Reflexividade e articulação empreendedora na sociedade contemporânea: podemos fazer diferente? Outros Idiomas

ID:
6966
Resumo:
Neste início de novo milênio, inúmeras tensões contemporâneas nos levam a refletir sobre “as principais questões públicas para a coletividade e as preocupações-chave dos indivíduos em nossa época”. Não estariam estas questões e preocupações inter-relacionadas numa visão de mundo reflexiva? A Teoria da Estruturação de Anthony Giddens oferece inspiração inicial para observarmos a relação agênciaestrutura. As ideias reflexivas de Ulrich Beck nos mostram que, quer a observemos ou não, a “reflexividade” é algo inerente ao nosso tempo. Uma articulação empreendedora de caráter reflexivo surge então como uma possível (re)ação reflexiva e, consequentemente, fenômeno a ser investigado. Como esta pode se dar na sociedade contemporânea? Eis a principal indagação sobre a qual aqui refletimos teoricamente com base na pesquisa realizada.
Citação ABNT:
SÁ, M. G.; MELLO, S. C. B. Reflexividade e articulação empreendedora na sociedade contemporânea: podemos fazer diferente?. Revista de Administração Pública, v. 46, n. 1, p. 249-270, 2012.
Citação APA:
Sá, M. G., & Mello, S. C. B. (2012). Reflexividade e articulação empreendedora na sociedade contemporânea: podemos fazer diferente?. Revista de Administração Pública, 46(1), 249-270.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/6966/reflexividade-e-articulacao-empreendedora-na-sociedade-contemporanea--podemos-fazer-diferente-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BAUDRILLARD, Jean. Consumer society. In: POSTER, Mark.Selected wrintings. Cambridge: Polty Press, 1998. p. 29-142.

BECK, Ulrich. A reinvenção da política: rumo a uma teoria da modernidade reflexiva. In: GIDDENS, Anthony; BECK, Ulrich; LASH, Scott. Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. São Paulo: Unesp, 1997.

BECK, Ulrich. Risk society: towards a new modernity. Londres: Sage, 1992.

BELL, Daniel. O advento da sociedade pós-industrial. São Paulo: Cultrix, 1973.

BERGER, Peter L.; LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. 22. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1985.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede: a era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1999a. v. 1.

CASTELLS, Manuel. O poder da identidade: a era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1999b. v. 2.

COHEN, Ira J. Teoria da estruturação e práxis social. In: GIDDENS, Anthony; TURNER, Jonathan (Org.). Teoria social hoje. São Paulo: Unesp, 1999. p. 393-446.

GIDDENS, Anthony. A constituição da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

GIDDENS, Anthony. Central problems in social theory. Berkeley: University of California Press, 1979.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

GIDDENS, Anthony. Mundo em descontrole. Rio de Janeiro: Record, 2000.

GIDDENS, Anthony. Política, sociologia e teoria social: encontros com o pensamento clássico e contemporâneo. São Paulo: Unesp, 1997.

GIDDENS, Anthony. The constitution of society. Berkeley: University of California Press, 1984.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

JUNQUILHO, Gelson S. Condutas gerenciais e suas raízes: uma proposta de análise à luz da teoria da estruturação. RAC — Revista de Administração Contemporânea, São Paulo, v. 7, edição especial, p. 101-120, 2003.

MELLO, Sérgio C. B. de; SÁ, Marcio G. de. Tecendo uma virtuosa colcha de retalhos: a constituição e interpretação de um corpus linguístico num estudo sobre reflexividade e articulação empreendedora. RAP — Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 40, n. 3, p. 385-410, 2006.

MILLS, C.W. A imaginação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1982.

OGBOR, John. O. Mythicizing and reification in entrepreneurial discourse: ideology-critique of entrepreneurial studies. Journal of Management Studies, v. 37, n. 5, p. 605-635, 2000.

PAIS, José Machado. Vida cotidiana: enigmas e revelações. São Paulo: Cortez, 2003.

ROLEAU, L.; JUNQUILHO, G.S. Annalyse organisationnelle et théorie de la estruturation: le renouvellement du projet moderniste. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO EM PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, XXII, 1998, Foz do Iguaçu. Anais...Foz do Iguaçu: Anpad, 1998.

SÁ, Marcio G. de; MELLO, Sérgio C.B. de. Aprendendo com as narrativas num estudo sobre reflexividade e articulação empreendedora. RAP — Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 43, n. 1, p. 175-205, jan./fev. 2009.

SÁ, Marcio G. de; MELLO, Sérgio C.B. de. No hemisfério da razão, consolidando focos e questões de interesse: observação e descrição densa num estudo sobre reflexividade e articulação empreendedora. READ — Revista Eletrônica da Administração, Porto Alegre, v. 11, n. 6, p. 1-24, nov./dez. 2005b.

SÁ, Marcio G. de; MELLO, Sérgio C.B. de. Reflexividade e articulação na sociedade contemporânea: podemos fazer diferente? In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, XXIX, Caxambu, 2005a.

SÁ, Marcio G. de. Podemos ouvir anthropological bluesna pesquisa em administração? In: ENANPAD, XXX, Salvador, 2006. Anais...

SÁ, Marcio G. de. Reflexividade e articulação empreendedora na sociedade contemporânea: podemos fazer diferente? Dissertação (mestrado) — Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2005.

SCHÖN, Donald A. The reflective practitioner: how professionals think in action. Aldershot, Hants, UK: Arena — Ashgate Publishing Limited, 1991.

STAKE, Robert E. Case studies. In: DENZIN, N.K.; LINCOLN, Y.S. (Ed.). Handbook of qualitative research. Thousand Oaks: Sage, 1994. p. 236-247.

STAKE, Robert E. The art of case study research. Thousand Oaks: Sage, 1995.

STEVENSON, Nick. Consumer culture, ecology and the possibility of cosmopolitan citizenship. Consumption, Market and Culture, v. 5, n. 4, p. 305-319, 2002.

VIRILIO, Paul. Velocidade e política. São Paulo: Estação Liberdade, 1997.

WILK, Richard. Consuming morality. Journal of Consumer Culture, v. 1, n. 2, p. 245-260, 2001.