A Utilização do Coping na Construção de Equipes de Alto Desempenho Orientadas ao Coaching Outros Idiomas

ID:
63971
Resumo:
Para lutar e conseguir o sucesso com igualdade de condições, tanto na vida profissional quanto na vida pessoal, torna-se necessário lidar com situações, superando as dificuldades ou limites que essas circunstâncias apresentam. Para a psicologia, esse enfrentamento é tratado como coping e está relacionado com o estresse, sendo definido como tentativa ou empenho para lidar com exigências externas relacionadas ao ambiente, ou internas, do próprio sujeito, percebidas como sobrecarregando ou excedendo os recursos da pessoa (LAZARUS; FOLKMAN, 1984). Koltermann et al (2011) detectou que existe uma alta prevalência de estresse entre os trabalhadores bancários, os quais, buscam mudanças no ambiente organizacional com possibilidades de uma atividade bancária com significado importante e alto desempenho. Além do coping, algumas ferramentas podem ser utilizadas para evitar o estresse no trabalho ou na vida pessoal, o coaching é uma delas que também pode contribuir em todas as áreas da vida de um indivíduo, seja no ambiente organizacional, no lazer, na saúde e boa forma, nas finanças, na carreira, nos relacionamentos, no desenvolvimento pessoal ou espiritual. Sendo assim, este estudo procurou identificar se os bancários de uma instituição financeira do município de Ijui/RS utilizam as estratégias de coping elaboradas por Folkmann e Lazarus para manter uma equipe de alto desempenho com auxílio do coaching. Logo, o estudo de justifica pelo fato de ser desenvolvido em um ambiente propício para o surgimento do estresse onde os indivíduos são desafiados diariamente tanto pela organização quanto por seus clientes e colegas, o nível de competição é alto e as metas são diárias. A metodologia utilizada, no que se refere à natureza do estudo, é aplicado, quanto à abordagem, é quantitativo e, quanto aos objetivos, classifica-se como descritivo. Os procedimentos técnicos utilizados foram pesquisa bibliográfica, levantamento (survey) e pesquisa de campo, logo, o universo amostral foi composto por 45 funcionários de uma instituição financeira do município de Ijuí/RS. Os dados receberam tratamento estatístico gerando média e desvio padrão. Para Mendenhall (1985), o desvio padrão é a medida mais comum na dispersão estatística, ele mostra o quanto de dispersão ou variação existe em relação à média. Um baixo desvio padrão indica que os dados tendem a estar próximos da média, enquanto for alto os dados estão espalhados por uma gama de valores. Foi possível verificar que os bancários da instituição financeira em estudo utilizam as estratégias de coping elaboradas por Folkmann e Lazarus em baixa e média escala, também acreditam que, sua equipe apresenta características de uma equipe de alto desempenho e, que as ferramentas de coaching são utilizadas para manter e desenvolver estas características na equipe, auxiliando nas estratégias de redução de estresse no ambiente de trabalho.
Palavras-chave:
Citação ABNT:
CANEPPELE, N. R.; FABRICIO, A.; BAGGIO, D. K.; LOPES, L. F. D.; ROTILI, L. B. A Utilização do Coping na Construção de Equipes de Alto Desempenho Orientadas ao Coaching . Revista de Administração da Unimep, v. 19, n. 3, p. 27-48, 2021.
Citação APA:
Caneppele, N. R., Fabricio, A., Baggio, D. K., Lopes, L. F. D., & Rotili, L. B. (2021). A Utilização do Coping na Construção de Equipes de Alto Desempenho Orientadas ao Coaching . Revista de Administração da Unimep, 19(3), 27-48.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/63971/a-utilizacao-do-coping-na-construcao-de-equipes-de-alto-desempenho-orientadas-ao-coaching-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AVILA, A. R. et al. O processo de coaching como elemento potencializador da performance dos executivos nas organizações. In: MOSTRA CIENTÍFICA DO CESUCA. 4, 2012. Anais. Cachoeirinha: Complexo de Ensino Superior de Cachoeirinha, 2012. Disponíveis em: < http://ojs.cesuca.edu.br/index.php/mostrac/article/view/146>. Acesso em: 13 set. 2016.

