O Apelo Socioeconômico e a Ação Empreendedora no Processo de Estruturação de Configurações Produtivas Vinculadas à Bioenergia no Brasil Outros Idiomas

ID:
63540
Resumo:
O crescimento da população fez o mundo perceber um forte aumento na demanda por energia. A maior parte da atual demanda de energia é atendida pela queima de combustíveis fósseis. O uso de combustíveis tradicionais, no entanto, está associado a um aumento ambiental na intensidade de gases nocivos, como dióxido de carbono, gases de efeito estufa e óxido de nitrogênio. O objetivo deste ensaio é problematizar o que ficou denominado de apelo socioeconômico associado à ação empreendedora, que é dirigida à estruturação de determinadas configurações produtivas orientadas à exploração da bioenergia no Brasil. Tal objetivo justifica-se na medida em que problematiza a maneira como ocorrem os processos que tendem a estimular o uso de fontes e formas alternativas de produção bioenergética. A fim de sustentar essa justificativa, este ensaio aborda o apelo socioeconômico da produção bioenergética no Brasil, o processo de mudança na perspectiva institucional e o empreendedor como agente de mudanças institucionais e inovações sociais. O resultado deste trabalho proporciona subsídios acerca da reflexão, que deve perpassar a busca de soluções consensuais e negociadas para os problemas que foram levantados quanto à exploração da bioenergia no Brasil. O ensaio apresenta-se como um veículo indicativo de como podem vir a ser conduzidas as transformações de ordem social com a proposição de uma reflexão sobre as soluções que têm sido desenvolvidas para resolver, de forma sustentável, os problemas relacionados à exploração da bioenergia no Brasil.
Citação ABNT:
MARQUESAN, F. F. S.; SILVA, J. B. O Apelo Socioeconômico e a Ação Empreendedora no Processo de Estruturação de Configurações Produtivas Vinculadas à Bioenergia no Brasil. Desenvolvimento em Questão, v. 19, n. 55, p. 22-36, 2021.
Citação APA:
Marquesan, F. F. S., & Silva, J. B. (2021). O Apelo Socioeconômico e a Ação Empreendedora no Processo de Estruturação de Configurações Produtivas Vinculadas à Bioenergia no Brasil. Desenvolvimento em Questão, 19(55), 22-36.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21527/2237-6453.2021.55.10185
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/63540/o-apelo-socioeconomico-e-a-acao-empreendedora-no-processo-de-estruturacao-de-configuracoes-produtivas-vinculadas-a-bioenergia-no-brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ARNDT, C.; HENLEY, G.; HARTLEY, F. Bioenergy in Southern Africa: An opportunity for regional integration? Development Southern Africa, v. 36, n. 2, p. 145-154, 2019.

BARATTER, M. A.; FERREIRA, J. M.; COSTA, M. C. Empreendedorismo institucional: considerações sobre imersão e mecanismo da teorização. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 33., 2009. São Paulo, SP, 2009.

BECKERT, J. Agency, entrepreneurs, and institutional change. The role of strategic choice and institutionalized practices in organizations. Organization Studies, v. 20, n. 5, p. 777-799, 1999.

BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. The social construction of reality: a treatise. Penguin, 1979.

BRUNSTEIN, J.; RODRIGUES, A. L.; KIRSCHBAUM, C. Inovação social e empreendedorismo institucional: a ação da ONG “Ação Educativa” no campo educacional da cidade de São Paulo. Organizações & Sociedade, v. 15, n. 46, p. 119-136, 2008.

CASSOL, D. Bioenergia, para quem. MST Informa – Revista Sem Terra, ed. 38, 2007.

CLOUTIER, J. Qu’est-ce que l’innovation sociale? Montréal: Crises, 2003. p. 1-46.

DIMAGGIO, P. J. Interest and agency in institutional theory. In: ZUCKER, L. G. (ed.). Institutional patterns and organizations. Cambridge, MA: Ballinger, 1988. p. 3-21.

DIMAGGIO, P. J.; POWELL, W. W. The iron cage revisited: Institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields (American Sociological Review, 1983). Advances in Strategic Management, v. 17, p. 143-166, 2000.

DOMAC, J.; RICHARDS, K.; RISOVIC, S. Socio-economic drivers in implementing bioenergy projects. Biomass and Bioenergy, v. 28, n. 2, p. 97-106, 2005.

EISENHARDT, K. M. Agency-and institutional-theory explanations: The case of retail sales compensation. Academy of Management Journal, v. 31, n. 3, p. 488-511, 1988.

FILION, L. J. Empreendedorismo: empreendedores e proprietários-gerentes de pequenos negócios. Revista de Administração, v. 34, n. 2, p. 5-28, 1999.

