A Qualidade de Vida no Trabalho e sua Relação com a Produtividade e Lucratividade de uma Empresa de Serviço de Pequeno Porte Outros Idiomas

ID:
64713
Resumo:
A Qualidade de Vida no Trabalho tem sido considerada um agente impulsor da vantagem competitiva das organizações. Sua implantação promove um ambiente de trabalho mais desenvolvido e prazeroso aos empregados, que respondem com aumento de produtividade e lucratividade, levando a empresa a atuar no ciclo de sucesso, pois há uma sintonia entre o bem-estar do empregado e o êxito financeiro da empresa. Com esse enfoque, este estudo, baseado em pesquisas bibliográficas e de campo, se propõe a verificar se a produtividade e lucratividade de uma pequena empresa de serviço são consequência do investimento que ela faz em programas de QVT, oferecendo, aos empregados, planos de carreiras, remuneração compatível com o mercado, incentivo ao desenvolvimento das competências, ‘empoderamento’, autonomia e outras práticas que, conforme a teoria, colocariam as organizações de serviço no ciclo de excelência. Os resultados mostraram que a produtividade e lucratividade da empresa pesquisada não são consequência exclusiva do investimento em programas de QVT, pois a empresa tem apenas uma ação de qualidade de vida e o ambiente de trabalho não é saudável, no entanto, suas margens de lucratividade e produtividade são médias, quando deveriam ser baixas, demonstrando, com isso, que há outras variáveis interferindo nesse processo.
Citação ABNT:
MASSI, M. L. G.; CAMARGO, L. A. A. A Qualidade de Vida no Trabalho e sua Relação com a Produtividade e Lucratividade de uma Empresa de Serviço de Pequeno Porte . Revista ENIAC Pesquisa, v. 10, n. 2, p. 312-327, 2021.
Citação APA:
Massi, M. L. G., & Camargo, L. A. A. (2021). A Qualidade de Vida no Trabalho e sua Relação com a Produtividade e Lucratividade de uma Empresa de Serviço de Pequeno Porte . Revista ENIAC Pesquisa, 10(2), 312-327.
DOI:
https://doi.org/10.22567/rep.v10i2.772
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/64713/a-qualidade-de-vida-no-trabalho-e-sua-relacao-com-a-produtividade-e-lucratividade-de-uma-empresa-de-servico-de-pequeno-porte-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Alves, F., Lins, J. (2013) Temas Empresariais Capital humano A gestão de pessoas num mundo em transformação (p. 12). Recuperado em 19 de Setembro, 2019 de https://www.pwc.com.br/pt/publicacoes/revista-temas-empresariais/assets/capital-humano-13.pdf

Arellano, E. B.; Limongi-França, A. C.(2013). Análise crítica dos indicadores dos programas de qualidade de vida no trabalho no Brasil. O Mundo da Saúde (CUSC. Impresso), v. 37, p. 141-151.

Assis, R. V. de, (2009), Dinâmica organizacional da empresa moderna: as relações jurídicas de trabalho frente às transformações político-econômicas do século XXI Piracicaba Recuperado em 03 de Novembro, 2019 de https://www.unimep.br/phpg/bibdig/pdfs/2006/RGCNTLPJMVJB.pdf

Chiavenato, Idalberto. (1999). Gestão de pessoal: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. 13ª Ed. Rio de Janeiro: Campus.

Dutra, J. de S.; Dutra, T. A. & Dutra, G.A. (2017). Gestão de Pessoas: realidade atual e desafios futuros. São Paulo: Atlas.

Equipe FIA Lucas, A.; Tumelero, C.; Veloso, E.: Vicentin, R.; Wahnon, V. & Amorim, W. (2019). As 10 Melhores Empresas para se Trabalhar no Brasil e a Qualidade de Vida no Trabalho. Revista da Universidade Presbiteriana Mackenzie, 1-16

Fernandes, F. do C., Rosito, G. A., Teixeira, M. M. S., Mota, G. A., Patrício, J. da S., Moraes, G. C. de; Kiorsak, V. V. (2006) Brasília: Revista Brasileira de Inteligência.

Freire, M. G.. (2013) Qualidade de Vida no Trabalho. Brasília: UNICEUB.

Kliksberg, B. (1992) A Gerência No Final Do Século XX. Artigo recebido em dez. 1991 e aceito em maio 1992. Rio de Janeiro.