BALDWIN, T. T.; BOMMER, W. H.; RUBIN, R. S. Gerenciando o comportamento organizacional: o que os gestores eficazes sabem e fazem. Tradução Edson Furmankiewicz. 2.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

BURTON, K. Coaching com PNL para leigos. Alta Books, 2012.

CAPELO, M. R.; POCINHO, M. Vulnerabilidade ao Stress, estratégias de coping e auto-eficácia em professores portugueses. Revista Educação e Pesquisa. v. 35, n.2, p. 351-367, mai./ago. 2009.

CASTELLANI, M. Metacoaching. Metacoaching e Gestão Integral. Disponível em: http://www.metacoaching.com.br/artigo/gestao-integral. Acesso em: 18 set. 2016

DAMIÃO, E. B. C., ROSSATO, L. M., FABRI, L. R. O., DIAS, V. C. Inventário de estratégias de enfrentamento: um referencial teórico. Revista da Escola de Enfermagem da USP. v. 43, n. Esp 2, p. 1.199-1.203, 2009.

DAVIS, A. Coaching de equipes – Um caso de cooperação e mudança. In: OLIVEIRA, J.; CENTURIÃO, A.; (Coord.). Coaching na prática: como o coaching pode contribuir em todas as áreas da sua via. São Paulo: Editora França, 2012. p. 57-63.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

KRAUSZ, Rosa R. Coaching Executivo: a conquista da liderança. São Paulo: Nobel, 2007.

LAZARUS, R. S.; FOLKMAN, S. Stress, Appraisal and Coping. New York, Springer Publishing Company, 1984.

LAZARUS, R. S.; MOSKOWITZ, J. Tedlie. coping: pitfall and promises. Annual Review of Psychology, v. 55, p. 745-774, 2004.

LOPES, L. F. D. Métodos Quantitativos. 1. Ed., Universidade Federal de Santa Maria – UFSM, 2016.

MATTA, V. Coaching: excelência em performance humana. São Paulo: Sociedade Brasileira de Coaching, 2008.

MENDENHALL, W. Probabilidade e estatística. Tradução de José Fabiano da Rocha. Rio de Janeiro: Campus, 1985.

MILARÉ, S. A.; YOSHIDA, E. M. P. Coaching de executivos: adaptação e estágio de mudanças. Revista Psicologia: Teoria e Prática. v. 1, n. 9, p.86-99, 2007.

NÓBREGA, S. M. S. A.; LOPES, M. P. Estratégias de coping em pessoas com necessidades especiais: Estudo exploratório acerca da inclusão no mundo do trabalho. Dissertação para obtenção de grau de Mestre em Políticas de Desenvolvimento de Recursos Humanos. Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade de Lisboa. 2014.

PEARLIN, L. I. SCHOOLER, C. The estruture of coping. Journal of Health and Social Behavior. v. 19, n. 1, p. 2-21, Mar. 1978.

PEREIRA, F. J. A. A utilização do Coaching como ferramenta contributiva nos processos de ambiência e qualidade de vida. Revista Especialize. v.1. n. 6. p. 1-21, dez. 2013

POCINHO, M. PERESTRELO, C. X. Um ensaio sobre burnout, engagement e estratégias de coping na profissão docente. Revista Educação e Pesquisa. v.37, n.3, p. 513 528, set./dez. 2011.

RAMPELOTTO, C. M.; ABAID, J. L. W.; Estratégias de coping utilizadas por pilotos de caça. Barbarói Revista do Departamento de Ciências Humanas e do Departamento de Psicologia, v. 35, n. 35, p. 30-42, ago./dez. 2012.

ROBBINS, S.; DECENZO, D. A. Fundamentos de administração: conceitos essenciais e aplicações. 4.ed. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

SAVÓIA, M.G.; MEJIAS, N.P.; SANTANA, P.R.; Adaptação do inventário de estratégias de coping de Folkman e Lazarus para o Português. Psicologia USP, São Paulo, v.7, n.1/2, p.183-201, 1996.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2009.