Ecos da contribuição de Guerreiro Ramos para a divulgação da obra de Weber no campo de estudos organizacionais (EOs) Outros Idiomas

ID:
6969
Resumo:
Em 1946, Guerreiro Ramos publica a resenha “A sociologia de Max Weber — sua importância para a teoria e a prática da administração”, na Revista do Serviço Público — RSP. Nela, mais do que apresentar ao leitor a obra de Weber Economia e sociedade, com foco em sua metodologia, também procura demonstrar sua aplicabilidade no trato das questões da administração pública e sua relevância num país “culturalmente colonial” como o Brasil. A considerar as especificidades da produção de conhecimento no campo de estudos  organizacionais e o fato de Guerreiro Ramos expressar, no ensaio, uma visão que não é a que prevaleceu no campo, mas que é fiel à sociologia compreensiva e à metodologia ideal-típica, cabe aqui o esforço de reiterar o referido trabalho de Guerreiro Ramos a partir da proposição de uma discussão de caráter teórico conceitual com base no conteúdo resenhado relacionado à construção metodológica da crítica ideal-típica.
Citação ABNT:
CÂMARA, L. M.Ecos da contribuição de Guerreiro Ramos para a divulgação da obra de Weber no campo de estudos organizacionais (EOs). Revista de Administração Pública, v. 46, n. 1, p. 315-331, 2012.
Citação APA:
Câmara, L. M.(2012). Ecos da contribuição de Guerreiro Ramos para a divulgação da obra de Weber no campo de estudos organizacionais (EOs). Revista de Administração Pública, 46(1), 315-331.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/6969/ecos-da-contribuicao-de-guerreiro-ramos-para-a-divulgacao-da-obra-de-weber-no-campo-de-estudos-organizacionais--eos-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ADÚRIZ-BRAVO, A. Elementos de teoría y de campo para la construcción de un análisis epistemológico de la didáctica de las ciencias. Tesis (maestría) — Universitat Autònoma de Barcelona, 1999.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1979.

BENDIX, Reinhard. Construção nacional e cidadania: estudos de nossa ordem social em mudança. São Paulo: Edusp, 1996.

BERTERO, C.O.; CALDAS, M.P.; WOOD JR., T. A produção de conhecimento científico em administração no Brasil. RAC, v. 3, n. 1, jan./abr. 1999.

BEZERRA,Benedito Gomes. A organização retórica de resenhas acadêmicas. Linguagem em (dis)curso, Tubarão, v. 1, n. 1, 2000.

BLAU, Peter Michael; SCOTT, W. Richard. Organizações formais: uma abordagem comparativa. São Paulo: Atlas, 1970.

BOURDIEU, Pierre. A profissão de sociólogo: preliminares epistemológicas. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Unesp, 2004.

BRUYNE, Paul de; HERMAN, Jacques; SCHOUTHEETE, Marc de. Dinâmica da pesquisa em ciências sociais. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977.

BURRELL, G.; MORGAN, G. Sociological paradigms and organizational analysis. London: Heineman, 1979.

COHEN, Jere. De-Parsonizing Weber: a critique of Parsons’ interpretation of Weber’s sociology. American Sociological Review, v. 40, p. 229-241, Apr. 1975.

COHN, Gabriel. Alguns problemas conceituais e de tradução em Economia e sociedade. In: WEBER, Max.Economia e sociedade. 3. ed, v. 1-2. Brasília: Universidade de Brasília, 2000.

COHN, Gabriel. Crítica e resignação: fundamentos da sociologia de Max Weber. São Paulo: T.A. Queiroz, 1979.

COHN, Gabriel. (Org.) Weber. 4. ed. São Paulo: Ática, 1989. (Grandes Cientistas Sociais).

DEMO, Pedro. Teoria — para quê? Gestão (Org.), v. 3, n. 1, jan./abr. 2005. Disponível em: . Acesso em: 5 dez. 2006.

DIAS, Fernando Correia. Presença de Max Weber na sociologia brasileira contemporânea. RAE, Rio de Janeiro, v. 14, n. 4, p. 47-62, jun./ago. 1974.

