Humor como Estratégia Discursiva: Uma Análise das Charges do Jornal Sindical Folha Bancária Outros Idiomas

ID:
64469
Resumo:
O objetivo do artigo é analisar como o humor enquanto estratégia discursiva em charges é capaz de revelar as práticas do Sindicato dos Bancários de São Paulo. O trabalho se torna relevante a partir da possibilidade de evidenciar práticas de resistência, transgressão ou contradição em organizações por meio de charges veiculadas em seus canais oficiais de comunicação. Adotamos a metodologia qualitativa e analisamos, com base na analítica de poder foucaultiana, cinco charges publicadas no jornal sindical Folha Bancária, além de nove reportagens e documentos públicos disponíveis no sítio do sindicato e da Fundação Projeto Travessia. Os resultados sugerem contradições nas práticas do sindicato, revelando incoerências em parcerias com bancos privados, estratégias de sindicalização que enfraquecem as lutas coletivas e a ausência de resultados expressivos em seus canais de denúncias contra o assédio moral.
Citação ABNT:
MONTEIRO, D. F. B.; CORREIA, G. F. A.; CARRIERI, A. P. Humor como Estratégia Discursiva: Uma Análise das Charges do Jornal Sindical Folha Bancária. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, v. 20, n. 4, p. 715-738, 2021.
Citação APA:
Monteiro, D. F. B., Correia, G. F. A., & Carrieri, A. P. (2021). Humor como Estratégia Discursiva: Uma Análise das Charges do Jornal Sindical Folha Bancária. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 20(4), 715-738.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21529/RECADM.2021025
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/64469/humor-como-estrategia-discursiva--uma-analise-das-charges-do-jornal-sindical-folha-bancaria/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Adegoju, A., & Oyebode, O. (2015). Humour as discursive practice in Nigeria’s 2015 presidential election online campaign discourse. Discourse Studies, 17(6), 643-662.

Alcadipani, R., Hassard, J., & Islam, G. (2018). “I shot the sheriff”: irony, sarcasm and the changing nature of workplace resistance. Journal of Management Studies, 55(8), 1452-1487.

Andrade, A. M., Araujo, B. F., & Souza, A. M. (2017). Personalidade, Satisfação e Estilos de Humor no Trabalho. Teoria e Prática em Administração, 7(1), 110-138.

Barthes, R. (1990). O óbvio e o obtuso Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Bauer, M. W., & Aarts, B. (2002). A construção do corpus: um princípio para a coleta de dados qualitativos. In M. W. Bauer & G. Gaskell (Orgs). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. (pp. 39-63, 7. Ed). Petrópolis: Vozes.

Burke, P. (2000). Fronteiras do cômico nos primórdios da Itália moderna. In J. Bremmer & H. Roodenburg (Orgs). Uma história cultural do humor (pp. 93-114). Rio de Janeiro: Ed. Record.

Carrieri, A. P. (2004). O humor como estratégia discursiva de resistência: as charges do SINTTEL/MG. Organizações & Sociedade, 11(30), 29-48.

Carvalho, G. (2013). Muito além do jornal: a nova imprensa sindical. Revista Estudos em Jornalismo e Mídia, 10(1), 256-273.

Castro, C. (1997). As transformações no mundo do trabalho e a comunicação sindical. Revista FAMECOS, 4(7), 168-179.

Cerrada, J. G. (2011). Espanha e França vistas através do humor gráfico espanhol. In I. Lustosa Org.). Imprensa, humor e caricatura: a questão dos estereótipos culturais (pp. 341-365). Belo Horizonte: Editora UFMG.

Collinson, D. L. (1988). Engineering humour: masculinity, joking and conflict in shop floor relations. Organization Studies, 9(2), 181-199.

Collinson, D. L. (2002). Managing humour. Journal of Management Studies, 39(3), 269-288.

