Conservadorismo Condicional: estudo a partir de variáveis econômicas Outros Idiomas

ID:
6407
Resumo:
A Contabilidade, na perspectiva da abordagem da informação, volta-se à utilidade da informação. O Conservadorismo Condicional está ligado à tendência de a Contabilidade exigir um maior grau de verificação das boas notícias para reconhecê-las no resultado em relação ao grau de verificação das más notícias. Em face das preocupações referentes à qualidade da informação contábil, o objetivo deste artigo consiste em analisar o reflexo do Conservadorismo Condicional no resultado contábil a partir de variáveis econômicas. O estudo utiliza o Modelo Reverso de Lucros Associados a Retornos (BASU, 1997) e o modelo proposto por Kahn e Watts (2009), que analisam a relação entre as variáveis lucro contábil e retorno econômico, utilizando os valores dos retornos positivos e negativos como proxy de boas e más notícias, e outras variáveis largamente aceitas na avaliação do conservadorismo. Para tanto, foram estimados os modelos estatísticos para uma amostra de 96 empresas para o período de 2005 a 2007 partindo de informações anuais disponíveis no Economática® e dados reportados em notas explicativas. Com o objetivo de selecionar um evento econômico que pode impactar no reconhecimento assimétrico do resultado econômico, decidiu-se comparar os resultados entre empresas listadas nos níveis de governança da Bovespa com as demais empresas. Os resultados obtidos confirmam a hipótese de utilização de conservadorismo condicional na mensuração do resultado das companhias da amostra. A diferenciação positiva quanto ao grau de conservadorismo para as empresas que aderiram aos níveis de governança não são conclusivas, visto que os modelos apresentaram resultados dispersos. As variáveis econômicas criam vantagens quando as más notícias não podem ser tão claramente visíveis nas Demonstrações Contábeis, podendo diminuir os resultados futuros esperados.
Citação ABNT:
MOREIRA, R. L.; COLAUTO, R. D.; AMARAL, H. F. Conservadorismo Condicional: estudo a partir de variáveis econômicas. Revista Contabilidade & Finanças - USP, v. 21, n. 54, art. 6, p. 64-84, 2010.
Citação APA:
Moreira, R. L., Colauto, R. D., & Amaral, H. F. (2010). Conservadorismo Condicional: estudo a partir de variáveis econômicas. Revista Contabilidade & Finanças - USP, 21(54), 64-84.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/6407/conservadorismo-condicional--estudo-a-partir-de-variaveis-economicas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AAA. American Accounting Association. A Statement of basic accounting theory ASOBAT. Florida: American Accounting Association, 1966.

ALMEIDA, J. C. G.; SCALZER, R. S.; COSTA, F. M. Níveis de governança corporativa e grau de conservadorismo: estudo empírico em companhias abertas listadas na Bovespa. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 2, n. 2, p. 117-130, jan./abr. 2008.

ANTHONY, R. N. Contabilidade gerencial. São Paulo: Atlas, 1972.

ANTUNES, M. A.; PROCIANOY, J. L. Os efeitos das decisões de investimento das firmas sobre os preços de suas ações no mercado de capitais. Revista de Administração, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 5-14, jan./fev./ mar. 2003.

ASSAF NETO, A. Finanças corporativas e valor. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

BALL, R. J.; BROWN, P. An empirical evaluation of accounting income numbers. Journal of Accounting Research, Chicago, v. 6, p. 159-178, Autumn 1968.

BALL, R. J.; SHIVAKUMAR, L. Earnings quality in UK private firms: comparative loss recognition timeliness. Journal of Accounting and Economics, Amsterdam, v. 39, p. 83-128, 2005.

BASU, S. The conservatism principle and the asymmetric timeliness of earnings. Journal of Accounting and Economics, Amsterdam, v. 24, n. 1, p. 3-37, 1997.

BEAVER, W. H. ; RYAN, S. G. Biases and lags in book value and their effects on the ability of the book-to-market ratio to predict book return on equity. Journal of Accounting Research, v. 38, n. 1, p. 127-148, 2000.

BEAVER, W. H. The information content of earnings. Journal of Accounting Research, Chicago, v. 6, p. 67-92, 1968.

BRASIL. COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. Pronunciamento conceitual básico. Estrutura conceitual para a elaboração e apresentação das demonstrações contábeis. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade. Estrutura para a Preparação e a Apresentação das Demonstrações Contábeis. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2008.

CAMPBELL, J.; LO, A.; MACKINLAY, C. The econometrics of financial markets. Princeton University Press, Princeton, NJ, 1997.

COCHRANE, J. Asset Pricing, NJ: Princeton University Press, 2001.

COELHO, A. C. D. ; LIMA, I. S. Qualidade informacional e conservadorismo nos resultados contábeis publicados no Brasil. Revista Contabilidade e Finanças, USP, São Paulo, v. 18, n. 45, p. 38-49, set./dez. 2007.

COELHO, A. C. D. Qualidade informacional e conservadorismo nos resultados contábeis publicados no Brasil. 2007. 240 f. Tese (Doutorado em Contabilidade e Controladoria) – Pós-graduação em Contabilidade e Controladoria, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

COSTA, F. M.; COSTA, A. C. O.; LOPES; A. B. Conservadorismo em cinco países da América do sul. Revista Contabilidade e Finanças, USP, São Paulo, n. 41, p. 7-20, maio/ago. 2006.

DIAS FILHO, J. M. A Linguagem utilizada na evidenciação contábil: uma análise de sua compreensibilidade à luz da teoria da comunicação. Caderno de Estudos, São Paulo, FIPECAFI, v. 13, n. 24, p. 38-49, jul./dez. 2000.