Lobo, A. Qualidade e Produtividade. (2003) Recuperado em 25 de Fevereiro, 2020 de http://repositorios.inmetro.gov.br/bitstream/10926/760/1/2003_AlfredoLobo.pdf

Lovelock, C. ; Hemzo, M.A. & Wirtz, M. A. H. (2011) Marketing de serviços: pessoas, tecnologia e estratégia. (7 ed.). São Paulo: Pearson Prentice Hall. Tradução Sônia Midori Yamamoto.

Macedo, M. de M., Gestão da Produtividade de Nas Empresas. (2012) Revista Organização Sistêmica. Vol 1. Recuperado em 24 de Fevereiro, 2020 de https://www.uninter.com/revistaorganizacaosistemica/index.php/organizacaoSistemica/article/viewFile/65/39

Machline, C. (1985). Planejamento e controle de produção na indústria nacional de bens de equipamento. Rev. adm. Empres 25(2): 5-28.

Marques, J. R., Relações Humanas no Trabalho – Definidoras de Sucesso ou Fracasso de uma Empresa. (2019). Recuperado em 29 de Setembro, 2019 de: https://www.ibccoaching.com.br/portal/relacoes-humanas-no-trabalho-definidoras-sucesso-ou-fracasso-empresa/

Martins, M. A (2006). Avaliação de desempenho empresarial como ferramenta para agregar valor ao negócio. Revista Com Texto, Porto Alegre, v. 6, n. 10, 2º semestre. 2006.

Massi, M., Pereira, K., Santana, R., Gonçalves, S., Souza, V., Silva, V., & Silva, W. (2010). Investimentos em recursos humanos em dez micro e pequenas empresas de Osasco e região. Revista Científica Hermes FIPEN, 3. doi:http://dx.doi.org/10.21710/rch.v3i0.32

Monteiro, S.; Martins, L. L. B. M.; Alves, R. A.; Paulista, P. H. (2015). Gestão de Pessoas: A valorização do Humano como um Diferencial para o Êxito de uma Organização. XXXV Enegep – Encontro Nacional de Engenharia de Produção.

Moretti, S., (?) Qualidade de Vida no Trabalho X Auto-Realização Humana. Instituto Catarinense de Pós Graduação. Recuperado em 29 de Setembro, 2019 de: http://www.ergonomia.ufpr.br/PB%20qvt%20realiz%20humana.pdf

Reggiani, G. B., Prada, N., Figueiredo, d. F. Gestão da produtividade: metodologia aplicada a uma indústria de bebidas. Xii simpep, (2005). Recuperado em 05 de novembro, 2019 de www.simpep.feb.unesp.br.

Rocha, R. A. da, Guilhon, P. de T. (1997?), Intrapreneur: Multiplicador De Novos Negócios Recuperado em 29 de Setembro, 2019 de http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP1997_T7302.PDF

Santana, L. D., Gosling, M. S., “P” de Pessoas em Foco: Indicadores Epidemiológicos e QVT. Artigo submetido em Setembro de 2017 e aceito em dezembro de 2017.

Schenatto, F. J. A,, Lezana, Á. G. R. (2001) O Intraempreendedor Como Agente De Mudança Nas Instituições Públicas Federais De Educação Superior Paraná CEFET-PR Recuperado em 07 de Novembro, 2019 de http://www.abenge.org.br/cobenge/arquivos/18/trabalhos/EMP001.pdf

Schlesinger, L. A. and Heskett, J. L. (1991) Breaking the Cycle of Failure in Services, Sloan Management Review, vol. 32, no. 3, Spring, pp. 17-28.

Secco, W. (2014). Principais fatores que afetam a produtividade nas indústrias de Pato Branco. Monografia. Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR – Câmpus de Pato Branco. Paraná. Brasil. Recuperado em 29 de Setembro, 2019 de http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/3368/1/PB_EGCF_IX_2014_17.pdf

Serva, M. (1997) Racionalidade substantiva demonstrada na prática administrativa. Revista de Administração de empresas, São Paulo, v.37, n.2: 18-30.

Sink, D. Scott; Tuttle, Thomas C. (1993) Planejamento e medição para performance. Rio de Janeiro: Quality Mark, 1993

Sucesso, E. de P. B., (1998) Trabalho e Qualidade de Vida. Rio de Janeiro: Qualitymark Editora e Dunya Editora.

Vasconcelos, A. F., Qualidade de Vida no Trabalho: Origem, Evolução e Perspectivas (2001) São Paulo. Caderno de Pesquisas em Administração. Recuperado em: 09 de Novembro. 2019 de: http://www.luzimarteixeira.com.br/wpcontent/uploads/2009/06/qualidade-de-vida-no-trabalho-origem.pdf