Colombi, A. P. F. (2014). Entre a fragmentação e a ação unificada: uma análise da atuação do Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região durante os anos 2000. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Colombi, A. P., & Krein, J. D. (2016) As mudanças no sistema financeiro e as estratégias da ação sindical: o caso do sindicato dos bancários de São Paulo. Sociol. Antropol., 6(2), 469-494.

Costa, M. R. (2016). O corpo do manifestante das Jornadas de Junho de 2013: a charge e o editorial da Folha de São Paulo. Galáxia, 33, 158-170.

Cruz, H. (2013). Comunicação popular e trabalhadores: redes de comunicação e impressos dos movimentos sindicais e populares de São Paulo – 1970/1990. Projeto História, 48, s/p.

da Silva Junior, J., & Silva, F. V. da. (2021). Já vi esse filme. Porto Das Letras, 7(2), 118-137.

Deleuze, G. (1991). Foucault. São Paulo: Brasiliense.

Eco, U. (1989). Los marcos de la libertad cómica. In U. Eco, V. Ivanov, & M. Rector (Orgs). ¡Carnaval! México: Fondo de Cultura Económica.

Ferreira, M. N. (1988). A imprensa operária no Brasil. São Paulo: Ática.

Ferreira, M. N. (1995). O impasse da comunicação sindical: de processo interativo a transmissora de mensagens. São Paulo, Cebela.

Fischer, R. M. B. (2001). Foucault e a análise do discurso em educação. Cadernos de Pesquisa, 114, 197-223.

Fonseca, J. (1999). Caricatura: a Imagem Gráfica do Humor. Porto Alegre: Artes e Ofícios.

Foucault, M. (1985). História da Sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (2007). A Arqueologia do Saber. 7ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2013). Microfísica do poder. (R. Machado, Trad.) Rio de Janeiro: Graal.

Godioli, A., & Pedrazzini, A. (2019). Falling stars and sinking ships: framing and metaphor in cartoons about Brexit. Journal of European Stuudies, 49(4), 302-323.

Gombrich, E. H. (1999). O arsenal do cartunista. In: Meditações sobre um cavalinho de pau. São Paulo: Edusp.

Gonçalves, T. M. (2017). Charge e humor: eis a questão. Percursos Linguísticos, 7(15), 186-204.

Goodwin, R. (2011). A monovisão dos estereótipos no desenho de humor contemporâneo. In I. Lustosa (Org.). Imprensa, humor e caricatura: a questão dos estereótipos culturais (pp. 519-534). Belo Horizonte: editora UFMG.

Gurgel, N. (2004). A charge numa perspectiva discursiva. Primeira Versão, 135(9), 1-9.

Hardy, C., & Phillips, N. (1999). No joking matter: discursive struggle in the Canadian refugee system. Organization Studies, 20(1), 1-24.

Junckes, I. J. (2009). Sindicalismo pragmático dos bancários do século XXI. Revista da ABET, 8(1).

Kuipers, G. (2011). The politics of humour in the public sphere: Cartoons, power and modernity in the first transnational humour scandal. European Journal of Cultural Studies, 14(1), 63-80.

Martins, S. P. (2000). Participação dos empregados nos lucros das empresas. 2ª. ed. São Paulo: Atlas.

Medeiros, C. R., & Alcadipani, R. (2016). In the corporate backstage, the taste of revenge: misbehaviour and humor as form of resistance and subversion. Revista de Administração, 51(2), 123-136.

Miani, R. A. (2012). Charge: uma prática discursiva e ideológica. Revista 9ª. Arte, 1(1), 37-48.

Miani, R. A. (2016). Coletâneas de charges da imprensa sindical: fontes visuais para uma história a contrapelo. Tempo & Argumento, 8(18), 249-267.

Motta, R. P. S. (2006). Jango e o Golpe de 1964 na caricatura. Rio de Janeiro: Zahar.

