos. O instrumento utilizado para a coleta de dados foi um questionário elaborado no Modelo de Gestão do Conhecimento para a Administração Pública Brasileira de Batista (2012). Adotando essa estratégia, como resultado essencial deste estudo, verificou-se que não há diferenças significativas no compartilhamento do conhecimento entre os grupos que aderiram e não aderiram a flexibilização. Conclui-se que a flexibilização da carga de trabalho não tem impactos positivos na gestão do conhecimento na instituição estudada, pois não há estímulo de sua parte, nem rotinas organizacionais que instiguem o compartilhamento do conhecimento.
Citação ABNT:
KLEIN, L. L.; COGO, M. P.; PEREIRA, B. A. D. Evaluation of the flexibility of the work journey and its impact on knowledge sharing. Práticas de Administração Pública, v. 4, n. 3, p. 127-150, 2020.
Citação APA:
Klein, L. L., Cogo, M. P., & Pereira, B. A. D. (2020). Evaluation of the flexibility of the work journey and its impact on knowledge sharing. Práticas de Administração Pública, 4(3), 127-150.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/63443/avaliacao-da-flexibilidade-da-jornada-de-trabalho-e-o-seu-impacto-no-compartilhamento-do-conhecimento/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
Amayah, A. T. (2013). Determinants of knowledge sharing in a public sector organization. Journal of knowledge management, 17(3), 454-471.

Argote, L., & Miron-Spektor, E. (2011). Organizational learning: From experience to knowledge. Organization science, 22(5), 1123-1137.

Batista, F. F. (2006). O desafio da gestão do conhecimento nas áreas de administração e planejamento das Instituições Federais de Ensino Superior (Ifes). Brasília: Ipea.

Batista, F. F. (2012). Modelo de gestão do conhecimento para a administração pública brasileira: como implementar a gestão do conhecimento para produzir resultados em benefício do cidadão. Brasília: Ipea.

Brasil (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília. DF: Senado Federal. Recuperado de: . Acesso em: 15 jul. 2016.

Collis, J., & Hussey, R. (2005). Pesquisa em Administração: Um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman.

Felstead, A., & Jewson, N. (1999). Global Trends in Flexible Work. London: Macmillan Pres Ltd.

Graham, N. (2010). Why Governments Need Guidelines for Risk Assessment and Management. In: Risk and Regulatory Policy: Improving the Governance of Risk. OECD, Paris.

Hartung, K., & Oliveira, M. (2013). Communities of practice: creating and sharing knowledge. REGE-Revista de Gestão, 20(3), 407-422.

He, H., Baruch, Y., & Lin, C. P. (2014). Modeling team knowledge sharing and team flexibility: The role of within-team competition. Human relations, 67(8), 947-978.

Heisig, P. (2009). Harmonisation of knowledge management‐comparing 160 KM frameworks around the globe. Journal of knowledge management, 13(4), 4-31.

Jinkings, N. (2002). Trabalho e resistência na “fonte misteriosa”: os bancários no mundo da eletrônica e do dinheiro. Campinas, SP: Editora da Unicamp.

Nonaka, I.& Takeuchi, H. (1997). Criação do conhecimento na empresa. Rio de Janeiro: Campus.

Pokharel, M. P., & Choi, S. O. (2015). Exploring the relationships between the learning organization and organizational performance. Management research review. 38(2), 126-148.

Ramayah, T., Yeap, J. A., & Ignatius, J. (2014). Assessing knowledge sharing among academics: A validation of the knowledge sharing behavior scale (KSBS). Evaluation review, 38(2), 160-187.

Sabherwal, R., & Becerra‐Fernandez, I. (2003). An empirical study of the effect of knowledge management processes at individual, group, and organizational levels. Decision sciences, 34(2), 225-260.

Ventura, M. M. (2007). O estudo de caso como modalidade de pesquisa. Revista SoCERJ, 20(5), 383-386.

Vignoli, V. A. (2010). Flexibilização da jornada de trabalho: importância e limitações. 100 f. (Dissertação de Mestrado em Direito do Trabalho). Universidade de São Paulo – USP, São Paulo, Brasil.

Wig, K. M. (2000). Application of knowledge management in public administration. Taiwan: ROC.