Avaliação da Sustentabilidade do Plano das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí 2020-2035: Análise dos Indicadores de Disponibilidade e Demandas Hídricas Outros Idiomas

ID:
64341
Resumo:
A água, recurso natural fundamental para a vida humana, está heterogeneamente distribuída no planeta. No âmbito das bacias hidrográficas dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí, a preocupação com o atendimento das necessidades da população, de forma perene e sustentável, e melhorias das condições do balanço hídrico têm suscitado ações por parte das Agências reguladoras. O objetivo do trabalho é analisar os Programas de Gerenciamento de Recursos Hídricos do Plano de Bacias PCJ, visando apontar como o modelo de avaliação dos princípios de Gibson pode ser adotado a fim de garantir a sustentabilidade das bacias. A metodologia adotada é de natureza qualitativa, descritiva e exploratória com procedimento técnico documental. Dentre os resultados observa-se a presença de ações que colaboram para a identificação de demandas por sub-bacia e auxiliam no controle de perdas em sistemas de abastecimento de água. Conclui-se que o modelo de avaliação da sustentabilidade de Gibson pode contribuir para acompanhar a evolução das metas e indicadores quanto à espacialização das demandas e do saldo hídrico.
Citação ABNT:
SUGAHARA, C. R.; MARTINS, A. M.; JUCÁ, L. B. Q.; MARIOSA, D. F. Avaliação da Sustentabilidade do Plano das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí 2020-2035: Análise dos Indicadores de Disponibilidade e Demandas Hídricas . Gestão & Regionalidade, v. 37, n. 112, p. 301-318, 2021.
Citação APA:
Sugahara, C. R., Martins, A. M., Jucá, L. B. Q., & Mariosa, D. F. (2021). Avaliação da Sustentabilidade do Plano das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí 2020-2035: Análise dos Indicadores de Disponibilidade e Demandas Hídricas . Gestão & Regionalidade, 37(112), 301-318.
DOI:
https//doi.org/10.13037/gr.vol37n112.7505
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/64341/avaliacao-da-sustentabilidade-do-plano-das-bacias-dos-rios-piracicaba--capivari-e-jundiai-2020-2035--analise-dos-indicadores-de-disponibilidade-e-demandas-hidricas-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ. A construção do Plano de Bacias como um processo. 2020. Disponível em: https://plano.agencia.baciaspcj.org.br/oplano. Acesso em: 16 out. 2020.

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS E SANEAMENTO BÁSICO (ANA). Conjuntura dos recursos hídricos no Brasil 2020: Informe anual. Brasília: ANA, 2020. 118p.

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS E SANEAMENTO BÁSICO (ANA). Manual de Usos Consuntivos da Água no Brasil. Brasília: ANA, 2019. Disponível em: http://snirh.gov.br/usos-da-agua/. Acesso em: 26 out. 2020.

AMORIM, W. A. C. et al. Capital humano e sustentabilidade: uma proposta de abordagem multidisciplinar. Gestão & Regionalidade, v. 31, n. 92, p. 151–163, 2015.

AYRES, R. U.; VAN DEN BERGH, J. C. J. M.; GOWDY, J. M. Viewpoint: weak versus strong sustainability, 98-103/3, Tinbergen Institute, 1998. Disponível em: https://papers.tinbergen.nl/98103.pdf. Acesso em: 26 nov. 2020.

CARVALHO, J. R. M.; CARVALHO, E. K. M. A.; CURI, W. F. Avaliação da sustentabilidade ambiental de municípios Paraibanos: uma aplicação utilizando o método Promethee II. Gestão & Regionalidade, v. 27, n. 80, p. 71-84, 2011.

COLLISCHONN, W.; DORNELLES, F. Hidrologia para Engenharia e Ciências Ambientais. 2. ed. Porto Alegre: ABRH, 2015. 336 p.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO (CMMAD). Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1988.

CONSÓRCIO PROFILL-RHAMA PCJ. Relatório Final Anexos: Plano de Recursos Hídricos das Bacias Hidrográficas dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí, 2020 a 2035. Porto Alegre, 2020a. 569 p.