Oliveira, L. & Marques, A. C. S. (2012). A imagem de organizações públicas e o sentido de público no discurso de charges sobre Belo Monte. Líbero (FACASPER), 15, 59-70.

Oliveira, R. V. (2002). Sindicato cidadão: novos rumos do sindicalismo brasileiro? Oficina do Ces, 166, 1-22.

Ottoni, M. A. (2007). Os gêneros do humor no ensino de língua portuguesa: uma abordagem discursiva crítica. Tese de Doutorado, Universidade de Brasília, DF, Brasil.

Pena, F. G., Saraiva, L. A. S., Silva, M. A. F., & Lage, M. L. C. (2017). Entre os mecanismos de controle e a resistência: um estudo sobre as relações de poder nas organizações a partir da análise de charges. Gestão & Conexões, 6(2), 31-53.

Pires, M. C. F. (2014). Derrisão e ironia cínica no humor contemporâneo: os limites entre o politicamente incorreto e o incorretamente político. História, 33(2), 470-488.

Possenti, S. (2010). Humor, língua e discurso. São Paulo: Editora Contexto.

Possenti, S. (2020). Estudos Linguísticos, humor, política e ensino de Língua. Revista Heterotópica, 2(1), 51-60.

Rodrigues, S. B. & Collinson, D. L. (1995). Having fun? Humour as resistance in Brazil. Organization Studies, 16(5), 739-768.

Saliba, E. T. (2017). História Cultural do Humor: balanço provisório e perspectivas de pesquisas. Revista de História, 176, 1-39.

Santos, R. P., & Miani, R. A. (2015). Iconografia de uma despedida: o adeus a Nelson Mandela por meio da charge. Discursos Fotográficos, 11(19), 95-117.

Silva, A, C. (2017). Referenciação e Humor em Charges. Percursos Linguísticos, 7(15).

Silva, J. S. (2012). O percurso semântico das acepções do termo humor. Anais do SIELP, 2(1).

Souza, J. W. A. (2015). Analisando o discurso e o humor nas charges: do material linguístico à materialidade discursive. Revista Claraboia, 2(2), 70-82.

Taylor, P., & Bain, P. (2003). Subterranean worksick blues: Humour as subversion in two call centres. Organization Studies, 24(9), 1487-1509.

Tomazi, M. M. (2011). Uma análise discursiva da construção do humor no gênero charge. Revista (Con) Textos Linguísticos, 5(5), 140-156.

Tonelli, M. J., & Zambaldi, F. (2019). Humor na academia e pesquisas sobre humor. Revista de Administração de Empresas, 59(2), 80-81.

Travaglia, L. C. (2015). Texto humorístico: o tipo e seus gêneros. In A. C. Carmelino (Org). Humor eis a questão. São Paulo: Cortez.

Valadão, V. M., Medeiros, C. R. O., & Teixeira, F. D. (2017). Luz, câmera, ação! Quando a resistência ao poder e controle organizacional provoca o riso. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, 6(2), 75-92.

Vidal Maia, J. & Matias, A. F. (2018). Análise semiolinguística na constituição de sentido e encenação argumentativa da charge jornalística. Letras Escreve, 8(2), 33-46.

Vivona, B. D. (2014). “To laugh or not to laugh”: Understanding the appropriateness of humour and joking in the workplace. The European Journal of Humour Research, 2(1), 1-18.

Weaver, S., & Mora, R. A. (2015). Introduction: tricksters, humour and activism. International Journal of Cultural Studies, ed. especial, 1-7.

Weick, K. E., & Westley, F. (2004). Aprendizagem organizacional: confirmando um oximoro. In S. R. Clegg, C. Hardy, & W. Nord (Orgs.). Handbook de Estudos Organizacionais. (Vol. 3). São Paulo: Atlas.

Westwood, R., & Johnston, A. (2011). Reclaiming authentic selves: control, resistive humour and identity work in the office. Organization, 19(6), 787-808.