Administração pública e cultura patrimonialista Outros Idiomas

ID:
63502
Resumo:
Segundo a tese apresentada neste artigo, as implicações sobre a administração pública de uma deformação política, que, devido a Max Weber, ficou conhecida como patrimonialismo, estão na origem dos maiores problemas sócio-econômicos brasileiros. O argumento fundamenta-se em conceitos oriundos da sociologia weberiana, nas filosofias políticas de Aristóteles e Maquiavel, bem como em considerações sobre a relação entre administração pública e desenvolvimento econômico, apoiadas nas obras de Adam Smith e Max Weber. A partir de uma discussão sobre o histórico do problema no Brasil e seus inconvenientes sociológicos para a administração pública, aplica-se um modelo analítico simples, desenvolvido para permitir uma identificação rápida e objetiva das resultantes implicações para a eficiência da alocação de recursos no setor público. As conclusões mais importantes podem ser extraídas da proposta de enfrentamento do problema, apresentada ao final.
Citação ABNT:
SILVA, J. M. A.Administração pública e cultura patrimonialista. Práticas de Administração Pública, v. 1, n. 1, p. 25-41, 2017.
Citação APA:
Silva, J. M. A.(2017). Administração pública e cultura patrimonialista. Práticas de Administração Pública, 1(1), 25-41.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/63502/administracao-publica-e-cultura-patrimonialista/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português