EASLEY, D.; HVIDKJAER, S.; O’HARA, M. Is information risk a determinant of asset returns? The Journal of Finance, v. 57, n. 5, p. 2185-2221, oct. 2002.

FAMA, E. F. Efficient capital markets: a review of theory and empirical work. The Journal of Finance, Cambridge, v. 25, p. 383-417, 1970.

FAMA, E. F.; MACBETH, J. D. Risk, return and equilibrium: empirical tests. Journal of Political Economy, v. 81, n. 3, p. 607-636, maio/jun. 1973.

FELTHAM, G. M.; OHLSON, J. Uncertainty resolution and the theory of depreciation measurement. Journal of Accounting Research, v. 34, n. 2, p. 209-234, 1996.

GARCÍA-LARA, J. M.; MORA, A. Balance sheet versus earnings conservantism. Europe. Europen Accounting Review, London, v. 13, n. 2, p. 261-292, 2004.

GESEL – Grupo de Estudos do Setor Elétrico do Insituto de Economia da UFRJ. Séries econômico-financeiras das empresas do setor de energia elétrica. Rio de Janeiro: Synergia: GESEL, UFRJ, 2006.

GESEL – Grupo de Estudos do Setor Elétrico do Insituto de Economia da UFRJ. Séries econômico-financeiras das empresas do setor de energia elétrica. Rio de Janeiro: Synergia: GESEL, UFRJ, 2007.

GIVOLY, D.; HAYN, C. The changing time-series properties of earnings, cash flows and accruals: has financial reporting become more conservative? Journal of Accounting and Economics, n. 29, p. 287-320, ago. 2000.

GONZAGA, R. P.; COSTA, F. M. A relação entre conservadorismo contábil e os conflitos entre acionistas controladores e minoritários sobre as políticas de dividendos nas empresas brasileiras listadas na Bovespa. Revista Contabilidade e Finanças, USP, São Paulo, v. 20, n. 50, p. 95-109, maio/ago. 2009.

GUJARATI, D. Econometria básica. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

HENDRIKSEN, E. S.; BREDA, M. F. Van. Teoria da Contabilidade. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

HSIAO, C. Analysis of panel data. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

IASB. International Accounting Standards Board. Estrutura conceitual para a elaboração e apresentação das demonstrações contábeis. Normas Internacionais de Contabilidade. São Paulo: IBRACON, 2001.

JAEDICKE, R. K.; SPROUSE, R. T. Fluxos contábeis: renda, fundos e capital. Trad. José Bonifácio da Cruz, revisão e adaptações técnicas do Prof. Celso Albano Costa. São Paulo: Atlas, 1972.

KAM, V. Accounting theory. 2. ed. Califórnia: John Wiley & Sons, 1986.

KHAN, M.; WATTS, R. L. Estimation and empirical properties of a firm-year measure of accounting conservatism. Journal of Accounting and Economics, v. 48, p. 132-150, 2009.

KOTHARI, S. P. Capital markets research in accounting. Journal of Accounting and Economics, v. 31, p. 105-231, 2001.

LIMA, M. R.; BRITO, R. D. O que determina e estrutura de capital no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2010.

LOPES, A. B. A relevância da informação contábil para o mercado de capitais: O modelo de Ohlson aplicado à BOVESPA. 2001. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis) – Programa de Pós-Graduação em Controladoria e Contabilidade, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

MADDALA, G. S. Introdução à econometria. 3. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2003.

MAROCO, J. Análise estatística: com utilização do SPSS. 2. ed. Lisboa: Silabo, 2003.

OHLSON, J. Earnings, book values, and dividends in equity valuation: an empirical perspective. Contemporary Accounting Research, v. 18, p. 107-120, 2001.

PENMAN, S. H.; ZHANG, X. J. Accounting conservantism, the quality of earnings, and stock options. The Accounting Review, v. 77, n. 2, p. 237-264, apr. 2002.

PEROBELLI, F. F. C.; NESS, W. L. Reações do mercado acionário a variações inesperadas nos lucros das empresas: um estudo sobre a eficiência informacional no mercado brasileiro. In: ENANPAD 2000. Anais..., Florianópolis, 2000.

PEROBELLI, F. F. C.; PEROBELLI, F. S.; ARBEX, M. A. Expectativas racionais e eficiência informacional: análise do mercado acionário brasileiro no período 1997-1999. Revista Administração Contemporânea, Curitiba, v. 4, n. 2, maio/ago. 2000.

RANGEL, L. L.; TEIXEIRA, A. J. C. O conservadorismo contábil e o valor de mercado. In: ENANPAD, 18., 2003, Atibaia. Anais... Atibaia, 2003.

SANTOS, L. S. R. S.; COSTA, F. M. Conservadorismo contábil e timeliness: evidências empíricas nas demonstrações contábeis em empresas brasileiras com ADRs negociadas na Bolsa de Nova Iorque. Revista Contabilidade e Finanças, USP, São Paulo, v. 19, n. 48, p. 27-36, set./dez. 2008.

SHANNON, C. E.; WEAVER, W. The matematical theory of communication. London: University of Illinois, 1963. 125p.

SILVA , O. M.; CRUZ JR., J. C. Dados em painel: uma análise do modelo estatístico. In: SANTOS, M. L.; VIEIRA, W. C. (Org.). Métodos quantitativos em economia. Viçosa, MG: Imprensa Universitária, 2004.

TAKAMATSU, R. T.; LAMOUNIER, W. M.; COLAUTO, R. D. Impactos da divulgação de prejuízos nos retornos de ações de companhias participantes do Ibovespa. Revista Universo Contábil, Blumenau, v. 4, n. 1, p. 46-63, jan./mar. 2008.

WATTS, R. Conservatism in accounting part I: explanations and implications. Accounting Horizons, n. 17, v. 3, p. 207-221, sep. 2003.