Por uma nova interpretação das mudanças de paradigma na administração pública Outros Idiomas

ID:
6917
Autores:
Periódico:
Resumo:
O objetivo deste ensaio é identificar e aprofundar a análise dos paradigmas presentes no campo teórico da administração pública no Brasil. Além de salientar as transformações, trata-se de demonstrar a continuidade paradigmática presente nos estudos do campo em questão. A hipótese central deste texto é de que, embora tenhamos assistido a mudanças paradigmáticas nas duas últimas décadas, o campo da administração pública ainda é dominado – assim como nas ciências sociais e na teoria de organizações – por uma concepção funcionalista da ciência. Para demonstrar essa hipótese, utilizamos a seguinte metodologia para construção do argumento epistemológico e consequentemente para elaboração deste ensaio: (i) Partimos de um diálogo com o trabalho de Keinert (1994, 2000), fazendo uma leitura que aponta os limites e busca complementar o mesmo; (ii) examinamos criticamente a trajetória do campo da administração pública no Brasil e as diferentes correntes teóricas que o compõem, com base no modelo de paradigmas construído por Burrell e Morgan (2008); (iii) analisamos então quatro correntes principais que compõem hoje o campo, as quais denominamos de Estadocêntrica; Pluralista; Nova Administração Pública e Novo Serviço Público, caracterizando cada uma delas e identificando os paradigmas nos quais elas estão ancoradas. Para concluir, apresentamos uma síntese, demonstrando o predomínio do paradigma funcionalista no campo da administração pública brasileira e chamando a atenção para a necessidade de se pensar novos caminhos metateóricos pouco explorados (CALDAS, 2007), tendo como inspiração referenciais críticos e interpretativos.
Citação ABNT:
ANDION, C.Por uma nova interpretação das mudanças de paradigma na administração pública. Cadernos EBAPE.BR, v. 10, n. 1, p. 1-19, 2012.
Citação APA:
Andion, C.(2012). Por uma nova interpretação das mudanças de paradigma na administração pública. Cadernos EBAPE.BR, 10(1), 1-19.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/6917/por-uma-nova-interpretacao-das-mudancas-de-paradigma-na-administracao-publica/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABRUCIO, L. F. Trajetória recente da gestão pública brasileira: um balanço crítico e a renovação da agenda de reformas. Rev. Adm. Pública, Edição Especial Comemorativa, p.67-87, 2007.

ALCADIPANI, R.; TURETA, C. Teoria do ator-rede e estudos críticos em administração: possibilidades de um diálogo. Cad. EBAPE.BR, v.7, n. 3, artigo 2, p. 406-418, 2009.

ALFORD, J. Why do Public-sector clients coproduce? Toward a contingency theory. Administration & Society, v. 34, n. 1, p. 32-56, março, 2002.

ARGYRIS, C.; SCHON, D. Organizational Learning. Reading: Addison-Wesley, 1978.

ARRETCHE, M. T. S. Políticas Sociais no Brasil: descentralização em um Estado federativo. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 14, n. 40, p. 11-141, junho, 1999.

BERNIER, L.; BOUCHARD, M.; LÉVESQUE, B. Attending to the general interest: new mechanisms for mediating between the individual, collective and general interest in Québec In CIRIEC Annals of Public and Cooperative economics. Oxford: Blackwell Publishing, v. 74, n. 3, setembro, 2003.

BERTHELOT, J.-M. Épistemologie des Sciences Sociales. Paris: PUF, 2001.

BRUDNEY, J.; ENGLAND, R. Toward a definition of the coproduction concept. Public Administration Review, v. 43, n.1, p. 59-65, 2003.

BURRELL, G; MORGAN, G. Sociological Paradigms and Organisational Analysis. Hants: Ashgate, 2008.

CALDAS, M. Paradigmas em estudos organizacionais: uma introdução à série. In CALDAS, M; BERTERO, C. O. Teoria das Organizações. Série RAE Clássicos. São Paulo: FGV/RAE/Atlas, 2007.

CERCHIARO, I.B.; AYROSA, E.A.T; ZOUAIN, D.M. A aplicação de abordagens feministas na pesquisa em administração. Cad. EBAPE.BR, v.7, n. 4, artigo 9, p. 650-664, 2009.