FACHIN, R.; RODRIGUES, S.B. Nova técnica: teorizando sobre organizações — vaidades ou pontos de vista? In: CLEGG, Stewart et al. (Org.). Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 1998.

FISCHER, Tânia. Alice através do espelho ou Macunaíma em campus papagali? Mapeando rotas de ensino dos estudos organizacionais no Brasil. O&S, v. 10, n. 28, 2003.

GIERE, R. Del realismo constructivo al realismo perspectivo. Enseñanza de las Ciencias, n. extra, p. 9-13, 1999.

GIROLETTI, Domingos Antônio. Balanço crítico sobre o estado da arte dos estudos organizacionais. In:ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 24, 2000, Florianópolis. Anais...Florianópolis: Anpad, 2000.

GOULDNER, Alvin W. Discussion. American Sociological Review, v. 13, Issue 4, p. 396-400, Aug. 1948.

GUERREIRO RAMOS, Alberto. Administração e contexto brasileiro: esboço de uma teoria geral da administração. Rio de Janeiro: FGV, 1966.

GUERREIRO RAMOS, Alberto. A sociologia de Max Weber — sua importância para a teoria e a prática da administração. Revista do Serviço Público, n. 3, p. 129-139, 1946.

KAST, Fremont Ellsworth; ROSENZWEIG, James E. Organização e administração: um enfoque sistêmico. São Paulo: Pioneira, 1976.

MARCH, James Gardner; SIMON, Herbert Alexander. Teoria das organizações. 4. ed. Rio de Janeiro: FGV, 1966.

MARSDEN, R.; TOWNLEY, B. Introdução: a coruja de Minerva: reflexões sobre a teoria prática. In: CEGG, S.; FACHIN, R.; HARDY, C. Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 2001.

MISOCZKY, Maria Ceci. Uma defesa da reflexão teórico-crítica na pesquisa e prática da administração pública. In: ENCONTRO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E GOVERNANÇA — ENAPG,2004.

MOTTA, Fernando C. Prestes. Teoria das organizações: evolução e crítica. São Paulo: Pioneira, 1986.

NAGEL, Ernest. Structure of science: the problems in the logic of scientific explanation. London: Routledge & Kegan Paul, 1961.

PUGh,D.S. et al. Dimensions of organizationstructure. Administrative Science Quarterly, v. 13, n. 1, p. 65-105, 1968.

ROESCH, Sylvia Maria Azevedo. Quem responde pelo desempenho limitado da produção científica em administração no Brasil? Organizações e Sociedade, set./dez. 2003.

SCHWARTZMAN, Simon. Atualidade de Raymundo Faoro. Dados, Rio de Janeiro, v. 46, n. 2, 2003. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2009.

TRAGTENBERG, M. Weber (1864-1920): vida e obra. In: WEBER, Max. Textos selecionados. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1980. p. 5-24. (Os Pensadores).

TURNER, Jonathan H. Teorização analítica. In: GIDDENS, Anthony; TURNER, Jonathan. Teoria social hoje. São Paulo: Unesp, 1999. p. 229-280.

UDY JR., Stanley H. Bureaucracy and racionality in Weber’s organization theory: an empirical study. American Sociological Review, v. 24, n. 6, Dec. 1959.

VILLAR, Afonso Alvarez. Verbete análise do tipo ideal. In: SILVA, Benedito (Coord.). Dicionário de ciências sociais.2. ed. Rio de Janeiro: FGV, 1987.

WEBER, Max. A objetividade do conhecimento nas ciências sociais. In: COHN, Gabriel. Weber. São Paulo: Ática, 1979. p. 79-127.

WEBER, Max. Economia e sociedade. 3. ed., v. 1-2. Brasília: Universidade de Brasília, 2000.

WEBER, Max. Metodologia das ciências sociais. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

WEISS, R.M. Weber on bureaucracy: management consultant or political theorist? Academy of Management Review, v. 8, n. 2, p. 242-248, 1983.

WINCKELMANN, Johannes. Prefácio à quinta edição (1976). In: WEBER, Max.Economia e sociedade. 3. ed, v. 1-2. Brasília: Universidade de Brasília, 2000.