Organização-cidade: proposta de avanço conceitual a partir da análise de um caso Outros Idiomas

ID:
6980
Resumo:
Neste trabalho procura-se contribuir para o desenvolvimento do conceito de organização-cidade nos estudos organizacionais. Para tanto, é analisada a dinâmica de uma cidade do interior de Minas Gerais por meio de uma estratégia qualitativa de pesquisa, tendo o corpus sido formado por entrevistas semiestruturadas em profundidade com representantes de diversos segmentos da população local. O material coletado foi examinado à luz da análise de discurso. Os resultados revelaram que, configurada historicamente em associação com a exploração de recursos minerais e, principalmente, com a Companhia Vale do Rio Doce, Itabira é representada de forma complexa e contraditória, variando de um polo material (cidade operária mineradora) a outro simbólico (cidade cultural). Trata-se de um lugar identitariamente distinto dos demais por sua riqueza e oportunidades, e reconhecido por sua cultura. Os itabiranos, por sua vez, são representados tanto como trabalhadores fortes, submissos, obedientes, quanto como indivíduos com sentimentos intensos, que os impedem de ser leves. As principais implicações do estudo se referem à necessidade de se assumir a cultura como metáfora, já que a cidade é, inescapavelmente, seu povo.
Citação ABNT:
SARAIVA, L. A. S.; CARRIERI, A. P. Organização-cidade: proposta de avanço conceitual a partir da análise de um caso. Revista de Administração Pública, v. 46, n. 2, p. 547-576, 2012.
Citação APA:
Saraiva, L. A. S., & Carrieri, A. P. (2012). Organização-cidade: proposta de avanço conceitual a partir da análise de um caso. Revista de Administração Pública, 46(2), 547-576.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/6980/organizacao-cidade--proposta-de-avanco-conceitual-a-partir-da-analise-de-um-caso/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ARANTES, A.A. O que é cultura popular. 14. ed. São Paulo: Brasiliense, 1990.

BEYNON, H. Trabalhando para a Ford. São Paulo: Paz e Terra, 1995.

CARRIERI, A.P. et al. Estratégias subversivas de sobrevivência na “feira hippie” de Belo Horizonte. Gestão.org, Recife, v. 6, n. 2, p. 174-192, maio/ago. 2008.

CAVEDON, N.R.; FACHIN, R.C. Homogeneidade versus heterogeneidade cultural: um estudo em universidade pública. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 9, n. 25, p. 61-76, set./dez. 2002.

CHAUÍ, M. Conformismo e resistência. 4. ed. São Paulo: Brasiliense, 1989.

CHAUÍ, M. Cultura e democracia. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

COSTA, C.B. Uma história sonhada. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 17, n. 34, p. 52-65, 1997.

CZARNIAWSKA-JOERGES, B. Learning organizing in a changing institution order: examples from a city management in Warsaw. Management Learning, London, v. 28, n. 4, p. 475-495, Dec. 1997.

DE DECCA, E.S. Osilêncio dos vencidos. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 2004.

DEMO, P. Metodologia científica em ciências sociais. São Paulo: Atlas, 1987.

EISENHARDT, K.M. Building theories from case study research. Academy of Management Review, Briarcliff Manor, v. 14, n. 4, p. 532-550, Oct. 1989.

FIORIN, J.L. Linguagem e ideologia. 7. ed. São Paulo: Ática, 2003.

FISCHER, T. A cidade como teia organizacional: inovações, continuidades e ressonâncias culturais — Salvador da Bahia, cidade puzzle. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 31, n. 3, p. 74-88, maio/jun. 1997.

FISCHER, T. et al. Teias urbanas, puzzlesorganizativos: inovações, continuidade e ressonâncias culturais. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, XX, 1996. Anais... Rio das Pedras: Anpad, 1996.

FISCHER, T. Gestão contemporânea, cidades estratégicas: aprendendo com fragmentos e configurações do local. In: FISCHER, T. Gestão contemporânea: cidades estratégicas e organizações locais. Rio de Janeiro: FGV, 1996.

FREITAS, M.E. Cultura organizacional: evolução e crítica. São Paulo: Thomson Learning, 2007.

LARAIA, R.B. Cultura: um conceito antropológico. 12. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

LEONARD-BARTON, D. A dual methodology for case studies: synergistic use of a longitudinal single site with replicated multiple-sites. Organization Science, Hanover, v. 1, n. 3, p. 248-266, Aug. 1990.

MAC-ALLISTER, M. A cidade no campo dos estudos organizacionais. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 11, edição especial, p. 171-181, 2004.

MAC-ALLISTER, M. Organização-cidade: uma contribuição para ampliar a abordagem do objeto cidade como objeto de estudo no campo dos estudos organizacionais. Tese (doutorado em administração) — Escola de Administração, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2001.

MINAYO, M.C.S.; MINAYO, M. Os homens de ferro. Rio de Janeiro: Dois Pontos, 1985.

POLLAK, M. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

REED, M. Teorização organizacional: um campo historicamente contestado. In: CLEGG, S.R.; HARDY, C.; NORD, W.W. (Org.). Handbook de estudos organizacionais: modelos de análise e novas questões de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 2006.

SAHLINS, M. Culture and practical reason. Chicago: Chicago University Press, 1976.

SANTOS, J.L. O que é cultura. 14. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

SARAIVA, L.A.S.; CARRIERI, A.P. Simbolismo e dinâmica nas organizações. In: ENCONTRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS, V, Belo Horizonte, 2008. Anais...Belo Horizonte: Anpad, 2008.

VIEIRA, M.M.F. Por uma boa pesquisa (qualitativa) em administração. In: VIEIRA, M.M. F.; ZOUAIN, D.M. (Org.). Pesquisa qualitativa em administração. Rio de Janeiro: FGV, 2004. p. 13-28.