COELHO, F. de S. A problemática atual do ensino de graduação em administração pública no Brasil. Cad. EBAPE.BR, Número Especial, p. 1-21, Agosto, 2008.

COOPER, T. L.; KATHI, P. C. Neighborhood councils and city agencies: a model of collaborative coproduction. National Civic Review, p. 43-53, Spring, 2005.

DAGNINO, E. Sociedade Civil, Espaços Públicos e a Construção Democrática no Brasil: Limites e Possibilidades. In: DAGNINO, E. (Org.). Sociedade Civil e Espaços Públicos no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

DENHARDT, J.V.; DENHARDT, R.B. The New Public Service. Serving, not Steering. New York: M.E Sharpe, 2003.

DENHARDT, R.B. Teorias da Administração Pública. São Paulo: Cengage Learning, 2011.

DINIZ, E. Globalização, Reforma do Estado e Teoria Democrática Contemporânea. São Paulo em Perspectiva, v. 15, n. 4, p. 13-22, 2001.

DURAN, P. ; THOENIG, J-C. L'État et la gestion publique territoriale. In: Revue Française de Science Politique, 46e année, n° 4, p. 580-623, 1996.

ENJOLRAS, B. Gouvernance et intêret general dans les services sociaux et de santé. Bruxelles: CIRIEC/Peter Lang, 2008.

FARAH, M.F.S. ; BARBOZA, H.B. (Org.). Novas experiências de gestão pública e cidadania. Rio de Janeiro: FGV, 2001.

FERLIE, E.; ASBURNER, L.; FITZGERALD, L. et al. A Nova Administração Pública em Ação. Brasília: Editora UNB/ENAP, 1999.

GAETANI, F. O ensino da administração Pública em um momento de inflexão. Revista do Serviço Público, v. 50, n. 4, p. 95-118, Out-Dez, 1999.

GARSON, G. D.; OVERMAN, S. Public Management Research in the United States. New York: Praeger Publishers, 1983.

GHON, M. G. Teoria dos Movimentos Sociais. Paradigmas Clássicos e Contemporâneos. São Paulo: Loyola, 2011.

GRAMSCI, A. La politica y lo Estado Moderno. Barcelona: Peninsula, 1971.

GULICK, L. Notes on the theory of organization In: GULICK, L; URWICK, L. (Org.). Papers on Science Administration. Nova York: Institute of Public Administration, p.1-46, 1937.

KAUFMAN, R. A política da reforma do Estado: um exame de abordagens teóricas. Revista do Serviço Público, Brasília: ENAP, v. 49, n. 1, p. 43-68, 1998.

KEINERT, T. M. M. Administração Pública no Brasil: crise e mudanças de paradigma. Annablume: FAPESP, 2000.

KEINERT, T. M. M. Os paradigmas da administração pública no Brasil (1900-1992). Rev. Adm. Pública, v. 34, n. 3, p.41-48, 1994.

KETTL, D.F. A revolução global: reforma da administração do setor público. In: BRESSER PEREIRA. L. C. Reforma do Estado e Administração Pública Garencial. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2003.

KHUN, T. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 1987.

KOOIMAN, J. (Ed.). Modern Governance. Londres: Sage, 1993.

LINDBLOM, C. The Science of Muddling Through. Public Administration Review, v. 19, p. 79-88, primavera, 1959.

LIPIETZ, A. Audácia: uma alternativa para o século XXI. São Paulo: Nobel, 1991.

MARCH, J.; OLSEN, J. Democratic Governance. New York, The Free Press, 1995.

MARSHALL, G. The State of Public Management. Public Administration Review, v. 58, 1998.

MARSHALL, M. J. Citizen participation and the neighborhood context: a new look at the coproduction of local public goods. Political Research Quarterly, v. 57, n. 2, p. 231-244, june 2004.

MENEGHETTI, F.K. Pragmatismo e os pragmáticos nos estudos organizacionais. Cad. EBAPE.BR, v. 5, n. 1, p. 1-13, 2007.

MILANI, C. R. S. O princípio da participação social na gestão de políticas públicas locais: uma análise de experiências latino-americanas e européias. Rev. Adm. Pública, v. 42, n. 3, p. 551-79, Maio/Jun de 2008.