GABOR, D. Innovations: scientific, technological, and social. New York: Oxford University Press, 1970.

GIDDENS, A. Comments on the theory of structuration. Journal for the Theory of Social Behaviour, v. 13, n. 1, p. 75-80, 1983.

GREENWOOD, R.; SUDDABY, R.; HININGS, C. R. Theorizing change: The role of professional associations in the transformation of institutionalized fields. Academy of Management Journal, v. 45, n. 1, p. 58-80, 2002.

GRESSHOFF, P. M.; RANGAN, L.; INDRASUMUNAR, A.; SCOTT, P. T. A new bioenergy crop based on oil-rich seeds from the legume tree Pongamia pinnata. Energy Emission Control Technol, v. 5, p. 19-26, 2017.

HARDY, C.; MAGUIRE, S. Institutional entrepreneurship. The Sage Handbook of Organizational Institutionalism, v. 1, p. 198-217, 2008.

HILBERT, Jorge A.; GALLIGANI, Sofia. Impactos socioeconómicos en la producción de bioenergía. Buenos Aires: Inta, 2015.

LECA, B.; BATTILANA, J.; BOXENBAUM, E. Agency and institutions: a review of institutional entrepreneurship. Cambridge, MA: Harvard Business School, 2008. p. 8-96.

LÉVESQUE, B. Empreendedor coletivo e economia social: outra forma de empreender. Revista Virtual de Gestão de Iniciativas Sociais, v. 1, p. 44-64, 2004.

MACHADO-DA-SILVA, C. L.; GONÇALVES, S. A. Nota técnica. A teoria institucional. In: CLEGG, S.; HARDY, C.; NORD, W. Handbook de estudos organizacionais. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2006. p. 220-226.

MARSDEN, R.; TOWNLEY, B. Introdução: a coruja de Minerva – reflexões sobre a teoria na prática. In: CLEGG, S.; HARDY, C.; NORD, W. Handbook de estudos organizacionais. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2006. p. 31-60.

MISOCZKY, M. C.; BÖHM, S. Do desenvolvimento sustentável à economia verde: a constante e acelerada investida do capital sobre a natureza. Cadernos Ebape.br, v. 10, n. 3, p. 546-568, 2012.

MURPHY, P. J.; COOMBES, S. M. A model of social entrepreneurial discovery. Journal of Business Ethics, v. 87, n. 3, p. 325-336, 2009.

PEREDO, A. M.; MCLEAN, M. Social entrepreneurship: A critical review of the concept. Journal of World Business, 41(1), p. 56-65, 2006.

PHILLS, J. A.; DEIGLMEIER, K.; MILLER, D. T. Rediscovering social innovation. Stanford Social Innovation Review, v. 6, n. 4, p. 34-43, 2008.

POL, E.; VILLE, S. Social innovation: Buzz word or enduring term? The Journal of Socio-Economics, v. 38, n. 6, p. 878-885, 2009.

SCHUTZ, A. Collected papers I. The Hague: Martinus Nijhoff, 1962.

SCOTT, W. R. Prefatory chapter: institutions and social innovation. In: HÄMÄLÄINEN, Timo J.; HEISKALA, Risto. Social Innovations, Institutional Change and Economic Performance. Cheltenham: Edward Elgar, 2007. p. 8-21.

SILVERMAN, D. The theory of organizations. London: Heinemann, 1970.

TAYLOR, J. B. Introducing Social Innovation. The Journal of Applied Behavioral Science, v. 6, n. 1, p. 69-77, mar, 1970.

TOLBERT, P. S.; ZUCKER, L. G. A institucionalização da teoria institucional. In: CLEGG, S.; HARDY, C.; NORD, W. Handbook de Estudos Organizacionais. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2006. p. 194-217.

VAILLANCOURT, Y. Centre de Recherche sur les Innovations Sociales (Crises). Laboratoire de Recherche sur les Pratiques et les Politiques Sociales (LAREPPS). Quebec: UQAM, 2008.

VENEMA, Bert. Transferring Climate Change Mitigation – a case study of the Clean Development Mechanism in Colombia and Peru from 2005 until 2017 (Master’s thesis), 2018.

YADAV, P.; PRIYANKA, P.; KUMAR, D.; YADAV, A.; YADAV, K. Bioenergy Crops: Recent Advances and Future Outlook. In: Prospects of Renewable Bioprocessing in Future Energy Systems, Springer, Cham, p. 315-335, 2019.

ZUCKER, L. G. The role of institutionalization in cultural persistence. American Sociological Review, v. 42, n. 5, p. 726-743, 1977.