CONSÓRCIO PROFILL-RHAMA PCJ. Relatório Síntese: Plano de Recursos Hídricos das Bacias Hidrográficas dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí, 2020 a 2035. Porto Alegre, 2020b. 140 p.

DIAMOND, J. Colapso: Como as Sociedades Escolhem o Fracasso ou o Sucesso. Rio de Janeiro: Editora Record, 2005.

GIBSON, R. B. Beyond the pillars: sustainability assessment as a framework for effective integration of social, economic and ecological considerations in significant decision-making. Journal of Environmental Assessmnt Policy and Management v. 8, n. 3 p. 259–280, 2006.

GIBSON, R. B.; HASSAN, S.; HOLTZ, S.; TANSEY, J.; WHITELAW, G. Sustainability assessment: criteria and processes. London, Sterling, VA: Earthscan, 2005.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HACKING, T., GUTHRIE, P. A framework for clarifying the meaning of Triple Bottom-Line, Integrated, and Sustainability Assessment. Environmental Impact Assessment Review, v. 28, n. 2-3, p. 73-89, 2007.

HODGE, R. A.; HARDI, P.; BELL, D. V. J. Seeing change through the lens of sustainability. Beyond Delusion: Science and Policy Dialogue on Designing Effective Indicators of Sustainability Development. Costa Rica. The International Institute for Sustainable Development, 1999.

HUESEMANN, M. H. The failure of ecoefficiency to guarantee sustainability: Future challenges for industrial ecology. Environmental Progress, v. 23, n.4, p. 264-210, 2004.

KATES, R. W.; PARRIS, T. M.; LEISEROWITZ, A. A. What is sustainable development? Goals, indicators, values, and practice. Environment: Science and Policy for Sustainable Development, v. 47, n. 3, p. 8-21, 2005.

MEADOWS, Donella Hager. Indicators and information systems for sustainable development. A report to the balaton group. The Sustainable Institute. 1998.

MEBRATU, D. Sustentabilidade e Sustentável Desenvolvimento: histórico e revisão conceitual. Ambiente Impacto Assess Rev., v. 18, 1998.

MENEZES, U. G.; DIAS, V. V.; GOMES, C. M. O paradigma sustentável e a formulação de estratégias empresariais para a competitividade. Gestão & Regionalidade, v. 26, n. 78, p. 4-17, 2010.

MORRISON-SAUNDERS, A., POPE, J. Conceptualising and managing trade-offs in sustainability assessment. Environmental Impact Assessment Review, v. 38, p. 54-63, 2013.

NESS, B. et al. Categorising tools for sustainability assessment. Ecological Economics, 60, p. 498-508, 2007.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. ONU. Transformando nosso mundo: A Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. Nações Unidas, 2015.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 4.ed., São Paulo: Atlas, 2017.

SARAIVA, P. et al. O uso de tecnologias como estratégia na construção de cidades mais inteligentes e sustentáveis. Gestão & Regionalidade, v. 35, n. 105, p. 184-199, 2019.

SARTORI, S.; LATRÔNICO, F.; CAMPOS, L. M. S. Sustentabilidade e Desenvolvimento Sustentável: uma taxonomia no campo da literatura. Ambiente & Sociedade, v. 17, n. 1, p. 1-22, 2014.

SICHE, J. R. et al. Sustainability of nations by indices: Comparative study between environmental sustainability index, ecological footprint and the energy performance indices. Ecological Economics, v. 66, n.4, p. 628-637, 2008.

SILVA, I. R. et al. Diagnóstico ambiental e avaliação da capacidade de suporte das praias do bairro de Itapoã, Salvador, Bahia. Sociedade & Natureza, v. 21, n. 1, p. 71– 84, abr. 2009.

SLIMANE, M. Role and relationship between leadership and sustainable development to release social, human, and cultural dimension. Social and Behavioral Sciences, v. 41, 2012.

WCED. Our common Future. Oxford: Oxford University Press, 1987.