MORGAN, G. Paradigmas, metáforas e resolução de quebra-cabeças na teoria das organizações. In: CALDAS, M; BERTERO, C. O. Teoria das Organizações. Série RAE Clássicos. São Paulo: FGV/RAE/Atlas, 2007.

MORIN, E.; Le MOIGNE, J.-L. L’inteligence de la complexité. Paris: l’Harmattan, 1999.

NADIR Jr., A. M.; SALM, J. F.; MENEGASSO, M. E. Estratégias e ações para a implementação do ICMS ecológico por meio da co-produção do bem público. Revista de Negócios, Blumenau, v.12, n.3, p. 62-73, julho/setembro, 2007.

NOGUEIRA, M. A. Um Estado para a sociedade civil. São Paulo: Cortez, 2005.

NUNES, E. O. A Gramática Política do Brasil. Clientelismo e insulamento burocrático. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

OFFE, C. New Social Mouvements: Challenging the Boundaries of Institutional Politics. Social Research, n.52, p. 817-68, 1985.

OSBORN, D.; GAEBLER, E. Reinventing Government. Reading Mass: Addisson-Wesley, 1992.

OSTROM, E. An Agenda for the study of Institutions. Public Choice, v. 48, p. 3-25, 1986.

PAES DE PAULA, A.P. Mauricio Tratenberg: contribuições de um marxista anarquizante para os estudos organizacionais críticos. Rev. Adm. Pública, v. 42, n. 5, p. 949-68, set/out, 2008.

PAES DE PAULA, A.P. Por uma Nova Gestão Pública. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

POLLITT, C.; BOUCKAERT, G. Avaliando reformas da gestão pública: uma perspectiva internacional. Revista do Serviço Público, v. 53, n. 3, Jul-Set, 2002.

POLLITT, C. Managerialism and Public Service. 2d ed. Cambridge: Bail Blackwell, 1993.

POULANTZAS, N. O Estado, o poder, o socialismo. Rio de Janeiro: Graal, 1981.

POULANTZAS, N. Poder Político e Classes Sociais. São Paulo: Martin Fontes, 1977.

RAMOS, A. G. Administração e Contexto Brasileiro. Rio de Janeiro: FGV, 1966.

RAMOS, A. G. A Nova Ciência das Organizações. Rio de Janeiro: FGV, 1989.

SCHERER-WARREN I.; KRISCHKE, P. J. (Org.) Uma revolução no cotidiano? Os novos movimentos sociais na América do Sul. São Paulo: Brasiliense, 1987.

SÉGUIN, F. ; CHANLAT, J.-F. L’analyse des organizations: une anthologie sociologique. Tome I. Les Theories des Organisations. Montreal: Gaetan Morin, 1992.

SERVA, M.; DIAS, T.; ALPERSTEDT, G. O paradigma da complexidade e a teoria das organizações: uma reflexão epistemológica. Revista de Administração de Empresas, v. 50, p. 276-287, 2010.

SIMON, H. A. The administrative behavior. Nova York: Macmillan, 1957.

SOUSA SANTOS, B. Conhecimento prudente para uma vida decente. Um discurso sobre as ciências revisitado. Porto: Edições Afrontamento, 2003.

SOUSA SANTOS, B.. Democratizar a democracia: os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

SOUSA SANTOS, B. Um discurso sobre as ciências. Porto: Edições Afrontamento, 1988.

TELLES, V. S. Movimentos sociais: reflexões sobre a experiência dos anos 70. In: SCHERER-WARREN I.; KRISCHKE P. J. (Org.). Uma revolução no cotidiano? Os novos movimentos sociais na América do Sul. São Paulo: Brasiliense, 1987.

WALDO, D. The Administrative State. Nova York, Ronald Press, 1948.

WEBER, M. Économie et société. Paris: Plon, 1971.

WEBER, M. L’etique protestante et l’esprit du capitalisme. Paris: Plon, 1964.

WHITAKER, G. P. Coproduction: Citizen Participation in Service Delivery. Public Administration Review, p. 240-246, Maio-Junho, 1980.

WHITE, L. D. Introduction to the study of public administration. Nova York: Macmillan, 1948.

WILLIAMSON, O. The Economic Institutions of Capitalism: Firms, Markets, Relational Contracting. New York: The Free Press, 1985.

WILSON, W. The study of Administration. Political Science Quartely, v.2, p.197-222, jun.1887.